Conecte-se agora

Maternidade de Cruzeiro do Sul tem 13 profissionais com Covid

Publicado

em

Dez técnicos em enfermagem e enfermeiros e três médicos da Maternidade de Cruzeiro do Sul estão afastados do trabalho por causa da Covid-19. E na noite desta quarta feira, 26, duas gestantes que deram entrada na unidade hospitalar também foram diagnosticadas com a doença.

A informação foi dada pelo diretor clínico da Maternidade de Cruzeiro do Sul, médico obstetra Bily Rodrigues, por meio das redes sociais dele nesta quinta-feira, 27.

Na postagem, o médico deseja boa recuperação para os colegas de trabalho e faz um alerta para a população. “Cuidado redobrado aos que leem”, citou ele.

Na rede

Cidades do Juruá sofrem quinta pane do ano e ficam 9 horas sem sinal de internet e celular

Publicado

em

Pela quinta vez somente neste ano, Cruzeiro do Sul e demais cidades do Vale do Juruá ficaram cerca de 9 horas sem sinal de internet e celular. Nesse domingo, dia 15, os moradores ficaram das 11 horas da manhã até as 20 horas sem celular comunicação por internet.
Durante essas 9 horas, só os telefones de emergência, como da Polícia, Samu e Bombeiros puderam ser acessados. Esta já é a quinta pane do ano e além de interromper a comunicação entre as pessoas, a situação causa prejuízo para o comércio e limitações para os clientes, já que as operações com cartão de crédito e débito ficam suspensas, bem como a possibilidade de saques de dinheiro nos caixas eletrônicos da rede bancária.

A situação representa o descumprimento de um decisão da justiça do Acre por meio da juíza da Comarca de Cruzeiro do Sul, Adamarcia Machado.

No dia 5 de janeiro deste ano a magistrada determinou melhorias na telefonia em Cruzeiro do Sul sob pena de multa diária de R$ 10 mil a empresa Oi que fornece sinal para as demais na região. Determinou que em caso de queda do sinal, o restabelecimento tem que ser feito em no máximo, uma hora.

Segundo a decisão, o prazo máximo era de três meses para que fossem demonstrado os reparos necessários, como: substituições e ampliações de equipamentos existentes, intensificação das manutenções preventivas da rede e disponibilização de mais portas de internet banda larga. O prazo venceu dia 5 de abril mas a pane de 9 horas deste domingo, deixou claro o descumprimento da determinação judicial de restabelecimento do sinal em no máximo uma hora depois da interrupção.

A determinação é que seja também ampliada a cobertura da telefonia móvel na cidade, atendendo 100% do perímetro urbano e contemplando ainda as Vila Santa Luzia e São Pedro.

Na Ação que culminou com a decisão da juíza Adamarcia Machado, o Ministério Público, por meio da promotoria de Cruzeiro do Sul, alega que em várias partes da cidade, inclusive na área onde está situada a maior e mais importante unidade de saúde, o Hospital Regional do Juruá, há vários ‘pontos cegos’ que impedem a comunicação entre seus consumidores, devido à falta de torres em número satisfatório.

Continuar lendo

Na rede

Vice presidente da Câmara de Cruzeiro do Sul se envolve em acidente

Publicado

em

Na tarde deste sábado, 14, o vice presidente da Câmara Municipal de Cruzeiro do Sul, vereador Clerton Souza, se envolveu em um acidente de trânsito próximo ao Balneário Igarapé Preto. Dois homens em uma motocicleta bateram no veículo do parlamentar e ficarem feridos.

O vereador conta que o condutor da moto e o garupa estavam embriagados, em alta velocidade e que se distrairam por causa de uma mulher que passava pelo local, o que teria causado o acidente.

“O jovem embriagado acertou a traseira do meu carro e o no impacto o garupa quebrou o parabrisa da frente. Ele foi autuado no álcool zero porque deu 32% de álcool no bafômetro”, relata.

Os dois jovens da moto foram levados para o Pronto Socorro de Cruzeiro do Sul. Um teve fratura no joelho ao cair em cima do parabrisa e o condutor quebrou o nariz.

Segundo a Polícia Militar o vereador Clerton Souza permaneceu no local depois do acidente.

Continuar lendo

Na rede

Prefeitura de Cruzeiro do Sul realiza ação social no Remanso

Publicado

em

A prefeitura de Cruzeiro do Sul, por meio da sua Secretaria municipal de desenvolvimento social, realizou nesta quinta, 12, uma ação itinerante de cadastramento para o programa Auxílio Brasil no bairro do Remanso.

O objetivo principal foi desafogar a grande procura que a secretaria vinha recebendo, e facilitar o acesso dos moradores dos bairros mais distantes.

“Desde quando acabou a pandemia e o atendimento voltou a ser sem agendamento, temos tido muita procura. Temos pessoas que chegam a estar com dois anos de cadastro vencido e com o benefício bloqueado. Toda semana teremos um cronograma atendendo os bairros. Começamos pelo Remanso, porque é onde tem uma das maiores procuras. Próxima semana deverá ser o Telégrafo”, explicou a secretária Delcimar Leite.

Devido à grande procura, a secretaria estuda realizar dois dias por semana de atendimento nos bairros mais populosos.

“Hoje já entregamos mais de 90 fichas, mas a quantidade não supre. Por isso, vamos fazer novo cronograma, pelo menos para fazer dois atendimentos por semana. Cada semana vai ser avisado nos bairros do atendimento, para que as pessoas possam estar preparadas”, concluiu a secretária.

“Este atendimento é muito importante para nós moradores do bairro, porque o pessoal precisa fazer a atualização, muitas vezes fica distante ter que se deslocar até a sede da prefeitura no Miritizal e a demanda é muito grande. Vem em boa hora essa ação do prefeito para os bairros mais distantes”, disse José Maria de Amorim Lima, presidente da associação de moradores do bairro do Remanso.

“Não é difícil entender que, por exemplo, para uma dona de casa, mãe de família, muitas vezes é difícil ter que se deslocar para onde quer que seja. As ações itinerantes são uma forma de contornar esse problema, indo até as pessoas, facilitando e garantindo o direito de quem mais precisa do benefício”, disse o prefeito Zequinha Lima.

Continuar lendo

Na rede

Congresso sobre encarceramento feminino é realizado em presídio de Cruzeiro do Sul

Publicado

em

Parte do Congresso sobre encarceramento feminino, que acontece em Cruzeiro do Sul nesta semana, foi realizado nesta quinta-feira (12), na área da unidade penitenciária Guimarães Lima. É a primeira vez que um evento como este é realizado dentro de um presídio do Acre com a participação das detentas, direção local, policiais penais, gestores do Instituto de Administração Penitenciária (IAPEN) e pessoas que viveram situação de cárcere, como a ativista, escritora e cantora Preta Ferreira.

O 1° Congresso sobre Encarceramento Feminino, intitulado “O Acre Existe e Elas Resistem” é realizado pela Associação “Elas Existem”, no Teatro dos Náuas, entre quarta e sexta-feira desta semana. E como parte do evento, o presídio feminino sediou o I Congresso INTRAMUROS do Brasil.

Com direito a emoção, relatos fortes, acolhimento e música, a ação proporcionou momentos únicos para as presas, policiais penais e gestores do sistema prisional do estado. A Associação “Elas Existem”, com sede no Rio de Janeiro, atua nos presídios de Cruzeiro do Sul e Tarauacá, oferecendo orientações jurídicas e sociais, oficinas de autoconhecimento, de reflexão e leitura.

“Nós mostramos que isso aqui pode ser só uma passagem na vida delas e que elas são capazes de mudar a própria realidade”, diz Carol Bispo, uma das representantes da entidade.

As presas de Cruzeiro do Sul participaram do Congresso com trocas de experiências, relatos e perguntas. Sheila Rodrigues, de 22 anos, fez perguntas para a ativista social Preta Ferreira, que ficou presa por 3 meses em São Paulo, e elas cantaram juntas.

“Eu li o livro da Preta aqui dentro do presídio porque a Carol da “Elas Existem” trouxe para a gente. E hoje, estar aqui trocando experiências com ela, que é muito empoderada, é muito importante para mim e para todas”, afirmou.

No livro “Minha Carne: Diário de uma Prisão”, lançado durante o Congresso, a ativista social pela moradia, Preta Ferreira, conta a experiência do cárcere.

Sobre a importância do trabalho social realizado pela Associação Elas Existem, Sheila diz que gosta das oficinas de leitura e dos textos que passou a escrever dentro do presídio. Mas o que considera mais importante é a forma natural como pode agir com o grupo.

“Não preciso colocar as mãos para trás nem baixar a cabeça. Nas atividades, ficamos todas iguais, do mesmo tamanho. Isso não me deixa esquecer que posso pagar o que devo na cadeia e estar de novo na sociedade e ser do tamanho de todos”, relata emocionada.

Realidade exposta

Durante o Congresso, a realidade do presídio e do sistema prisional do Acre foi exposta e debatida, com ênfase no cárcere feminino. 95% das mulheres presas no Acre cumprem pena por tráfico e associação a organização criminosa. Elas recebem menos da metade da visita que os homens encarcerados recebem.

Segundo o diretor executivo operacional do IAPEN, Marcelo Lopes, em Rio Branco as 300 presas recebem 100 visitantes. Em Cruzeiro do Sul, as 19 detentas têm 15 visitantes.

“Os maridos ou companheiros não visitam. Quem visita as presas são as mães delas, irmãs e tias. Eles somem”, relata.

Representando o diretor geral do IAPEN, a ouvidora do Instituto, Macleine Melo, afirmou que a rigidez do sistema “endurece” os operadores.

“A rigidez e a necessária disciplina do sistema prisional nos endurecem e projetos assim oxigenam o trabalho. Acredito que projetos como esse do “Elas Existem” pode reduzir a reincidência criminal”, disse ela.

O diretor Marcelo Lopes reconheceu que teve dificuldades inicialmente em acolher o projeto “Elas Existem” nos presídios do Acre.

“Eu disse logo que não daria certo e que só seria mais trabalho para a gente e iria interferir na segurança. Mas hoje vemos bons resultados e acreditamos”, admite.

Palestrante no 1° Congresso Intramuros, a ativista Preta Ferreira conclamou as mulheres a mudar a realidade delas e não reincidir no crime.

“As prisões estão cheias de presos pretos, pobres e indígenas porque os direitos constitucionais não são garantidos. E esse projeto ressocializa as mulheres de verdade porque trata de cidadania e direitos. Não desistam e resistam que isso tudo passa”, pontuou.

Remissão das penas das presas em Cruzeiro do Sul ainda é tímida

O direito a reduzir a pena por meio do trabalho é novidade para as presas de Cruzeiro do Sul, que não desenvolvem trabalhos que garantam esse benefício a elas. A iniciativa ainda é tímida e só 8 das 19 presas têm acesso ao projeto Presídios Leitores, desenvolvido em parceria com a Universidade Federal do Acre – UFAC.

O diretor do presídio de Cruzeiro do Sul, Elves Barros, disse que apesar da reduzida segurança na unidade prisional feminina, com apenas quatro policiais penais mulheres, a intenção é criar algum trabalho para as presas que também sirva para reduzir a pena delas.

“Há três meses iniciamos a remissão de pena delas com o Projeto de Leitura, mas vamos ampliar essa possibilidade com trabalho para elas”, concluiu o diretor.

Nesta sexta-feira (13), último dia do 1° Congresso sobre Encarceramento Feminino, as detentas vão participar do evento no Teatro dos Náuas, onde farão uma apresentação musical.

Veja o vídeo das presas cantando com Preta Ferreira no presídio de Cruzeiro do Sul.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Conteúdo protegido!