Conecte-se agora

Em Tarauacá, greve da educação vai completar uma semana sem acordo

Publicado

em

Os professores, técnicos e profissionais de apoio da Secretaria de Educação de Tarauacá, no interior do Acre, continuam em greve desde a quarta-feira passada. Eles pedem reposição salarial e lutam contra a queda de cortes administrativos feitos pela prefeita da cidade, Marilete Vitorino (PSD).

Uma das bandeiras é a manutenção do pagamento da insalubridade aos trabalhadores da pasta. Além disso, eles exigem que a prefeita não imponha aumento de carga-horária aos trabalhadores que atualmente trabalham apenas um expediente, quando deveriam trabalhar dois.

“Fizemos várias discussões com a prefeitura, mas nada avançou. Nós fizemos uma propostas, e eles enviaram uma contraproposta. Depois de muito tempo, a prefeita nos chamou e fez uma proposta ainda menor, mexendo nos direitos dos trabalhadores”, diz Lauro Benígno, sindicalista que coordena o movimento grevista.

As decisões de Marilente, na opinião de Lauro, são “radicais” e causaram a deflagração da greve que não tem data para ser encerrada. Todas as escolas, portanto, ficaram fechadas nesta quinta, e a assessoria da prefeita já corre para tentar reverter a situação nada positiva para a gestão que desde o início é envolvida em polêmica com servidores públicos.

Anúncios

Bombando

Anúncios

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas