Conecte-se agora

Educação: o que propõem os candidatos à presidência?

Confira as propostas dos cinco mais bem colocados na disputa

Publicado

em

De eleição em eleição, é de praxe os candidatos elegerem a educação entre as prioridades em seus planos de governo. Dados de avaliações mais recentes da educação brasileira mostram que ainda temos muito a melhorar. No último Pisa – avaliação internacional que mede o desempenho educacional dos alunos de 15 anos em 70 países –, realizado em 2015, o Brasil ocupou a 63º posição em ciências, 59º em leitura e na 66º em matemática. Para 2019, o que pretende fazer os candidatos à presidência mais bem colocados nas pesquisas de intenção de votos para melhorar a educação brasileira? Confira abaixo um compilado das propostas. Os planos de governo podem ser consultados nos sites oficiais das campanhas ou através do Divulgacand, do TSE.

Ciro Gomes (PDT)

Ciro Gomes promete “investir maciçamente em educação”. A intenção do candidato do PDT é reproduzir a nível nacional os resultados obtidos em Sobral, no Ceará, no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), em 2017. O município, reduto político de Ciro, além de ter sido destaque nos números da alfabetização, também lidera o ranking das melhores notas no Ensino Fundamental do país. Entre outras propostas, consta nas diretrizes do candidato:

– Implantação paulatina de creches de tempo integral para as crianças de 0 a 3 anos, criando um programa específico para cuidar dos brasileiros dessa faixa etária;

– Desenvolver o “Pacote dos primeiros mil dias” – uma articulação com programas assistenciais e de saúde, formulando e implementando um programa intersetorial de desenvolvimento infantil nos primeiros 1.000 dias de vida;

– Criar a Bolsa de Ensino Médio. Mensalmente, alunos do ensino médio da rede pública serão recompensados caso apresentem à escola frequência mínima e tenham bons resultados no desempenho escolar;

– Para o Ensino Superior, Ciro diz que irá aprimorar programas educacionais como o ProUni e FIES e promover a recuperação da política de bolsas de estudo para a graduação e pós-graduação;

-Para os professores, Ciro quer estabelecer uma “priorização à carreira de 40 horas, com melhor remuneração e estrutura de progressão”.

Fernando Haddad (PT)

No capítulo “Educação para o Desenvolvimento das pessoas e do País”, o candidato Fernando Haddad faz um breve resumo das políticas públicas educacionais criadas e ou reforçadas nos governos Lula e Dilma Rousseff. De acordo com o plano de governo do petista, “Lula e Dilma mais que duplicaram o orçamento real do MEC, criaram o FUNDEB e o Piso Salarial Nacional do Magistério e expandiram a escolarização obrigatória (dos 4 aos 17 anos)”. Haddad promete retomar essas ações que foram interrompidas pelo o que ele chama de “golpe de 2016”, que abriu caminho para o “desmonte da educação pública”. Entre as promessas de campanha do candidato estão:

– Investir 10% do PIB em educação, a partir da criação de um novo padrão de financiamento, além de realizar a “retomada dos recursos dos royalties do petróleo e do Fundo Social do Pré-Sal”;

– Aumentar as vagas em creches e ampliar a educação em tempo integral, sobretudo em áreas de vulnerabilidade social;

-Realizar ajustes Base Nacional Comum Curricular, retirando “imposições obscurantistas”;

-Haddad tem como meta “garantir que todas as crianças, adolescentes e jovens de 4 a 17 anos estejam na escola e que aprendam”;

– Contrário à “Escola Sem Partido”, Haddad pretende criar a “Escola com Ciência e Cultura”, uma proposta com para transformar “as unidades educacionais em espaços de paz, reflexão, investigação científica e criação cultural”.

Geraldo Alckmin (PSDB)

As propostas de Geraldo Alckmin são distribuídas em tópicos objetivos, sem maiores explicações no documento chamado de “Diretrizes Gerais”. Para a educação, o tucano tem como prioridade a primeira infância. Alckmin quer “garantir que todas as crianças estejam plenamente alfabetizadas até 2027”. O candidato do PSDB promete ainda:

– Investir na educação básica, tendo como meta crescer 50 pontos em 8 anos no PISA;

– Transformar a carreira do professor “numa das mais prestigiadas e desejadas pelos nossos jovens”;

– Fortalecer o ensino técnico e tecnológico;

– Estimular as parcerias entre universidades, empresas e empreendedores com o objetivo de aumentar a produtividade e da competitividade do Brasil.

Jair Bolsonaro (PSL)

O plano de governo do candidato Jair Bolsonaro ataca a esquerda, mas precisamente os governos do PT. Ao contrário de outros candidatos que querem aumentar os recursos para educação, Bolsonaro acredita que é “possível fazer muito mais com os atuais recursos”. As proposições do candidato do PSL trata a educação básica e o ensino médio/técnico como prioridade inicial.

– Mudar a metodologia escolar, revisando o conteúdo e “expurgando a ideologia de Paulo Freire, impedindo a aprovação automática e a própria questão de disciplina dentro das escolas”;

– Fomentar o empreendedorismo na faculdade;

Ampliar o ensino de disciplinas como matemática, ciências e português, “sem doutrinação e sexualização precoce”;

– Transformar o Brasil no centro mundial de pesquisa e desenvolvimento de grafeno e nióbio;

– Mudanças na educação a distância que “deveria ser vista como um importante instrumento e não vetada de forma dogmática”.

Marina Silva (Rede)

No plano de governo de Marina Silva, a educação atravessa todo o documento, além de ter um capítulo próprio. A candidata do partido Rede promete ampliar a oferta de creches para as crianças de 0 a 3 anos – aumento dos atuais 30% para 50% em todo o país, expandindo a educação em tempo integral.  Marina promete que os compromissos com as crianças brasileiras será construído “sempre em articulação, planejamento e cooperação interfederativa e em parceria com entidades privadas, mantendo estrita vigilância sobre sua gestão, estrutura adequada e processos de aprendizagem de alta qualidade”. Outros compromissos assumidos pela candidata para educação são:

– Implementar o Plano Nacional de Educação;

– Apoiar técnica e financeiramente os municípios na implementação da Base Nacional Comum Curricular para a educação infantil e o ensino fundamental;

– Avaliar criticamente o novo ensino médio, “reconhecendo que a flexibilização curricular e a ampliação da carga horária dele constantes não são compatíveis com a realidade da maioria dos municípios brasileiros”;

– Reduzir o problema do atraso escolar, zerando a distorção idade/série;

– Valorizar o ensino técnico e profissional, além de fazer a “aproximação da política de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) do ensino superior”.

Anúncios

Acre

Bocalom passará mais 3 dias fora de Rio Branco para ver a família

Publicado

em

O prefeito de Rio Branco Tião Bocalom (Progressistas) viaja neste sábado, 27, para Araguari, cidade mineira em que residem sua esposa e filhas. Desta vez, a viagem será para visitar os familiares.

“Vai ver a esposa e família! A esposa está há 5 anos numa UTI montada em casa, na cidade de MG”, explicou a assessoria de imprensa do prefeito.

Antes de embarcar, Bocalom visitou os pontos de vacinação que estão montados na capital acreana imunizado idosos de 74 a 84 anos contra a Covid-19. Durante a visita, o prefeito passou algumas orientações às equipes que estão atendendo.

“Ontem ele e a equipe de Defesa Civil e ação social também passaram orientações de como ele quer o atendimento às famílias, de forma bem humanizada!”, diz sua assessoria.

A última vez que o prefeito esteve fora foi no início dessa semana, quando viajou para Brasília para participar do lançamento do programa do governo federal Agenda do Prefeito + Brasil.

Continuar lendo

Cotidiano

Após início da 5º etapa de vacinação, Semsa já vacinou mais de 4 mil idosos acima de 74 anos

Publicado

em

Segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) já foram vacinados nesta 5º etapa de vacinação, que tem como público-alvo os idosos de 74 a 84 anos, mais de 4 mil idosos, em Rio Branco (AC). A vacinação dessa nova faixa etária iniciou na quinta-feira, 25.

Rio Branco recebeu na última quinta-feira, 25, da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) 8.710 doses de vacinas contra a covid-19. Desse total, 6.885 para idosos acima de 74 anos e 1.850 para trabalhadores da saúde que foram disponibilizadas imediatamente.

Na quinta-feira, 25, foram vacinados 1.439 idosos com idade acima de 74 anos. Na sexta-feira, 26, a procura aumentou: 2.732, ou seja, um total de 4.171 idosos a partir de 74 anos já foram vacinados.

A vacinação continua neste sábado, 27, e na segunda-feira, 01, das 8h às 17h nos seguintes locais: Unidades de Referência da Atenção Primária (URAPs) Roney Meireles, Cláudia Vitorino e Policlínica Barral y Barral e nos estacionamentos da Arena da Floresta, Via Verde Shopping e 7º BEC. Neste domingo, 28, não terá campanha de vacinação.

Continuar lendo

Acre

Weverton é eleito melhor goleiro e dedica troféu ao Acre

Publicado

em

O goleiro acreano Weverton Pereira, titular do Palmeiras, ganhou pela segunda vez o prêmio Bola de Prata, da ESPN. Para ele, é motivo de orgulho ser novamente premiado pela atuação como atleta.

“Primeiro eu quero agradecer a Deus e aos meus colegas por esse prêmio. Nós conquistamos muitas coisas esse ano e ganhar esse prêmio individual é muito bom”, afirmou o goleiro ao UOL.

O acreano também aproveitou a oportunidade para falar sobre a crise com as enchentes no Acre.

“Quero dedicar o troféu para o povo acreano que está sofrendo e precisa de muita ajuda e muitas orações. Nesse momento de felicidade pra mim eu também sei que tem muita gente sofrendo por lá.

O Palmeiras foi campeão da Copa Libertadores 2020 e a defesa do clube teve destaque nas partidas. Nas redes, o alviverde comemorou a conquista dos atletas.

Continuar lendo

Acre 01

Após quase um mês de cheia, Rio Acre sai da cota de transbordamento em Rio Branco

Publicado

em

Foto: Sérgio Vale/ac24horas.com

Quase um mês depois de deixar mais de 10 bairros atingidos pela alegação neste mês de fevereiro, o Rio Acre saiu da cota de transbordamento neste sábado (27). Confirme última medição realizada pelo Corpo de Bombeiros, por volta das 9 horas, o manancial registrava 13,84 metros. A cota de transbordamento é de 14 metros em Rio Branco.

Entretanto, o nível do Rio Acre ainda está acima da cota de alerta, que é de 13,50 metros na capital acreana. Até o momento, 78 pessoas continuam desabrigadas na cidade.

Cerca de 2.740 famílias foram atingidas pela enchente na Capital. Quase 20 mil pessoas no total foram afetadas pela cheia. Destas, 600 tiveram de ser realizadas para outros locais fora de risco.

A Defesa Civil Municipal alerta que ainda há previsões de muita chuva na capital do Acre, o que deve fazer com que o Rio Acre possa elevar novamente o nível das águas.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas