Conecte-se agora

Estratégias funcionais 

Publicado

em

Foto: Divulgação/Pixabay

Toda organização precisa ter uma estratégia corporativa, global, que marca a forma através da qual pretende realizar sua missão de suprimento de necessidades do ambiente externo. Na prática, a estratégia corporativa designa como a organização precisa chegar onde pretende chegar. Enquanto os objetivos apontam o destino, o onde chegar, as estratégias sinalizam o percurso, o caminho, o como. Com raríssimas exceções, uma instituição de inovação tecnológica jamais será pequena. Ainda que vise a um único nicho de inovação, é muito provável que trabalhe com algumas equipes, cada qual focada na criação e materialização de uma parte do produto desejado. Isso é suficiente para que se entenda a ideia conceitual e a prática efetiva do que é chamado estratégia de negócio. A organização é um todo que, para cumprir sua missão, cria unidades de negócios específicas para realizar o suprimento das necessidades que se comprometeu a fazer. Neste sentido, este ensaio tem como objetivo esclarecer o que a ciência chama de estratégias de negócios.

Imagine uma esquadra de navios de guerra, capitaneada por um porta-aviões. Essa esquadra é dividida em agrupamentos de navios de diferentes tamanhos e tipos, cuja missão é defender o porta-aviões e todo o agrupamento, para que todos consigam chegar ao seu destino em segurança. Haverá, portanto, uma estratégia de ação para toda a esquadra, que se fará materializar a partir de estratégias específicas para cada agrupamento de embarcações. Se a esquadra for atacada, por exemplo, cada grupo de navios agirá de determinada forma, em convergência com a determinação válida para todos os grupos. Essa determinação global é a estratégia corporativa e as ações determinadas para cada grupo de navios, as estratégias de negócios.

Imagine, agora, um time de futebol, o Andorinha Futebol Clube. Quando ele joga com o seu maior rival, o Japiim Atlético Clube, aplica uma estratégia de vitória, que significa adiantar todo o time, incluindo a defesa, para sufocar o adversário no seu próprio campo de defesa. Nessa estratégia, quando o time perde a bola tentará recuperá-la o mais breve possível ao mesmo tempo em que recua a sua defesa. Quando joga com o Clube de Regatas Flamengo, no Maracanã, adota uma estratégia de não ser violentamente goleado. E para não perder por mais de 10 a zero, coloca todo o time na sua pequena área. E quando ganha a posse de bola, adianta apenas dois dos seus atacantes para ficar com a bola no campo adversário o maior tempo possível. O que todo o time deve fazer é chamado de estratégia corporativa (ganhar ou não perder de muito); o que uma parte do time deve fazer é chamado de estratégia de negócio.

Geralmente as instituições de ciência e tecnologia, como universidades e institutos de pesquisas, reconhecem três setores de atividades-fim: ensino, pesquisa e extensão. Esses setores podem ser transformados em estratégias de negócios, e algumas efetivamente o são. Mas não poderá haver estratégias de negócios se cada setor desse não for transformando em unidade estratégica de negócios. É preciso, antes, ter a estratégia corporativa para que se conheça o esquema lógico da estratégia de negócios de cada setor e que, integrados, materializem a estratégia corporativa. De outra forma, uma organização só terá efetivamente uma estratégia corporativa se houver unidades de negócios que a sustentem de forma integrada. E isso, definitivamente, não se consegue ver com clareza nas nossas instituições.

As unidades de negócios funcionam à semelhança de negócios próprios, independentes, em que o executivo principal apenas negocia como os desafios a serem superados ou desempenho a ser alcançado. Tudo o mais é responsabilidade e autoridade do executivo de negócios. Isso inclui, por exemplo, contabilidade, custeio, precificação, negociação, contratação e suprimento próprios. Ainda que vinculados à estratégia corporativa, cada unidade de negócio tem vida própria, ritmo específico, dinâmica singular. E tudo isso acoplado, vinculado, interligado à dinâmica organizacional. Isso seria possível na realidade brasileira?

As unidades de negócios precisam ter negociadas com a organização a forma como o resultado pretendido será alcançado. Os desafios e objetivos corporativos e das unidades de negócios já existem: é preciso alinhar o como, a estratégia. Como consequência, dificilmente um sistema que escolhe dirigente por eleição se acoplaria a essa arquitetura e dinâmica organizacionais porque o vencedor de eleições não terá responsabilidade com a instituição, mas com seus eleitores. Onde há eleição, os estudos parecem indicar, a responsabilidade não é institucional, mas eleitoral. A escolha dos líderes de unidades de negócios se dá, portanto, pela sua capacidade de liderança na condução dos negócios ao destino desejado institucionalmente. Dessa forma, nem o próprio líder maior (reitor ou diretor geral) poderá ser escolhido por eleições, mas pelos diversos processos distintos de escolhas de CEOs.

É o líder que desdobrará os objetivos e metas estratégicos nos objetivos e metas de sua unidade de negócios. Aliás, o esboço, os grandes números e decisões, da estratégia proposta ao líder institucional já sinaliza com precisão os movimentos que serão feitos pelas diversas equipes de negócios que compõem a unidade de negócios. A escolha do líder, portanto, se faz tanto com base em padrões técnicos de gestão quanto por padrões científico-tecnológicos pretéritos alcançados pelo líder em outras (e na própria) instituições e pelas equipes institucionais sob seu futuro comando. Aqui não são palavras que movem a emoção das pessoas para a eleição do líder, mas a maior ou menor probabilidade de sucesso daquelas equipes que compõem a unidade de negócio.

Há quem diga, talvez com alguma razão, que as unidades de negócios não se aplicam ao mundo da inovação. Mas inúmeras experiências mundo afora têm mostrado o contrário. Instituições públicas e privadas que adotam essa arquitetura são muito mais efetivas em relacionamentos com o ambiente externo do que as que não a utilizam. E são relacionamentos que as organizações (e as unidades de negócio) aspiram porque são eles que geram os recursos que as mantêm vivas.


Daniel Silva é PhD, professor, pesquisador do Instituto Federal do Amazonas (IFAM) e escreve todas às sextas-feiras no ac24horas. 

 

Daniel Silva

Falhas nos atributos do produto 

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Falhas de desempenho dos componentes

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Falha de desempenho da inovação

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Análise das falhas da inovação

Publicado

em

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Mais lidas