Conecte-se agora

Com o pires nas mãos

Publicado

em

O governador Sebastião Viana (PT) teve uma ótima oportunidade de ensinar ao presidente da República, Michel Temer (PMDB), e também aos colegas governadores, como manter-se a salvo da crise, e o que fazer em um momento em que a economia vai mal. Afinal, dar lições como essas é moleza diante do know how acumulado pelos governos petistas do Acre, que ao longo de quase duas décadas exportaram para o resto do mundo toda a sua expertise em inovação de técnicas e implantação de novos modelos econômicos.

Alguém haverá de achar que a ironia despejada acima é incompatível com a seriedade que se espera de um editorial. Convenhamos, porém: ela é inofensiva ante a presunção e a demagogia recorrentes nestes anos em que nossos governantes tentaram subjugar a realidade ao discurso delirante de que o Acre tem algo a oferecer que não sejam as evidências de que continua o mesmo de outrora.

A bem da verdade, Sebastião foi humilhar-se ao presidente peemedebista, que nas redes sociais trata como “ilegítimo” e “golpista”, afinal rendido ao fato de que a companheira Dilma Rousseff desgraçou as finanças do país e inviabilizou a ilha da fantasia que vem a ser o Estado que ele governa.

Enquanto Sebastião sucumbia à realidade, o petista Marcus Viana, prefeito de Rio Branco, precisava submeter-se a uma extensa agenda com os ministros adversários, em um périplo em busca de recursos.

As fotos de Marcus e Sebastião, publicadas pela imprensa local, mostram ambos pouco à vontade nos encontros que tiveram – o primeiro ciceroneado pelo senador Jorge Viana (afinal enfraquecido junto ao governo federal graças à sua defesa intransigente de um governo agonizante), e o segundo ladeado por outros governadores também com o pires nas mãos.

Enquanto Sebastião Viana e o irmão Jorge pregam a estabilização fiscal para a retomada do crescimento econômico, seu partido faz de tudo para inviabilizar o governo e provar a tese de que o novo presidente nada pode fazer pela Nação.

Até mesmo a rediviva Dilma Rousseff, entrevistada pelo site brasil247, afirmou que Temer “está aquém do povo brasileiro”.

Abandonada pelos irmãos Viana e demais caciques do PT, resta a Dilma espernear ao vento com o auxílio de um site medíocre, que mira o país e o mundo pela ótica do petismo e condena tudo que não se pareça com o que pensem os companheiros.

O ocaso dessa gente não começa agora, com o desconforto de Sebastião e Marcus Viana diante dos adversários poderosos, nem com os desastres de Dilma Rousseff no comando do país – nem mesmo com a implacável lupa do juiz Sérgio Moro sobre as traficâncias de Lula e outros representantes do PT.

A ruína do Partido dos Trabalhadores começou quando os seus líderes se acharam intocáveis, maiores que o País e a salvo de escândalos decorrentes da roubalheira que promoveram em diversos setores da administração pública.

Agora lhes resta apenas o pires – e a pose de quem se submete, por puro altruísmo, às desgraças impostas pelo destino.

Destaque 7

Vagner Sales encerra imunização contra Covid-19 e diz que já tomou chá de cocô de cachorro

Publicado

em

Após dizer que tomou chá de cocô de cachorro  quando criança para curar sarampo, o ex-prefeito de Cruzeiro do Sul e ex-deputado estadual, Vagner Sales, conta que já encerrou o ciclo de imunização contra a Covid-19, com as duas doses da vacina.

“Eu já peguei Covid e já tomei as duas doses da vacina”, relata, que completou 62 anos no último mês de maio.

Na  última quarta-feira , 16, em evento político no município de Tarauacá, Sales contou que, quando era pequeno, a mãe lhe deu chá de cocô de cachorro para tratar sarampo e ele ficou curado. Vagner citou a situação comparando ao fato do presidente Jair Bolsonaro indicar o tratamento precoce com cloroquina para curar a Covid-19.

“Ninguém sabia o que era aquela doença, aí disseram que chá de merda de cachorro era bom. A mamãe fez e fiquei curado. Então se todo mundo tá morrendo e alguém chega com um remédio e diz: isso aqui é bom, todo mundo vai querer tomar”, relatou ele na ocasião.

Continuar lendo

Destaque 7

Brasil chega à marca de 500 mil mortes pela Covid-19

Publicado

em

Meio milhão de vidas. Esse é o saldo de vítimas que a Covid-19 já deixou em 459 dias desde que chegou ao Brasil, em março de 2020.

A média geral é de mais de 1 mil mortos por dia, mas o ritmo variou e subiu bastante desde o começo de 2021. No pior momento, em abril, chegamos a registrar média móvel semanal acima de 3 mil mortos diários; nos últimos dias, voltamos a ver essa média bater a marca de 2 mil vidas por dia, o que preocupa diante da lenta evolução nos números de vacinados.

No início da tarde deste sábado (19), o total de mortos chegou a 500.022, e o de casos confirmados, a 17.822.659, segundo dados levantados pelo consórcio de veículos de imprensa sobre a situação da pandemia no Brasil. O balanço é feito a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde.

Os números levam em conta novos dados divulgados por Bahia, Ceará, Goiás, Minas Gerais, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, São Paulo e Tocantins. Os demais estados não atualizaram as informações sobre casos e mortes até as 14h deste sábado (19).

A marca dos primeiros 100 mil óbitos no Brasil foi atingida quase 5 meses – 149 dias – após a primeira pessoa morrer pela doença no país. Dos 100 mil para os 200 mil, passaram-se outros 5 meses – 152 dias. Já para chegar aos 300 mil, foram necessários somente 76 dias, período que caiu quase pela metade quando chegamos a 400 mil em mais 36 dias.

Agora, de 400 mil a 500 mil mortes o salto se deu em 51 dias, evidenciando que a queda no ritmo de mortes não foi tão significativa assim passado o pior momento.

A média móvel de novas mortes está em alta e, na sexta-feira (18), bateu a marca de 2 mil pelo terceiro dia seguido. A tendência de novos casos também está em alta e, na sexta, o país registrou o recorde de diagnósticos positivos registrados em um único dia desde o início da pandemia: 98.135. (entenda os critérios usados pelo G1 para analisar as tendências da pandemia).

Em números totais, o Brasil segue como o segundo país com mais mortes por coronavírus registradas, atrás apenas dos Estados Unidos — que esta semana superou a marca de 600 mil vítimas. A Índia aparece em terceiro, com mais de 380 mil óbitos.

Situação de alerta

Alguns fatores geram alerta para a perspectiva da doença no país.

A taxa de transmissão (Rt) do coronavírus no Brasil, medida pelo Imperial College de Londres, subiu esta semana e está em 1,07. Isso significa que cada 100 pessoas com o vírus no país infectam outras 107.

O ritmo de vacinação segue baixo; foram poucos os dias em que o país registrou mais de 1 milhão de vacinados em 24 horas, meta declarada pelo governo ainda em março. Agora, a Fiocruz já calculou que seria necessário vacinar em média cerca de 1,7 milhão de pessoas por dia para atingir toda a população até o fim do ano.

Apesar de termos apenas cerca de 11% da população vacinada com as duas doses das vacinas, o presidente Jair Bolsonaro declara intenção de desobrigar o uso de máscaras para quem já se vacinou ou pegou a doença no passado, o que é duramente criticado por especialistas diante da situação atual.

Também segue caótica a situação no sistema de saúde brasileiro. O último boletim do Observatório Covid-19 Fiocruz, divulgado na quinta-feira (17), mostra que a ocupação dos leitos de UTI está em situação “crítica” em 18 estados e no Distrito Federal. Apenas dois estados aparecem com alerta “baixo”. Seis estados estão com alerta “médio”.

Continuar lendo

Destaque 7

Candidato ao Miss Gay Acre pede ajuda para custear trajes

Publicado

em

O candidato ao Miss Gay Acre 2021, Fellicio Lima, 21 anos, usou as redes sociais nesta sexta-feira, 18, para pedir ajuda em dinheiro para custear a conclusão do pagamento dos trajes, que foram encomendadas fora do Estado. A previsão para a realização do concurso é para o dia 2 de julho.

O representante escolhido do Acre deverá viajar para a cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais, para disputa do título nacional.

Na publicação, Fellicio Lima ressaltou o sonho em participar do concurso, mas cita entraves como a falta de recursos. Ele pediu apoio de empresários, marcas, amigos e admiradores do movimento LGBTQI+.

“Quem convive comigo sabe o quanto isso é importante pra mim, mas estou sem o que fazer e a única solução seria desistir de mais um sonho no qual talvez nunca mais terei oportunidade. Infelizmente, se eu não conseguir poder ou conseguir ajuda para custear minha ida até a final, a escolha será a desistência. Peço por favor que aqueles que puderem se quiserem ajudar com qualquer quantia ficarei imensamente grato. Então, por favor, se você quer ajudar em meu sonho de participar do concurso, me ajude. Não deixe que um sonho de um jovem se destrua”, revelou.

A ajuda pode ser feita via pix: 03497565202 ou se você estiver interessado pode entrar em contato com o próprio via Instagram: https://www.instagram.com/fellicio_lima/

Continuar lendo

Destaque 7

Edvaldo diz que FPA acabou em 2018 e que novo projeto passará a se chamar Bloco Democrático

Publicado

em

Em entrevista na noite desta quinta-feira, 17, ao Boa Conversa, exibido pelo ac24horas, o deputado estadual Edvaldo Magalhães (PCdoB) falou acerca da construção da unidade de esquerda para as eleições de 2022.

Ele lembrou ainda que a antiga Frente Popular do Acre (FPA) foi encerrada nas eleições de 2018, mas que os erros cometidos pela FPA deveriam servir de reflexão.

LEIA MAIS: Edvaldo elogia atuação de Gladson, mas diz que falta foco na gestão

“Foram 20 anos de uma aliança vitoriosa que construiu grandes programas e resultados, mas que sofreu uma grande derrota em 2018, portanto, encerrando aquele ciclo de gestão administrativa e de rearranjo político”, afirmou.

“O primeiro deles é sempre se apoiar no bom legado porque existe um grande legado administrativo e de eficiência, mas existe um legado de erros políticos e também de bandeiras administrativas. Essas coisas tem que ficar anotadas em um bloco pra gente lembrar que não precisamos repetir”, acrescentou.

Em relação às articulações para 2022, Edvaldo afirmou que todos os partidos de esquerda vem conversando num espírito de igualdade, sem impor nada aos demais.

“Jorge, Sanderson, Jenilson, eu e todos outros estamos num espírito fraterno de construção e concordamos com a necessidade da gente se apresentar para construir esse novo bloco, que chamamos ‘Bloco Democrático Popular’, que pode ganhar outro nome e eu faço isso apenas como referência desse campo que foi desalojado nas últimas eleições”, encerrou.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas