Conecte-se agora

Religião e política, onde se situa Jesus?

Publicado

em

Sobre política, religião e cães raivosos, na cruz em que Jesus de Nazaré foi torturado e crucificado havia uma placa com os dizeres “Jesus, o Rei dos Judeus”. Escrita em aramaico, latim e grego.

O aramaico simbolizava a religião, o latim a lei e a justiça romana e o grego toda cultura helênica (filosofia, política). Ele foi condenado a morte pela religião, pela lei e pela política.

Muitas pessoas estão rejeitando e odiando evangélicos muito mais pelo ativismo político-eleitoral-partidário do que por serem seguidores de Jesus Cristo.

A palavra de Jesus é libertadora, consoladora, conciliadora, mansa, humilde, inteligente e poderosa. Leva o ser humano a experimentar o renascer para um novo conceito de vida em amor e compaixão. Ensina a amar e não a odiar.

Já o discurso e a argumentação política, por sua própria natureza, são facciosos, partidários, ideológicos, opositores entre si, odientos e raivosos, principalmente nos dias de hoje em que muitos se entrincheiraram nas redes sociais armados de peçonhas e fake news até os dentes.

Jesus disse que seus seguidores seriam rejeitados, odiados, perseguidos e mortos por causa (Dele), do seu evangelho, do amor, da compaixão e misericórdia. E não por causa de seguirem os políticos e suas ideologias de direita, centro, esquerda ou nada. O ensino de Jesus como argumento político-partidário é veneno, intoxica e adoece a sociedade.

Aliás, sobre isso, Tiago, apóstolo e irmão de Jesus, declarou em seu livro que leva seu nome: O partidarismo é animal e diabólico. A doutrina de Jesus é sã, ela cura e não o contrário.

Porém, a condição de “seguidor de Cristo” não isenta o cristão de ser político com base na cooperação e no amor. Afinal de contas, foi um senador (honrado) que tirou o corpo de Jesus da cruz emprestando o próprio túmulo para que ele fosse sepultado.

Não pode reclamar

O prefeito Tião Bocalom (PP) não pode reclamar da enxurrada de críticas dos vereadores. Ele escolheu não ter líder, não ter base e ainda pediu que os 17 parlamentares colocassem sua gestão na imprensa. Agora que o caldo da manipueira está escorrendo, não reclame.

Um farto material

Sabe-se, por exemplo, que a maioria dos vereadores serão candidatos a deputado estadual. A gestão do prefeito Bocalom está fornecendo um farto material para embalar as críticas e, por conseguinte, as candidaturas.

Não precisaria

Se o brasileiro fosse um povo educado, disciplinado e que obedecesse às leis a pandemia não faria tamanho estrago. Acontece que nesse país quem faz as leis não as obedece, o andar de baixo é que não vai obedecer mesmo.

Lei do Murici

Como diz o ex-deputado Luiz Calisto e eu concordo: Deus cuida de todos e cada um de si. Vai ter que ser assim daqui para frente. Medidas restritivas por decretos não entram na cabeça de ninguém.

Coluna do Astério

Candidatura de Márcia Bittar é inegociável

Publicado

em

Continuar lendo

Coluna do Astério

Política desacreditada, eleitores enojados!

Publicado

em

Continuar lendo

Coluna do Astério

Bittar defende mudança de Bolsonaro

Publicado

em

Continuar lendo

Coluna do Astério

O recuo do presidente, bom senso ou covardia?

Publicado

em

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas