Conecte-se agora

Nanicos do AC contam com Temer para não ficar nas mãos do PT

Publicado

em

A indefinição não é bom para a sua imagem
Há um clima de indefinição dentro do PRB ante a possibilidade do deputado federal Alan Rick (PRB) assumir a presidência do diretório regional do partido e fazer a opção de apoiar a oposição ou ser candidato a prefeito. Que está praticamente acertado, em Brasília, com a direção regional é de que Alan deverá ser o novo presidente do PRB, no Acre, isso é ponto pacífico. Sobre se vai para a oposição, como candidato à PMRB ou como apoiador, Alan Rick  tem sido dúbio. O que tem deixado o parlamentar constrangido é ter se tornado numa espécie de “estorvo útil” para o PT, na FPA. A dubiedade está sendo muito ruim para a imagem do deputado, que deveria vir à público, desfazer os boatos que deixará a FPA ou, então, que permanecerá na FPA para apoiar a candidatura do prefeito Marcus Alexandre. Ou continuará a boataria. Na coluna pipocaram e-mails acerca do assunto, com apoio e críticas. A palavra é sua.

Um bolo que não comeu
O secretário da SEHAB, Jamil Asfury, está acima de qualquer suspeita neste caso da venda de casas do “Minha casa, minha Vida”, mas chegou a um ponto que é melhor sair, porque pelo desgaste do escândalo, na opinião pública, está pagando por um bolo que ele não comeu.

“O jogo é outro”
Sobre nota da coluna de que os dirigentes dos partidos nanicos não esperem as gordas ajudas, como em campanhas passadas, um deles reagiu ontem, em um e-mail: “o Marcus Alexandre se engana se pensa que, vamos meter a mão no bolso para bancar as campanhas dos nossos vereadores. Com a entrada do Temer, não seremos mais reféns do PT, como sempre fomos”.

Explicando os cargos
Questionei sobre os cargos que indicaram e estão na PMRB, e me respondeu: “não é de graça. Nós o ajudamos a se eleger, agora é outra eleição e outra campanha, com todos seus gastos”.

Precisa transformar em votos
A ex-deputada federal Antonia Lúcia (PR) sempre promove atos com a comunidade evangélica, de muito público, só que na hora que as urnas abrem não há uma correspondência de votos na eleição. Está cometendo um novo erro ao se juntar com prefeitos altamente desgastados.

Com medo de perder
O prefeito de Epitaciolândia, André Hassem (PR), está jogando uma cartada do tudo ou nada nesta eleição municipal. Se conseguir se reeleger fica com uma base para a disputa de uma vaga na Aleac, que é o seu sonho de consumo. Se perder queima os seus planos.

Nada bem
O problema do prefeito André Hassem é que não conseguiu unir a oposição em torno da sua candidatura à reeleição e, nas pesquisas realizadas até aqui, sempre aparece muito mal na fita.

Embate duro
O candidato a prefeito de Mâncio Lima, Isac Lima (PT), que corria solto nesta pré-campanha não corre mais, com a entrada da candidatura do ex-prefeito Francisco Deda (PROS), que tem  boa base eleitoral no município. A polarização deverá acontecer entre ambos, sem favorito.

Não há clima para aumento
Não se discute o direito dos servidores municipais de Senador Guiomard de lutar por melhores salários, só que não vejo nenhuma saída para o prefeito James Gomes atendê-los, porque além da crise econômica ter atingido todas as prefeituras, foi proibido pelo TCE de dar reajuste.

Não será desculpa
Foi como balde de água fria na cabeça dos prefeitos do Alto Acre, a reunião com o TCE para alegar que a crise econômica não está deixando cumprir algumas normas legais. Foram avisados que isso não será levado como desculpa, quando as suas contas forem votadas.

Poucos vão escapar
Podem escrever para conferir que raro será o prefeito da atual safra que escapará de uma condenação por improbidade administrativa ou outras ilicitudes, quando o mandato terminar. Alguns praticaram coisas do arco da velha e acabarão condenados e inelegíveis.

Como terminará não sei, mas é embaraçoso
O PT do Juruá não aceita mesmo de bom grado a candidatura do deputado Josa da Farmácia (PTN) a prefeito de Cruzeiro do Sul. Vez por outra lança balões de ensaio com outros nomes. Como terminará esta novela eu não sei, sei apenas que está sendo constrangedor ao Josa.

Rombo gigante
Agora se sabe qual é o tamanho do rombo fiscal deixado pela presidente Dilma como herança maldita, após o levantamento pela nova equipe econômica: quase 18 bilhões. Por isso o desemprego grassa, o país quebrou e levou no mesmo barco os Estados e Municípios.

Decisão fechada
O deputado federal Major Rocha (PSDB) não atendeu as ponderações do ex-deputado federal Márcio Bittar (PSDB) e não indicará nenhum nome para cargo federal, no Acre. Politicamente, está certo, a maioria destes cargos são técnicos e não trariam benefício político.

Falta uma coordenação
O que está faltando à candidata a prefeita de Brasiléia, Fernanda Hassem (PT), é uma coordenação política para dar um rumo nas decisões que vai tomar, não poderá repetir na campanha os erros amadores que vem cometendo. Errar na campanha é pagar caro.

Volta rápido
Caso os vereadores de Santa Rosa não fundamentarem bem este processo de cassação do prefeito Rivelino Mota (PR), podem lhe afastar e ele voltar rapidamente via judicial. Geralmente é que ocorre nos tribunais, quando prefeitos são afastados.

Bigodinho de molho
Fosse o ex-deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) colocaria o bigodinho de molho nesta questão da disputa para ver quem vai indicar o vice do prefeito Marcus Alexandre. O Magalhães não é mais um noviço em política, para não sentir o cheiro de queimado.

FPA, cada dia mais embolada em sena
O prefeito Mano Rufino (PSB) diz que não abre mão de disputar a reeleição. O ex-prefeito Nilson Areal (PR) faz de conta que também é candidato. O PT do município fala em Alan Areal (PT). E a publicitária Charlene Lima (PV) é a melhor avaliada. É um nó para a FPA desatar.

José augusto
É o nome que o PP colocará para disputar a prefeitura de Capixaba. José Augusto (PP) já foi bem votado na última eleição, e como opositor do Vareda (PR), leva vantagem pela fraca gestão do prefeito. As suas chances de sucesso são bem maiores que as da última campanha.

Jogo de cena
O ex-prefeito Tião Bocalon (DEM) faz jogo de cena ao dizer que será candidato a prefeito da Capital. É uma estratégia montada para ter um trunfo quando se fechar a negociação de uma candidatura única da oposição, que tende a ser a deputada Eliane Sinhasique (PMDB).

Metade presa
Tudo leva a crer que na segunda votação do Senado, que será definitiva, o presidente Michel Temer (PMDB) será mantido no cargo. O seu problema é mais interno, pode chegar ao final do mandato, em 2018, com ministros com denúncia aceita no STF, ou até condenados e presos.

Não pode nem jogar pedra
O PT não poderá jogar pedras no PMDB por causa da “Lava-Jato”, porque tudo indica que o cerco se aperta para que o Lula seja denunciado e vire réu no STF. E fora o Lula, o PT não tem outro nome de expressão para disputar a presidência em 2018.

PSOL organizado
O novo presidente do PSOl, professor Valdir França, conseguiu organizar o partido, que hoje tem um lugar para se reunir e montou uma chapa no teto máximo de candidatos à Câmara Municipal. É ainda possível que acabe saindo uma aliança com a REDE.

Questão de lealdade
O deputado federal Major Rocha (PSDB) explica a manutenção da candidatura de Branca Menezes (PSDB) para a prefeitura de Senador Guiomard, não só por achar ser uma candidatura viável, mas também por um ato de lealdade, já que o apoiou para a Câmara Federal.

Todo encrencado
O prefeito de Acrelândia, Jonas Dales (PT), até que deu uma boa melhorada na sua administração e já aspira disputar a reeleição, só que tem processos pendentes na justiça e pode ser abatido em pleno vôo da campanha. E neste caso seria fatal para o PT.

Portas fechadas
A grande preocupação que tenho sentido entre os dirigentes dos chamados “partidos nanicos” é saber que nesta campanha não terão mais as gordas ajudas repassadas para bancar os seus  candidatos a vereador, e que muitos dos candidatos reclamavam que nunca viram a cor deste dinheiro. E para tornar a situação mais complicada não poderão nem bater na porta dos empresários para pedir algum para a campanha, já que a maioria está quebrada, e quem não está quebrado passa por dificuldades financeiras. O PT leva vantagem sobre os aliados da FPA, porque tem caixa própria, oriunda da arrecadação dos cargos de confiança e o que tiver neste caixa, logicamente, jogará nos seus candidatos a vereador. E não deixará de privilegiar os seus. Em eleição não tem amigos e a consideração política vai para o brejo.

Acre 01

Eleição para presidência da Assembleia Legislativa do Acre já está decidida

Publicado

em

EM QUE PESE os argumentos de que, pelo PDT ter a maior bancada na Assembleia Legislativa a presidência deve ficar com o partido, na figura do deputado Luiz Tchê (PDT); a realidade política nos bastidores da chamada “Casa do Povo” é outra, já existem votos combinados por uma maioria a favor da chapa formada pelo deputado Luiz Gonzaga (PSDB) para presidente e do deputado Nicolau Junior (PP) de primeiro secretário. Na verdade, deve acontecer apenas uma inversão de cargos: Nicolau é hoje o presidente e Gonzaga primeiro secretário. A chapa também tem o aval do governador Gladson Cameli, porque com ambos não teria problemas para aprovar os projetos que enviará ao Legislativo.

NÃO TERÁ A PANDEMIA
ANTES da pandemia, as pesquisas registravam uma baixa aceitação do governo do Gladson. Sua ação na pandemia contra o negacionismo e a favor da vacina, inflaram a sua popularidade. No segundo governo terá que se reinventar, não terá mais a pandemia para dar um plus.

VOLTANDO PARA A DISPUTA
DEPOIS DE NÃO se eleger deputado federal na última eleição, o ex-prefeito Rodrigo Damasceno (PODEMOS) deverá disputar a prefeitura de Tarauacá, com chance de sucesso. Não foi bem na sua gestão, mas é muito forte.

BOM TRÂNSITO
BASTA SE CONVERSAR com deputados da base do governo para sentir a simpatia pelo nome do Rômulo Grandidier para o gabinete civil. O fato de se relacionar bem com os políticos, é um ponto ao seu favor, o que lhe dá cacife para fazer uma ponte com a ALEAC.

NÃO É BOI MORTO
É CEDO para se dizer que ganhar do prefeito Tião Bocalom é um passeio, pela atual conjuntura da sua gestão. Ainda tem dois anos para tocar projetos. Em qualquer situação, o Bocalom não será um boi morto.

NÃO É CITADO
PODE ATÉ contrariar essas notícias, mas pelo que se lê dos grandes analistas nacionais da política, o Jorge Viana não aparece cotado para qualquer dos ministérios.

APOSTA ERRADA
OS RADICAIS BOLSONARISTAS fizeram duas apostas erradas, com as suas mobilizações: a primeira, foi que seus atos comoveriam os militares a darem um golpe; e segundo, que teriam a cobertura da imprensa. Nem uma coisa e nem outra. Não há clima para ditadura militar.

NÃO SEGUE O PDT
O DEPUTADO Pedro Longo (PDT) não deve se engajar na candidatura do deputado Luiz Tchê (PDT) para a presidência do partido na ALEAC. Deve se agarrar na possibilidade de ser o vice-presidente na chapa puxada pelo deputado Luiz Gonzaga (PSDB) para presidência.

MAR DE TRANQUILADADE
NADA melhor para o prefeito Bocalom que as eleições para deputado dos vereadores Michelle Melo (PDT) e Emerson Jarude (MDB), justamente os seus calos na Câmara Municipal de Rio Branco. Ficará sem oposição.

O QUE FARÁ O BITTAR?
DEPOIS de tudo dar errado nos seus planos na última eleição estadual, não se sabe quais seus planos para 2026. Para o Senado e Governo, o senador Márcio Bittar (União Brasil) teria paradas duras. Não será de se admirar se optar por disputar vaga de deputado federal.

OLHO NA PREFEITURA
O deputado Antônio Pedro (União Brasil), que não conseguiu se eleger, está focado em ser candidato a prefeito de Xapuri em 2024, para não ficar fora da política por quatro anos. Sua derrota foi uma surpresa.

PLANO ABORTADO
A ELEIÇÃO do Lula podou o plano do primeiro suplente do União Brasil, Fábio Rueda. Com a permanência do Bolsonaro poderia negociar para ser puxado para o governo federal um dos deputados eleitos para o, e ele assumir.

CEDO PARA COMPOSIÇÃO
QUEM está próximo do senador Petecão (PSD) fala que, por enquanto, não deverá entrar em nenhuma frente da oposição. Quer deixar o quadro se aclarar, antes de tomar uma decisão. Acha cedo para o movimento.

ENTRARAM EM MUTISMO
DEPOIS da derrota na última eleição os irmãos Rocha – Major Rocha e Mara Rocha – não voltaram ao cenário eleitoral, se recolheram sem falar no futuro político.

FAXINA EM FEIJÓ
O eleitorado de Feijó fez uma faxina política na última eleição. Os dois deputados da região, Marcos Cavalcante (PTB) e Cadmiel Bonfin (PSDB), não se reelegeram.

IRONIA DO DESTINO
O CANDIDATO para o qual o presidente do PSDB, Correinha, não queria dar legenda, o deputado Luiz Gonzaga (PSDB), por ironia do destino, foi o único do partido a se reeleger para a Assembleia Legislativa.

SENTIMENTO MAJORITÁRIO
MESMO tendo perdido a eleição, há um sentimento majoritário dentro do MDB, para que o deputado federal Flaviano Melo continue na presidência da sigla.

MUITO BEM CONDUZIDA
Por trás do fato da Socorro Neri (PP) ter sido eleita a candidata a deputada federal mais votado na última eleição, além dos seus méritos, foi importante a coordenação da sua campanha pelo secretário de Educação, Aberson Carvalho.

URNAS CRUÉIS
AS URNAS foram cruéis com os ex-deputados estaduais que tentaram retornar aos mandatos na Assembleia Legislativa, todos foram derrotados.

O GLADSON É PRAGMÁTICO
Ao anunciar que, no próximo encontro com o Lula levará de mimo farinha de Cruzeiro do Sul, mostra que o governador Gladson Cameli é pragmático, pensa antes no estado do que na ideologia política. A eleição acabou.

NÃO TEM GOLPE MILITAR
O GLADSON raciocina de forma coerente, sabe que não passam de esbirros antidemocráticos os pedidos pela volta da ditadura militar, e que o Lula assumirá.

FRASE MARCANTE
“Três grosserias do mundo: jovens caçoando dos velhos, sadios caçoando de doentes, sábios caçoando de tolos”.

Continuar lendo

Blog do Crica

Nada contra as urnas

Publicado

em

O deputado federal Alan Rick (União Brasil), esclareceu ontem ao BLOG que, não duvida da lisura das urnas eletrônicas, não se engaja nos pedidos de intervenção militar; e que o movimento ao qual se engajou na Câmara Federal foi no da formação de uma CPI para discutir o que chama de “ativismo judicial” de alguns ministros do STF, que ao seu ver tolhem a liberdade de expressão, indo contra a Constituição Federal, podando até o direito dos parlamentares de terem a palavra e posições políticas invioláveis em seu mandatos. Destacou que em momento algum defendeu ou pediu que as Forças Armadas dessem um golpe militar para impedir a posse do presidente eleito Lula. 

TOMA QUE O FILHO É TEU

O PP E O REPUBLICANOS pediram ontem ao STF, que não os coloquem no mesmo cesto do presidente do PL, Valdemar da Costa Neto, cujo partido pegou uma multa de 22 milhões de reais por litigância de má-fé, ao propor sem provas a anulação do resultado que elegeu o Lula. Deixaram o PL só segurando o pincel sem escada, ao negar que endossaram o pedido golpista do Valdemar.

SABER SE VAI ACEITAR

O ÚNICO nome palatável e com base eleitoral que o PT tem para disputar em 2024 o comando da PMRB, é o ex-prefeito Marcus Alexandre. A saber se aceita a missão.

60 DIAS

Em 60 dias após suas posses, já se vai saber quais os deputados que vão figurar no alto clero dos debates na ALEAC, e os que ficarão relegados ao baixo clero da Casa. E, quem comporá ainda a bancada dos mudinhos.

PEDRA CANTADA

O LULA já se acertou com o Centrão e o PT deve apoiar a reeleição do deputado federal Artur Lira (PP), para a presidência da Câmara Federal. Isso se chama de pragmatismo político, para ter a maioria parlamentar.

VOLTA POR CIMA

O PP velho e cansado de guerra, deu um pulo na eleição municipal, elegendo os prefeitos da capital e de Cruzeiro do Sul; e na eleição estadual, elegeu o governador, três deputados federais e quatro estaduais. Virou o maior partido do Acre, destronando o MDB e o PT.

FUGIR DO TRIVIAL

DESTINAR emendas parlamentares para prefeitos amigos, até um macaco treinado pode fazer. Um deputado federal tem que ter o seu mandato avaliado, pelas pautas que defende e os projetos apresentados.

VOTOS PESSOAIS

COM cerca de 21 mil votos, a Jéssica Sales (MDB) só não se reelegeu deputada federal, por seus companheiros de chapa terem obtido baixas votações; mas isso não abalou seu prestígio, para disputar a prefeitura de CZS, em 2024. Jéssica, de votos pessoais, será um nome forte.

ABANDONADO NO BAILE

O SENADOR SÉRGIO Petecão (PSD) saiu da eleição para o governo, como o candidato mais traído pelos aliados. Todos os ex-prefeitos do PSD lhe traíram na campanha.

GILSON DA FUNERÁRIA

LIVRE dos processos que respondia, o ex-vereador Gilson da Funerária (PROS) deverá ser na próxima eleição para a prefeitura de Senador Guiomard, osso duro de roer.

MARCA REGISTRADA

PRAÇAS limpas e iluminadas, é uma marca registrada na gestão do prefeito Bocalom. Ponto para o secretário  Joabe Lira, que comanda a pasta da limpeza pública.

MUITO MAIS PROVÁVEL

UM DISCO VOADOR lotado de Ets posando na Praça dos Três Poderes, em Brasília; é mais fácil de acontecer, que as Forças Armadas darem um golpe militar.

SOBROU O MAGALHÃES

DAQUELE partido com vários vereadores, deputados estaduais, deputados federais, o PCdoB ficou restrito ao mandato do deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB).

BANCADA DO BATOM

A CHAMADA bancada do batom na ALEAC, será formada na próxima legislatura pelas deputadas Antônia Sales (MDB), Maria Antônia (PP) e Michelle Melo (PDT).

MUITO RESOLUTIVA

A violência permanece alta em Rio Branco e municípios do interior, mas o grau de resolutividade dos crimes e grande por parte da Secretaria de Segurança. O Paulo César é um dos melhores secretários do Gladson.

COMPASSO DE ESPERA

O PT no estado está em compasso de espera para saber se o Jorge Viana vai ou não virar ministro do Lula. Se virar, pode levar o PT novamente ao protagonismo, no Acre.

FRASE MARCANTE

“Viúva com dinheiro é sempre noiva,” Ditado brasileiro.

Continuar lendo

Blog do Crica

Navegando em céu de brigadeiro no parlamento 

Publicado

em

O GLADSON não apenas foi eleito com folga no primeiro turno, mas também conseguiu eleger aliados, que serão majoritários na Câmara Federal e na Assembleia Legislativa. Na ALEAC, pode mandar um projeto loteando a Lua que será aprovado, tão é a folga de votos que terá. Não terá a mesma oposição ferrenha que teve no primeiro mandato, porque deputados importantes que lhe faziam oposição ou foram derrotados ou não estarão mais no parlamento estadual, como o deputado Jenilson Leite (PSB), que perdeu a eleição para o Senado. 

O cenário é de céu de brigadeiro. Se não fizer um bom segundo mandato não será por falta de apoio parlamentar. E, é bom que faça um mandato promissor, porque não terá mais a pandemia para lhe ancorar, como no seu primeiro mandato no Palácio Rio Branco.

NOMES COTADOS

RÔMULO GRANDIDIER, no Gabinete Civil; Aberson Carvalho, na Educação; Paulo César, na Segurança, são nomes citados na composição do segundo governo do Gladson. Nomes que deram certo no primeiro mandato.

QUEM NÃO CERTO TEM DE SAIR

SECRETÁRIO que num prazo de carência de quatro anos não se destacou na gestão, não há como o governador Gladson segurar. Quem não decolou, não vai decolar.

ALAN RICK

AS URNAS reservaram ao futuro senador Alan Rick (União Brasil) o papel de ser oposição ao governo do Lula. Pode-se não gostar de suas posições, mas ninguém pode lhe tirar o direito de não querer apoiar o Lula e o de contestar ações do judiciário. E, ademais, a oposição é essencial em todo governo. Assim, é na democracia.

É ESSENCIAL

NA POLÍTICA, é essencial ser ter posições firmes. O condenável é o político com mandato mudar de posição ao sabor de quem chega ao poder, porque nunca será respeitado. Dono de mandato não pode ficar no muro.

NOME PARA A PMRB

O EX-DEPUTADO Ney Amorim (PODEMOS) tem mostrado intenção, nas conversas com seu círculo mais próximo, de ser candidato à PMRB, na eleição de 2024.

BASE NA CAPITAL

NEY tem jogado com os argumentos de que não pode ficar sem mandato e fora do cenário político, sob pena de desaparecer, E, ainda que, sua base é na capital.

PROJETO INOVADOR

O PROJETO do prefeito Tião Bocalom de construir em um dia 1001 casas populares, é inovador, e pode minorar o problema do déficit habitacional na capital.

TEM QUE SER OUSADO

O GESTOR que dá certo é o ousado, não aquele que fica no eterno arroz com feijão. Essa ação do Bocalom vai quebrar a mesmice do acomodamento administrativo.

PAZ PARA GOVERNAR

A PRESENÇA da Mailza Gomes como vice-governadora vai permitir ao governador Gladson Cameli ter a garantia de que, ele não terá problemas no relacionamento, ao longo da sua administração. Terá paz para governar.

ARMOU E SE DEU MAL

O PRESIDENTE do PL, Valdemar da Costa Neto, armou e se de mal com a chicana de propor a anulação de metade das urnas eletrônicas. Seu partido pegou uma multa de 22 milhões de reais por litigância de má-fé e a ação foi rejeitada. A eleição acabou, não terá golpe militar, e ponto final. O resultado não terá volta.

É MUITA INGENUIDADE

É SER MUITO ingênuo pensar que ficar se manifestando pela intervenção militar, pela volta da ditadura, na porta dos quartéis, as Forças Armadas iriam para as ruas.

NÃO ACABOU

É, entretanto, um erro imaginar também que a derrota do Bolsonaro significou o enterro da direita no país, o bolsonarismo vai sobreviver como movimento; e se o Lula não fizer um bom governo, pode voltar ao poder.

DOBRADINHA CERTA

PELO que se tem ouvido de deputados, a chapa formada por Luiz Gonzaga (PSDB) para presidente e Nicolau Junior (PP) de primeiro-secretário, tem maioria dos votos na ALEAC. Não há clima para chapa alternativa.

A SABER COMO SERÁ NA ALEAC

OS VEREADORES Emerson Jarude (MDB) e Michelle Melo (PDT) foram um calo na gestão do prefeito Tião Bocalom. A saber como será o comportamento de ambos, como deputados, em relação ao atual governo.

PAUTADA EDUCAÇÃO

Ninguém se admire se a deputada federal eleita Socorro Neri (PP) tiver uma boa atuação no parlamento, principalmente, na defesa das pautas da Educação.

NÃO FOI RECONHECIDO

NENHUM parlamentar trouxe tantos recursos para o estado como o senador Márcio Bittar (União Brasil). Mas fez uma avaliação errada ao focar que com isso, ele seria reconhecido ao ponto de ser representado na chapa majoritária que disputou o governo. Apostou errado.

PERDEU O PODER DE BARGANHA

O MDB perdeu o poder de barganha para abrir conversa e ter participação no governo, por um motivo: o Gladson tem votos de sobra na sua base parlamentar.

MENOR QUE ENTROU

O MDB saiu menor do que entrou na última eleição, além de perder os dois deputados federais que tinha, ficou distante de ganhar a eleição para o governo.

NÃO É OPORTUNISMO

NÃO É oportunismo o apoio do senador Sérgio Petecão (PSD) ao futuro governo do Lula, com seu voto no Senado. Nunca escondeu que não votaria no Bolsonaro.

RECONHECIMENTO INTERNACIONAL

NÃO CONCORDO com algumas das pautas que defende, mas não posso deixar de reconhecer que a Marina – que pode ser ministra do Meio-Ambiente – é uma personalidade de prestígio e reconhecimento internacional no meio ambiental. Muito respeitada.

FOI PARA O SAL

COM a vitória do Lula já foi para o sal o projeto de ligar Cruzeiro do Sul à Pucalpa (Peru) cortando a Serra do Divisor, defendido pelo senador Márcio Bittar (União Brasil). A Marina é totalmente contra a obra.

INTUIÇÃO

É O NOME do novo livro do jornalista Nelson Liano, que mostra na obra que o autoconhecimento é acessível a todos os campos religiosos através da meditação. O Nelson é um espiritualista, uma pessoa do bem.

TUDO É COPA

O BRASIL estreia logo mais. Vamos sair das pautas negativas do golpismo para a beleza contagiante do futebol. A eleição nacional tem o dom de unir a todos.

FRASE MARCANTE

“Os homens fazem as leis, mas as mulheres fazem os costumes.” Ditado francês.

Continuar lendo

Blog do Crica

A oposição precisa se reinventar, perder o ego, para voltar ao poder nas próximas disputas 

Publicado

em

A OPOSIÇÃO, que sofreu uma derrota fragorosa na última eleição, não elegendo ninguém para o Senado, para a Câmara Federal, e diminuindo a sua representação na Assembleia Legislativa, e ainda ficando longe de ganhar o governo, precisa se reinventar para as próximas disputas majoritárias. 

A começar pela eleição municipal de 2024. Se entrar dividida no pleito para a prefeitura da capital, como aconteceu na última eleição estadual, pode sofrer outra derrota acachapante. Os dirigentes da oposição precisam perder o ego de cada um olhar apenas para o umbigo. Ou fazem uma grande frente plural, como aconteceu com o extinto e vitorioso MDA, ou seus políticos vão ficar de bengala perdendo uma eleição atrás da outra.

 Ficaram 20 anos no poder, e podem ficar 20 anos fora do poder, se permanecerem pendurados no sectarismo de que podem resolver tudo com cada um para o seu lado. A não ser que queiram se tornar masoquistas. Juízo não se compra num boteco. As urnas não costumam perdoar os amadores na política.

AFASTA DE MIM ESTE CÁLICE

AO PEDIR ao Ministério da Justiça que mande a Força Nacional desbloquear a BR-364, o governador Gladson  mostra que quer desvincular sua imagem do golpismo.

NINGUÉM ENTENDEU

O JORGE VIANA seria hoje deputado federal e poderia puxar um outro nome na aliança política formada pelo PT-PCdoB-PV. Ninguém entendeu ele ir para uma disputa do governo, com uma candidatura de alto risco.

PEDIDO CONJUNTO

UMA FONTE palaciana informou ao BLOG que a decisão do Gladson de demissão do militante bolsonarista Ruy Birico de cargo de confiança, foi reforçada por um pedido conjunto dos 24 deputados feito neste sentido.

ESPERTEZA COME O DONO

A JUSTIÇA ELEITORAL pôs o PL no canto do ringue com seu pedido de anulação de várias urnas do segundo turno. Mandou aditar ao pedido também as urnas do primeiro turno, que se anuladas derrubariam toda bancada federal do PL. Esperteza cresce e come o dono.

POSIÇÃO FIRME

QUEM TOMOU uma posição firme contra os atos golpistas de fechamento da BR-364, foi o líder do governo na ALEAC, deputado Pedro Longo (PDT), que denominou os atos como “esbirros da ditadura”.

PODE IR PENSANDO

PELAS informações que tenho, é bom o prefeito Bocalom (PP) pensar em outra sigla para disputar a reeleição. O nome do coração do Gladson para a disputa da PMRB, é o da deputada federal eleita Socorro Neri (PP).

É LEI

A LEI ELEITORAL especifica que, o parlamentar que cometer infidelidade partidária, é passível de perda do mandato. O PT e o PSD apenas estão aplicando a Lei.

VALE PARA OS DOIS

AS URNAS que elegeram o Lula este ano foram as mesmas que elegeram o Bolsonaro em 2018. Se são fraudes neste pleito, também, foram no de 2018. Não há como separar estes dois casos, porque vale para ambos.

GABINETE CIVIL

DEVE SER ESTE o cargo que será ocupado pelo Rômulo Grandidier, no próximo governo do Gladson. A decisão já estaria tomada, faltando apenas ser feita a nomeação.

BASTANTE REDUZIDA

A OPOSIÇÃO vai ser muita reduzida na nova legislatura na Assembleia Legislativa. A base do governo deverá voar em céu de brigadeiro, aprovando o que quiser.

PEDIDO DOS MANDATOS

NÃO SE APLICA aos prefeitos que serão expulsos do PT, mas há dentro do partido o sentimento de pedir os mandatos dos vereadores que apoiaram adversários na última eleição. Podem ir pensando em contratar bons advogados.

FOCO FUTURO

O FOCO FUTURO do governador Gladson é cumprir um segundo mandato com visibilidade, para que dispute a eleição do Senado em 2026, com certa tranquilidade.

MANDATOS ENCERRADOS

EM 2026 serão duas vagas do Senado em disputa, as dos senadores Petecão (PSD) e do senador Márcio Bittar (União Brasil). Não se sabe se ambos disputarão a reeleição. É cedo para uma avaliação a esse respeito.

CARTA DE SEGURO

O REPUBLICANOS não vai para a oposição ao governo do Lula. A direção nacional tirou uma posição de deixar os parlamentares do partido com independência para atuar. Na política, se chama isso de carta de seguro.

MEME NO FUTEBOL

A MEME que corria ontem era que a Argentina vai pedir a anulação da partida contra a Arábia Saudita por ter pedido o jogo. Política e futebol, é com o brasileiro.

CEREJA DO BOLO

A CEREJA do bolo dos cargos federais no estado são o DNIT e o INCRA. O PT e o senador Sérgio Petecão (PSD) estão de olho nos dois órgãos, para nomear afilhados.

PERDA DE QUALIDADE

A DERROTA do deputado Daniel Zen (PT), vai por certo empobrecer o debate qualificado na ALEAC, na próxima legislatura. Zen é um dos melhores quadros do PT.

NÃO PODE SE DAR AO LUXO

O ACRE, um estado pobre e dependente do governo federal, não pode se dar ao luxo de ter um governador brigado com o presidente. Assim é que, a posição pragmática do governador Gladson deve ser entendida.

TERRITÓRIO LIVRE

ACRELÂNDIA e Plácido de Castro se tornaram território livre dos bandidos, pelo que se nota dos roubos e sequestros quase diários de produtores rurais. Na biqueira da Bolívia, o paraíso dos carros roubados, torna a troca dos veículos por droga algo rentável.

NÃO CONSEGUEM ENTENDER?

AS ELEIÇÕES não serão anuladas, não haverá golpe militar, a volta da ditadura, e o Lula vai assumir, por estarmos numa democracia. Não conseguem entender?

NÃO ACONTECERÁ NADA

O LULA VAI ASSUMIR, nenhuma igreja evangélica será fechada, o país não terá o regime comunista, a bandeira nacional não será vermelha, e tudo vai seguir como antes no quartel do Abrantes. O resto é a pura balela.

NOMES VEICULADOS

SOCORRO NERI, Jenilson Leite, Bocalom, Emerson Jarude, Marcus Alexandre, são nomes sempre citados quando se trata da eleição para a PMRB, em 2024.

FICOU UMA PORCARIA

O PREFEITO Bocalom tem primado por obras bem feitas. Mas, não foi o que aconteceu com o principal acesso do Tropical, a pavimentação é de baixa qualidade. Se der um pulo no local vai fazer a constatação desse registro.

NÃO CONVIDEM

NÃO CONVIDEM o deputado Neném Almeida e a direção do PODEMOS para o mesmo tacacá. Neném debita sua derrota a um boicote dos dirigentes à sua candidatura à reeleição.

FRASE MARCANTE

“Deus dá o leite, mas não o balde”. Ditado inglês.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.