Conecte-se agora

Um poema para a Ucrânia

Publicado

em

Decorridos quase três anos desde que, generosamente, este site ac24horas me cede o espaço de uma coluna semanal – já são 128 artigos publicados às sextas-feiras,  nunca tive qualquer dificuldade para encontrar um tema que justificasse uma reflexão, uma opinião. Infelizmente, isto ocorre hoje. Não estou com “cabeça” para outra coisa senão para a invasão russa na Ucrânia. Pior, não tenho nada a dizer a respeito que não tenha sido dito com muito mais autoridade e clareza por grandes jornalistas e analistas, congestionando os sites de notícias e as redes sociais.

É claro que há outras coisas acontecendo. A esquerda brasileira, por exemplo, resolveu arreganhar os dentes contra a religião invadindo templos e igrejas, os comunistas mostraram sua face tenebrosa comemorando a liberação do aborto aos 6 meses de gravidez na Colômbia, o PT no Senado indiretamente apoiou o Putin culpando os EUA (depois substituiu a nota asquerosa), a extrema esquerda sonha com a restauração do império russo sob inspiração coletivista, a Câmara dos Deputados aprovou a liberação de jogos no Brasil, Bolsonaro dará aumento apenas à PRF, o STF está votando o fundão eleitoral, tem pesquisa eleitoral recente no Estado…  A rigor, não falta assunto, eu é que estou deprê.

Então, enquanto teimava com o teclado diante da tela em branco, tentando eleger um alvo para abordar, me veio de súbito a lembrança de um poema de Fernando Pessoa, sob o pseudônimo Alberto Caeiro. O mais importante poeta da língua portuguesa escreveu em 1917:


A guerra que aflige com os seus esquadrões o Mundo,

A guerra, que aflige com os seus esquadrões o Mundo,

É o tipo perfeito do erro da filosofia.

 

A guerra, como tudo humano, quer alterar.

Mas a guerra, mais do que tudo, quer alterar e alterar muito

E alterar depressa.

 

Mas a guerra inflige a morte.

E a morte é o desprezo do Universo por nós.

Tendo por consequência a morte, a guerra prova que é falsa.

Sendo falsa, prova que é falso todo o querer-alterar.

 

Deixemos o universo exterior e os outros homens onde a Natureza os pôs.

 

Tudo é orgulho e inconsciência.

Tudo é querer mexer-se, fazer coisas, deixar rasto.

Para o coração e o comandante dos esquadrões

Regressa aos bocados o universo exterior.

 

A química direta da Natureza

Não deixa lugar vago para o pensamento.

 

A humanidade é uma revolta de escravos.

A humanidade é um governo usurpado pelo povo.

Existe porque usurpou, mas erra porque usurpar é não ter direito.

 

Deixai existir o mundo exterior e a humanidade natural!

Paz a todas as coisas pré-humanas, mesmo no homem,

Paz à essência inteiramente exterior do Universo!


Se Fernando Pessoa publicou este poema no ano da revolução russa, como se antecipasse a tragédia que se seguiria, o que diria hoje diante de um conflito bélico que ameaça escalar a níveis globais, tendo como mesmo ator a Rússia? Penso que se repetiria. Fernando Pessoa desprezava todas as guerras, elas lhe pareciam estúpidas fundamentalmente porque, ao cabo, são inúteis.


Valterlucio Bessa Campelo escreve todas as sextas-feiras no ac24horas e eventualmente em seu blog, no Puggina e em outros sites liberais e conservadores

Acre 01

Com gasto de R$ 3,5 milhões, Bocalom vai uniformizar crianças com farda azul

Publicado

em

Continuar lendo

Extra Total

Croácia bate Japão nos pênaltis, avança às quartas e pode pegar o Brasil

Publicado

em

Por

Continuar lendo

Na rede

Bêbado, servidor terceirizado da Ufac é preso dirigindo carro oficial com duas menores em Cruzeiro do Sul

Publicado

em

Continuar lendo

Na rede

Trio é preso transportando mais de 10 kg de drogas na BR-364 entre Cruzeiro do Sul e Rio Branco

Publicado

em

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.