Conecte-se agora

D’Alessandro se despede com gol e Inter vence o Fortaleza

Publicado

em

Torcedores do Leão, pedimos licença para fugir do roteiro e usar uma veia mais poética neste domingo de Páscoa. Pois o jogo Inter x Fortaleza foi D’Alessandro. Aos 41 anos, completos há dois dias, o argentino encerrou a carreira de forma apoteótica na vitória de virada por 2 a 1 no Beira-Rio, pela segunda rodada do Brasileirão. Como os deuses do futebol protegem seus súditos, o ídolo colorado fechou o ciclo com gol nos acréscimos do primeiro tempo, logo após o Fortaleza abrir o placar em pênalti convertido por Yago Pikachu. O lateral do Leão, aliás, poderia estragar a festa de D’Ale. Só que mais uma vez o destino foi bondoso com o craque e empurrou a segunda penalidade batida pelo jogador do Leão para a trave direita de Daniel. O outro presente veio de Alexandre Alemão, que garantiu os três pontos nos minutos finais. Ao ser substituído, debulhado em lágrimas e cumprimentado por companheiros, adversários e até pelo árbitro, D’Alessandro saiu de campo para entrar na história.

La última “Boba”

Depois de passar uma temporada no Nacional, do Uruguai, D’Alessandro decidiu retornar ao Inter em 2022 para um contrato curto, de apenas quatro meses, para realizar o sonho de encerrar a carreira diante do torcedor colorado. O domingo de Páscoa, 17 de abril, foi escolhido como o momento ideal. Aos 41 anos, ele foi titular diante do Fortaleza e um dos melhores enquanto esteve em campo. Foi difícil segurar a emoção desde o aquecimento até a entrada em campo. Correu, lutou, brigou com a arbitragem, recebeu cartão amarelo, armou e fez gol. Aos 51 minutos do primeiro tempo, roubou a bola na ponta direita e soltou a bomba cruzada. Contou com a ajuda do goleiro Max Walef para empatar o jogo naquele momento. Aos 25 da etapa final, deu lugar a Caio Vidal, chorou, recebeu cumprimento de parceiros, adversários e até do árbitro Flávio Rodrigues de Souza. Após o apito final, foi ovacionado por 36,5 mil torcedores ao lado da família e discursou de maneira emocionada. Agradeceu por tudo que viveu no futebol após 529 jogos com a camisa vermelha. Nós que agradecemos, D’Ale!

Primeiro tempo

No primeiro jogo sem o técnico Alexander Medina, demitido na sexta-feira, o interino Cauan de Almeida fez mudanças na escalação do Inter. Promoveu as entradas de Rodrigo Moledo, Renê, Johnny e D’Alessandro. A equipe sentiu a falta de entrosamento, e o Fortaleza aproveitou. Aos 15, Matheus Vargas infiltrou na defesa e rolou para Moisés, livre, finalizar para fora. Aos 28, D’Alessandro acionou Bustos na linha de fundo, e o argentino passou para finalização sobre o gol de Wesley Moraes. Aos 40, Mauricio perdeu boa chance de colocar o Colorado na frente. O goleiro Max Walef lançou errado, Gabriel passou rápido para D’Alessandro, que escorou para o meia na cara do gol. Mas a bola foi para fora. Nos acréscimos, tudo aconteceu. Aos 46, o árbitro Flávio Rodrigues de Souza foi acionado no VAR para revisar um puxão de Johnny em Landázuri na área do Inter: pênalti marcado e convertido por Yago Pikachu. A bola saiu, e o destino premiou D’Alessandro. Em seu último jogo como atleta, brigou pela posse na ponta direita da área do Leão e chutou cruzado. Max Walef contribuiu, e o argentino empatou para um momento de apoteose no Beira-Rio.

Segundo tempo

A partida voltou na mesma aceleração com que terminou o primeiro tempo. Logo no início, Wesley e Johnny tiveram a chance de virar para o Inter. Aos cinco, o árbitro apontou mais um pênalti para o Fortaleza em trombada de Renê sobre Robson. Desta vez, Pikachu carimbou a trave. Aos 15, Mauricio colocou a bola na cabeça de Wesley, e o centroavante parou em Max Walef. Em seguida, Moisés ficou cara a cara com Daniel e foi bloqueado pelo goleiro colorado. Aos 25, D’Alessandro foi substituído por Caio Vidal em um momento de pura emoção. Aos 40, De Pena cobrou falta ao estilo D’Ale e quase marcou um golaço. Quatro minutos depois, em contra-ataque, Alexandre Alemão recebeu de Boschilia e garantiu a virada colorada em chute rasteiro. Aí a noite virou festa para D’Alessandro.

Pikachu sim, Pikachu não

Aos 48 minutos do primeiro tempo, alertado pelo árbitro de vídeo, o juiz Flávio Rodrigues de Souza revisou um puxão de Johnny em Landazuri na área do Inter em lance de bola parada. Ele aceitou a sugestão das imagens e apontou a infração. Yago Pikachu bateu e abriu o placar. No início da etapa final, já com o placar empatado, Renê deu uma trombada em Robson pelo alto, próximo da marca do pênalti. O árbitro assinalou a falta imediatamente. Pikachu foi de novo para a bola, mas carimbou a trave direita de Daniel.

Alemão garante a festa

O jogo se encaminhava para um empate justo até certo ponto. Mas o Inter cresceu nos minutos finais e pressionou. Aos 44 minutos do segundo tempo, a equipe saiu em contra-ataque veloz com Bustos, que passou para Boschilia. O meia tocou à frente e encontrou Alexandre Alemão, que chutou rasteiro sem chances para Max Walef.

Olho na tabela

O Inter ganha cinco posições e fica na 13ª posição com três pontos. O Fortaleza é o penúltimo colocado, ainda zerado após dois jogos.

Próximos jogos

O Fortaleza faz uma pausa no Brasileirão e enfrenta o Vitória na próxima quarta-feira, pela terceira fase da Copa do Brasil. A primeira partida do confronto será no Castelão, às 19h. Depois, nos dias seguintes, faz os dois jogos da final do Campeonato Cearense contra o Caucaia. Volta a atuar pela Série A somente em 1º de maio, diante do Corinthians, em São Paulo.

Já o Inter terá a semana completa para trabalhar. No próximo sábado, enfrenta o Fluminense, às 19h, no Maracanã, pela terceira rodada.

Fala, D’Ale

“Emoção não tem como não conter. Uma carreira onde lutei muito, sonhava em jgoar meu futebol como profissional. Realizei um sonho graças a meu pai e minha mãe para fazer o que faço e sou hoje, não só como atleta, mas também como pessoa. Já aconteceu em 2011, mas hoje não. Quando o presidente Alessandro me abriu as portas do clube falei que queria me aposentar. Feliz por ajudar o clube de alguma maneira e desfrutar esses últimos momentos dentro do clube. Eu lamento, gostaria de fazer uma menção a comissão de Cacique Medina. Eles tiveram o discernimento e entenderam meu momento. Me deixaram à vontade e foi bom nesses últimos quatro meses. Futebol é resultado, queria eles tivessem resultado melhor para ficarem, mas vida que segue”.

Destaque 6

A poucas horas da convenção, disputa pela vaga de vice de Gladson volta a ficar entre Grandidier, Alysson e Socorro Neri

Publicado

em

O governador Gladson Cameli (Progressistas) conversou com a reportagem do ac24horas na noite desta quinta-feira, 4, no camarote governamental montado na arena de shows do parque de Exposições Wildy Viana, e declarou que a disputa para a escolha do seu vice segue acirrada com três postulantes na disputa: os ex-secretários de Estado, Rômulo Grandidier, Alysson Bestene e a ex-prefeita Socorro Neri, todos filiados ao Progressistas.

De acordo com o chefe do executivo, o impasse ocorreu após a retirada do nome do deputado federal licenciado Alan Rick, que se lançou candidato ao senado da República pelo União Brasil, onde terá o senador licenciado Márcio Bittar como candidato ao governo do Estado.

No entanto, Cameli não descarta uma mudança no tabuleiro às vésperas da convenção partidária do PP. Segundo ele, caso haja uma composição, a senadora Mailza Gomes poderá ser cotada para ser a candidata a vice com o ex-deputado estadual Ney Amorim, atual presidente do Podemos como candidato ao senado. “Pode haver essa mudança”, ressaltou.

Além disso, Gladson afirmou que, a priori, a senadora Mailza Gomes será a sua candidata na chapa majoritária ao Senado da República. “Eu vou com a Mailza. Lá atrás ela me disse uma frase onde dizia que a fé é importante. Portanto, ela será minha candidata, confio nela”, argumentou Cameli.

Continuar lendo

Destaque 6

Morre aos 84 anos o humorista e escritor Jô Soares

Publicado

em

Morreu na madrugada desta sexta-feira (5), aos 84 anos, o escritor e humorista Jô Soares. Ele estava internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, segundo sua assessoria. A causa da morte ainda não foi divulgada.

“O paciente Jô Soares faleceu na data de hoje, 05 de agosto, às 2h20, no Sírio-Libanês. em São Paulo. Ele estava internado desde o dia 28 de julho no hospital, onde era acompanhado pelas equipes do corpo clínico da instituição”, escreveu a assessoria do humorista, em conjunto com o hospital.

O enterro e velório de Jô serão reservados à família e amigos.

Pelo Instagram, a ex-mulher de Jô, Flávia Pedras, foi uma das primeiras a se pronunciar sobre a morte. “Nos deixou no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, cercado de amor e cuidados”, escreveu.

“Aqueles que através dos seus mais de 60 anos de carreira tenham se divertido com seus personagens, repetido seus bordões, sorrido com a inteligência afiada desse vocacionado comediante, celebrem, façam um brinde à sua vida”, disse Flávia.

“A vida de um cara apaixonado pelo país aonde nasceu e escolheu viver, para tentar transformar, através do riso, num lugar melhor. Viva você meu Bitiko, Bolota, Miudeza, Bichinho, Porcaria, Gorducho. Você é orgulho pra todo mundo que compartilhou de alguma forma a vida com você. Agradeço aos senhores Tempo e Espaço, por terem me dado a sorte de deixar nossas vidas se cruzarem”, acrescentou.

Continuar lendo

Destaque 6

Poupança tem retirada líquida de R$ 12,66 bilhões em julho

Publicado

em

A aplicação financeira mais tradicional dos brasileiros continua a enfrentar a fuga de recursos. Em julho, os brasileiros sacaram R$ 12,66 bilhões a mais do que depositaram na caderneta de poupança, informou hoje (4) o Banco Central (BC). Essa foi a maior retirada líquida (saques menos depósitos) registrada para meses de julho desde o início da série histórica, em 1995.

Com o desempenho de julho, a poupança acumula retirada líquida de R$ 63,15 bilhões nos sete primeiros meses do ano. Essa é a maior retirada acumulada para o período desde o início da série histórica, em 1995.

Em 2022, a caderneta registrou captação líquida (mais depósitos que saques) apenas em abril, quando o fluxo ficou positivo em R$ 3,51 bilhões. Nos demais meses, as retiradas superaram os depósitos, num cenário de alta da inflação e do endividamento, combinado com rendimentos mais baixos por causa dos aumentos da taxa Selic (juros básicos da economia), que tornam outras aplicações de renda fixa mais atraentes.

Em 2020, a poupança registrou captação líquida (depósitos menos saques) recorde de R$ 166,31 bilhões. Contribuiu para o resultado a instabilidade no mercado de títulos públicos no início da pandemia de covid-19 e o pagamento do auxílio emergencial, que foi depositado em contas poupança digitais da Caixa Econômica Federal.

No ano passado, a poupança registrou retirada líquida de R$ 35,5 bilhões. A aplicação foi pressionada pelo fim do auxílio emergencial, pelos rendimentos baixos e pelo endividamento maior dos brasileiros. A retirada líquida – diferença entre saques e depósitos – só não foi maior que a registrada em 2015 (R$ 53,57 bilhões) e em 2016 (R$ 40,7 bilhões). Naqueles anos, a forte crise econômica levou os brasileiros a sacarem recursos da aplicação.

Rendimento

Até recentemente, a poupança rendia 70% da Taxa Selic (juros básicos da economia). Desde dezembro do ano passado, a aplicação passou a render o equivalente à taxa referencial (TR) mais 6,17% ao ano, porque a Selic voltou a ficar acima de 8,5% ao ano. Atualmente, os juros básicos estão em 13,75% ao ano. O aumento dos juros, no entanto, foi insuficiente para fazer a poupança render mais que a inflação, provocando a fuga de alguns investidores.

Nos 12 meses terminados em julho, a aplicação rendeu 6,2%, segundo o Banco Central. No mesmo período, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor-15 (IPCA-15), que funciona como prévia da inflação oficial, atingiu 11,39%. O IPCA cheio de julho será divulgado no próximo dia 9 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Continuar lendo

Destaque 6

Bolsonaro sanciona piso para enfermagem sem reajuste automático

Publicado

em

O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta quinta-feira (4), em cerimônia no Palácio do Planalto, o projeto de lei (PL) 2564/20, que institui o piso salarial nacional para enfermeiros, técnicos de enfermagem, auxiliares de enfermagem e parteiras. No caso dos primeiros, o piso passará a ser de R$ 4.750. Para técnicos, o valor deve ser correspondente a 70% dessa marca, enquanto auxiliares e parteiras terão direito a 50%.

O texto foi aprovado pelo Congresso Nacional no mês passado. A instituição do patamar salarial era uma luta histórica da categoria, que representa cerca de 2,6 milhões de trabalhadores.

“Hoje é um dia muito importante, não só para a enfermagem brasileira, mas para a saúde pública do Brasil. Não há saúde pública sem a nossa enfermagem”, afirmou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Segundo ele, por razões de constitucionalidade, o presidente vetou um dos artigos do PL, que determinava um reajuste anual do novo piso com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), um dos indicadores de inflação.

De acordo com a presidente do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), Betânia Maria Pereira dos Santos, mais de 80% da categoria recebe valores inferiores ao novo piso, que agora é lei. “Existe uma precariedade infinita com relação a salários da enfermagem. Agora, pela lei, vamos ter um piso, é o mínimo”, afirmou, após a cerimônia.

Para viabilizar a aprovação do piso nacional da enfermagem, o Congresso Nacional promulgou uma emenda constitucional para dar segurança jurídica ao projeto, inserindo o tema na Constituição Federal. Depois disso, o projeto de lei que efetivamente estabelece os novos valores foi aprovado com chancela da ampla maioria de lideranças e bancadas partidárias.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Conteúdo protegido!