Conecte-se agora

Pesquisa Delta/ac24horas põe Bocalom com 67% contra 33% de Socorro Neri

Publicado

em

A última pesquisa de intenção de voto para este segundo turno feita com exclusividade pelo instituto Delta/ac24horas, entre os dias 26 e hoje [28], aponta tendência de vitória do candidato Tião Bocalom (Progressistas) para a prefeitura de Rio Branco. Bocalom tem neste sábado 67,09% da preferência do eleitor, enquanto a candidata Socorro Neri (PSB), que tenta a reeleição, aparece com 33% [votos válidos]. A pesquisa foi registrada no TRE/AC sob o número 01381/2020. Foram entrevistadas 600 pessoas com intervalo de confiança de 95% e margem de erro de 4%.

O instituto Delta alerta para os detalhes da pesquisa que mostra os votos válidos. Segundo o levantamento, levando em consideração a margem de erro, que é de 4%, Tião Bocalom pode variar no resultado final entre 71,09% a 63,09%. A atual prefeita Socorro Neri tem entre 36,91% a 28,91%.

Ao ser questionado pelo entrevistador sobre em qual candidato votaria no segundo turno, a resposta é a de que 28,83% votaria em Socorro Neri e 60,17% garantem escolher Tião Bocalom. Nessa pesquisa espontânea, Brancos e Nulos somam 4,67%, enquanto que não sabem ou não respondeu representa 6,33%.

Na avaliação dos eleitores, quando o pesquisador mostra o nome dos candidatos após a pergunta, a atual prefeita Socorro Neri tem a preferência de 30,17%, enquanto o progressistas Tião Bocalom, fica com a maioria absoluta: 61,50%. Brancos e nulos somam 5,67 e não e não respondeu, 2,66%.

A Delta Agência de Pesquisa é acreana e que nos últimos anos tem sido sinônimo de credibilidade em pesquisa de opinião pública realizou a aferição entre os dias 26 e 28 de novembro e entrevistou 600 pessoas em Rio Branco. A margem de erro é de 4 pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%. O levantamento foi registrado no Tribunal Regional Eleitoral do Acre com o número AC-01381/2020.

Destaque 6

Anvisa suspende autorização de importação da Covaxin

Publicado

em

A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu por unanimidade, nesta terça-feira (27), suspender a importação da vacina indiana Covaxin, solicitada pelo Ministério da Saúde.

A agência explicou que a medida prevalece “até que sobrevenham novas informações que permitam concluir pela segurança jurídica e técnica da manutenção da deliberação que autorizou a importação”.

A decisão, segundo a Anvisa, foi tomada após a Bharat Biotech informar que a Precisa Medicamentos não possui mais autorização para representar a empresa indiana no Brasil.

“A decisão levou em conta ainda notícias de que documentos ilegítimos podem ter sido juntados ao processo de importação, o que pode impactar as conclusões quanto aos aspectos de qualidade, segurança e eficácia da vacina a ser utilizada na população nacional”, diz a nota.

A importação excepcional e temporária da vacina havia sido autorizada no dia 04 de junho de 2021. A vacina Covaxin não chegou a ser importada para o Brasil.

Estudo clínico encerrado

Na sexta-feira (23), a Anvisa já havia determinado a suspensão dos testes clínicos da vacina indiana no Brasil. O motivo foi o rompimento do acordo entre Bharat Biotech e Precisa Medicamentos. Para a agência, o fim desse memorando de entendimento entre a Precisa e a Bharat Biotech “inviabiliza a realização do estudo”.

No sábado (24), a agência encerrou, então, o processo sobre o pedido de uso emergencial do imunizante. Segundo a Anvisa, a ruptura do acordo entre Precisa e Bharat fez com que a Covaxin ficasse sem representante nacional. Como o pedido de uso emergencial foi protocolado pela Precisa, na prática, o fim da representação formal prejudicou o avanço dos papéis.

Nesta segunda (26), a Anvisa publicou o cancelamento definitivo do estudo clínico no Brasil.

Continuar lendo

Destaque 6

Casos e mortes por Covid-19 caem 40% no país, diz MS

Publicado

em

A vacinação de mais de 96 milhões de brasileiros contra a Covid-19 com, pelo menos, a primeira dose do imunizante, o número de casos e de óbitos pela doença caíram cerca de 40%, em um mês, de acordo com dados do LocalizaSUS, plataforma do Ministério da Saúde.

Os números consideram a média móvel de casos e mortes de 25 de junho a 25 de julho deste ano. No caso das mortes, a queda é de 42%: passou de uma média móvel de 1,92 mil para 1,17 mil, no período. O número de casos caiu para 42,77 mil na média móvel de domingo (25), o que representa redução de 40% em relação ao dia 25 de junho, segundo o Ministério da Saúde.

Com a vacinação de mais de 96 milhões de brasileiros contra a covid-19 com, pelo menos, a primeira dose do imunizante, o número de casos e de óbitos pela doença caíram cerca de 40%, em um mês, de acordo com dados do LocalizaSUS, plataforma do Ministério da Saúde.

Os números consideram a média móvel de casos e mortes de 25 de junho a 25 de julho deste ano. No caso das mortes, a queda é de 42%: passou de uma média móvel de 1,92 mil para 1,17 mil, no período. O número de casos caiu para 42,77 mil na média móvel de domingo (25), o que representa redução de 40% em relação ao dia 25 de junho, segundo o Ministério da Saúde. (EBC)

Continuar lendo

Destaque 6

Agência quer acabar com transporte clandestino no Acre

Publicado

em

O governo do Acre abriu nesta segunda-feira (26) a campanha ´Transporte Clandestino é Alternativa Mais Rápida para o Acidente´ visando combater a pirataria no setor em todo o Estado.

A campanha reforça que transporte clandestino é ilegal e perigoso, portanto, transporte regular é a única opção segura. O objetivo da ação é conscientizar a população sobre os perigos dessa prática ilegal e criminosa.

Mayara Lima, presidente da Ageac, esclarece que o transporte regular deve ser feito por ônibus e táxis credenciados. As vans estão autorizadas para os transportes turísticos e as toyotas para o transporte nos ramais, contudo, todas as modalidades devem possuir o adesivo de credenciamento da agência reguladora.

A presidente da Ageac orienta que, antes de utilizar o transporte, os usuários devem se certificar se estão devidamente regularizados pela agência, o que pode ser facilmente constatado pelo uso do adesivo no meio de transporte.

Continuar lendo

Destaque 6

Envolto a acusações de assédio, Frank Lima registra BO na DEFLA após ameaças de morte

Publicado

em

O secretário municipal de saúde, Frank Lima, registrou na manhã desta segunda-feira, 26, um Boletim de Ocorrência (BO) na delegacia de Flagrantes da Polícia Civil, em Rio Branco, após circular em grupos de WhatsApp um vídeo de um faccionado ameaçando a sua vida. Junto com vídeo, capturas de tela com a foto e número de telefone do gestor e um faccionado foram distribuídos em grupos.

VEJA MAIS AQUI: >>>Vaza suposta conversa em que faccionado ameaça Frank Lima por assediar mulher

No domingo, 25, ao ac24horas, Frank Lima afirmou que as imagens divulgadas se tratam de montagens criminosas feitas para desmoralizar sua figura e desestabilizar sua gestão. Ele tratou as mensagens como montagens “grotescas”.

“Eu fui na delegacia da PC com o advogado porque é lá onde tem que começar e registrei o boletim de ocorrência. O cargo que eu ocupo desperta muita cobiça pelo trabalho que a gente vem fazendo. Eu não posso me dobrar a esse tipo de situação de querer imputar uma fala a mim. Eu não recebi e nem fui procurado, e eu vim na delegacia porque isso é crime cibernético. Eu quero que traga isso à tona porque é uma brincadeira de mau-gosto. Isso é bandidagem. Eu sou pai de família, tenho pai e mãe e sou responsável pela saúde de toda uma sociedade e eu não posso deixar isso barato. Eu vim na delegacia porque acredito na justiça dos homens e eu confio na justiça de Deus para quem eu entrego essas pessoas maldosas”, afirmou.

Frank disse que seu advogado já está tentando marcar uma hora com o delegado da Polícia Federal, onde será registrada uma denúncia contra crime cibernético. O gestor afirmou que, se preciso, colocará o seu celular à disposição da PF.

“Como tem um crime cibernético que se deu nas redes sociais, o meu advogado está tentando marcar uma audiência com o delegado da PF para eles investigarem essa situação, porque crime de internet é com a PF. A conversa não aconteceu e imputaram a mim essa conversa, mas alguém produziu essa conversa e a PF precisa chegar em quem fez”, afirmou.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas