Conecte-se agora

“Não sabemos de onde virá o dinheiro, só queremos receber”, dizem motoristas de ônibus

Publicado

em

Os motoristas das empresas de transporte coletivo de Rio Branco voltaram a realizar protestos no centro da capital acreana nesta sexta-feira (18). Desta vez, os trabalhadores mudaram o alvo do manifesto. Ao invés de cobrarem aprovação dos vereadores ao projeto de lei que destinaria R$ 2,4 milhões às empresas, agora eles pedem intervenção municipal, ou seja, querem que a prefeitura administre o transporte coletivo.

A reivindicação de agora tem como exemplo o que ocorreu nas cidades de Porto Velho (RO) e Manaus (AM), onde as prefeituras passaram a gerenciar as empresas devido aos constantes atrasos no pagamento de salários. “Agora não estamos atrás de a Câmara aprovar nada, estamos reivindicando nossos direitos de salários que estão atrasados”, disse um representante da classe.

O pedido de intervenção municipal é mais uma tática dos funcionários na tentativa de receber salários, férias e 13º salários que estão em atraso. “Já fomos informados de que até o dia 30 desse mês os empresários não terão como nos pagar. Por isso a maioria decidiu não rodar para que a prefeitura possa tomar uma posição”.

Antes de interditarem as mediações da prefeitura de Rio Branco, os motoristas afirmam que tentaram fazer o manifesto em frente às empresas de ônibus, mas que teriam sido impedidos. “Estávamos em frente à empresa e foram chamadas viaturas da polícia com intuito de nos tirar lá. Só queremos nossos salários, não queremos saber de onde vai sair o dinheiro”.

Os trabalhadores alegam que esse novo protesto pode render retaliações dos mesmos junto às empresas. “Sabemos que muitos podem até serem demitidos. Pedimos perdão à população pelos transtornos. Não queríamos fazer isso, mas fomos obrigados. Só temos Deus por nós”, finalizam.

Cotidiano

Organizações Indígenas do Acre cobram posicionamento de parlamentares contra o PL 490

Publicado

em

Associações e organizações indígenas do Acre publicaram nesta terça-feira, 03, uma carta exigindo dos deputados federais e senadores do estado, um posicionamento contrário ao Projeto de Lei (PL) 490/2007. A publicação da carta ocorreu no site da Comissão Pró Índio do Acre (CPI-Acre).

O PL prevê mudanças no reconhecimento da demarcação das terras e do acesso a povos isolados e determina que são terras indígenas aquelas que estavam ocupadas pelos povos tradicionais em 5 de outubro de 1988, ou seja: é necessária a comprovação da posse da terra no dia da promulgação da Constituição Federal.

Além da implementação do marco temporal, o texto também proíbe a ampliação de terras que já foram demarcadas previamente, independentemente dos critérios e da reivindicação por parte dos povos indígenas interessados.

Na Carta Aberta das Organizações Indígenas aos Parlamentares do Acre no Congresso Nacional, os indígenas destacam que o PL vai “enfraquecer as comunidades e criar problemas para o desenvolvimento dos modos de vida em um momento em que a preservação ambiental, das florestas e das águas, são importantes para toda a sociedade”.

“Esse PL 490/2007 é contra tudo o que conseguimos garantir com muita luta. E vem para enfraquecer as comunidades e criar problemas para o desenvolvimento do nosso modo de vida em um momento em que a preservação ambiental, das florestas e das águas, são importantes para toda a sociedade. Queremos autonomia para cuidar coletivamente dos nossos territórios. Não queremos invasão, conflito, divisão e degradação ambiental”, diz trecho da carta.

Em outro trecho, as organizações indígenas pedem aos parlamentares independente das opções políticas e partidárias, diálogo em nome de centenas de povos e comunidades indígenas, não apenas no estado do Acre, mas de todo o país, que se posicionam contra a tomada de terras.

“Lembramos às senhoras e senhores deputados e senadores, que nós indígenas somos eleitores. E estamos cada vez mais atentos àqueles que, longe de nossos olhares, decidem propor ou apoiar iniciativas que ameacem os povos indígenas e a proteção da floresta. Pedimos o seu posicionamento contrário às leis que ameaçam nossos direitos e seu voto contra o PL 490/2007. Nenhum direito a menos!”, salientou.

Veja na íntegra: https://cpiacre.org.br/indigenas-no-acre-assinam-carta-aberta-cobrando-de-parlamentares-posicionamento-contrario-ao-pl-490/

Continuar lendo

Acre

Vacinação de trabalhadores da indústria terá 2ª dose nesta semana

Publicado

em

A força de trabalho da indústria, que ganhou prioridade na vacinação contra a covid-19 após solicitação da FIEAC e do SESI/AC à Prefeitura de Rio Branco, receberá a segunda dose do imunizante nesta semana. Na quinta-feira, 5 de agosto, a imunização será realizada no Ginásio do SESI e Parque Industrial (BR-364, sentindo Porto Velho, na rua principal), e, nos dias 6 e 7, somente no SESI, localizado no bairro Manoel Julião, das 8h às 16h.

A intenção é atender os mais de 6,7 mil trabalhadores da indústria que receberam a primeira dose na capital. O superintendente do SESI, João César Dotto, destaca que o ciclo vacinal será concluído respeitando o prazo de 45 dias de intervalo para a segunda dose, conforme recomendado por órgãos de saúde. “Estamos prontos para essa segunda etapa e compromissados em contribuir com o avanço da imunização dos industriários, além de estarmos ajudando também na vacinação da população em geral”, enfatiza Dotto.

De acordo com José Adriano, presidente da FIEAC e do Conselho Regional do SESI/AC, a parceria com a Prefeitura de Rio Branco para a vacinação prioritária aos trabalhadores da indústria tem sido exitosa. “Há um esforço e comprometimento por parte de toda a equipe do SESI, em sintonia com a gestão da Saúde Municipal, e isso nos traz otimismo, pois entendemos que a vacina é a única solução para superarmos de vez essa pandemia e, com isso, retornarmos o mais rápido possível à melhoria econômica”, salienta o empresário.

IMPORTÂNCIA DA 2ª DOSE – Com o objetivo de sensibilizar e chamar atenção dos trabalhadores da indústria e da população em geral sobre a importância de comparecer aos pontos de vacinação para receber a segunda dose, o SESI realizará uma live nesta quarta-feira, 4 de agosto, às 16h30, com a participação do médico Osvaldo Leal, diretor do Into no Acre. A transmissão será pelo Instagram do SESI/AC (@sesiacre).

“É uma atividade que faz parte da programação do ato vacinal da segunda dose, visando assegurar que tenhamos um índice representativo de trabalhadores da indústria com o ciclo completo de imunização em Rio Branco”, reforça Rosemere Azevedo, gerente de Segurança e Saúde para Indústria do SESI/AC.

Assessoria FIEAC

Continuar lendo

Cotidiano

Passeio de bicicleta por Rio Branco arrecada alimentos para campanha Estrada Solidária

Publicado

em

Ciclistas promovem nesta quinta-feira (5) um passeio ciclístico solidário para arrecadar alimentos não perecíveis para a campanha Estrada Solidária realizada pela Polícia Rodoviária Federal no Acre.

O passeio é aberto a todos os ciclistas e terá como ponto de encontro e partida a Praça da Revolução, às 19h, em frente ao Comando-Geral da Polícia Militar do Acre, no centro da cidade, e terá um trajeto de aproximadamente 12 km entre o primeiro e segundo distrito da capital.

No ponto de encontro haverá um posto de arrecadação de alimentos e a população e os atletas que quiserem poderão levar as suas doações ao local. Desta forma, a população estará colaborando com a campanha nacional da PRF que visa arrecadar alimentos para doação para instituições de assistência social do Acre cadastradas no programa nacional Pátria Solidária.

O passeio é organizado pelos grupos de ciclismo e tem participação da Federação Acreana de Ciclismo (FAC).

Continuar lendo

Acre

Marfisa Galvão se afasta da prefeitura para tratar de sua saúde

Publicado

em

O prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, publicou um decreto afastando a vice-prefeita Marfisa Galvão (PSD) da titularidade da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SASDH). O afastamento ocorre desde o último dia 30 de agosto, mas foi revelado somente nesta terça-feira, 03, com a publicação de um Decreto no Diário Oficial do Estado (DOE).

O decreto autoriza o afastamento da secretária municipal de Direitos Humanos, Marfisa Galvão, para tratamento de saúde, sem especificar o período de afastamento e sem informar o tipo de tratamento ao qual ela vai se submeter. O decreto não informa se o tratamento a que ela será em Rio Branco ou se precisará se deslocar para outro Estado.

Enquanto perdurar o afastamento de Marfisa quem responderá pela Secretaria é Neiva Azevedo da Silva Tessinari, Secretária Municipal de Planejamento (Seplan).

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas