Conecte-se agora

Começa nesta terça-feira o julgamento de maior repercussão no Acre nos últimos 13 anos

Quase dois anos após a morte de Jonhliane Paiva, acusados vão ao banco dos réus na capital acreana

Publicado

em

Um ano, nove meses e onze dias depois do acidente que tirou a vida de Jonhliane Paiva de Souza, que tinha 30 anos à época do trágico acontecimento, começa nesta terça-feira (17) o julgamento dos dois acusados da morte da trabalhadora. A sequência de fatos que sucedeu o episódio ocorrido em 6 de agosto de 2020 deu ao caso uma grande repercussão no estado.

Após a morte da jovem, o acusado Ícaro Pinto deixou de se apresentar à polícia e saiu do Acre, indo para Fortaleza (CE), onde foi visto e filmado em uma praia, alguns dias depois. Procurada pelo ac24horas para informar se as imagens eram atuais, a mãe do réu, Alcilene Gurgel, implorou ao jornal para que o vídeo não fosse divulgado, apesar de ter negado que a gravação fosse atual.

Imediatamente após a divulgação do vídeo, o juiz Alesson Braz, da 2ª Vara do Tribunal do Júri, decretou a prisão preventiva de Ícaro e Alan, a pedido do delegado Alex Danny, responsável pelas investigações. Alan foi preso no dia 14 de agosto e Ícaro dois dias depois, no Posto da Tucandeira, quando retornava ao Acre após ter o mandado de prisão expedido.

Ícaro tem uma condenação da Justiça da Bahia por ter agredido e causado lesões corporais, junto com mais duas pessoas, a um turista italiano, Marcos Belli, na cidade de Ilhéus. Pelo crime, cometido em 2013, ele foi condenado a 4 anos e 3 meses de prisão. A sentença saiu no dia 23 de setembro de 2020, quando o fisioterapeuta já estava preso no Acre.

No seu estado natal, os antecedentes do acusado Ícaro na condução de veículos automotores são comprometedores. Consultas ao sistema de informações do Departamento Estadual de Trânsito (Detran/Acre) mostram que entre 2012 e 2017, o réu colecionou pelo menos 20 infrações de trânsito, algumas de natureza gravíssima, inclusive a de dirigir sob efeito de álcool.

LEIA TAMBÉM: 

>>>Funcionária do Araújo vítima de racha é enterrada sob pedidos de justiça

>>>Condutor de BMW que matou jovem durante racha é filho de advogado e da presidente do SinproAcre

>>>Acusado de participar de racha que matou Jonhliane Paiva é preso no bairro Tropical

>>>Racha que matou Jonhliane Paiva teria começado no bairro Raimundo Melo

>>>Ícaro Pinto é preso ao passar no posto fiscal da Tucandeira

>>>Ícaro, irmão e primo são alvos de processo na Bahia por espancamento a turista italiano

No curso da ação penal, a Justiça acreana indeferiu vários pedidos de liberdade provisória formulados pelos representantes jurídicos dos acusados. Em alguns momentos, advogados de defesa de Ícaro e Alan acusaram a imprensa de dar repercussão exagerada ao caso e chegaram a atribuir o fato de eles permanecerem presos à condição social de suas famílias.

O Ministério Público acusa os dois motoristas de estarem disputando um “racha” quando Ícaro, que dirigia uma BMW a mais de 150 km/h, segundo a perícia, atingiu a motocicleta na qual a vítima se dirigia ao seu trabalho, no supermercado Araújo do Segundo Distrito. A tragédia aconteceu na avenida Antônio da Rocha Viana nas primeiras horas da manhã.

A última semana que antecedeu o julgamento foi marcada por embates entre a defesa do réu Alan Lima e o promotor Efrain Mendoza, responsável pela acusação. Os patronos do acusado atacaram o inquérito policial, considerado mal feito, parcial e seletivo, e o representante do MP os acusou de difamar e caluniar o delegado, Alex Danny, que chefiou as investigações.

O último capítulo do entrevero que precedeu o julgamento foi a divulgação de um vídeo de depoimento do acusado Ícaro no qual isenta o réu Alan de culpa no acidente e afirma que pediu desculpas à família da vítima. Para o promotor Efrain, a medida foi mera tática para desclassificar a hipótese do racha, apontado pelo MP.

O julgamento

Com pelo menos 14 testemunhas arroladas por defesa e acusação, o julgamento mobiliza quase uma dezena de advogados criminalistas nas duas trincheiras do Tribunal do Júri. Serão ouvidas, pela ordem, as testemunhas de acusação e as de defesa. Na sequência, será a vez dos réus – Ícaro José da Silva Pinto e Alan Araújo de Lima – serem interrogados.

Após os depoimentos, começam os debates entre acusação e defesa, com réplica e tréplica. Ao final, os sete jurados votam na sala secreta e assim o veredicto é definido pela maioria dos votos. Depois disso, o juiz presidente da sessão, Alesson Braz, encerrará o julgamento fazendo a leitura da sentença perante os réus e todos presentes.

Denunciados pelo Ministério Público ainda em setembro de 2020 e pronunciados pela Justiça em maio do ano passado, Ícaro Pinto, hoje com 35 anos de idade, vai a julgamento para responder pelos crimes de homicídio doloso, omissão de socorro e embriaguez ao volante, e Alan, de 22 anos, será julgado apenas pela morte da jovem.

A defesa dos acusados é composta pelos advogados Luiz Carlos da Silva Neto e Geovane Veras Pessoa (Ícaro) e Helane Christina da Rocha Silva, Carlos Venícius Ferreira Ribeiro Júnior, Edilene da Silva Ad-Víncula e Janaína Marszaleck (Alan). A acusação será sustentada pelo promotor de justiça Efrain Henrique Mendoza Mendivil Filho, que terá assistentes indicados pela família da vítima.

O caso Jonhliane é o de maior repercussão na imprensa do Acre desde o julgamento do ex-deputado Hildebrando Pascoal, ocorrido em 2009. Essa condição fez com que o juiz Alesson Braz tomasse providências quanto ao acesso à sala das sessões do Fórum Criminal, na Cidade da Justiça, com a exigência de cadastramento para quem pretende acompanhar o júri.

Em um ponto de Rio Branco, um outdoor que, segundo as informações obtidas pela reportagem, foi patrocinado por amigos da família da vítima da tragédia que comoveu o estado e pôs fim à vida de uma jovem mulher cheia de planos, pede que seja feita justiça. “Jonhliane, o carro que tirou sua vida atingiu todos os corações da sociedade acreana”, diz a mensagem.

Destaque 4

Especulação imobiliária pode vir antes da conclusão da estrada de Cruzeiro do Sul a Pucallpa

Publicado

em

Apesar da defesa intransigente de grupos políticos e empresariais, a estrada que liga Cruzeiro do Sul a Pucallpa, no Peru, é criticada pelo custo social, ambiental e econômico. Publicado na revista eletrônica Ciências Ambientais na Amazônia, da editora Stricto Sensu Editora, o estudo “Impactos da rodovia proposta Cruzeiro do Sul-Pucallpa na Amazônia Sul-0cidental” diz que se o projeto avançar até mesmo antes de sua conclusão haverá crescimento da especulação imobiliária com aquisição de terras por preços abaixo do mercado para desmate e plantio de pastagens.

O estudo diz que o traçado planejado da rodovia cruza três projetos de assentamento (PA Tradicional Tonico Sena, PA Florestal Havaí e PA Tradicional Rio Azul) e uma unidade de conservação, o Parque Nacional da Serra do Divisor. “Com a eventual efetivação da rodovia, e até mesmo antes de sua conclusão, haverá o avanço da especulação imobiliária, buscando garantir a posse da terra pela compra por valores muito abaixo do praticado no mercado imobiliário, cooptando grupos vulneráveis, posteriormente derrubando a floresta para plantio de pastagens”, diz o texto.

Segundo o estudo, no caso dos projetos de assentamento, mesmo que a venda de lotes seja considerada irregular esta é uma ação recorrentes em todos os projetos de assentamento da Amazônia, facilitada pela falta de estratégias e ações do Incra que impeçam essa ação.

O Parque Nacional da Serra do Divisor é uma UC de proteção integral criada em 16 de junho de 1989, tendo 837 mil hectares, e está localizada no extremo oeste do Estado do Acre, na fronteira com o Departamento de Ucayali, no Peru. Estima-se que residiam na unidade, até 2015, cerca de 407 famílias, em torno de 1992 pessoas.

“Atualmente o Parque já enfrenta vários problemas socioambientais tais como aumento da taxa de desmatamento (dentro e fora dos seus limites), exploração ilegal de madeira, rota de tráfico ilegal de drogas, pressão de caça sobre a biodiversidade, aumento da população residente e a possibilidade de mudança da categoria atual, de Parque Nacional para Área de Proteção Ambiental, que reduz drasticamente o nível de proteção socioambiental”.

Atualmente todas as UCs do Acre localizadas ao longo das BRs 317 e 364, ambas asfaltadas, estão sob grande pressão de desmatamento, invasão, entre outros efeitos deletérios. A Reserva Extrativista Chico Mendes, localizada ao longo da BR-364, foi a terceira UC federal com maior acréscimo de desmatamento na Amazônia nos últimos seis anos.

O projeto LabGama, da Universidade Federal do Acre, divulga a revista.

Continuar lendo

Destaque 4

PT dificulta aliança com PSB de Jenilson e Manoel Lima cutuca: “não tem nada fechado”

Publicado

em

A reunião entre dirigentes do PT e PSB visando unificar candidaturas ao governo do Estado e ao Senado Federal acabou sem acordo nesta terça-feira, 28. A informação foi repassada pelo presidente do Partido dos Trabalhadores (PT) no Acre, Manoel Lima.

Ao ac24horas, o presidente petista afirmou que o encontro entre o pré-candidato ao senado, ex-senador Jorge Viana e o pré-candidato ao governo, deputado estadual Jenilson Leite, foi tranquilo, porém, não passou de diálogos preliminares. “Estamos em tratativas, nada além disso. Não tem nada fechado. Quando fecharmos, convocaremos uma coletiva de imprensa”, comentou.

Recentemente, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, confirmou a federação das siglas aos governos do Acre e do Amapá. No Acre, Jenilson Leite (PSB) deve concorrer ao governo, com Jorge Viana (PT) disputando o Senado, possivelmente.

No fim da tarde, a cúpula petista formado pelo ex-presidente do PT, André Kamai, o deputado estadual Daniel Zen e o ex-secretário dos governos petistas, Francisco Nepomuceno, o Carioca, estiveram em reunião reservada no gabinete de Jorge Viana. Ao ac24horas, logo após sair da reunião, Carioca não quis dar maiores detalhes sobre o diálogo. “Eu sou o cara, mas não vou falar nada”, respondeu o cacique, que saiu rindo do local.

Nos bastidores, interlocutores do Partido Social Brasileiro (PSB), contaram que dirigentes do PT estão dificultando a aliança entre Jenilson e JV. “Estão fazendo charme, dificultando as coisas”, disparou.

Continuar lendo

Destaque 4

Leites e derivados terão mais aumento de preço e possibilidade de escassez no Acre

Publicado

em

Uma preocupação geral das redes de supermercados deve atingir ainda este ano os consumidores acreanos. Procurado pelo ac24horas, o empresário Adem Araújo, sócio do Grupo Arasuper, alertou para mais aumento significativo nos preços nos produtos lácteos. Além disso, há ainda a possibilidade de escassez de leites e seus derivados no estado.

A tendência é que o aumento de preço no leite e seus derivados deva atingir o estado até o final de 2022 e a partir de julho o cliente seja obrigado a pagar de R$ 7 a R$ 8 no litro do leite. A perspectiva é que a situação seja amenizada somente a partir de 2023.

De acordo com o empresário, esses produtos são os que estão tendo aumento de preços nesse momento. “O mercado teve redução na matéria-prima de leite, além do aumento no custo, ainda tem a possibilidade de escassez do produto”, explicou Adem à reportagem.

Segundo ele, os produtos que compõem a cesta básica estão todos com preços em alta. “Alguns estabilizaram, porém em patamares elevados”, diz o empresário. Óleo de soja, arroz e café são produtos que não estão tendo tanta variação, mas em 2020 eram comprados pela metade do preço ou menos, exemplifica a rede de supermercados acreana.

A situação tem impactado não só o Acre, mas estados de todas as regiões do Brasil, ainda que em menor escala de preços. Durante entrevista à Rádio Gazeta 93.3 FM, Adem afirmou que empresários do setor sugeriram isentar o ICMS, o que depende do governo estadual e que um estudo vem sendo elaborado a fim de encontrar uma solução para a inflação.

Continuar lendo

Destaque 4

Dois casos suspeitos de varíola dos macacos são registrados em Cruzeiro do Sul

Publicado

em

Duas mulheres que foram atendidas na Unidade de Pronto Atendimento – UPA de Cruzeiro do Sul, nesta segunda-feira, 27, estão sendo monitoradas pela Vigilância Epidemiológica do município com suspeita de terem sido infectadas com a varíola do macaco. As duas apresentam lesões na pele e uma delas, que é vendedora, há cerca de duas semanas teve contato com um estrangeiro. A outra é irmã dela.

A coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Cruzeiro do Sul, Rafaela Oliveira, cita que a coleta de material para exame de uma das mulheres foi feita na UPA e enviado para o Laboratório Central Regional do Juruá, que encaminha para Rio Branco. O material para exame da outra mulher, deverá ser coletado nesta terça,28, pela Vigilância Epidemiológica do Município.

“Neste período de 21 dias as duas pessoas serão monitoradas, os contatos sendo observados e faremos a notificação do caso suspeito ao Ministério da Saúde”, explica ela relatando que o médico que atendeu as mulheres na UPA, deu atestados médicos de 21 dias para que elas apresentem no local de trabalho.

Rafaela diz que não há motivo para pânico, mas o momento exige atenção e prevenção. “Os cuidados são parecidos com os da Covid-19, que é usar máscara e álcool em gel para evitar contato com saliva, fluidos corporais e objetos infectados”, frisa.

Além das erupções cutâneas, outros sintomas da varíola do macaco são febre e inchaço dos gânglios (linfonodos).

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Conteúdo protegido!