Conecte-se agora

Inflação tem peso maior no orçamento da população de baixa renda

Publicado

em

Conforme o IBGE, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de novembro de Rio Branco foi de 0,82%. No ano, o IPCA acumula alta de 10,13% e nos últimos 12 meses, de 11,64%. No artigo de hoje vamos nos deter na avaliação da variação dos preços, medidos pelo IPCA, nos último 12 meses do ano na cidade de Rio Branco. Ou seja, vamos avaliar o período compreendido entre dezembro de 2020 a novembro de 2021. O IPCA tem por objetivo medir a inflação de um conjunto de produtos e serviços comercializados no varejo, referentes ao consumo pessoal das famílias. Esta faixa de renda foi criada pelo IBGE com o objetivo de garantir uma cobertura de 90% das famílias pertencentes às áreas urbanas. Nesses tempos de crise pandêmica, que agravou o desemprego, o aumento da inflação é um indicador importante para ser acompanhado, principalmente porque ele impacta diretamente na população mais carente, desempregada ou em estado de vulnerabilidade.

Rio Branco é um dos 15 municípios e/ou regiões metropolitanas pesquisadas pelo IBGE para o cálculo do IPCA para o Brasil. Na Região Norte, somente Rio Branco e Belém são pesquisados. Rio Branco nos últimos 12 meses, dentre os pesquisados, apresentou o quinto maior IPCA acumulado (11,64%),  superado somente por: Curitiba (PR) (13,71%), Grande Vitória (ES) (12,26%), Porto Alegre (RS) (12,1%) e Campo Grande (MS) (12,07%). A variação para o Brasil como um todo, ficou em 10,74%. A outra cidade do Norte pesquisada,  Belém, foi a que obteve a menor variação no período (8,7%).

  • Grupos dos Transportes, de Habitação e de Alimentação e Bebidas tiveram variação superior ao Índice Geral.

São nove os grupos de produtos e serviços pesquisados no IPCA. Em Rio Branco, todos tiveram alta nos últimos 12 meses. No gráfico abaixo, observa-se a variação de todos eles. As maiores variações foram observadas nos Grupos de Transportes (19,67%), Habitação (19,06%) e o de Alimentação e Bebidas (12,04%). Os demais, embora apresentando crescimento, suas variações ficaram abaixo do Índice Geral (11,64%).

Vamos nos deter na verificação daqueles produtos e serviços que mais influenciaram os grupos dos Transportes, da Habitação e de Alimentação e Bebidas. É importante lembrar que os três grupos que mais variaram no período, são aqueles que mais impactam na população de baixa renda.

  • Gasolina sobe 40,98%, a maior alta no Grupo dos Transportes 

Apesar da queda de 12,50% nos preços das passagens de ônibus em Rio Branco, válida desde 27 de outubro de 2021, o Grupo obteve a maior variação de preços no período. A gasolina (40,98%) e o   óleo diesel (37,40%) foram os dois produtos que tiveram a maior variação, em função da política nacional de preços adotadas pela Petrobrás que atrela o preço interno às variações do preço do petróleo no mercado internacional e consequentemente à desvalorização do real em relação ao dólar. Os outros dois produtos que contribuíram mais fortemente para a alta variação do grupo foram: os pneus (28,65%) e os automóveis usados (23,24%).

  • Gás de botijão e Energia elétrica sobem mais de 27% e elevam variação do Grupo de Habitação  

Vinculado também à política nacional de preços praticados pela Petrobrás, o gás de botijão aumentou 27,70% em um ano em Rio Branco. A Energia elétrica residencial, tendo como justificativa à crise hídrica, aumentou 27,05%. Esses dois produtos de consumo das famílias impactaram fortemente o grupo da habitação no período. 

  • Pescados (28,43%), ovos e aves (24,76%) e Carnes (16,86%) elevam a inflação do Grupo de Alimentação e Bebidas.

A forte variação no grupo de Alimentação e Bebidas  deve-se a  alimentação no domicílio onde houve altas expressivas nos preços do açúcar refinado (47,93%), do café moído (40,72%) e nas bananas prata e comprida que cresceram mais de 30%.  O subgrupo das proteínas animais, que são fundamentais para a saúde da população teve aumento significativo. Os pescados subiram 28,43%, onde só o tambaqui subiu 30,83%. Aves e ovos variaram 24,76%, destaque para o frango em pedaços (29,79%) e o ovo de galinha ( 26,39%) e, finalmente, as carnes que subiram 16,86%, tendo como destaques pá bovina (23%) e o peito bovino (21,51%).

Concluindo, sabemos que a crise da Covid-19 afetou todos os setores da nossa vida social. A economia foi um deles. Caiu a atividade econômica mundial, que carregou consigo  o desemprego e a inflação que atingiu fortemente a economia brasileira.  Portanto, os efeitos colaterais da crise sanitária, afetou diversas camadas sociais, principalmente as mais marginalizadas. O aumento do preço de produtos essenciais afeta a todos, mas é certo que, afeta mais o de menores  rendas, já que essas destinam maior parcela da sua renda ao consumo do que as classes mais ricas.

Então, neste cenário, a situação é muito difícil e preocupante, pois todas as causas responsáveis pelo aumento dos preços se transferem para uma insegurança alimentar considerável. A inflação pesa mais no bolso dos mais pobres. Neste cenário tão complexo estamos na realidade, assistindo um aumento nas desigualdades sociais onde a insegurança alimentar passa a ser companheira de grande parte da população acreana.

Orlando Sabino escreve às quintas-feiras no ac24horas

Acre

Casos de diarréia avança 32% em 2022 no Acre, alerta Saúde

Publicado

em

Continuar lendo

Cotidiano

Ufac abre 380 vagas para Enem e Sisu

Publicado

em

Continuar lendo

Destaque 3

Professores selecionados em processos seletivos são convocados para entrega de documentos

Publicado

em

Continuar lendo

Cotidiano

MP recomenda que delegados não realizem diligências invasivas em investigações no Acre

Publicado

em

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Conteúdo protegido!