Conecte-se agora

Acre foi estado do Brasil com mais focos de queimadas em 48h

Publicado

em

Foto: Sérgio Vale/ac24horas.com

O fim de semana marcado pela celebração do Dia da Amazônia, ocorrida neste último domingo, 5 de setembro, não foi positivo para o bioma amazônico, de maneira especial na parte que compreende o estado do Acre, onde foi registrada a maior concentração de focos de queimadas de todo o país nas últimas 48 horas.

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), disponibilizados ao público no portal do Programa Queimadas, o Acre registrou 588 focos de calor entre os dias 3 e 5 de setembro. No mês, o estado já soma um total de 808 focos e no período anual, são 4.521 ocorrências detectadas.

Os dados são referentes apenas às imagens captadas pelo satélite de referência AQUA Tarde, que embasam as informações disponibilizadas diariamente pelo INPE. Com base nesses dados, o Acre tem 10% a mais focos de queimadas entre 1º de janeiro e 5 de setembro que no mesmo período do ano passado.

Uma dos reflexos da disparada das queimadas no Acre neste fim de semana é que cinco municípios do estado apareceram no ranking dos 10 que mais tiveram focos de calor detectados neste período de 48 horas que antecederam o boletim – Feijó (170), Tarauacá (70), Sena Madureira (59), Manuel Urbano (54) e Rio Branco (40).

Nos cinco primeiros dias de setembro, os municípios do Acre que figuram nesse indesejado ranking passam a ser seis, com o acréscimo de Cruzeiro do Sul, com 48 focos de queimadas. Outro dado relevante é que nesse mês, Feijó (204), Tarauacá (85), Sena Madureira (84) são os líderes nacionais em focos de queimadas.

Na semana passada, a coordenação do projeto Acre Queimadas, desenvolvido por pesquisadores da Unidade Federal do Acre, emitiu relatório que mostra que foram identificados 76 mil hectares de áreas queimadas neste ano, 12 mil hectares a mais do que no mesmo período de 2020.

O aumento das queimadas durante o mês de setembro foi considerado há alguns dias pela pesquisadora Sonaira Souza, da Universidade Federal do Acre (UFAC). Segundo ela, as queimadas deverão continuar no decorrer do mês apesar da precisão que existe de que o período vai ser marcado por chuvas mais frequentes.

Qualidade do Ar

Apesar do aumento das queimadas nos últimos dois dias, a qualidade do ar na maior parte dos municípios acreanos continua abaixo dos níveis registrados na última quinzena de agosto, quando a concentração de material particulado fino (Raw PM 2,5 µg/m³) chegou a atingir níveis preocupantes para a saúde humana.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o limite considerado seguro é de 25 µg/m³ para partículas de até 2,5 µm/m³, na média para 24 horas de exposição, e de 10 µg/m³ para a média anual. Em 2021, o Acre já passou mais de 16 dias com a qualidade do ar fora desse limite.

Na noite deste domingo (5), a Rede de Monitoramento da Qualidade do Ar do Acre mostrou uma média para um dia, na maioria dos municípios acreanos, dentro da escala de 12 a 35 µg/m³ (microgramas por metro cúbico) de material particulado o que indica que a qualidade do ar era aceitável.

Na segunda metade de agosto, alguns municípios do Acre tiveram média diária dentro da escala de 55 a 150 µg/m³, nível em que todos podem começar a sofrer efeitos na saúde se expostos por 24 horas. Grupos mais sensíveis podem experimentar efeitos mais graves à saúde.

Outro dado importante vem do relatório do projeto Acre Queimadas que diz que os municípios de Porto Walter, Plácido de Castro, Acrelândia, Sena Madureira, Santa Rosa do Purus, Marechal Thaumaturgo e Porto Acre tiveram mais de 20 dias em 2021 com a qualidade do ar fora do limite recomendado pela OMS.

A Rede de Monitoramento da Qualidade do Ar do Acre é uma iniciativa do Ministério Público do Estado (MPAC) em parceria com a Universidade Federal do Acre (UFAC), o Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), o Instituto Federal de Ciência e Tecnologia (IFAC), além de prefeituras, entre outras instituições.

Destaque 7

Prefeitura de Brasiléia realiza II Edição do Sabad’Arte

Publicado

em

A prefeitura de Brasiléia, através das secretarias de Cultura e de Educação, promoveu neste sábado, 25, a segunda edição do  SabadArte em ritmo de festa junina. 

A prefeita Fernanda Hassem prestigiou o evento, que contou com apresentação de quadrilhas, escolha dos reis , rainhas e princesas das escolas, danças de carimbó e show com Rogerlan e banda. 

A quadrilha convidada, Matutos na Roça, vinda de Rio Branco, ajudou a brilhar na noite. 

A mãe do estudante Artur Reis, que  estuda o 2ª ano na escola Rui Lino, não escondeu a alegria pelo filho que ganhou o título de rei. “Estou muito feliz, foi a primeira vez que o Artur participou do desfile, veio ansioso para participar e ainda ganhou um bom prêmio em dinheiro”, disse.

Elizete Braga, gestora da escola “Os Pastorinhos”, falou da participação da escola no SabadArte Junino com a dança do carimbó.“É uma satisfação trazer as nossas crianças para participarem dessa atividade cultural, promovida pela prefeitura de Brasiléia, incentivando a cultura e  os talentos. As crianças ficam felizes em participar desse tipo de apresentação, só tenho que agradecer”. 

A prefeita Fernanda Hassem destaca o sucesso do SabadArte “A praça está linda, as famílias  de Brasiléia,  Epitaciolândia e Cobija vieram pra cá prestigiar o Sabad Arte, trouxeram seus filhos para se divertir no nosso parque pequeno príncipe,  quero agradecer as nossas escolas municipais que acreditaram no projeto, essa atividade faz parte da programação do aniversário da cidade, a praça toda  revitalizada ,onde  construímos novos brinquedos para as crianças. Estou muito feliz e com o coração grato”, ressaltou.

Continuar lendo

Destaque 7

Petecão brinca de queda de braço nos 30 anos da demarcação do território Ashaninka

Publicado

em

O senador Sérgio Petecão (PSD), pré-candidato ao governo do Acre está cumprindo extensa agenda na região do Juruá durante a semana e nesta sexta-feira, 24, participou da celebração dos 30 anos de demarcação do território Ashaninka, na comunidade Apiwtxa, localizada às margens do Rio Amônia.

Durante a agenda, o pré-candidato teve o rosto pinta com as cores da etnia e também brincou em uma disputa de queda de braço com os indígenas da Aldeia.

Em suas redes sociais, Petecão falou da experiência. “Fiquei encantado com tudo que vi. Essa região aqui é muito linda e nós precisamos ouvir essas pessoas. Recebemos boas sugestões e boas ideias. Esse povo precisa da nossa atenção”, destacou Petecão.

A festividade pela conquista do território está sendo realizada do dia 22 a 25 de junho. Na ocasião, os convidados participam de atividades tradicionais e têm a oportunidade de experimentarem a caiçuma – bebida fermentada produzida, principalmente, a partir da mandioca.

O Partido Social Democrático (PSD), que tem Petecão como presidente do direito estadual, apresenta duas pré-candidaturas de lideranças indígenas: os irmãos Isaac e Francisco Piyãko disputarão aos cargos de deputado estadual e deputado federal, respectivamente, com o objetivo de buscar mais representatividade para os povos indígenas.

Continuar lendo

Destaque 7

Pré-candidato a federal, José Adriano declara apoio a Bolsonaro: “quero o melhor para o meu Acre”

Publicado

em

O presidente licenciado da Federação das Indústrias do Acre (Fieac), José Adriano, falou do lançamento da sua pré-candidatura a deputado federal nas eleições deste ano – que ocorre em outubro.

O empresário falou de política e elogiou a chapa de deputado federal do Partido Progressistas e o governador Gladson Cameli pela atuação na pandemia e deixou claro seu apoio à reeleição do presidente da República Jair Bolsonaro (PL). “Sou a favor de quem tiver uma política de recuperação econômica do país. Como deputado vou sentar com qualquer que seja esse presidente. Tem coisas positivas dentro do mandato do Bolsonaro. Não vejo polarização e eleição definida. Eu sou Bolsonaro”, garantiu.

O empresário disse que o objetivo é lutar não só pela classe empresarial, mas pelos pequenos produtores e microempreendedores. Adriano lembrou que sua candidatura foi provocada pelo próprio governador Gladson Cameli e as instituições competentes do estado. “Estamos saindo com uma proposta boa e, desta vez, representando não só o setor empresarial, mas todo o setor produtivo”, declarou.

José contou ainda que um dos gargalos a ser enfrentado na esfera pública é mudar o rótulo de “economia fraca”, existente no Acre. Outro fator primordial para colocar seu nome novamente na disputa eleitoral foi os desafios enfrentados pelo segmento empresarial na crise da pandemia mundial da Covid-19 – iniciada em 2020. “Tivemos situações da segurança vigiar os empresários, mas era o desespero que falava mais alto. Então, precisamos estar unidos e a pandemia nos mostrou isso”.

Outro ponto abordado pelo presidente licenciado da Fieac, é a geração de emprego no Acre. Segundo ele, com a área da construção civil patinando, é necessário políticas que incentivem a geração de empregos. “Temos conteúdo e experiência para recuperar a economia. Quem for se colocar nessa disputa tem que pensar na economia sim”, comentou.

Adriano também teceu críticas à política de desenvolvimento do Acre que, em sua opinião, não conseguiu evoluir para atrair novas empresas nacionais e multinacionais. “Falta Infraestrutura, matriz enérgica. Ninguém vem para perder dinheiro aqui. Como vamos atrair empresas, se não temos matéria prima?”, argumentou.

O empresário lembrou que o governo cometeu uma falha nesses quase 4 anos de gestão, a não construção de moradias populares. “Faltou um projeto social. Temos um projeto a nível dos municípios para que as pessoas enxerguem as moradias. O déficit habitacional se restringe a uma grande parcela da sociedade”.

Adriano falou que é favorável também ao projeto da estrada de Pucallpa que deve ligar o Acre ao Peru, segundo ele, o corredor é necessário para expandir o desenvolvimento econômico. “É uma oportunidade que não devemos deixar passar. É bom que haja uma empatia com a população de Cruzeiro do Sul que paga um preço alto. Tenho certeza que o investimento se paga ao longo do tempo”, ressaltou.

Assista a entrevista:

video
Continuar lendo

Destaque 7

Custo da cesta básica cai no Acre, mas feijão sobe quase 17%

Publicado

em

Em maio, segundo a pesquisa dos custos das cestas básicas em Rio Branco realizada pela Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão do Acre (Seplag), o valor da cesta de alimentação continua apresentando redução e caiu 1,33%. No entanto, os preços das cestas de limpeza doméstica e higiene pessoal apresentaram reajuste quando comparadas ao custo das cestas em abril.

Apesar da redução da cesta alimentar, o feijão subiu 16,47% no mês e liderou as altas: dos 14 produtos da cesta, 10 tiveram aumento em maio. A manteiga, por exemplo, variou 7,35%, e o leite, produto cujo valor tem sido alvo de queixa dos consumidores, reajustou 6,16%.

Os dados foram coletados em 71 estabelecimentos comerciais, como mercados varejistas de grande, médio e pequeno porte, açougues e panificadoras, distribuídos em 40 bairros da capital.

O custo total da cesta básica alimentar para um indivíduo foi de R$ 495,42, uma queda de -1,33% em relação a abril, conforme tabela abaixo. Houve redução de preços em quatro itens da cesta, sendo do tomate o mais expressivo (-19,37%), seguido pela banana (-4,24%), arroz (-3,21%) e carne (-1,08%). Os demais produtos apresentaram alta, com destaque foi para o feijão (16,47%) e manteiga (7,35%).

Em abril, o feijão foi o item com maior percentual de aumento de preço, cerca de 16,47% em relação a abril, enquanto que o tomate (-19,37%) e a banana (-4,24%) foram os itens que mais apresentaram queda.

“A queda acentuada no preço do tomate corrobora o padrão observado no mês de maio para esse item, conforme o último relatório do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) para as 17 capitais onde a pesquisa da cesta básica alimentar também é realizada”, diz a Seplag.

O custo total da cesta básica de limpeza doméstica foi de R$ 63, uma variação de 3,11% em relação a abril, conforme tabela a seguir. Sete produtos sofreram alta, sendo destaque o item detergente, que apresentou variação positiva de 9,86%, seguido pelo sabão em pó (7,77%), sabão em barra (6,20%) e água sanitária (3,43%). Os itens desinfetante e cera para assoalho registraram decréscimo de -2,91% e -0,28 %, respectivamente.

Já o custo total da cesta de higiene pessoal para um indivíduo foi de R$ 21,77, um aumento de 5,26% em relação a abril. Houve elevação nos preços de todos os produtos, com destaque para o item barbeador descartável, que registrou variação positiva de 9,88%, seguido pelo sabonete (9,49%) e papel higiênico.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Conteúdo protegido!