Conecte-se agora

Acordo político para evitar demolição da torre de transmissão da RBN pode ter selado a paz entra o prefeito Angelim (PT) e a deputada federal Antônia Lúcia (PSC)

Publicado

em

Da redação de ac24horas

O milagre da conversão aconteceu. Em clima amistoso o prefeito de Rio Branco, Raimundo Angelim (PT), que anteriormente chegou a ser taxado de “enviado do demônio”, nos microfones da Rádio Boas Novas (RBN), no episódio da ação pública de demolição da torre de transmissão da emissora foi sabatinado pela missionária e deputada federal, Antônia Lúcia (PSC), na manhã desta quinta-feira, 12.

Na manhã de hoje [12], Angelim foi recebido como o “homem de Deus”, pela radialista e pastora, Vânia Mendonça. O encontro do prefeito e da missionária, nada lembrou o período em que o imbróglio da demolição da torre de transmissão da RBN, chegou a ser manchete de primeira página em jornais ligados as administrações da Frente Popular.

Segundo Antônia Lúcia, o convite para a entrevista de Angelim teria surgido de uma visita ao gabinete do prefeito, para falar sobre a denúncia movida pela vizinha da rádio RBN, que teria entrado com o pedido de remoção da torre de transmissão da emissora, com base no plano diretor da capital, que vetaria novas edificações de antenas no perímetro urbano a partir de 2006.

Antônia Lúcia salientou que não houve nenhum tipo de negociata e atribui a Deus, a paz celebrada entre o gestor municipal e os dirigentes da RBN. Nos bastidores políticos, pessoas ligadas aos dois lados da questão afirmam que pode ter acontecido um acordo político que poderá envolver inclusive troca de apoio nas eleições municipais deste ano.

Durante mais de uma hora, Angelim usou o espaço do programa Blitz Boas Novas, para prestar contas de seu mandato. A locutora do programa, Vânia Mendonça afirmou por várias vezes que, esta seria a primeira vez em sete anos de vida da RBN, que um gestor de cargo executivo usava os microfones da emissora para falar de sua administração.

Enfatizando que Rio Branco seria uma cidade de pessoas abençoadas, o prefeito disse que estava feliz no mandato e se sentia como se estivesse no primeiro dia de mandato. Angelim aproveitou a oportunidade para falar de inaugurações e entregas de aparelhos médicos em postos de saúde e construção de centros de saúde e creches nos bairros.

“Gostaria que a marca de meu governo tocasse o coração das pessoas. Quero ser lembrado como o prefeito que respeitou que foi acolhedor e que humanizou a cidade, porque asfalto e prédio é coisa tangível, o que vale é acolhimento, a autoestima e o respeito à pessoa humana”, disse o prefeito.

A deputada Antônia Lúcia chegou a espetar o prefeito quando ele falou na questão da educação. A parlamentar lembrou que apenas um aluno do Acre teria sido aprovado para curso de medicina da Ufac, questionando a qualidade de ensino oferecida pelas administrações petistas do Acre.

Depois do desconforto do questionamento sobre a qualidade na educação, a missionária e o prefeito dividiram os microfones da RBN, para responder perguntas dos ouvintes da emissora.

CASO DA DEMOLIÇÃO DA TORRE DA RBN

“Quando se tem Deus no coração tudo é possível”, enfatizou o prefeito Angelim, quando o assunto da demolição da torre de transmissão da RBN entrou na pauta da entrevista. “Nós chegamos à conclusão que para chegar à solução o caminho melhor é a Justiça. O que não podemos admitir é que uma questão eminentemente técnica afaste as pessoas”.

Cogitando com a possibilidade de um entendimento político, o prefeito acrescentou que líderes políticos de responsabilidade com a comunidade têm que está cada vez mais próximo em defesa dos interesses da comunidade. Mesmo não admitindo a existência de um acordo, Angelim lembrou várias vezes o encontro com Antônia Lúcia.

Segundo a deputada Antônia Lúcia, o Ministério Público Estadual (MPE) teria intercedido na questão e, no próximo dia 19, acontecerá uma audiência de conciliação entra os representantes da RBN e a autora da ação de demolição, Risoleta Cruz.

A conciliação poderá ser a saída honrosa para o prefeito, que durante entrevistas anteriores negou a possibilidade de modificar o plano diretor da cidade em detrimento da questão.

De um lado, para negar a existência de um acordo político, o prefeito diz que não existe espaço para mágoa em seu coração, na outra ponta da questão a missionária, sem negar que procurou Angelim, diz que não houve nenhum tipo de negociata, “apenas o compromisso de pessoas públicas que trabalham pela população.

Ao final da entrevista, o prefeito admitindo a nova simpatia com a RBN, afirmou: “É fenomenal. É mágica essa emissora de rádio”.

Acre

Acre registra dois novos casos e mais uma morte por Covid-19

Publicado

em

Em boletim divulgado na tarde desta quinta-feira, 23, a Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), informou o registro de dois novos casos de infecção por coronavírus e mais uma morte pela doença, elevando o número de infectados para 87.934 e de morte para 1.836.

Até o momento, o Estado registra 248.003 notificações de contaminação pela doença, sendo que 160.024 casos foram descartados e 45 exames de RT-PCR seguem aguardando análise do Laboratório Central de Saúde Pública do Acre (Lacen) ou do Centro de Infectologia Charles Mérieux. Pelo menos 85.917 pessoas já receberam alta médica da doença, sendo que 13 seguiam internadas até o fechamento deste boletim.

O óbito registrado foi da moradora de Epitaciolândia, J.B.S.C., de 21 anos, que deu entrada no dia 23 de agosto, no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia do Acre (Into-AC), e faleceu no dia 21 de setembro.

Continuar lendo

Acre

MPF cobra mais acessibilidade no aeroporto de Rio Branco

Publicado

em

O Ministério Público Federal (MPF) no Acre oficiou a superintendência do Aeroporto Internacional de Rio Branco com prazo para a tomada de medidas que melhorem as condições de embarque e desembarque de passageiros com deficiência ao utilizarem as instalações e facilidades do aeródromo.

Segundo o procurador regional dos Direitos do Cidadão, Lucas Costa Almeida Dias, a medida faz parte de ação coordenada pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), que propõe a apuração das condições de acessibilidade de passageiros com necessidades de assistência especial no embarque e desembarque nos aeródromos brasileiros.

O MPF elaborou relatório circunstanciado sobre as condições de acessibilidade no Aeroporto Internacional de Rio Branco e constatou falta de sinalização tátil nas dependências do aeroporto para pessoas com deficiência visual, bem como ausência de adequação às normas técnicas dos blocos do piso tátil existentes.

Além disso, foi constatado que as companhias áreas não dispõem de equipamentos suficientes que auxiliem os passageiros no embarque e desembarque, como cadeiras motorizadas, equipamento de ascenso e descenso, rampas de acesso as aeronaves, pontes de embarque/desembarque.

Também foi detectado que falta fiscalização na parada de veículos na via pública de circulação do aeroporto, de modo que os motoristas ocupam as vagas reservadas para PCD ou bloqueiam o acesso às rampas, bem como as calçadas e vias de acesso estão deterioradas, e apresentam, além de rachaduras, obstáculos como valas a céu aberto e tampas elevadas que podem acidentar os transeuntes, sobretudo as pessoas com deficiência.

Outras falhas elencadas no relatório do MPF são o número insuficiente de assentos reservados às PCDs no terminal de desembarque, bem como a existência de apenas um caixa eletrônico de autoatendimento bancário destinado ao uso geral de passageiros, de maneira que, para a PCD realizar o autoatendimento no terminal precisa contar com a ajuda de terceiros, o que fragiliza a sua segurança. Além disso, nenhuma das companhias aéreas possui balcões adaptados para atendimento acessível e não existe fraldário adulto no saguão, ou nas salas de embarque/desembarque do aeroporto.

O MPF questiona à superintendência do aeroporto quais medidas serão adotadas para sanar as irregularidades apontadas no relatório técnico e garantir a acessibilidade às pessoas com deficiência, além de pedir que seja encaminhado cronograma detalhado dessas atividades, com prazo máximo de seis meses para execução.

Continuar lendo

Acre

Desocupação no Acre segue entre as 10 maiores do país

Publicado

em

A taxa de desocupação do Acre no 2º trimestre deste ano ficou em 15,9% da população em idade de trabalhar, percentual que o coloca na 9ª posição entre os Estados e em nível superior à média brasileira (14,1%).

Os dados constam do boletim periódico do Instituto Jones dos Santos Neves, que realiza estudos para o Governo do Estado do Espírito Santo. Na PNAD Contínua divulgada em 31 de agosto de pelo IBGE, a desocupação no Acre era a 8ª maior do País. O ranking era liderado por Pernambuco nos dois estudos.

Consideram-se desocupadas, aquelas pessoas sem trabalho, na semana de referência da pesquisa, que tomaram alguma providência efetiva para consegui-lo no período de referência de 30 dias e que estavam disponíveis para assumi-lo na semana de referência.

Consideram-se, também, como desocupadas as pessoas sem trabalho na semana de referência que não tomaram providência efetiva para conseguir trabalho no período de referência de 30 dias porque já haviam conseguido trabalho e que iriam começar após a semana de referência.

Continuar lendo

Acre

Acre registrou 3.085 focos de incêndios em setembro, diz Inpe

Publicado

em

Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) apontam que o Estado do Acre registrou, somente nos primeiros 20 dias de setembro, 3.085 focos de incêndio. Já os números desde o dia 1° de janeiro mostram que foram registrados 6805 focos nos 22 municípios acreanos.

Segundo os dados do Inpe, o total é o maior dos últimos 16 anos. O instituto mostrou que os municípios que realizaram maiores índices de queimadas, nos últimos 9 meses, foram Feijó e Tarauacá.

Já na região norte, foram contabilizados mais de 11 mil focos de calor. A Amazônia brasileira registrou em agosto de 2021 mais de 28 mil focos de queimadas —o terceiro pior resultado para o período nos últimos 11 anos. Os números, disponibilizados pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), só ficaram atrás dos registrados em 2019 e 2020, os dois primeiros anos do governo de Jair Bolsonaro (sem partido).

Os incêndios no bioma costumam estar associados ao desmatamento. O fogo é usado para queimar a vegetação derrubada — e que foi deixada secando— e para limpar pastos.

O recorde de incêndios para agosto aconteceu há dois anos, quando foram mais de 30 mil focos de queimadas na região.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas