Conecte-se agora

Gladson pede que setores passem a exigir carteira de vacinação: “Não precisa de decreto”

Publicado

em

O governador Gladson Cameli (Progressistas) solicitou nesta sexta-feira, 17, que os órgãos públicos privados passem a exigir a obrigatoriedade da carteira de vacinação.

De acordo com Cameli, não há necessidade do Poder Executivo ter que tomar uma atitude drástica nesse sentido. “Eu quero fazer um apelo, naturalmente, para que o Estado não tenha que decretar, os donos de bar, restaurantes, cinema e todas as áreas passem a cobrar a carteira de vacinação, vamos fazer isso juntos para que não seja preciso decretar, determinar ou tipo uma ditadura, pois eu não quero isso”, ressaltou.

Cameli destacou que o apelo é devido ao baixo índice de cobertura vacinal do público que precisa tomar a 2° dose. “Eu quero que as pessoas naturalmente se conscientizem das suas obrigações”, concluiu.

Acre 01

Sem Gladson, membros do PP fecham apoio em torno da reeleição de Mailza Gomes

Publicado

em

Sem a presença do governador Gladson Cameli, ocorreu na tarde deste sábado, 23, uma reunião a portas fechadas que contou com a presença de deputados estaduais, prefeitos e alguns membros partidários em torno de fechar um bloco de apoio interno, dentro do Partido Progressistas, a reeleição da senadora Mailza Gomes.

Estiveram presentes no evento o prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, o de Cruzeiro do Sul, Zequinha Lima, o de Feijó, Kieffer Cavalcante, de Senador Guiomard, Rosana Gomes, de Porto Acre, Bené Damasceno, além do deputado estadual José Bestene e representantes dos deputados Nicolau Júnior e Gehlen Diniz.

Bestene destacou que o Progressistas é um partido unido, que tem um projeto de melhoria de vida para a população acreana. “Hoje, parlamentares e prefeitos Progressistas se reuniram para manifestar apoio à reeleição da nossa senadora Mailza Gomes”, declarou.

O parlamentar argumentou que Mailza precisa do apoio de toda a cúpula do partido do governador Gladson Cameli. “Ela vem trabalhando muito pelo nosso Acre. É uma mulher honrada e dedicada. Está no mandato, então é natural que dispute a reeleição, com o apoio de todos nós do Progressistas”, comentou.

Continuar lendo

Acre 01

Maioria das prefeituras do Acre têm situação fiscal crítica, baixa autonomia e muito gasto

Publicado

em

Apenas três prefeituras do Acre apresentam situação fiscal boa ou de excelência, segundo o Índice Firjan de Gestão Fiscal divulgado na quinta-feira, 21, pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro.

O IFGF revela que 3.024 cidades brasileiras têm situação fiscal difícil ou crítica. No estudo, elaborado pela Firjan, foram avaliados 5.239 municípios que, na média, atingiram 0,5456 ponto. O índice varia de zero a um, sendo que, quanto mais próximo de um, melhor a gestão fiscal. De acordo com a análise, o quadro é preocupante e a dificuldade de geração de receita pelos municípios é o principal entrave para a melhora das contas públicas.

Do Acre, somente Rio Branco -com nota de excelência que inclusive a coloca entre as cinco capitais com melhor gestão fiscal -Manoel Urbano e Marechal Thaumaturgo obtiveram nota azul e verde, chancelando suas finanças saneadas, com capacidade de investimento e liquidez.

Na média, as 5.239 cidades brasileiras analisadas no estudo atingiram 0,3909 ponto no indicador de Autonomia, que verifica se as receitas oriundas da atividade econômica do município suprem os custos da Câmara de Vereadores e da estrutura administrativa da Prefeitura. Esse indicador teve o pior desempenho entre os quatro analisados no IFGF. Quase 67% das cidades apresentaram situação difícil ou crítica. Para 1.704 que não geraram receita para arcar com esses custos mínimos de existência foram necessárias transferências que totalizaram R$ 4,5 bilhões – recurso que poderia ser alocado, por exemplo, em habitação e saneamento para a população.

Foram avaliadas no IFGF 2021 as cidades que declararam suas contas de 2020 de forma consistente até 10 de agosto de 2021, já que a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) determina que até 30 de abril de cada ano as prefeituras devem encaminhar suas declarações referentes ao ano anterior à Secretaria do Tesouro Nacional (STN).

O IFGF é composto pelos indicadores de Autonomia, Gastos com Pessoal, Liquidez e Investimentos.

O indicador de Gastos com Pessoal – que representa quanto os municípios gastam com o pagamento de pessoal em relação à Receita Corrente Líquida (RCL) – atingiu 0,5436 ponto, sendo o segundo pior entrave à gestão municipal em 2020. Mais de 53% das cidades registraram situação fiscal difícil ou crítica e, das 1.818 cidades que gastaram mais de 54% da Receita Corrente Líquida (RCL) com a folha de salário do funcionalismo público, 624 comprometeram mais de 60% do orçamento com essa despesa e ultrapassaram o limite máximo determinado pela legislação.

Já o indicador de Liquidez verifica a relação entre o total de restos a pagar acumulados no ano e os recursos em caixa disponíveis para cobri-los no exercício seguinte. A média dos municípios foi de 0,6345 ponto, a maior entre os indicadores do IFGF. Quase 60% das cidades apresentaram nível de liquidez bom ou excelente. A distribuição de recursos públicos para os municípios por conta da pandemia foi um dos fatores que contribuiu para esse resultado. No entanto, apesar do cenário mais positivo devido ao contexto atípico, 563 prefeituras estão em situação crítica – terminaram o ano de 2020 sem recursos em caixa para cobrir as despesas postergadas para este ano.

O indicador de Investimentos – que mede a parcela da Receita Total destinada aos investimentos – registrou 0,6134 ponto. Na média, foram destinados 7,1% do orçamento para esse fim. A Firjan destaca que a pandemia teve forte influência no percentual, já que os investimentos na área da saúde cresceram 34% de 2019 para 2020. No entanto, a federação chama a atenção para a grande disparidade entre os municípios nesse indicador: 49% foram classificados com gestão boa ou excelente por destinarem, em média, 10,9% da receita para investimentos, enquanto em 51% das cidades esse percentual foi de 4,6%.

A maioria das prefeituras acreanas tem alta liquidez e tem feito investimentos mas esbarram no gasto com pessoal e na falta de autonomia, já que dependem dos repasses federais para se manter. Bujari e Sena Madureira não apresentaram dados.

O estudo completo pode ser acessado aqui: https://www.firjan.com.br/ifgf

Continuar lendo

Acre 01

Índios do Acre denunciam que dinheiro ganho em programa da Globo nunca chegou na aldeia

Publicado

em

Lideranças da etnia Shawãdawa, os Arara, da cidade de Porto Walter, no interior do Acre, foram nesta quinta-feira, 21, à Polícia Federal, ao Ministério Público Federal e à Funai fazer denúncias contra indígenas e não indígenas, que estão ganhando dinheiro de forma fraudulenta utilizando o nome deles.

Um das denúncias e contra o casal, Txãdá Shawã e Daosha, ele índio e ela branca. A dupla foi ao Programa Caldeirão do Huck, da rede Globo, em abril deste ano, ganhou mais de R$ 100 mil, que nunca beneficiou a etnia e nem foi empregado em projeto de calçados ecológicos. Segundo Anchieta Arara , um dos denunciantes, o casal do programa comprou duas terras e criou falsas aldeias com o objetivo de atrair turistas de outros Estados e países.

“Ele mora em São Paulo com essa mulher não indígena e ganham dinheiro usando o nome e tradição indígena Shawandawa. Fazem pajelança. E o dinheiro que ganharam na Globo dizendo que beneficiaria famílias, nunca apareceu. Eles abandonaram o grupo a que se referiram no programa e já formaram outro grupo em uma segunda aldeia falsa”, relatou Anchieta, que afirma existirem apenas as aldeias Shawandawa, do Rio Cruzeiro do Vale . “O restante é aldeia falsa”, ressalta.

O cacique geral dos Shawandawa, José Maria, cita ainda que uma empresa do Rio de Janeiro está utilizando o nome da etnia como marca de produtos medicinais. “Uma empresa está patenteando o nome Shawadawa para vender produtos como rapé”, pontua o cacique.

Na Globo

No dia 17 de abril deste ano, Evandro Shawãdawa Txãdá Shawã e Daosha, ganharam R$ 102 mil no quadro “The Wall”, do Programa Caldeirão do Huck, exibido pela Rede Globo. Com o dinheiro conquistado no programa, o casal disse que iria fortalecer e ampliar o projeto de artesanato ‘Ararinha Encantada’, que envolve as mulheres Arara.

Foto: Reprodução/Globo

Segundo Daosha, as mulheres faziam calçados com Folha Defumada Líquida (FDL), do látex e materiais da floresta usando corantes naturais que são vendidos em São Paulo e outros Estados.

Na época, ela contou que conheceu Txãdá e foi a São Paulo para um evento ligado à cultura indígena. De acordo com o relato dela no programa global, o projeto com os calçados começou há 3 anos.

“O projeto empodera mulheres e ajuda a gerar renda. O mais importante é que deixa a floresta em pé. Com esse dinheiro ganho aqui vamos melhorar as casas de borracha e transporte dos produtos. Nós vamos levar adiante esse projeto que melhora a vida das famílias. Essa é nossa caminhada, como guardiões da floresta. E que a gente tenha força para nunca desistir, nunca deixar esse projeto de lado.”, falou Daosha em rede nacional.

Continuar lendo

Acre 01

Morte de cantor carbonizado vai completar dois anos sem assassinos identificados

Publicado

em

No próximo dia 19 de novembro, completa dois anos do assassinato do cantor sertanejo Ruan da Silva Lima, que tinha 33 anos. O músico foi encontrado carbonizado dentro de seu próprio veículo, em frente à Chácara Modelo, localizada na Estrada do Amapá.

A partir das investigações, a morte de Ruan se tornou um grande mistério. Tanto que passados quase dois anos, ainda não há conclusão do inquérito que corre na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

A demora é motivo de preocupação e reclamação de familiares. Como a morte de Ruan é cercada de mistérios, integrantes da própria família cobram a resolução do caso, mas com medo, pedem anonimato. “A impressão que a gente tem é que não estão nem aí, que deixaram pra lá. Toda vez que vamos na delegacia, dizem que estão atrás, mas não falam mais nada. A mãe e uma irmã do Ruan tiveram que ir embora, não sabemos se foi alguém próximo ou se estamos ou não correndo riscos”, diz um familiar da vítima.

O ac24horas procurou a Polícia Civil para saber sobre o andamento do inquérito. O delegado responsável pelo caso, Ricardo Casas, que está de férias, pediu que a reportagem procurasse o delegado Cristiano Bastos, que garantiu que o inquérito não está parado.

“O caso está na condução do delegado Ricardo que tem feito diligências e o inquérito está sim sendo impulsionado. Como tem questões sigilosas, é preciso cautela. O que posso dizer é que não desistimos de nenhum inquérito, mas na investigação é assim, em alguns casos conseguimos avançar mais rápidos, em outros, há uma demora um pouco maior”, afirma.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas