Conecte-se agora

MP usa dados de satélite para identificar e responsabilizar desmatadores ilegais no Acre

Publicado

em

Um dos projetos inscritos na 4ª Edição do Prêmio MapBiomas mostrou que dados de satélite estão ajudando o Ministério Público do Estado do Acre (MPAC) a identificar e responsabilizar desmatadores ilegais no estado.

A ação foi desenvolvida pelo Núcleo de Apoio Técnico (NAT), que utiliza a plataforma MapBiomas para realizar cruzamentos de alertas de desmatamentos, captadas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), com imagens de alta resolução.

O trabalho começou a partir da criação da força-tarefa, no âmbito do MP acreano, voltada para enfrentamento às queimadas e desmatamento, com ou sem licenças ambientais, em 2020. Nessa época, os focos de queimadas haviam crescido de forma exponencial e o Acre figurou como o 2º maior estado com maior nível de desmatamento.

Falta de transparência

Uma das maiores dificuldades do Ministério Público acreano é a falta de transparência dos dados estaduais sobre a situação de multas e áreas embargadas, além de impedir o monitoramento do andamento dos processos administrativos para inscrição em dívida pública.

Foi o uso dos alertas de desmatamento emitidos pelo MapBiomas Alerta que ajudou o MPAC a elevar a eficiência da fiscalização e responsabilização dos autores de crimes ambientais.

Além da extensão das áreas a serem fiscalizadas, uma das maiores dificuldades do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC) é a falta de transparência dos dados estaduais sobre a situação de multas e áreas embargadas.

Isso dificulta, por exemplo, identificar quem aderiu efetivamente ao Programa de Recuperação de Áreas Degradadas previsto no Código Florestal, a partir da assinatura de termos de compromisso e plano de recuperação de áreas (PRADA). A falta de transparência também impede o monitoramento do andamento dos processos administrativos para inscrição em dívida pública.

Para superar esses obstáculos, o MPAC está recorrendo à tecnologia: ao sistematizar e fornecer de modo integrado as informações e dados sobre desmatamento e Sistema de Cadastro Ambiental Rural (SICAR), a plataforma MapBiomas Alerta tem ajudado o órgão a identificar os responsáveis por desmatamentos ilegais.

Com isso, até o final do ano passado, foram expedidos 48 ofícios pela Força-Tarefa ao Instituto do Meio Ambiente do Acre (IMAC), enviando os dados dos alertas para responsabilização administrativa dos infratores. Onze Ações Civis Públicas foram ajuizadas, com quatro audiências realizadas. Ao todo, 102 alertas de desmatamento foram analisados.

Força-Tarefa

Em 2020, o MPAC criou uma Força-Tarefa para o Combate às Queimadas e Desmatamentos Ilegais que começou a usar os dados do MapBiomas para estabelecer uma estratégia de combate ao desmatamento e queimadas no Acre. Os dados da plataforma permitiram estabelecer critérios para seleção das situações prioritárias, considerando tamanho dos desmatamentos e percentual de área, em virtude do grande volume de alertas de desmatamento no estado.

Utilizando como referência as bases oficiais existentes, foram identificados e excluídos os alertas localizados em áreas de competência federal, como as Terras Indígenas, Unidades de Conservação federal e Assentamentos do INCRA, uma vez que estes são de competência do Ministério Público Federal.

Uma vez filtrados e selecionados os alertas localizados em áreas de competência estadual, o MPAC concentrou-se sobre os alertas em áreas maiores que 10 hectares. Embora essa classificação responda por apenas 15% dos alertas, ela abrange quase metade da área total do Estado desmatada entre 2019 e 2020.

Municípios alvo

O MPAC também elencou os municípios com maiores números de focos de queimadas em 2020, na comparação com 2019, segundo dados do Corpo de Bombeiros e do Laboratório de Geoprocessamento Aplicado ao Meio Ambiente -LabGama da Universidade Federal do Acre (Ufac). O cruzamento desses rankings gerou os municípios onde o MPAC atuaria de forma prioritária: Feijó, Rio Branco, Sena Madureira, Tarauacá, Manoel Urbano, Xapuri, Brasiléia, Plácido de Castro, Senador Guiomard e Cruzeiro do Sul.

Para chegar ao desmatamento ilegal, além do cruzamento com o CAR, fornecido pelo MapBiomas Alerta, o MPAC identifica o responsável ou responsáveis pelo desmatamento dentro do módulo do SICAR. A partir desse ponto se torna possível a consulta nas demais bases, como as bases das licenças estaduais, no banco de dados desta coordenação técnica no MPAC.

Dados do Sinaflor

Também são avaliadas as informações sobre áreas legalmente protegidas e embargo por desmates anteriores sem autorização federal, a partir do SINAFLOR (Sistema Nacional de Controle da Origem dos Produtos Florestais).

Recorrer aos dados SINAFLOR, ou seja, a informações concernentes ao IBAMA – Instituto Brasileiro dos Recursos Naturais Renováveis, foi outra estratégia usada pelo MPAC para contornar a falta de transparência, por parte do Instituto de Meio Ambiente do Acre – IMAC, sobre os processos ambientais de licenciamento, embargos e multas.

Complementarmente são avaliadas as bases de hidrografia para identificação de danos nas áreas de preservação permanente (APP) e nas bases de queimadas disponibilizadas pelo LabGama – UFAC. Para valorar o dano utilizam atualmente a metodologia aplicada pelo Ministério Público do Estado do Mato Grosso.

Sítio arqueológico danificado

Reunida as informações, são elaborados os pareceres técnicos e encaminhados para as promotorias dos municípios para que se tome as medidas cabíveis. Essa etapa permitiu identificar um sítio arqueológico localizado na Fazenda Crichá (atual Fazenda Campo Grande), localizada no município de Capixaba, a 70km de Rio Branco.

A descoberta levou o Ministério Público Federal (MPF) a instaurar um inquérito civil público e a requisitar à Polícia Federal (PF) a instauração de inquérito policial para apurar os danos causados a esse sítio pela atividade agrícola, bem como a buscar a responsabilização civil e criminal por tais danos.

O uso dos alertas de desmatamento emitidos pelo MapBiomas para elevar a eficiência da fiscalização e responsabilização dos autores de crimes ambientais no Acre foi um dos projetos inscritos na quarta edição do Prêmio MapBiomas. A iniciativa recebeu menção honrosa pela comissão de premiação.

Com informações do Ministério Público do Acre e Assessoria de Comunicação do MapBiomas.

Cotidiano

Policiais envolvidos em operação que matou criança serão julgados no Acre

Publicado

em

Cinco policiais militares que já foram denunciados pelo Ministério Público do Estado do Acre por crime de homicídio, e que já passaram por audiência de instrução e julgamento, podem ser julgados pelo Conselho de Sentença do Tribunal do Júri Popular. Tudo depende de um parecer da Juíza Luana Cláudia de Albuquerque Campos, da 1ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Rio Branco.

Os cinco respondem pela morte da criança Maria Cauane Araújo da Silva, de 11 anos, Cleiton da Silva Borges e Edmilson Fernandes da Silva Sales, todos mortos a tiros de fuzil numa operação da Polícia Militar no bairro Preventório.

Todos os réus, cinco ao todo, já passaram pela audiência de instrução e julgamento, a última fase do processo antes do julgamento pelo Tribunal do Júri. Alan Melo Martins, Josemar Barbosa de Farias, Wladimir Soares da Costa e Raimundo de Souza Costa prestaram depoimentos no dia 23 de março, enquanto que o sargento Antônio José Batista prestou depoimento na última quarta-feira. Os cinco irão responder por três homicídios e duas tentativas.

O fato aconteceu no dia 14 de maio de 2018. Com o intuito de combater as facções criminosas que à época aterrorizavam a cidade, dezenas de policiais militares invadiram grande parte do bairro Preventório em buscas de faccionados e, especialmente, drogas e armas.

Durante a operação, considerada um desastre, três pessoas morreram, entre elas a estudante Maria Cauane, que brincavam com uma colega quando foi atingida na cabeça pelo fragmento de um projétil de fuzil e morreu no pronto-socorro. Também morreram Cleiton da Silva Borges e Edmilson Fernandes da Silva. Francisco Victor Júnior e Raimundo Luan Lacerda, saíram feridos.

Os policiais alegaram que as mortes dos dois homens e os ferimentos causados nos outros dois foram frutos de uma troca de tiros, e classificaram o caso de Cauane Araújo como um “lamentável acidente”. Os peritos do setor de balística forense do Instituto de Criminalística da Polícia Civil comprovaram que o tiro de matou a criança saiu de um fuzil de um dos homens do Batalhão de Operações Especiais (BOPE), sendo uma das motivações da denúncia do MP. O projétil de grosso calibre se alojou na parede e o fragmento na cabeça da criança a matando.

Continuar lendo

Cotidiano

Após atingir nível mais seco da história, Rio Acre pode elevar o nível com chuvas

Publicado

em

O Rio Acre tomou fôlego com as recentes chuvas e subiu à marca de 2,24 metros nesta quinta-feira (6) após registrar uma vazante histórica chegando a 1,25 metros, o nível mais crítico em décadas de medição. Essa marca foi registrada no dia 2 de outubro.

As chuvas, no entanto, só ocorreram com alguma intensidade no entorno da capital e em cidades próximas. Na zona urbana de Rio Branco, muito barulho devido às trovoadas mas pouca água.

A Defesa Civil de Rio Branco não está aliviada que o grande manancial abastecedouro de Rio Branco tenha subido de nível por causa, principalmente, da instabilidade do tempo, que provoca oscilação no volume de água.

A torcida é que o volume não desça mais a níveis críticos e que chegue logo a 2,50 metros e assim se mantenha ou suba. “Por enquanto a gente continua com essa instabilidade, o clima muito seco nada alterou de forma significativa”, disse Claudio Falcão, comandante da Defesa Civil de Rio Branco.

Continuar lendo

Cotidiano

Polícia Civil prende investigado por estupro de vulnerável em Sena Madureira

Publicado

em

Nesta manhã desta quinta-feira (6), a Polícia Civil em Sena Madureira deu cumprimento a mandado de prisão em uma propriedade rural localizada no ramal Toco Preto, em desfavor de O. G. da S. de 56 anos, acusado de estuprar um garoto de 8 anos de idade que vivia sob seus cuidados.

O caso chegou ao conhecimento da autoridade policial por meio de denúncia anônima, tendo sido feita a devida investigação com instauração de Inquérito Policial, o qual, após a produção das provas necessárias, culminou na decretação da prisão preventiva do autor.

O acusado encontrasse recolhido na unidade de polícia judiciária local aguardando a respectiva audiência de custódia.

Com informações da assessoria da Polícia Civil.

Continuar lendo

Cotidiano

Prêmio acumula e Mega-Sena paga R$ 8 milhões no próximo sábado (8)

Publicado

em

Após premiação milionária, o concurso 2.526 da Mega-Sena, realizado nesta quarta-feira (5) não teve acertadores das seis dezenas. Os números sorteados foram: 02 – 16 – 24 – 38 – 43 – 59.

O próximo concurso será no sábado (8), e deve pagar um prêmio de R$ 8 milhões.

A quina teve 107 ganhadores e cada um vai receber R$ 21.481,79. Os 4.518 acertadores da quadra receberão o prêmio individual de R$ 839,40.

As apostas podem ser feitas até as 17h do dia do sorteio, em qualquer lotérica do país ou pela internet, no site da Caixa Econômica Federal.

A aposta simples, com seis dezenas, custa R$ 4,50.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.