Conecte-se agora

Insistência no uso do azul leva MP a acionar Bocalom por improbidade administrativa

Publicado

em

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC) quer condenar o prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom (PP), por atos de improbidade administrativa que causam prejuízo ao erário e atentam contra os princípios da administração pública. O motivo é a insistência do gestor da capital acreana em pintar prédios e outros bens públicos com a cor azul, o que para o MP tem “a evidente finalidade de divulgação e propaganda de sua gestão”.

Após ter instaurado Inquérito Civil em maio passado a respeito do assunto, a 2ª Promotoria de Justiça Especializada de Defesa do Patrimônio Público e Fiscalização das Fundações e Entidades de Interesse Social ajuizou Ação Civil Pública contra o prefeito endereçada ao Juízo de uma das Varas da Fazenda Pública da Comarca de Rio Branco – Acre.

No procedimento, a promotora de justiça Laura Cristina de Almeida Miranda afirma que após assumir a função para a qual fora eleito, Bocalom tem se utilizado do cargo para promover obras de cunho ideológico e de caráter político partidário, buscando máxima promoção pessoal e do partido ao qual se mantém filiado.

“Como é cediço, o gestor é filiado ao Partido Progressistas (PP), notoriamente identificado pela cor azul, bem como é certo que durante toda a sua vida política utilizou a referida cor para publicidade pessoal e para fins de candidatura nas eleições em que disputou, conforme resta evidenciado no acervo fotográfico em anexo”, diz a promotora.

A representante do Ministério Público destaca que Bocalom chegou a mudar a cor tradicional da decoração natalina, que é o vermelho, para o azul, fato que repercutiu não apenas na imprensa estadual e nacional, mas também na mídia internacional, como foi o caso da publicação feita no jornal britânico The Guardian no dia 14 de dezembro do ano passado.

A promotora Laura Cristina anexou à ação algumas reportagens jornalísticas que mostram a reação do prefeito com relação à repercussão que a tonalidade azul da decoração natalina do ano passado causou. “Que diferença faz se for azul ou vermelho? Não sei por que as pessoas falam tanto sobre isso. Agora estamos adotando o azul. Qual é o problema com isso?”, foram algumas das respostas de Bocalom.

Outro fato que teve grande repercussão, com a produção e propagação de vários memes na internet foi a pintura em azul das faixas de trânsito na capital acreana. À época, a Superintendência de Transporte e Trânsito de Rio Branco (RBTrans) justificou que as faixas foram pintadas de azul e branco para dar mais visibilidade às pessoas com necessidades especiais, fossem elas pedestres ou condutores.

Além da condenação de Bocalom por atos de improbidade administrativa que causam prejuízo ao erário e atentam contra os princípios da administração, a promotora também pede que ele retire, por sua conta, todas as pinturas realizadas em bens públicos na cor azul, assim como se abstenha de fazer novamente, sob pena de multa diária, nos termos do art. 537, do Código de Processo Civil.

Destaque 4

Moradores do Rui Lino se dizem abandonados e cobram serviços do poder público

Publicado

em

A situação do bairro Rui Lino 3, em Rio Branco, vem desagradando os moradores da região que resolveram fazer uma série de reclamações a reportagem do ac24horas nesta segunda-feira, 6.

Segundo relatos, várias ruas da localidade estão em um completo abandono. Morador do bairro na rua Aripuana há 5 anos, Manoel Carlos, contou que nunca havia presenciado tamanho descaso tanto na qualidade da via pública, como na limpeza. “No meu banheiro já vi até piolho de cobra esses dias e isso preocupa, porque a gente paga para limparem o terreno, mas a prefeitura não limpa as ruas e as áreas que não tem residências que são de responsabilidade deles. Pagamos impostos”, reclamou.

Outro residente do bairro, Lucas Mateus, 23 anos, disse que trabalha na área da saúde e precisa usar roupas brancas, mas, vem enfrentando dificuldade para chegar ao serviço limpo. “O mato está tomando de conta e as ruas, parte dela que tinha asfalto, já não tem mais e aí chego sujo, mesmo pagando o IPTU, aliás, a parcela já veio”, comentou.

Na avenida principal do bairro, existem áreas de responsabilidade do poder público, porém, boa parte delas tomadas pelo lixo e matagal, incluindo uma praça de lazer com desporto. Na rua Rio Madeira, por exemplo, o lixo invade a via pública.

Resposta da prefeitura

Em contato com o secretário da zeladoria de Rio Branco, Joabe Lira, ele negou que o bairro não tenha passado por serviços de limpeza, porém, garantiu que já existe uma programação para a limpeza em todos os bairros da cidade. “Fizemos a limpeza de todos os bairros e do bairro Rui Lino 3, esse ano, vamos fazer novamente”, comentou.

A reportagem não obteve respostas da secretaria de Infraestrutura acerca da reclamação dos buracos da região.

 

Continuar lendo

Destaque 4

“Nossos povos originários suplicam auxílio”, diz médica acreana em missão aos Yanomamis

Publicado

em

A médica pediatra acreana Milena de Sá, que foi convocada em caráter de urgência pela Força Nacional para integrar a missão humanitária de apoio ao povo indígena Yanomami, em Roraima, publicou um relato por meio de sua conta no Instagram sobre sua participação.

A profissional da saúde, que é natural de Cruzeiro do Sul, detalhou como recebeu a convocação e o que espera da missão. “Nossos povos originários suplicam auxílio e tenho certeza que, levando meu conhecimento em pediatria, serei eu a maior aprendiz da aldeia”.

Milena embarcou para as Terras Yanomamis nesse final de semana. “Já sei que voltarei uma mulher diferente”, escreveu em sua publicação.

Uma comitiva liderada pelo Ministério dos Diretos Humanos e da Cidadania se mantém em Boa Vista, Roraima, para levantar informações sobre a tragédia humanitária em territórios indígenas. A iniciativa emergencial faz parte das ações prioritárias para o enfrentamento às violações de direitos do povo Yanomami reveladas na região de Boa Vista.

Continuar lendo

Destaque 4

Do lixo ao luxo: Acreana transforma produtos descartados em utensílios e móveis

Publicado

em

O vídeo dessa semana convida a fazermos uma reflexão a respeito do consumo consciente e a responsabilidade com o meio ambiental.

O videomaker do ac24horas, Kennedy Santos, apresenta a história curiosa da moradora do bairro Universitário, em Rio Branco, Neide Moura, que reaproveita materiais recicláveis encontrados no lixo para fazer móveis e utensílios de cozinha.

Na casa da acreana, objetos velhos como madeira, garrafas, pequenos potes de massa de tomate, por exemplo, são transformados em organizadores, algo útil pro dia a dia.

Cada canto da residência possui algo construído ou reformado, como sofá, bancos, painel de televisão, decorações e até mesmo o ventilador alaranjado, vantagens que para ela foram fundamentais.

“Eu viajei com o dinheiro de um sofá que eu deixei de comprar, já que consegui fazer um com materiais que iam para o lixo, que as pessoas não dão valor”, declarou.

Além disso, a mulher é incansável na busca de voluntários para o Projeto ‘Bora Reciclar com Amor’.

A ação contribuí com o reaproveitamento de materiais descartados incorretamente, como garrafas pets, plásticos, papel, fios, entre outros. Ela usa as redes sociais como recursos para aumentar o número de adeptos.

“O poder público poderia investir nisso e observar que uma simples coleta aqui está fazendo a diferença de não acumular produtos na cidade, que trazem prejuízos a população”, disse Carolyne Yunes, que contribuí com doações.

Kennedy acompanhou por dois dias o trabalho da ambientalista amadora, que se orgulha der ser chamada de consumidora consciente, por sua responsabilidade social e ambiental.

Do lixo ao luxo: Acreana transforma produtos descartados em utensílios e móveis
play-rounded-fill
Continuar lendo

Destaque 4

Após consolidação do milho, soja começa a ganhar espaço no Alto Acre

Publicado

em

Há pouco mais de cinco ou seis anos, era inimaginável que o município de Xapuri pudesse ganhar algum destaque na área da agricultura no Acre que não fosse apenas pela produção de subsistência, que sempre caminhou de maneira coadjuvante frente à produção de borracha e castanha e, depois, à pecuária.

 

Atualmente, apesar de ainda ser uma iniciativa de poucos produtores, de maneira específica de alguns tradicionais pecuaristas da região, a agricultura com fins comerciais vem sendo praticada há algum tempo e tem crescido a cada ano em quantidade de hectares plantados, especialmente na produção de milho.

 

Soja em Xapuri

 

Neste ano, uma novidade se junta ao milho em Xapuri. A soja chegou ao município por meio da fazenda Portuguesa, na BR-317, que plantou 300 hectares da leguminosa com a expectativa de uma colheita de cerca de 800 toneladas – uma média de 50 sacas por hectare plantado.

Localizada nas proximidades da zona urbana de Xapuri, a fazenda Portuguesa é uma das propriedades pioneiras do município na plantação de milho em maior escala. Em 2021, foram 200 hectares com uma colheita de cerca de cerca de 1.000 toneladas do produto. No ano passado, de acordo com Huaris Arruda Melo, administrador da propriedade, a fazenda “virou a chave” para a soja.

 

De acordo com ele, desde o preparo do solo, passando pelo plantio até a colheita, a fazenda Portuguesa deve gerar direta ou indiretamente cerca de 40 empregos em todos os serviços. “A colheita está prevista para começar esta semana, após passar pelo processo de dessecagem”, explica o gerente.

 

A soja é verdadeiramente uma novidade em Xapuri e tem atraído a atenção por provocar uma mudança radical na paisagem de áreas da fazenda onda por muitas décadas só foi possível se ver rebanhos bovinos e pastagens a perder de vista.

 

Mas o produto não deve ficar restrito apenas à fazenda Portuguesa. A iniciativa da propriedade deve receber em breve a adesão de outros produtores que tem a criação de gado como o “carro-chefe” da produção, mas que passaram a abrir espaço nos seus pastos para a agricultura.

 

A força do milho

 

Um desses produtores é o paulista Júnior Ignácio, de Franca, outro conhecido criador de gado em Xapuri que aderiu à agricultura como atividade complementar à pecuária.

 

Em 2020, na sua primeira safra de milho, Ignácio plantou uma área de 60 hectares e colheu cerca de 300 toneladas. No segundo ano, em 2021, a produção já subiu para 170 hectares e nesta próxima safra de 2022 serão 300 hectares de milho a serem colhidos.

As safras anteriores foram todas comercializadas diretamente com as indústrias Dom Porquito e Frigoaves, em Brasiléia. Júnior conta que o resultado do plantio de milho têm sido altamente positivo a ponto de uma safra estar financiando a seguinte, em maior tamanho de área plantada.

 

A propriedade de Júnior Ignácio, a fazenda Bom Jesus, se localiza no ramal do seringal Cachoeira, a alguns quilômetros da BR-317. Segundo ele, depois das primeiras experiências com o milho, agora seu o objetivo é ampliar ainda mais a área de lavoura a partir da próxima plantação, inserindo a soja.

 

“Para o próximo ano, a nossa intenção é aumentar mais 100 hectares de área plantada, totalizando 400 hectares, sendo 200 de milho e 200 de soja. Depois de colher a soja, faremos uma safrinha de milho de 200 hectares. Então, no total vão ser 600 hectares de áreas cultivadas, de acordo com a nossa projeção”, explicou o produtor.

 

Pecuarista tradicional na região, de uma família que cria gado em Xapuri desde a década de 1970, o proprietário Carlos Silva Novais aposta na plantação do milho já pelo quinto ano seguido e diz que a experiência tem sido sempre muito gratificante. Ele plantou 60 hectares neste ano, com recursos próprios, e tem a previsão de obter 100 sacas por hectare na colheita.

 

“A nossa expectativa é de colher cerca de 100 sacas por hectare, gerando emprego temporário para umas dez pessoas. Esse ano estamos com um plantio de 60 hectares. Os resultados dos últimos anos estão dentro do esperado, salientando que todo o processo de produção é feito com recursos próprios”, afirmou o produtor.

 

Produção de milho e soja no Acre

 

Publicação da Embrapa no ano passado diz que nos últimos 10 anos, a área cultivada de milho no Acre caiu 15%. Em compensação, a quantidade produzida subiu 28% e o rendimento de produção (kg/ha) cresceu 36%. Em 2021, a produção de milho ficou em cerca de 7.300 toneladas.

 

O cultivo de soja começou a ser introduzido e incentivado no Acre em 2017. Nesse período, a produção do grão deu um salto de 7.000% e a produtividade foi de 60 sacas por hectare, um pouco acima da média nacional que é de 57 sacas.

 

Em áreas já desmatadas com a utilização do sistema Integração Lavoura-Pecuária, o valor bruto do plantio de milho e soja foi de R$ 15.420,00 por hectare/ano.

 

Os dados são do IBGE.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.