Conecte-se agora

Motoristas denunciam perseguição de coordenador de transportes da Educação

Publicado

em

Os ânimos andam quentes pelo setor de transportes da Secretaria Estadual de Educação, Cultura e Esportes (SEE). O ac24horas foi procurado por um grupo de motoristas que possuem carros alugados pela pasta para denunciar o que eles chamam de perseguição por parte do coordenador do setor, Josemir Raulino de Amorim.

De acordo com os motoristas, Raulino assumiu o cargo nos últimos 15 dias e já desagradou todos os profissionais que afirmam que o objetivo da perseguição é forçar os motoristas a pedirem a rescisão do contrato de locação para que o governo não tenha que pagar as rescisões devidas.

“São muitas coisas. Esse cidadão persegue nossa classe desde do dia que entrou. Tem se comportado como se nós fossemos corruptos e estivéssemos desviando combustível. Estamos recebendo trinta litros por semana, o que é uma quantidade impossível de se trabalhar. Outra coisa é que a prefeitura não tem feito a troca de óleo dos nossos carros como está no contrato. O Raulino quer nos obrigar a assinar a carteira de um motorista, só que o valor do salário mais encargos é maior que o próprio contrato. A prova da perseguição é que estão providenciando uma nova licitação e estão impedindo pessoas físicas de participar”, denuncia um dos representantes dos motoristas, que prefere não se identificar com medo de represálias.

O ac24horas procurou Josemir Raulino que respondeu os questionamentos. Afirmou que apenas tem cumprido o que está estabelecido em uma portaria do Estado. “A quantidade de combustível é baseada no diário de bordo, o que é comum em qualquer órgão do serviço público ou privado. O problema é que tens alguns motoristas que não entregam o diário e mesmo assim querem abastecer. Em relação a troca de óleo, mesmo estando sem licitação, estamos resolvendo aos poucos e não estamos obrigando nenhum carro a rodar que esteja com o período de troca do óleo vencido”, diz Raulino,

O chefe do transporte da SEE confirma a informação sobre proibir a participação de pessoas físicas na nova licitação e sobre o uso do combustível do estado para o deslocamento dos carros de casa até o trabalho.

“Essa é uma questão muito simples. Eu faço a seguinte pergunta, qual é o trabalho que doa combustível para que o servidor vá de casa para o local de serviço? O combustível que abastecemos é para ser usado em serviço da secretaria. Para o deslocamento de casa até a SEE, esse custo é do proprietário do veículo, não pode ser nosso. Em relação a carteira de trabalho, o contrato diz que quem deve dirigir o carro alugado é o proprietário. Ocorre que quando ele coloca uma outra pessoa para dirigir está infringindo o contrato. e em relação a licitação, é que uma empresa nos dá garantias que uma pessoa física não consegue. Por exemplo, quando eu alugo 10 carros em uma licitação e um deles quebra, a empresa é obrigada a substituir este veículo na mesma hora, o que a pessoa física não consegue fazer”, explica Raulino.

Anúncios

Bombando

Anúncios

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas