Conecte-se agora

Rocha atribui víeis político a acusação contra ele feita pelo Ministério Público

Publicado

em

O deputado Major Rocha respondeu ao processo movido contra ele por improbidade administrativa pelo Ministério Público Estadual pelo suposto aluguel de uma caminhonete para a Câmara Municipal de Rio Branco. A matéria foi publicada no jornal Página 20, pelo jornalista Archibaldo Antunes, ancora do programa Tribuna Livre, da TV Rio Branco. Em sua defesa, Rocha apresentou cópias de seu sigilo bancário e afirma que não recebeu um centavo dos recursos apontados na denúncia.

– Se alguém alugou essa caminhonete que responda pelo ato. Eu não tive conhecimento do aluguel, o veículo sempre esteve à disposição da Associação dos Militares do Acre [AME] – acrescentou.

O tucano atribui víeis político à acusação. Para ele, os processos movidos contra a sua pessoa ocorrem em função de sua atuação contra o governo do Estado. Ele disse que a ordem para denunciá-lo partiu do gabinete do governador.

– Estamos combatendo um grupo muito bem organizado, especialista em poder de influência, na troca de favores, no nepotismo cruzado.  É muito difícil fazer oposição em qualquer lugar no Brasil e no Acre com o poder de cooptação em curso, é quase que impossível – comentou o deputado.

O parlamentar foi duro nas criticas aos promotores que lhe denunciaram. Com relação à Waldirene Cordeiro ele disse que “a promotora que assume o oficio de fiscalizar o Estado é esposa do Secretário de Fazenda do governador. Isso é o que podemos chamar de um lugar ao sol”, afirmou.

Disse ainda que não é a primeira vez que o promotor Danilo Lovisaro o ameaça. No Movimento dos Militares “ele disse que eu iria ser preso e perderia a farda”, acrescentou.  O deputado lembrou o escândalo que envolveu o pai do promotor, o juiz Nestor Nascimento.

– O promotor pensa que todo mundo é igual ao seu pai, Nestor Nascimento que era juiz da 3ª Vara Cível no Rio de Janeiro. Com a participação de diversos advogados como Jorgina de Freitas, procuradores de autarquia e autoridades, desviou vultosa quantia do erário, dos quais, 4 milhões de dólares foram localizados em banco da Suíça. Depois de ele ser condenado a 15 anos de reclusão em regime fechado, em 1994, foi condenado a mais 4 anos pelo crime de facilitação a terceiro na posse de cocaína – lembrou.

Muito tranquilo, o líder da oposição disse que acredita no Poder Judiciário do Acre. Ele colocou seu sigilo bancário à disposição da sociedade e garantiu que não vai se intimidar com as investidas do governo.

(Da assessoria)

 

Anúncios
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Conectar

Deixe uma resposta

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas