Conecte-se agora

PT do Acre diz que Moro não tem isenção e nem é imparcial para julgar ex-presidente Lula

Publicado

em

O PT do Acre emitiu nota sobre a condenação do ex-presidente Lula afirmando que o juiz Sergio Moro, autor da condenação, não tem imparcialidade e isenção para julgar casos envolvendo o petista porque, observa a nota assinada pelo deputado Daniel Zen, absolveu pessoas contra as quais havia maior robustez de provas, como a esposa do ex-deputado Eduardo Cunha, Claudia Cunha.

“Chama a atenção o fato da sentença ser prolatada no dia seguinte a aprovação, pelo Senado, da reforma trabalhista, levando-nos a crer que se trata de parte de uma estratégia de retirar o foco da opinião pública que, até então, estava voltada para as manobras e acordos espúrios encetados pela Presidência da República”, diz a nota.

Leia o texto na íntegra:

NOTA DO PRESIDENTE DO DIRETÓRIO REGIONAL DO PARTIDO DOS TRABALHADORES NO ACRE

Sobre a sentença proferida nos autos da AÇÃO PENAL Nº 5046512-94.2016.4.04.7000/PR, em desfavor do ex-Presidente Lula, tenho a declarar que:

O suposto conjunto probatório, bem como os argumentos e razões de decidir, trazidos na sentença pelo Magistrado, são frágeis. Não se sustentam em segunda instância.

Chama a atenção o fato da sentença ser prolatada no dia seguinte a aprovação, pelo Senado, da reforma trabalhista, levando-nos a crer que se trata de parte de uma estratégia de retirar o foco da opinião pública que, até então, estava voltada para as manobras e acordos espúrios encetados pela Presidência da República, junto a sua base de sustentação no Senado e na Câmara, quer seja para aprovar a reforma trabalhista, quer seja para impedir o prosseguimento da denúncia em desfavor do Presidente da República.

Lembremos que o mesmo Juiz Federal absolveu a esposa de Eduardo Cunha, Cláudia Cruz, e a esposa de Sérgio Cabral, contra quem havia provas bem mais robustas e consistentes quanto à prática de corrupção.

Vejo, portanto, um tratamento desigual, dois pesos e duas medidas, o que caracteriza a utilização do aparato judicial para fins de perseguição política.

O Magistrado em questão não reúne mais as condições de isenção e imparcialidade para julgar casos envolvendo o ex-presidente Lula. Deveria, isso sim, se declarar suspeito ou impedido, nos termos da Lei.

Rio Branco-AC, 12 de julho de 2017.

Deputado Estadual DANIEL ZEN
Presidente do Diretório Regional do PT/AC

Anúncios

Bombando

Anúncios

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas