Conecte-se agora

Suely Melo apresenta evolução do TFD nos sete primeiro meses da gestão de Tião Viana

Publicado

em

A Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) apresentou na última semana, o relatório de atendimentos realizados pelo Programa de Tratamento Fora de Domicílio (TFD) de janeiro a julho de 2011.

O relatório dos sete primeiros meses apresenta dados consolidados indicando um crescimento importante em relação aos atendimentos prestados aos pacientes que necessitaram de atendimento fora do seu domicílio em 2010.

Participaram da apresentação a secretária de Estado de Saúde, Suely Melo, o secretário adjunto de Atenção à Saúde, José Amsterdam Sandres, a coordenadora da Diretoria Executiva da Sesacre, Celene Prado, a gerente do TFD, Ediná Monteiro, a gerente do Departamento de Vigilância em Saúde, Izanelda Magalhães, e assessores do gabinete do governador Tião Viana.

Durante todo o ano de 2010 foram registrados 4.530 novos processos intermunicipais, desses, foram atendidos 3.515, representando 77,59% de cobertura. De janeiro a julho deste ano os novos processos para tratamento fora de domicílio dentro do estado foram de 4.596, sendo que 2.492 já foram atendidos, mais 50% de cobertura, em apenas sete meses.

Já o demonstrativo dos processos interestaduais indica que, em 2010, 2.550 pacientes deram entrada para realizar procedimentos fora do estado e 2.107 foram atendidos. Em 2011, das 1.558 solicitações, 1.457 pacientes foram encaminhados para tratamento em outros estados.

Em 2010, foram investidos mais de R$ 3 milhões para atender 7.030 pacientes, juntamente com 4.920 acompanhantes, que fizeram tratamento de saúde na Capital do Acre. De acordo com o relatório, de janeiro a julho do ano corrente, os investimentos já passam de R$ 2 milhões, e os atendimentos foram de 4.984 pacientes e 3.483 acompanhantes.

Ainda no ano de 2010, para os pacientes que realizaram atendimentos nas unidades de referências em outros estados, foram gastos cerca de R$ 6 milhões, incluindo os acompanhantes – tanto para retorno, como para novas consultas. De janeiro a julho de 2011, o valor subiu para mais de R$ 7 milhões. Cada paciente e acompanhante representa para o cofre público um investimento de R$ 1.578,00, ao mês. Dependendo do caso, sai mais barato trazer o médico até o Estado do que deslocar o paciente.

“É importante destacar que do total de pacientes encaminhados todos os meses para Tratamento Fora de Domicílio, cerca de 40% vão realizar a primeira consulta, os outros 60% são pacientes que precisam fazer acompanhamentos periódicos”, esclarece a secretária de Estado de Saúde, Suely Melo.

Para a secretária, os custos de TFD são elevados, mas o Governo do Estado prioriza a saúde dos acreanos e vem trabalhando para ampliação e implantação de serviços de saúde para reduzir a necessidade de deslocamentos de muitos pacientes.

Ela destacou como exemplo os mutirões de cirurgias da equipe do Into que vem ao Acre de duas a três vezes por ano para realizar cirurgias de joelhos, quadril e coluna. A equipe do Hospital Real Português de Pernambuco, que é referência no país na área de cirurgia cardíaca, e vem realizando implantação e avaliação de marcapasso em mais de 150 pacientes.

Por último, ela lembra o programa Saúde Itinerante “Cuidando dos Seus Olhos”, que foi um “boom” na área de oftalmologia do Acre em mais uma iniciativa do governador Tião Viana. “Todos esses serviços oferecidos contribuíram para resolutividade do problema de saúde de muitas pessoas, além de diminuir a espera dos pacientes para atendimentos nessas especialidades”, diz a secretária.

A secretária finaliza dizendo que outros serviços com maior complexidade, como a cintilografia óssea, serão oferecidos no Acre pelo Sistema Único de Saúde (SUS), “a cardiologia é uma das maiores demandas do TFD, por isso estamos em fase de licitação de uma empresa para realizar esse procedimento aqui mesmo no estado, garantindo mais conforto e comodidade para os pacientes, que poderão fazer o tratamento perto da família”.

Para Ediná, o acréscimo na oferta de serviços do TFD foi possível devido à melhoria no acesso às ações de saúde. “O Governo do Acre vem priorizando as ações de saúde em nosso estado, oferecendo melhores condições aos pacientes, como por exemplo, a contratação de médicos para atuar nas unidades de saúde do interior. A elevação da oferta dos serviços facilita o diagnóstico e, por conseguinte, há um aumento nos números de pacientes referenciados”.

Ainda segundo a gerente, outro fator importante são as ações do Programa Saúde Itinerante que durante os atendimentos realizados nas localidades de difícil acesso identifica os pacientes com necessidades de transferência para tratamento ou continuidade de tratamento médico especializado, que não tem disponível em seu município de residência.

“É importante destacar que muitas vezes não há necessidade de deslocamento, pois a equipe do Programa Saúde Itinerante soluciona o caso no município de origem do paciente. Se não fosse o trabalho realizado por essa equipe, com certeza nossa demanda seria maior. O Saúde Itinerante é um divisor de águas na saúde do nosso estado”, enfatiza a gerente do TFD.

De acordo com Ediná, em junho deste ano, o Programa Saúde Itinerante realizou atendimento em Tarauacá, e muitos pacientes que estavam com processo de tratamento fora de domicílio formalizado tiveram seus casos resolvidos. Das 363 pessoas atendidas, 236 já aguardavam TFD. Após a ação da equipe 156 pacientes tiveram sua situação resolvida e somente 80 foram encaminhados para Rio Branco.

As especialidades com maiores demandas do programa de TFD no Acre são cardiologia, ortopedia, neurologia, oncologia. Cada paciente permanece em média de 5 a 15 dias nos locais de atendimento. A ajuda de custo para auxiliar o paciente no período em que está fora do estado é de R$ 300,00.

Sobre o TFD – O Tratamento Fora de Domicílio é um programa do SUS, destinado às pessoas que necessitam de tratamento especializado não disponível na localidade de origem. O paciente é encaminhado pelo médico da rede pública onde reside para um centro de maior recurso. O programa oferece consulta, tratamento ambulatorial, hospitalar e cirúrgico previamente agendado, passagens de ida e volta ao paciente e, se necessário, ao acompanhante, para que possa deslocar-se até o local onde será realizado o tratamento e retornar à cidade de origem, sendo também oferecida uma ajuda de custo.

Para ter acesso ao programa é necessário laudo médico, próprio do TFD, devidamente preenchido pelo médico solicitante, contato com o programa para providências e encaminhamentos e apresentação de documentação específica.

Mônica Araújo – Assessoria Sesacre

Acre

Ludmila grava video xingando seguidores e depois apaga

Publicado

em

Em um vídeo publicado nas redes sociais, nesta terça-feira, 6, a Influenciadora digital, Ludmilla Cavalcante desabafou e chegou a xingar alguns de seus seguidores.

Completamente abalada, a blogueira inicia a gravação dizendo não aguenta mais todo mundo falando mal de tudo o que faz, dessa vez se referindo ao cabelo, que por ter mudado o visual, estaria recebendo opiniões negativas.

“Não quero saber de ninguém falando do car*lh* do meu cabelo. Eu não pedi a opinião de ninguém, não sou obrigado a ficar aguentando gente escrota o dia inteiro. Eu vou mandar para put* que pariu, tomar no c*, não sou mais obrigada a aguentar”, expressou.

Por estar em São Paulo, ela afirma que algumas pessoas estão cobrando uma visita à filha Antonella, que mora no estado com o pai e se desespera por não querer que falem de sua maternidade.

“Eu estou em São Paulo há 5 dias trabalhando, se eu pudesse ir naquela cidade, eu já tinha ido. Estou gastando o dinheiro que eu tenho com advogado, me matando dentro de um processo judicial e eu não admito gente vir falar que eu sou uma mãe isso ou aquilo”, esclareceu.

Em diversos momentos Ludmilla afirma que está cansada, exausta e irritada e mantém o diálogo com várias palavras obscenas. Após poucos minutos, a publicação foi excluída.

ASSISTA AO VÍDEO EXCLUÍDO NA ÍNTEGRA:

video
play-rounded-fill
Continuar lendo

Acre

Defesa Civil prevê que Rio Acre alcance 16 metros em 2023

Publicado

em

O início do mês de dezembro tem sido marcado por fortes chuvas em Rio Branco. Além dos transtornos que o aguaceiro tem ocasionado, já que estão vindo acompanhados de fortes ventos, se tornado temporais, a população dos bairros mais baixos da capital acreana já começa a pensar na possibilidade de uma alagação nos primeiros meses de 2023.

A preocupação da população é justificada pelo monitoramento da Defesa Civil de Rio Branco. O trabalho de análise das chuvas atuais e das previsões para o início do ano ligam o sinal de alerta das autoridades. “Neste início de dezembro tem sido muito chuvoso e as chuvas não têm acontecido apenas em Rio Branco, ocorrem também nos municípios e essa água acaba desaguando aqui. Por isso, trabalhamos sim com a possibilidade de uma enchente no ano que vem”, afirma Cláudio Falcão, coordenador da Defesa Civil.

O monitoramento aponta para uma provável enchente considerada de média para grande, com o nível do Rio Acre atingido cerca de 16 metros, o que poderia afetar quase mil famílias. “A gente trabalha com um limite de 16 metros, que é considerada de média para grande enchente. Por exemplo, se o rio atingir entre 15,70 ou 15,80m, teríamos umas 600 famílias atingidas, com a necessidade de remoção de cerca de 100 famílias. De qualquer maneira, a Defesa Civil trabalha com o pior cenário, esperando que o melhor sempre aconteça”, enfatiza Falcão.

Com a chuva registrada nesta última segunda, o nível do Rio Acre subiu mais de três metros em Rio Branco em 24 horas e na medição desta manhã estava com 8,74 metros.

Continuar lendo

Acre

Acre registra mais de 200 casos de Covid-19 nesta terça-feira

Publicado

em

A Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), por meio do Departamento de Vigilância em Saúde (DVS), informa que foram registrados 205 novos casos de coronavírus nesta terça-feira, 6 de dezembro. O número de infectados notificados é de 154.941 em todo o estado.

Nenhum óbito foi notificado nesta terça, 6, fazendo com que o número oficial de mortes por Covid-19 permaneça em 2.032 em todo o estado.

Continuar lendo

Acre

IBGE: 72,77% da população do Acre já está recenseada

Publicado

em

O IBGE divulgou nesta terça-feira (6) o 4º balanço da coleta do Censo Demográfico 2022. Desde o início da operação, em 1º de agosto, até o dia 05 de dezembro, foram recenseadas 168.018.345 pessoas, em 59.192.875 domicílios no país.

O Acre está com 72,77% de sua população recenseada e se inclui entre os cinco Estados com menor contagem até agora. Esse percentual é também inferior à média nacional, de 78,73% dos habitantes visitados pelo IBGE.

O Instituto relata que está enfrentando dificuldades relativas à falta de pessoal para atuar como recenseador em determinados locais. Em todo o país, de 28/11 a 4/12, o IBGE contava com 60.611 recenseadores em ação, 33,1% do total de vagas disponíveis.

“Os cinco estados menos adiantados na evolução da coleta – Mato Grosso, Amapá, Espírito Santo, Acre e São Paulo – estão com, respectivamente, 42,1%, 35,6%, 30,3%, 40,0% e 31,9% das vagas ocupadas ativas”, diz o Instituto.

Do total de pessoas recenseadas em todo o País, 29,43% estavam na região Nordeste, 39,54% no Sudeste, 14,76% no Sul, 8,79% no Norte e 7,44%no Centro-Oeste. Até o momento, 48,4% da população recenseada eram homens e 51,6% eram mulheres.

Esse total corresponde a 78,73% da população estimada do país. O estado mais adiantado, ou seja, com maior proporção de pessoas recenseadas em relação a população estimada, é o Piauí (96,2%), seguido por Sergipe (91,2%) e Rio Grande do Norte (89,8%). Os menos adiantados são Mato Grosso (65,9%), Amapá (66,9%) e Espírito Santo (70,67%).

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.