Conecte-se agora

Artigo de Luiz Calixto – O soneto da emenda

Publicado

em

O senador Márcio Bittar ressurge das brumas de Brasília, dessa vez com uma emenda sequer empenhada e longe de ser liberada, no valor de R$ 40 milhões.

A “bendita”, entenda, destina-se à construção de um conjunto habitacional denominado Irineu Serra, com 479 unidades, localizado na biqueira de uma APA (Área de Proteção Ambiental).

Como Rio Branco é uma cidade encravada no meio da Amazônia, mas não dispõe de áreas verdes protegidas, formar uma concentração populacional nos limites de uma APA é uma forma pouco inteligente de contribuir para a sua proteção.

A escolha do local, é evidente, não é de quem pensa numa cidade para o futuro, com áreas de preservação, na qual se possa conservar fauna e flora e a aproveitá-la para o lazer, a saúde e, portanto, dotar o povo de qualidade de vida. A ideia é: “vamos construir uma cidade como se não houvesse o amanhã”.

Não se pode negar que a edificação de 479 casas aqueceria a construção civil no Estado, por meio da ativação de empregos para pedreiros, carpinteiros, serventes, armadores de ferros, vendedores de merendas e tantos outros. Mas, convenhamos, nossa capital dispõe de outras áreas muito mais adequadas para se construir um conjunto habitacional.

Elogios vou guardar para usá-los com intensidade em momento mais apropriado. O “babado” é o seguinte: a emenda de Bittar se destina exclusivamente para construção das casas. Acontece que a verba da emenda somente será liberada e a obra executada se houver um outro projeto, devidamente aprovado, contemplando as obras de infraestrutura essenciais: pavimentação de ruas, saneamento básico, distribuição de água, energia elétrica etc., o que custaria, no mínimo, outros R$ 40 milhões. Um agravante: esse dinheiro para as obras preliminares ainda não existe.

Meu receio é que, qualquer dia desses, o senador Márcio Bittar acorde entediado, impaciente, aborrecido e cansado com o governo, e o acuse de não executar a importante obra fruto de sua emenda. Se isso acontecer, espero que seja honesto o suficiente para dizer também que isso ocorreu porque a carroça foi colocada na frente dos bois.

No ato no qual a boa nova foi apresentada ao governo e ao povo, num gesto de “respeito” ao governador Gladson Cameli, o senador “se fez representar” por seu suplente, o bom médico Eduardo Veloso, que ainda não assumiu o mandato, e por Edson Siqueira, um cidadão que se apresenta como irmão do senador e recentemente teve um BO com a Polícia Civil por uns probleminhas ocorridos no antigo Depasa.

E pra finalizar: a legislação da capital Rio Branco, aprovada em janeiro de 2022, não permite esse tipo de empreendimento naquela região da cidade. O licenciamento ambiental agora é do município de Rio Branco e não pode ser aprovado naquela região, pelas características do projeto. Se a obra não sair, o senador também não poderá acusar o prefeito Tião Bocalom de estar sendo excessivamente “ecologista”.

Em resumo, por enquanto , propaganda enganosa, igual a prometida emenda dos 200 milhões para revitalização do Igarapé São Francisco.

Acre

Saiba onde assistir os jogos da Seleção Brasileira, em Rio Branco

Publicado

em

Continuar lendo

Acre

Mais de 6 mil cirurgias já foram realizados pela Fundhacre

Publicado

em

Continuar lendo

Acre

Saúde do Acre abre 53 vagas para residência médica

Publicado

em

Continuar lendo

Acre

Governo publica regulamento do curso de formação do ISE

Publicado

em

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.