Conecte-se agora

Engenheiro Roberto Feres escreve: Mais uma maior chuva do mês, na capital

Publicado

em

Roberto Feres*

Esta noite choveu bastante. Ao menos o bastante para causar inundações em muitos lugares da cidade.

Áulicos de plantão contam que foi a maior chuva que já aconteceu num mês de fevereiro e até apresentam números: 277,4mm em apenas 10 horas. Francamente, o que mais me impressionou foi a precisão de 4 dígitos.

Sobre maior chuva do mês, acho que me tornei especialista. Ainda na década dos 1990 o Emílio Assmar me chamou para falar de drenagem urbana em seu programa de entrevistas da TV Acre, após uma maior chuva já ocorrida até então num mês de março. Durante a construção do Parque da Maternidade dei outra entrevista, dessa vez para o Jorge Said, na TV Rio Branco, após uma maior chuva já ocorrida até então num mês de junho, salvo engano e, no ano passado fui provar um capuccino no Bar do Roberto Vaz após uma maior chuva ocorrida num mês de outubro.

Embora a bibliografia considere que uma chuva seja muito forte quando a taxa é igual ou superior a 50 mm/h, deflúvios entre 60 e 80mm em uma hora não são assim tão incomuns na Amazônia. A média na noite de ontem foi inferior a 30mm/h.

O Problema todo é que o último estudo sobre drenagens realizado para Rio Branco foi em 1985 (Plano Diretor de Drenagem / Rede Engenharia), quando a cidade mal passava do Horto Florestal, ao norte, e da Corrente, ao sul. O Calafate era quase outra cidade. Impermeabilizamos o solo com pavimentos e construções, reduzimos drasticamente a vegetação e não fazemos qualquer manutenção sistemática das redes.

A cidade não conta nem com um cadastro mínimo da tubulação de águas pluviais enterrada sob as ruas.

Houve um tempo, nas décadas de 1960 e 70, que a prefeitura construiu redes de drenagem com manilhas de cerâmica e com tijolos formando arcos. Algumas dessas obras existem até hoje no bairro do Bosque e no Centro de Rio Branco.

Nos anos 1980 também muito investimento foi realizado em saneamento e drenagem, recuperando áreas degradadas na Estação Experimental, Floresta, Vila Ivonete, Tropical, principalmente.

A partir daí os investimentos em drenagem passaram a ser cosméticos, dando ênfase às melhorias superficiais e ignorando as boas técnicas do Saneamento na construção e separação das redes de esgoto e drenagem, como exemplo nos projetos do Habitar Brasil da década de 1990, na baixada da Sobral, que erguia as ruas e deixava as habitações sujeitas às inundações, ou os diversos parques ao lados dos igarapés, já dos anos 2000.

Mas as pessoas têm culpa, porque descartam seus resíduos indevidamente e contribuem para o entupimento das redes!. Certamente há uma boa dose de verdade nessa afirmação, porém redes sem manutenção e mal construídas darão problemas sempre.

Chuvas que acontecem após uma longa estiagem, como as de setembro ou outubro, realmente carregam para as drenagens uma porção maior de detritos depositados indevidamente nas ruas. Muitos restos de construção, areia, solo solto ou até mesmo móveis e restos de poda doméstica são um grande problema nos finais do verão amazônico, porém estamos no mês de fevereiro quando muita água já lavou essas redes.

A questão é técnica: projeto bem feito, obra bem feita e manutenção bem feita. Político não ganha nada com saneamento em ordem, mas a população perde muito com o que não funciona.

*Roberto Feres é Engenheiro Civil

Destaque 2

Balança comercial do Acre acumula exportações de R$ 224 milhões e é 22% maior que no ano passado

Publicado

em

O Acre exportou US$ 3,17 milhões e importou US$ 1,78 milhão em setembro, resultando em um saldo na balança comercial de US$ 1,79 milhão. Com o resultado do mês, no acumulado de janeiro a setembro, a balança comercial acreana chega a US$ 44,74 milhões em 2022.

Na cotação do dia, são cerca de 224 milhões de reais este ano.

Esse resultado supera em 22,2% o valor do mesmo período de 2021, quando a balança comercial obteve US$ 36,61 milhões em negócios.

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (5) e mostram que em nível nacional a balança comercial brasileira fechou o mês de setembro com superávit de US$ 3,99 bilhões, o que elevou o saldo positivo acumulado no ano para US$ 47,86 bilhões.

Em setembro, as exportações somaram US$ 28,95 bilhões e as importações, US$ 24,95 bilhões, resultando no saldo positivo de US$ 3,99 bilhões e corrente de comércio de US$ 53,90 bilhões. No ano, as exportações totalizam US$ 253,84 bilhões e as importações, US$ 205,97 bilhões, com saldo positivo de US$ 47,86 bilhões e corrente de comércio de US$ 459,81 bilhões.

Nas exportações, comparadas as médias do mês de setembro deste ano (US$ 1,37 bilhão) com a de setembro de 2021 (US$ 1,16 bilhão), houve crescimento de 18,8%. Foi registrado crescimento de 47,5% na Agropecuária, que somou US$ 5,85 bilhões; queda de 4,1% na Indústria Extrativa, que chegou a US$ 6,76 bilhões e, por fim, crescimento de 22,3% na Indústria de Transformação, que alcançou US$ 16,13 bilhões. A combinação destes resultados levou ao aumento do total das exportações.

A expansão das exportações foi puxada, principalmente, pelo crescimento nas vendas dos seguintes produtos: milho não moído, exceto milho doce (260,0%), café não torrado (42,6%) e soja (6,4%) na Agropecuária; outros minerais em bruto (77,7%), outros minérios e concentrados dos metais de base (191,6%) e óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (40,9%) na Indústria Extrativa; açúcares e melaços (44,7%), farelos de soja e outros alimentos para animais (excluídos cereais não moídos), farinhas de carnes e outros animais (71,8%) e celulose (68,9%) na Indústria de Transformação.

Continuar lendo

Destaque 2

Secretários serão avaliados e nova reforma administrativa deve ser feita pelo Palácio Rio Branco

Publicado

em

O governador Gladson Cameli (Progressistas), conversou com interlocutores e mandou um duro recado a sua equipe de secretários de Estado na reta final do primeiro mandato – que encerra no dia 31 de dezembro de 2022. A informação foi repassada ao ac24horas nesta quarta-feira, 5, por interlocutores.

De acordo com pessoas próximas do Palácio Rio Branco, o chefe do executivo, teria dito que permanência dos gestores em seus devidos cargos para o segundo mandato dependerá da atuação nos próximos meses. “Quero saber quais as ações e os projetos em andamento para que possam ser executados ou ser iniciados ainda nesta gestão”, declarou Gladson a uma fonte ouvida pela reportagem.

Cameli avisou a equipe que com a derrota dos adversários e ex-aliados, ele deverá assumir as “rédeas” da sua equipe, indicando para as respectivas pastas, nomes que agregam competência e compromisso para com a gestão e o povo do Acre. “Chega de ficar nomeando [comissionados] por indicação política. Acabou a politização dentro das secretarias, eu quero resultado”, desabafou aos aliados.

Continuar lendo

Destaque 2

José Bestene presta depoimento na PF, após publicação irregular em rede social

Publicado

em

O candidato a deputado estadual, José Bestene, foi chamado a prestar depoimento na sede da Polícia Federal do Acre, em Rio Branco, na manha deste domingo, 02, após uma publicação irregular em sua rede social.

A assessoria do candidato emitiu uma nota de esclarecimento confirmando o fato e que o mesmo já prestou depoimento aos federais.

Em nota, a assessoria alegou que o parlamentar não foi o autor da postagem, todavia responde legalmente pela página. A reportagem acessou a rede social do candidato, mas o conteúdo já havia sido apagado.

“Viemos a público esclarecer que o Deputado Estadual José Bestene, foi convidado a prestar esclarecimentos sobre uma postagem realizada no Instagram, feito por sua equipe. O mesmo compareceu por livre espontânea vontade, em seu carro próprio, a sede da polícia federal. Ressaltamos que este fato aconteceu na rede social do Deputado José Bestene”, disse em nota.

Continuar lendo

Destaque 2

Acre tem mais de 100 denúncias por crime eleitoral no primeiro turno das eleições 2022

Publicado

em

No Acre, até a noite deste sábado, 1 de outubro, 105 denúncias foram registradas pela Justiça Eleitoral. Destas, 65 ocorreram só em Rio Branco neste 1º turno. Todas as ocorrências envolvem propaganda ilegal. Além da capital, Xapuri teve 13 queixas e Brasileia 11, cidades que se destacaram nesta campanha quando o assunto é crime eleitoral.

Cidades pequenas, como Jordão, Capixaba e Assis Brasil também apareceram nesse cenário. Jordão, inclusive, recebeu operação da Polícia Federal em investigação de compra de votos. A segunda maior cidade do Acre, Cruzeiro do Sul, no entanto, só registrou uma queixa.

O registro de crimes na plataforma Pardal, que recebe e encaminha denúncias na Justiça Eleitoral, é menor este ano que na eleição de 2018, quando foram apresentadas 132 queixas.

Visando combater as fake news que tanto assolam as campanhas, a Justiça Eleitoral conta, desde 2019, com o Programa de Enfrentamento à Desinformação, que se tornou uma ação permanente em 2021. A iniciativa tem 154 parceiros, incluindo representantes de redes sociais e plataformas digitais, instituições públicas e privadas, entidades profissionais, entre outros. O programa se destina a prevenir e combater a disseminação de notícias falsas sobre o processo eleitoral, principalmente na internet.

Em 2022, foi lançado o Sistema de Alerta de Desinformação Contra as Eleições. Por meio da ferramenta, cidadãs e cidadãos puderam, neste 1º turno, comunicar à Justiça Eleitoral o recebimento de notícias falsas, descontextualizadas ou manipuladas sobre o processo eleitoral brasileiro. O trabalho deve continuar em caso de segundo turno.

As denúncias foram repassadas às plataformas digitais e às agências de checagem parceiras da Corte Eleitoral no Programa de Enfrentamento à Desinformação para rápida contenção do impacto provocado pela disseminação desse tipo de conteúdo na internet.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.