Conecte-se agora

“Se as eleições fossem hoje, haveria segundo turno”, diz Jenilson se colocando como 3ª via ao governo

Publicado

em

Em entrevista na noite desta sexta-feira, 08, ao quadro Boa Conversa, exibido pelo ac24horas, o deputado estadual Jenilson Leite (PSB) abordou diversos temas dentre eles a sua pré-candidatura ao Governo do Acre e o seu olhar sobre o governo Gladson Cameli (Progressistas).

Durante a entrevista, Jenilson Leite afirmou que vem sentindo uma sensação de mudança e colocou em xeque os números das pesquisas que o apontam com 3% de intenção de votos para o governo do Acre.

“Essa caminhada eu estou tentando uma felicidade muito grande pela sensação de mudanças. Vai chegar o tempo em que eu vou conversar com o PT, PCdoB, Petecão e o PSOL e eu entendo que o momento de sentar na mesa é em 2022 e esse ano é para conversar com o povo. Quando a gente faz política sem conversar, a gente se isola. Vou conversar com o Petecão, conversei com o Jorge e vou conversar com outras forças políticas em 2022”, afirmou.

O parlamentar destacou que a sua pré-candidatura conta com o apoio da nacional do PSB e salientou que se mantiver o atual cenário político as eleições de 2022 terão segundo turno. O socialista afirmou que as pré-candidaturas de Petecão, Mara Rocha fraciona o eleitorado do campo do governador Gladson Cameli (Progressistas) que buscará à reeleição.

“Pesquisas você tem que saber quem faz e um político que quer ter êxito, não trabalha apenas com intuição e eu tenho feito pesquisas e os meus números são reais, não são esses que foram maximizados e divulgados na mídia. No meu ponto de vista, se as eleições fossem hoje com os candidatos que nós temos, seria uma eleição de segundo turno, não tem eleição ganha no primeiro turno hoje. Eu acho que a entrada da Mara fraciona o eleitorado do campo do governador. Quem faz matemática, sabe que eles estão dividindo muito o bolo”, salientou.

Em outro trecho, o parlamentar fez críticas ao governador Gladson Cameli e a sua equipe citando, inclusive, a pesquisa divulgada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) que apontou que governo do Acre tinha mais de R$ 1,7 bilhões em caixa durante a crise da covid-19, mas utilizou apenas R$ 123 milhões para realizar investimentos.

“O governador inaugurou uma máxima na sua eleição foi de: ‘dinheiro tem, o que falta é gestão’, ele falava isso e essa frase embalou muita gente a caminhar junto com ele e vem o Orlando Sabino mostrar esses dados que apontam que o Acre tinha R$ 1,7 bilhões disponíveis para fazer investimentos que poderia melhorar a vida das pessoas, mas que não foi feito. E o que falta? É gestão! É o que os números mostram. O setor produtivo rural poderia ter recebido investimento durante a pandemia”, afirmou.

Ao ser questionado se existe um plano B, caso não consiga viabilizar o seu nome para o governo, Jenilson Leite salientou que existe um plano B, mas afirmou que só em 2022 discutirá esse assunto.

“Hoje sou pré-candidato ao governo, mas todo mundo tem que ter um plano B. Eu acho que todo mundo pode buscar construir os seus objetivos e qual é a minha meta? É um dia de ser governador do Acre, se vai ser agora, eu não sei, eu trabalho que seja agora. Eu não sou pré-candidato para derrotar A ou B, eu não quero ser candidato para derrotar alguém, mas quero ser pré-candidato para ajudar o povo. O meu plano B vai ser revelado só ano que vem”, destacou.

Por fim, o Jenilson afirmou que vê um espaço para a sua pré-candidatura e citou o caso do ex-governador Edmundo Pinto que foi ao segundo turno em 90, apesar das pesquisas apontarem outro resultado.

“Eu vejo um espaço aberto e quando o Edmundo Pinto saiu de deputado com 3% ao governo, ninguém dizia que ele iria virar governador. O raio embora as pessoas digam que não cai no mesmo lugar, eu já vi cair. As coisas podem acontecer e a política muda. Uma hora faz sol e outra faz chuva, a política é assim também”, salientou.

Assista a entrevista completa:

video

Na rede

Parceria entre governo e Mâncio Lima investe mais de R$ 230 mil na agricultura familiar

Publicado

em

Uma parceria firmada entre a prefeitura de Mâncio Lima e governo do Estado nesta quarta-feira, 20, beneficiou a agricultura familiar do município com R$ 231 mil. Hoje, houve a última entrega de alimentos oriundos da produção local, que contemplou mais de 800 famílias com kits compostos por pouco mais de 16 itens bem como macaxeira, abóbora, farinha de tapioca, goma, farinha de mandioca, couve, alface, cebola, pimenta, banana, feijão, melancia dentre outros.

Os kits estão avaliados entre R$ 100 a R$ 120 reais. Só nesta última entrega, 200 famílias foram beneficiadas. O Programa de Subvenção à Aquisição de Alimentos é uma ação emergencial dos governo Estadual e Municipal com o objetivo de fornecer alimentos da agricultura familiar, visando a melhoria das condições de alimentação, nutrição e saúde e, uma alternativa de minimização dos impactos da Covid-19, distribuídos pela Secretaria Estadual de Produção Agropecuária – SEPA, com recursos do PDSA II/BID, Secretaria de Estado de Assistência Social, dos Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres, Secretaria Municipal de Assistência Social.

“Mâncio Lima está se tornando um polo produtivo e, prova disso, são as famílias e instituições de Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima e Rodrigues Alves que estão recebendo dos nossos produtores estes kits para subsidiar na alimentação das pessoas, que de maneira direta foram afetadas pela pandemia da Covid-19. Além de trazer segurança alimentar, o projeto aquece a economia local, diversifica a produção e traz um pouco de alento e auxílio para nossas famílias e as instituições que também estão sendo contempladas dentro do projeto”, disse Ângela Valente, prefeita em exercício.

Em Mâncio Lima, a execução foi feita pela Associação Santa Cruz, do Projeto de Assentamento Tonico Sena que ao comprar os produtos dos produtores rurais repassa à Secretaria de Assistência Social e, cabe ao Centro de Referência de Assistência Social identificar as famílias de baixa renda, CadÚnico, BPC, dentre outras em situação de vulnerabilidade social, devido a pandemia do novo coronavírus.

Foram investidos R$ 231 mil na zona rural, ao todo, 66 produtores participaram da distribuição dos alimentos, com valorização de 10 a 15% do produto que seria vendido em uma feira. Cada agricultor recebeu a quantia de R$ 3 mil, e foram realizadas de 2020 a 2021 quatro entregas de kits com alimentos em Mâncio Lima, Cruzeiro do Sul e Rodrigues Alves.

“Este projeto oportunizou a comercialização dos produtos agrícolas de Mâncio Lima, garantindo renda e sustento às famílias da agricultura familiar. Ao mesmo tempo que estamos garantindo a venda dos produtos, estamos garantindo comida na mesa de mais de 800 famílias garantindo segurança alimentar”, destacou Ezio Pereira Júnior, Secretário Municipal de Produção.

Para Rodrigues Alves, durante a execução do Projeto, foram entregues 339 kits alimentícios, em Cruzeiro do Sul, instituições de acolhimento públicas e privadas, tais como abrigos Organizações da Sociedade Civil que atuam no acolhimento de idosos, crianças e demais públicos também foram contempladas. Algumas famílias, seguindo os critérios de renda e condição social, receberam o auxílio duas vezes.

Continuar lendo

Cotidiano

Acre apresenta estabilidade em casos de síndrome respiratória grave, diz Fiocruz

Publicado

em

Foto: Reprodução

A incidência de casos e óbitos causados por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) no estado do Acre manteve-se estável na semana encerrada em 16 de outubro, conforme informou o boletim InfoGripe, divulgado nesta quarta-feira, 20, pela Fundação Oswaldo Cruz.

O Acre é um dos 11 estados brasileiros em que há tendência de queda na análise das últimas seis semanas (longo prazo). Além dele, estão: Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, Rondônia e São Paulo e Distrito Federal.

Ao contrário disso, das 27 unidades federativas, nove apresentam sinal de crescimento na tendência de longo prazo: Alagoas, Amapá, Ceará, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins. Como tal crescimento é recente, ele ainda é considerado compatível com uma oscilação dentro da estabilidade, avalia o boletim.

A capital do Acre, Rio Branco, também está fora do grupo em que o nível de transmissão comunitária ainda é considerado alto: Aracaju, Belém, Boa Vista, Campo Grande, Cuiabá, Fortaleza, João Pessoa, Macapá, Maceió, Manaus, Natal, Palmas, Porto Alegre, Porto Velho, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, Teresina e Vitória. Segundo a pesquisa, nenhuma capital apresenta transmissão em nível extremamente alto.

De acordo com o boletim, o cenário atual aponta para indícios de estabilidade na tendência de longo prazo (últimas seis semanas) e de crescimento leve na tendência de curto prazo (últimas três semanas), o que ainda é considerado compatível com um quadro geral de estabilidade.

Os casos da síndrome são acompanhados por pesquisadores como um dos parâmetros para monitorar a pandemia de covid-19, já que o SARS-CoV-2 foi o responsável por 96,6% dos 673 mil casos de SRAG causados por vírus em 2021 e por 98,8% dos 413 mil que foram registrados em 2020.

Continuar lendo

Cotidiano

Justiça decide que governo tem 45 dias para apresentar projeto de implantação de CEI

Publicado

em

Acolhendo parcialmente pedido do Ministério Público Federal (MPF) feito em ação civil pública, a Justiça Federal do Acre (JF) deu o prazo de 45 dias para que o Estado do Acre apresente projeto de lei ao legislativo estadual, com destaque de urgência da matéria, para promover a implantação do Conselho Estadual Indígena (CEI).

Mesmo tendo sido criado pela Constituição do Estado do Acre (2001), o CEI do Acre nunca funcionou. Essa situação levou o MPF, em 2020, a ajuizar ação civil pública na JF para que a implementação do órgão seja efetivada pelo governo do Acre.

O CEI deve atuar em políticas públicas para as necessidades de manutenção territorial e ambiental, bem como de saúde, habitação e educação, com respeito às origens e especificidades culturais das diversas etnias indígenas presentes no Estado do Acre. O colegiado deve assessorar o governo do Estado na elaboração de diretrizes e projetos de políticas públicas em favor dos povos indígenas localizados no estado do Acre.

Em audiência de conciliação realizada no início do ano, o Governo do Estado se comprometeu a editar nova lei que reformulasse o Conselho atualmente existente, considerando a aparente inconstitucionalidade da lei estadual editada em 2003.

O MPF noticiou o descumprimento do acordo, o que levou a JF a determinar que, no prazo de 45 dias, o Estado do Acre apresente projeto de lei ao legislativo estadual, com destaque de urgência da matéria, para promover a implantação do CEI e a aplicar multa de R$ 50 mil pelo descumprimento do acordo.

De acordo com a decisão, o Estado do Acre deverá ainda consultar as comunidades indígenas sobre as lideranças que farão parte do CEI para que ocorra a pluralidade representativa no Conselho antes mesmo do envio da redação do projeto de lei ao legislativo acreano. O Estado do Acre já havia acordado compromisso de instalação do CEI, no prazo de seis meses, o que não foi cumprido. Portanto, a decisão da JF alerta ainda que o descumprimento do acordo firmado entre as partes, acarretará em pagamento de multa dirigida ao chefe do executivo estadual.

Com informações do MPF no Acre

Continuar lendo

Acre 01

Com direito a moqueca e carne de sol, PP convida deputados para chapão da morte em 2022

Publicado

em

Em um almoço regado a moqueca, carne de sol e política, a senadora Mailza Gomes (Progressistas), o presidente da Assembleia Legislativa do Acre, Nicolau Junior e os deputados, Gerlen Diniz e José Bestene, conversaram nesta quarta-feira, 20, com os deputados estaduais, Whendy Lima, Marcos Cavalcante, Chico Viga e André Vale acerca das eleições de 2022.

Na ocasião, a presidente do Progressistas, Mailza Gomes, convidou os parlamentares que estão de saída de seus respectivos partidos para integrarem as fileiras da sigla nas eleições de 2022.

A expectativa segundo os deputados estaduais José Bestene e Gerlen Diniz é eleger de seis a sete parlamentares em 2022. A saída deve ocorrer apenas na janela partidária prevista para maio do ano que vem.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2021 ac24Horas.com - Todos os direitos reservados