Conecte-se agora

Jamyl nega ter dito de que o PSDB teria feito aliança com o PP por causa dos milhões da família Camelí

Publicado

em

Luciano Tavares, da redação de ac24horas
[email protected]

Frente a frente, os pré-candidatos a prefeito de Rio Branco, o engenheiro civil e deputado estadual Jamyl Asfury (DEM) e o professor de matemática Tião Bocalom (PSDB) protagonizaram um bom debate no programa Tribuna Livre, da TV Rio Branco.

O pré-candidato tucano teve que de cara responder pergunta sobre sua naturalidade, se o fato de ele ser paranaense não irá atrapalhar sua campanha a prefeito da capital do Acre. Para Bocalom “não está em jogo o fato de nascer ou não nascer no Acre. Acriano é aquele que trabalha que gera emprego e que quer fazer alguma coisa pelo Acre. Acima de tudo nós somos todos brasileiros. A gente não escolhe aonde vai nascer, mas pode escolher aonde vai nascer e de repente até morrer”, responde Bocalom.

Leia outras notícias relacionadas ao tema:
>>> Fernando Melo e Leoncio Castro falam de propostas e não poupam críticas a Angelim
>>> Candidato do PPS mostra que não conhece problemas da cidade e diz que passagem de ônibus custa R$ 2,60

Por outro lado Jamyl Asfury começou sua participação tendo que explicar supostas declarações feitas por ele a jornalistas de que o PSDB teria trocado o DEM pelo PP por causa dos “milhões” da família Cameli. O democrata se disse surpreso com o que considerou um boato e negou que tenha feito tal declaração, mas afirmou que o motivo do rompimento com o PSDB foi o direito concedido pelos tucanos aos progressistas de indicação a vice na chapa encabeçada por Tião Bocalom. “O que aconteceu foi que à medida que nós percebemos que não seríamos protagonistas nessa história tomamos outro caminho.”, argumenta o democrata.

Pelo menos em um ponto os dois pré-candidatos concordaram: que num possível 2º Turno as oposições se unirão em favor de uma candidatura que não seja a da Frente Popular.

Os conflitos internos com o atual Presidente da Executiva Estadual do PSDB, o deputado federal Márcio Bittar foi outro tema abordado junto ao pré-candidato. Bocalom não escondeu. Admitiu disputa interna. “Mas já nos entendemos. Houve disputa porque no PSDB há democracia”, argumentou.

Sobre indicação do PP a vice em sua chapa, Bocalom foi curto e objetivo. Disse que “não tem vice, fechado”.

Durante o segundo bloco do programa, os pré-candidatos falaram sobre propostas.

O pré-candidato do Democratas informou que é preciso descentralizar  Rio Branco com a criação de regionais administrativas para desafogar o transito na área central da cidade e desenvolver os bairros. “Quero criar centros regionais nos bairros para desafogar o transporte público. Acontece todo esse problema porque a maioria das pessoas vai para o Centro para resolver alguma coisa. Mas com esses centros regionais, com complexos de saúde e outros setores, como o próprio comércio ajudaria a resolver a questão do transito”, explicou o pré-candidato.

Jamyl Asfury propõe ainda a criação da “Nova Cidade”, um grande bairro que funcionaria com todas as condições de infraestrutura, saneamento, educação e saúde.

Ainda no setor de transito, o democrata que construir um anel viário para melhorar o fluxo de veículos na capital.

Já o pré-candidato tucano disse que Rio Branco apesar de ter muitos problemas o mais crônico é o da saúde pública. Para Bocalom é preciso investir em saúde preventiva. “Nós temos hoje 54 unidades de saúde da família que não estão funcionando. Cada unidade dessa daí deveria ter um médico, agente comunitário de saúde e enfermeiro. Hoje não temos 20 médicos nessas unidades. O que acontece é que por causa desses poucos profissionais acaba sobrecarregando o serviço. Quando eu fui prefeito de Acrelândia, o município foi considerado como de melhor saúde do Acre”.

Ainda de acordo com Bocalom, é preciso investir em produção para melhorar a renda das pessoas. “Dinheiro não cai do céu! E eu vou dar as condições para o povo ganhar dinheiro”, afirmou o pré-candidato tucano.

No último bloco do programa, os dois pré-candidatos fizeram perguntas entre si. Bocalom indagou Jamyl Asfury sobre o transporte público e o preço da passagem de ônibus. O deputado informou que se caso for eleito irá priorizar a qualidade dos veículos coletivos.

Por sua vez Jamyl Asfury perguntou a Bocalom qual sua prioridade para a melhoria no trânsito.

Ao propor a sincronização dos sinais de trânsito, o tucano criticou a quantidade de semáforos que há na capital, o que segundo ele ocasiona lentidão, sobretudo, na região do Centro.

“Definitivamente a gente não melhora, mas da para ir melhorando. Tem excesso de semáforos. Precisamos priorizar a Getúlio Vargas e a Ceará, fazendo as passagens, construindo ou viadutos ou então na base da trincheira para que a gente possa fazer o transito fluir melhor”, encerro o pré-candidato.

O programa foi gravado na tarde da última sexta-feira, 11, na TV Rio Branco, com apresentação no sábado às 21 horas e reprise na segunda-feira às 22 horas.

Acre

PEC de Emergência: bancada do Acre no Senado vota favorável

Publicado

em

O Plenário do Senado aprovou nesta quinta-feira (30) a proposta de emenda à Constituição (PEC) que institui estado de emergência até o final do ano para ampliar o pagamento de benefícios sociais (PEC 1/2022). A bancada do Acre, composta pelos senadores Eduardo Velloso, Sergio Petecão e Mailza Gomes, votou favorável à PEC.

Agora a proposta será encaminhada para análise da Câmara dos Deputados. A PEC prevê R$ 41,25 bilhões até o fim do ano para a expansão do Auxílio Brasil e do vale-gás de cozinha; para a criação de auxílios aos caminhoneiros e taxistas; para financiar a gratuidade de transporte coletivo para idosos; para compensar os estados que concederem créditos tributários para o etanol; e para reforçar o programa Alimenta Brasil.

Esse valor não precisará observar o teto de gastos, a regra de ouro ou os dispositivos da Lei de Responsabilidade Fiscal que exigem compensação por aumento de despesa e renúncia de receita.

O reconhecimento de estado de emergência serve para que os pagamentos não violem a legislação eleitoral. A criação de benefícios destinados a pessoas físicas é proibida em ano de eleições. A única exceção é a vigência de estado de emergência (Lei 9.504, de 1997). Todas as medidas têm duração prevista até o final do ano de 2022. (Senado)

Continuar lendo

Acre

Novos geoglifos são descobertos na fronteira do Acre com a Bolívia

Publicado

em

Durante um sobrevoo de rotina realizado pelo Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), foram visualizados novos grupos de geoglifos na região de divisa do Acre com a Bolívia.

As espécies de desenhos ou figuras milenares no chão, foram registradas pelo repórter fotográfico Diego Gurgel, e totalizam três conjuntos próximos uns dos outros, com formato circulares e quadrados.

Segundo ele, só foi possível enxerga-los devido à angulação acentuada dos raios solares da manhã, já que a missão iniciou antes do amanhecer. Se não fosse desta maneira, não iriam conseguir, já que os barrancos das marcas não produziriam sombras.

“Os geoglifos são muito difíceis de serem visualizados em outra hora do dia, pois a falta de sombras apaga as formas, sendo eles ignorados por muitos que sobrevoam a Amazônia”, acrescentou.

Estes tipos de construções antigas, feitas pelos povos que viveram na região que hoje é o Estado acreano, também já foram encontrados no final do século passado e no início dos anos 2000.

As primeiras fotos foram realizadas por Agenor Mariano, Edison Caetano e Sérgio Vale e hoje fazem parte do acervo fotográfico da Secretaria de Comunicação do Governo do Estado do Acre.

Suas datações indicam uma idade entre 1500 a 2000 anos e deixaram de ser construídos ou foram abandonados por volta do ano de 1200, consagrando 300 anos antes do descobrimento do Brasil.

A operação atual foi comandada por Samir Rogério, tenente-coronel da Polícia Militar e coordenador de operações do Ciopaer, e na tripulação estavam o segundo-sargento da Polícia Militar Keury Souza e o primeiro-tenente do Corpo de Bombeiros Militar Roger Johnny Filgueira.

Continuar lendo

Acre

Consórcio arremata leilão para implantar subestações de linhão

Publicado

em

As instalações que compõem o lote 13, mais um linhão de rede elétrica no Acre, foram arrematadas pelo consórcio Norte, formado pela Companhia de Transmissão de E. Solo Engenharia S.A. e pela Zopone Engenharia e Comércio Ltda.

O valor ofertado pela empresa para o lote foi de R$ 22,4 milhões, representando um deságio de 31% em relação à Receita Anual Permitida inicial estabelecida pela Agência de R$ 32,5 milhões. A RAP é a receita a que o empreendedor terá direito pela prestação do serviço de transmissão a partir da entrada em operação comercial das instalações.

O lote 13 é composto pelas subestações 230 kV Feijó e 230 kV Tucumã, respectivamente nas cidades de Feijó e Rio Branco, ambas voltadas para a compensação síncrona. O lote é necessário para controle de tensão no sistema elétrico do estado do Acre. Os empreendimentos deverão ser entregues em 48 meses, com previsão de criação de 551 empregos diretos.

Continuar lendo

Acre

Plano Safra do Basa vai destinar R$ 9 bi para a Amazônia Legal

Publicado

em

O montante de R$ 9 bilhões é quanto o Banco da Amazônia (Basa) vai disponibilizar para o setor agropecuário amazônico, por meio do Plano Safra 2022/2023, que vai vigorar entre 1° de julho de 2022 e 30 de junho de 2023. O lançamento do novo Plano ocorrerá no dia 1º de julho, às 9 horas, no auditório Lamartine Nogueira, 15º andar, com transmissão ao vivo pelo canal do Youtube da Instituição.

No último plano Safra (21/22), o Basa aplicou R$ 9,68 Bi no agronegócio regional, valor 33,7% maior do que a safra anterior (20/21) onde foram aplicados R$ 7,24 Bi. De acordo com o gerente de Pessoas Físicas do Basa, Luiz Lourenço de Souza Neto, este desempenho foi muito acima da meta estabelecida. “Foram quase 2,7 bilhões acima da nossa meta, o que reforça a atuação do Banco para o fortalecimento do segmento na economia brasileira”, informou Luiz.

Para anunciar os recursos disponíveis para o Plano Safra 2022/2023 a serem aplicados na região, com as melhores taxas do mercado e condições de financiamento para impulsionar mais ainda o setor do agronegócio, o Banco vai realizar um evento híbrido (presencial e on-line) com a presença de Diretoria Executiva, do Governo do Estado do Pará, além de Instituições relacionadas ao Agronegócio, como o Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Federações, Associações, Assistências Técnicas, Sindicatos Rurais, dentre outros parceiros da Instituição.

Safra anterior

No que se refere ao Plano Safra 2021/2022, o Basa aplicou R$ 9,68 bilhões. Deste total, R$ 5,34 bilhões foram aplicados em pecuária e R$ 4,34 bilhões na agricultura. “Tivemos uma evolução de 33,7% em comparação ao ano safra anterior”, comentou o gerente executivo Luiz Lourenço. Nas últimas cinco safras, o Banco aplicou R$ 28 bilhões no agronegócio regional.

Agricultura Familiar

Dos R$ 9 bilhões destinados para movimentar a economia regional de toda a Amazônia Legal neste novo Plano Safra, R$ 5 bi serão destinados para a agricultura familiar, mini e pequenos produtores.

O Banco planeja a cada safra aumentar as aplicações. Por isso, vem facilitando o acesso por meio de linhas de investimentos do Pronaf, através do Basa Digital. “Como principais desafios para conseguir alcançar esses resultados no plano safra do Banco da Amazônia, destacamos o Basa Digital, que já contempla mais de 13 mil e 300 operações. Só nesse último plano safra, a gente contratou mais de R$ 179,8 milhões de crédito, em custeio agrícola, custeio pecuário e no PRONAF B”.

Na última safra, somente para o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), o Banco destinou mais de R$ 704 milhões, o que demonstra a atuação do Basa no crescimento da agricultura familiar na Amazônia. “A gente trabalha com muita dedicação pra desenvolver ferramentas novas, facilidades de acesso ao crédito, revisão de políticas, que permitam que o pequeno produtor possa ser atendido de maneira mais rápida, prática e objetiva e que o crédito consiga chegar nas mãos desse pequeno produtor rural principalmente”, comentou Luiz Lourenço.

Serviço:

Data: 1º de julho – sexta-feira

Início do evento: 9h

COLETIVA COM A IMPRENSA: 10H

Assunto: Basa lança o seu novo Plano Safra 2022/2023

Entrevistado: Valdecir Tose – presidente do Basa

Envio de perguntas: (91) 98568-7003 – Comunicação do Banco da Amazônia ou chat do YouTube.

Presencialmente e transmissão ao vivo pelo Youtube (bancoamazônia) no link: https://www.youtube.com/watch?v=H68CdgtZ3cQ

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Conteúdo protegido!