Conecte-se agora

EXCLUSIVO: Facções do Acre agem como empresas frustrando o Palácio Rio Branco com manutenção de mortes violentas

Publicado

em

De acordo com o organograma apresentado na primeira série de reportagem: Tribunal do Crime, o ac24horas mostrou que a gestão das facções no Acre tem atividades dentro e fora dos presídios. Estudos a respeito do sistema penitenciário no país apontam para um abandono por parte do Estado, e uma “adoção” por parte do poder público, que assim estaria “legitimando” as facções criminosas dentro deles. Nesta segunda série, a proposta é mostrar a migração dessa gestão de dentro para fora dos presídios. Longe da calmaria aparente do cárcere privado, os chefões dos grupos criminosos ampliam seus negócios através de “braços” das facções, impactando em mais homicídios na guerra pelo controle do tráfico de drogas nas regionais do Acre e cidades interioranas.

#EXCLUSIVO
O julgamento sumário e execuções comandadas pelos Conselho da maior facção do Acre, o Bonde dos 13

Quem começa relatando essa história de diversificação do crime no Acre é um agente penitenciário que, temendo represálias, pediu para não ter seu nome revelado. Ele confirmou que as facções no Acre passaram a se fortalecer ainda mais, ganhando status de poder e controle interno, a partir do momento em que os líderes dentro dos presídios, dividiram os pavilhões em feudos, opinando até nas transferências dos detentos de um pavilhão para outro. “Ou seja, quem decide se um preso vai para outra unidade é o próprio preso, numa inversão de comandos”, acrescenta o agente.

Estudo do Ministério Público Estadual e relatório da Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado, a DECCO, demonstram que esse controle de território ultrapassou os muros penitenciários e se alastra pelos bairros de Rio Branco e até no interior. E o mais grave, o crescimento das organizações criminosas no Acre está diretamente ligado ao aumento da violência.

Os dados analisados mostram que até o ano de 2012, o número de homicídios registrado em todo o estado ficava relativamente em uma média. Após a criação do Bonde dos 13, dentro da Unidade de Recuperação Social Francisco de Oliveira Conde (FOC) no pavilhão J, as taxas de homicídios subiram drasticamente.

Como mostra o gráfico que consta no relatório da DECCO, de setembro a novembro de 2017, o número de homicídios saltou de 203 para 460. O crescimento assustador da violência levou o promotor de Justiça do Ministério Público do Estado do Acre, Rodrigo Curti, titular da 10ª Promotoria Criminal de Rio Branco, a se manifestar pelas redes sociais, afirmando que, se o Acre fosse um país, estaria entre os quatro mais violentos do mundo. “Novembro: 461 homicídios registrados no Estado do Acre. Taxa de 55,5 homicídios para cada 100.000 habitantes”, escreveu o promotor.

De fato, 2017 foi o ano mais violento da década. De acordo com dados divulgados pela Secretaria de Segurança (Sesp), o estado registrou pouco mais de 300 homicídios em 2016. Ano passado, até novembro, eram mais de 460 mortes.

A frustração do Palácio Rio Branco

Uma fonte do setor de inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Acre disse que a cúpula do governo esperava que no início do ano ocorresse uma estabilização nos homicídios “pela tendência de uma das facções ampliar seu domínio sobre as outras”.

O número de homicídios registrado na primeira quinzena de janeiro deste ano – um total de 29 execuções – teria sido, segundo uma fonte da PM, decisivo para o governador do Acre mandar o coronel Júlio César de volta para a reserva e convocar o coronel da ativa Marcos Kimpara para assumir o desafio de comandar a caserna.

A capital do Acre vive o que o setor de inteligência classifica como dinâmica entre as facções. Agindo como empresas do tráfico, as organizações criminosas permitem o crescimento de novos grupos considerados “braços” no domínio e controle do tráfico de drogas nas regionais. Os sinais dessa estratégia estão nas pichações espalhadas em regiões periféricas, mas também em bairros nobres como o Residencial Green Garden, no São Francisco, em Rio Branco.

Segundo o especialista em segurança pública, as pichações são para demarcar que o território do bairro tem “dono”. Moradores entrevistados pela reportagem comentaram que as siglas foram pintadas por “soldados do tráfico”, sendo a maioria durante a madrugada.

O militar que não permitiu a divulgação de seu nome, nega a existência de um acordo entre a cúpula da Segurança Pública do Estado e os Conselhos das Facções, para o fim das rebeliões dentro dos presídios de Rio Branco ou diminuição dos homicídios. Para ele, a ruptura é visível na demonstração de forças entre as partes e no aumento dos crimes violentos. “As marcas estão até nos corpos das vítimas”, revelou.

O ac24horas teve acesso a uma imagem forte, que mostra perfeitamente a crueldade com que as facções vêm agindo em Rio Branco. As inicias “CV” que significa Comando Vermelho, foram marcadas no corpo de uma das vítimas do grupo, conforme laudo do Instituto Médico Legal.

Sufocado pelo crescimento do Bonde dos 13, considerado, de acordo relatório do Ministério Público como maior facção do estado, o Comando Vermelho teria dado autonomia às suas lideranças para agir da forma como quiserem em seus territórios, uma queda de braço que ao mesmo tempo estende os sustentáculos das facções, fazendo vítimas entre as “famílias” e centenas de inocentes, pessoas que muitas vezes estão no lugar errado, na hora errada.

Para o delegado Messias Ribeiro, a perda de controle dentro dos presídios – com os presos organizando as ações – impactou fora dos muros. A análise semelhante tem o Ministério Público Estadual que ao declarar o Bonde dos 13 como um produto de estado ausente, afirma que apesar de não se tratar de fenômeno recente, “o crescimento dessas organizações criminosas representa uma grave ameaça não apenas à sociedade, mas também ao próprio estado democrático de direito”.

De fato, a influência que os grupos criminosos exercem, principalmente pelo grau de lesividade penais praticados, vem mudando a rotina da sociedade, mexendo até na prática daquilo que é mais sagrado.

“Com o poder público impotente, a sociedade civil procura se adaptar a essa realidade, mesmo com sentimento ilusório de segurança. As Igrejas Evangélicas, principalmente nos finais de semana, alteraram o horário dos cultos para que os fieis cheguem mais cedo na volta pra casa. Vivemos um estado de calamidade pública”, disse o presidente da Associação dos Ministros Evangélicos (Ameacre), pastor e teólogo Paulo Machado.

É do setor de inteligência e análise criminal da Policia Militar outro documento que a reportagem teve acesso exclusivo que mostra o crescimento da violência nas regionais e no interior do estado. A Baixada da Sobral, em Rio Branco, é a considerado o lugar mais violento, nos bairros da regional, os crimes violentos letais cresceram 330%.

O crescimento das facções também exerceu forte influência nas cidades do interior. Em Porto Acre, foram 11 mortes até a metade do ano de 2017. O aumento de homicídios foi de 1.000%. Depois vem Sena Madureira, com 650% no registro de mortes violentas.

Nova filosofia de trabalho

Em entrevista exclusiva ao jornalista Luciano Tavares, o coronel Marcos Kinpara, que atuou nas Forças de Paz da Organização das Nações Unidas (ONU), comandou tropas em missões no Sudão do Sul, na África, há três anos e há 20 anos pertence a Polícia Militar do Acre, prometeu uma nova filosofia de trabalho. “Eu gosto de estar na rua”, disse o oficial.

O novo comandante da PM prometeu a volta de um dos grupamentos mais elogiados da corporação, o policiamento das bicicletas. Kinpara está ouvindo a tropa e fazer um diagnóstico que será apresentado ao governador Sebastião Viana.

“Eu sei que um policial só trabalha se ele tiver condições. Eu tenho que dar essas condições pra eles. Tenho que ouvir eles primeiro. Uma das minhas primeiras atitudes é visitar as unidades e conversar com os policiais para entender e fazer um diagnóstico de como que está a nossa Polícia Militar.” Concluiu o coronel.

Acre 01

Lene e Adailton entrarão com pedido de afastamento de diretor do Hosmac por assédio

Publicado

em

A vereadora Lene Petecão (PSD) afirmou na sessão desta quinta-feira, 16, que entrará com uma representação no Ministério Público do Acre e na Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre) junto com o vereador Adailton Cruz (PSB) pedindo o afastamento do diretor do Hospital de Saúde Mental do Acre (HOSMAC), Halisson Lima, que está sendo acusado de possível assédio sexual e moral.

Na sua fala, a parlamentar afirmou que não é possível que a Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre) mantenha um servidor acusado de assédio em um hospital que cuida da saúde mental, principalmente, no setembro amarelo.

“Como pode um hospital que cuida da saúde mental ter um possível assediador? Nós vamos fazer uma representação na Sesacre pedindo o afastamento. Ele tem causado trauma nos funcionários e ele vem assediando funcionários. Cuidar da saúde mental não é isso. Os servidores não aguentam mais. Eu entrarei amanhã junto com o vereador Adailton com uma representação na Sesacre e no MP pedindo o afastamento desse homem”, indagou Lene Petecão.

Continuar lendo

Acre

Márcia não deverá aderir a aliança para vaga ao Senado em 2022

Publicado

em

Após a reunião organizada pela senadora Mailza Gomes com a presença do governador Gladson Cameli, ambos do Progressistas, e os deputados federais Jéssica Sales (MDB) e Alan Rick (DEM) para apresentar um pacto celebrado que tem por objetivo principal a construção do nome que será apresentado para concorrer a vaga ao Senado em 2022, a reportagem do ac24horas procurou ainda na quarta-feira, 15, as duas pré-candidatas que ficaram de fora do bloco para comentar a aliança, Márcia Bittar e a deputada Vanda Milani (Solidariedade).

No entanto, a ex-esposa do senador Márcio Bittar (MDB), Márcia Bittar, destacou que provavelmente não deverá aderir ao bloco, porém, elogiou a iniciativa e competência política de cada um dos pré-candidatos. “Precisamos avançar e ter propostas importantes para o desenvolvimento do Acre. Fico aliviada quando vejo pelo estado a fora a ação parlamentar de Mailza com seu jeito meigo que conquista, Jéssica aguerrida tem postura muito positiva , Dra. Vanda, uma querida parceira de partido que me honra e Allan um excelente deputado, irmão de uma amiga do coração”, declarou.

A aliança liderada por Gladson tem cinco postulantes para a única vaga ao Senado Federal, entretanto, o chefe do executivo garantiu, em recente entrevista, que até o fim do ano tomará uma decisão sobre o assunto.

Bittar ressaltou que apesar de está fora da aliança, garantiu que todos os cinco postulantes a única vaga ao Senado da República, estão unidos em prol da reeleição de Cameli. “Somos um só grupo. Estamos e continuaremos do mesmo lado. Está tudo dentro da normalidade”, explicou.

O ac24horas tentou contato com a deputada federal Vanda Milani para se pronunciar acerca do assunto, porém, não obteve resposta até o fechamento da matéria.

Na reunião ficou definido que será criada uma comissão entre os partidos envolvidos para conduzir o processo. Esse grupo buscará também o diálogo com outras siglas que tiverem interesse de participar dessa aliança e abertos à coligações para as eleições 2022. Quanto a escolha da candidatura ao Senado, ficou acordado que será de forma democrática, ouvindo as bases políticas e a população.

Continuar lendo

Acre

Fogo de área vizinha invade madeireira em Manoel Urbano

Publicado

em

A noite desta quarta-feira, 16, foi de muito susto para quem trabalha na Madeireira Agrocortex, localizada na BR-364, no município de Sena Madureira.

Uma queimada em uma área de pasto ao lado do empreendimento acabou provocando uma fagulha que atingiu a área da serragem. As chamas rapidamente se alastraram e chegou em uma outra área onde fica o material que será descartado. Por conta da força das chamas, a grande preocupação era o fogo atingir os galpões onde estão milhares de metros cúbicos de madeira e os trabalhadores que prestam serviço para a empresa e que estavam de plantão no período em que teve início o incêndio.

Imagens assustadoras demonstram a altura das chamas. Graças ao trabalho dos servidores que começaram a combater o fogo e a chegada do Corpo de Bombeiros de Sena Madureira, a situação foi controlada.

Apesar do sinistro ter sido controlado, na manhã desta quinta-feira, 16, ainda era possível ver as chamas no local. O Comandante do Corpo de Bombeiros de Sena Madureira, Tenente Gustavo Marinho, não há mais perigo. “O que ocorre agora é o controle normal para apagar completamente o incêndio, mas a situação já está controlada e o fogo não chegou a atingir nenhum galpão”, afirma.

A Agrocortex ainda não se pronunciou oficialmente sobre o ocorrido.

Continuar lendo

Acre 01

Pastor Manuel Marcos é condenado a devolver R$ 100 mil por não comprovar gastos com diárias

Publicado

em

O ex-deputado federal e ex-presidente da Câmara de Vereadores de Rio Branco, Manuel Marcos Carvalho de Mesquita, teve a prestação de contas da Casa Legislativa no exercício de 2018 julgada irregular pelos membros do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Na decisão, a Corte de Contas condenou Manuel Marcos a devolver aos cofres municipais, no prazo de 30 dias, o valor de R$ 114.013,01, devidamente corrigidos a contar do fato gerador, relativo aos gastos com diárias sem comprovação da devida finalidade pública da despesa.

Além disso, o TCE determinou uma aplicação de multa ao ex-presidente da Câmara de Rio Branco no exercício em análise, no percentual de 10% do valor a ser devolvido ao erário. O TCE também determinou uma imputação de multa, no valor de R$ 7.140,00 a Edilberto Ferreira Jansen, contabilista da Câmara Municipal de Rio Branco, à época.

Por fim, o TCE determinou o encaminhamento de cópia deste Acórdão ao Ministério Público Estadual, nos termos do art. 100 da Lei Federal nº. 8.666/93, para as providências que entender pertinentes, relativas à realização de despesas sem licitação.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas