Conecte-se agora

Diretor da Policlínica diz que Estado e Município sabiam que esposa de Ulysses seria vacinada

Publicado

em

Deputados convocam secretário de Saúde, Frank Lima, para explicar quem autorizou vacinação de estagiários

O coronel Wagner Estanislau de Araújo, diretor da Policlínica da Polícia Militar, revelou durante sabatina nesta quinta-feira, dia 25, feita pela Comissão Covid-19, da Assembleia Legislativa, que a vacinação da esposa do coronel da Polícia Militar, Ulysses Araújo, e dos 17 estagiários seguiu o protocolo e contou com o aval da Secretaria Municipal de Saúde de Rio Branco e Secretaria Estadual de Saúde do Acre (Sesacre).

O coronel afirmou que a lista dos escolhidos foi enviada à Sesacre e para a Semsa, e destacou que como diretor da unidade de saúde, tem a obrigação de proteger todos, desde os profissionais da limpeza, passando pelos estagiários e até os médicos, sem distinção de cargo.

Ele ressaltou que o Ministério da Saúde (MS) em seu Plano Nacional de Imunização (PNI) autoriza a vacinação de estagiários que atuam nas unidades de saúde.

“Quase 40% dos profissionais da Policlínica foram contaminados pelo covid-19 e a minha preocupação era de proporcionar a prevenção. Vários servidores civis e militares contraíram aqui. Em relação às estagiárias tivemos cerca de 10 delas contaminadas com Covid-19. Do nosso efetivo foram mais de 30% contaminados na Policlínica”, garante.

Coronel Wagner Estanislau de Araújo, diretor da Policlínica da Polícia Militar – Foto: Reprodução

Ele disse ainda que as estagiárias mantém contato direto com o público e elas poderiam ser contaminadas também. “O manual preconiza que profissionais são todos aqueles que atuam em espaços de saúde e também será ofertada para a cadeia de profissionais de saúde e estudantes da área técnica de saúde que atuam na unidade. Eu, como diretor de saúde, tenho a obrigação de proteger nossa equipe diante dos óbitos que ocorreram. Tá no manual do Ministério da Saúde que as vacinas poderão ser ofertadas aos estudantes de saúde que estejam atuando em clínicas de laboratórios, unidades básicas e atenção básica”, afirmou.

O diretor justificou que a autorização para vacinar os servidores da policlínica coube, exclusivamente, à Semsa, bem como toda a execução da vacinação. “Nós mandamos uma relação para a Semsa e Sesacre com todos os nomes e eles analisaram todos os nomes que aqui trabalham ou estagiam. Então, eles estavam sabendo e quando a vacina veio pra cá, nenhum técnico nosso ou enfermeiro vacinou ninguém, quem vacinou todos os 70 da lista da Policlínica foram técnicos da Saúde. Foram técnicos da Semsa”, assegura.

Segundo ele, a lista que foi mandada pra lá e a decisão de aplicar as vacinas foram deles [Semsa]. “Eles estavam sabendo o nome de cada e a situação de cada um. A minha preocupação foi evitar mais mortes e a decisão de vacinação foi deles, que receberam a lista e executaram aplicação da dose da vacina”, concluiu.

Anúncios

Bombando

Anúncios

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas