Conecte-se agora

Rendimento médio dos mais pobres caiu mais de 14% na pandemia

Publicado

em

Na edição do dia 06/07, o Jornal Folha de São Paulo fez um resumo da quarta edição do boletim Desigualdade nas Metrópoles onde constata que, em um ano, a pandemia do coronavírus empurrou mais 4,3 milhões de brasileiros para faixa de renda do trabalho considerada muito baixa nas regiões metropolitanas. Como ficaram os rendimentos dos acreanos? Nosso objetivo de hoje analisar como ficou o rendimento do trabalho no Acre, depois de um ano de pandemia. 

Nossa análise vai ter como base em informações da pesquisa Pnad Contínua Trimestral, do IBGE, entre o primeiro trimestre de 2020 e igual intervalo de 2021. Como variável de análise, vamos utilizar o rendimento médio real do trabalho principal, efetivamente recebido (em reais), em cada período, pelas pessoas de 14 anos ou mais de idade, ocupadas na semana de referência, com rendimento de trabalho. É importante observar que os números consideram apenas a renda do trabalho. Ou seja, recursos de benefícios sociais, como aposentadoria ou Bolsa Família, não entram no cálculo. O auxílio emergencial também não.

Rendimento médio das pessoas ocupadas caiu 0,5%

No primeiro trimestre de 2020, período inicial da crise sanitária – o vírus foi identificado no país no fim de fevereiro do ano passado – o Acre tinha um total de 293 mil pessoas ocupadas com um rendimento médio de R$ 2.050. Um ano depois, com 301 mil pessoas ocupadas, o rendimento médio era de R$ 2.040, uma redução real de 0,5% no período.

Empregados no setor privado com carteira assinada tiveram perdas de 12,9%

Analisando os trimestres por posição na ocupação e categoria do emprego, no gráfico acima, verifica-se que aqueles que estavam empregados no setor privado, no total, tiveram perdas de quase 4% em seus rendimentos. Porém, os trabalhadores que tinham carteira assinada perderam mais ainda (12,9%).

Trabalhadores domésticos sem carteira assinada tiveram perdas de 14,9%

No gráfico abaixo destacam-se a situação salarial dos trabalhadores domésticos. Percebe-se que embora seus rendimentos no total tenham tido um pequeno aumento de 2%, esse aumento foi graças aqueles que tinham carteira assinada, extrato que representa somente 29% dos ocupados. Os trabalhadores domésticos sem carteira assinada, que representam 71% de todos os ocupados na atividade, viram seus rendimentos médios serem reduzidos em 14,9%.

Empregados no setor público tiveram perdas de 3,9%

No período foram registrados um aumento de mais de 13 ml novas ocupações no setor público. Muito provavelmente trabalhadores da área da saúde que foram requisitados pelo governo estadual e pelas prefeituras para o combate ao coronavírus. O rendimento médio desses trabalhadores caiu 3,9% no período. Saindo de uma média de R$ 4.134 para R$ 3.971.

Trabalhadores por conta própria (autônomos) tiveram perdas de 14,5%

Finalmente temos no gráfico abaixo mais duas categorias de ocupação, os empregadores e os trabalhadores por conta própria (os autônomos). Os empregadores viram seus rendimentos mensais aumentarem em 9% enquanto os autônomos tiveram uma redução de 14,5% em seus rendimentos médios.

Para concluir, duas observações precisam ser feitas. A primeira é que a taxa acumulada da inflação de Rio Branco, medida pelo IPCA, foi de 8,44%, a maior do Brasil. Complementando a informação, o grupo de alimentação e bebidas, cresceu 20,87% no período. A segunda é que, enquanto a taxa de desemprego do Brasil, no primeiro trimestre de 2020 era de 12,2%, no Acre essa taxa era de 13,5% (46 mil desempregados). Um ano depois, no primeiro trimestre de 2021, a taxa Brasil foi de 14,7% e a taxa do Acre chegou a 16,8% (61 mil desempregados).

Temos três indicadores fundamentais que medem o grau de dificuldades do trabalhador acreano: inflação alta, desemprego alto e rendimento do trabalho mais baixo, principalmente para a parcela mais vulnerável. As maiores quedas nos rendimentos vieram dos trabalhadores domésticos sem carteira assinada (14,5%) e dos autônomos (14,9%), que são as ocupações que formam a camada mais desfavorecida e que exercem atividades nas quais é mais difícil atuar de maneira remota, o que também impactou fortemente para a queda em seus rendimentos. 

A expectativa é que o avanço da vacinação possibilite maior aquecimento do mercado de trabalho. Investimentos públicos na construção civil podem, no curto prazo, também atenuar o quadro de dificuldades. Fica demonstrado também a necessidade de medidas de proteção a camadas desfavorecidas nos próximos meses. Entre elas, está o auxílio emergencial.


Orlando Sabino escreve às quintas-feiras no ac24horas. 

Na rede

Parceria entre governo e Mâncio Lima investe mais de R$ 230 mil na agricultura familiar

Publicado

em

Continuar lendo

Cotidiano

Acre apresenta estabilidade em casos de síndrome respiratória grave, diz Fiocruz

Publicado

em

Continuar lendo

Cotidiano

Justiça decide que governo tem 45 dias para apresentar projeto de implantação de CEI

Publicado

em

Continuar lendo

Acre 01

Com direito a moqueca e carne de sol, PP convida deputados para chapão da morte em 2022

Publicado

em

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas