Conecte-se agora

Bocalom divide opiniões e arrisca popularidade ao sugerir voltas às aulas na pandemia

Publicado

em

Após comentário polêmico, Bocalom perdeu 4 pontos na mais recente pesquisa Ibope

O que poderia ser apenas mais uma entrevista corriqueira na campanha política do candidato à prefeitura de Rio Branco, Tião Bocalom (PP), acabou se tornando uma drástica tribulação após um comentário polêmico do progressista envolvendo sua posição favorável de volta às aulas da educação infantil em plena segunda onda de contaminação da Covid-19. A popularidade do candidato foi colocada em xeque num momento perigoso e altamente arriscado. A entrevista foi ao ar nesta semana, mais precisamente quatro dias antes do dia 29 de novembro, data em que ocorre a votação do segundo turno nas eleições municipais em Rio Branco.

Rapidamente o caso tomou conta das redes sociais e dos principais veículos de comunicação da cidade. Apoiadores tiveram que se posicionar publicamente e o candidato, que até então mantinha cenário amplamente favorável e em alta na internet e pesquisas de intenção de voto, viu sua popularidade tomar rumo contrário ao afirmar que as crianças não têm tanto problema com a pandemia de Covid-19. “A gente sabe que precisamos pegar covid também pra poder ficar imunizado”, declarou ao jornalista Washington Aquino, apresentador do programa Café com Notícias, da TV5.

Durante a entrevista, o velho (ou novo) Boca preferiu não adotar as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e Ministério da Saúde (MS) sobre evitar aglomerações em espaços de convívio social em meio ao aumento de casos de infecção pelo novo coronavírus, e rechaçou as medidas e decretos impostos pelo governo municipal e estadual em decorrência da pandemia. Tião acredita que “o povo tem que trabalhar” e que, caso eleito, chamará o governador Gladson Cameli para “repensar esse protocolo”.

O comentário virou assunto nos quatro cantos da capital que respira o movimento político no ano inteiro. Não demorou muito para que seus adversários, em maioria apoiadores da candidata à reeleição, Socorro Neri (PSB), usassem o caso para criticar e se opor a Bocalom devido ao posicionamento tido como radical num momento delicado de pandemia. Nas redes sociais, há quem garante se manter como eleitor de Bocalom e quem afirma ter mudado de voto após o comentário.

Depois do episódio, o progressista usou seu perfil na internet para classificar os últimos acontecimentos como caso criado pelo “outro lado”. “Infelizmente o outro partiu para baixaria, divulgando fake news e até ofendendo nossa honra”, escreveu Bocalom, que se contaminou com a Covid-19 na reta final do primeiro turno e, inclusive, deixou de votar em si mesmo devido ao risco de transmissão do vírus e teve de assistir a apuração dos votos trancado dentro de casa.

Reflexos

Despontando na liderança de pesquisas de intenção de voto nas últimas semanas, Bocalom aparenta ter sentido o impacto da fala polêmica proferida na semana da eleição em segundo turno. Primeiro, baixou o percentual na pesquisa Ibope sobre a preferência do eleitorado em Rio Branco. Sete dias atrás detinha 65% de preferência, enquanto que nessa quinta-feira, 26, caiu para 61%.

A pesquisa ouviu eleitores até um dia depois da entrevista que culminou na polêmica do candidato, realizada entre os dias 20 e 26 deste mês, ouvindo 602 pessoas. Em comparação com o levantamento do último dia 20, o progressista perdeu 4 pontos e Socorro Neri ganhou 4, marcando 32%.

Outro fato que marca o pós-entrevista é o cancelamento de sua participação no debate que será realizado pela TV Acre nesta sexta-feira (27). Representantes do candidato afirmaram ao Blog do Crica que já teriam notificado a direção da emissora há 5 dias de que Bocalom não se faria presente por ter outra programação de campanha agendada para o horário.

Contratada pela Rede Amazônica, a pesquisa Ibope tem nível de confiança estimado de 95% e a margem de erro é de 4 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra. O levantamento está registrado no Tribunal Regional Eleitoral do Acre com o número AC-07824/2020.

Anúncios

Cidades

Prefeitura de Epitaciolândia decreta luto oficial por morte de ex-vereador

Publicado

em

Antônio Aquino, o Kaki, era o atual secretário de obras do município

O prefeito de Epitaciolândia, Sérgio Lopes, decretou luto oficial no município por três dias e ponto facultativo nesta quarta-feira, 27, pelo do falecimento do secretário de Obras, Antônio Pereira de Aquino, de 46 anos, mais conhecido como Kaki, ocorrido na noite dessa terça-feira, 26, no Into de Rio Branco, em decorrência de complicações da Covid-19.

De acordo com a prefeitura, Kaki, que havia sido vereador no quadriênio 2017-2020, prestou relevantes serviços ao município de Epitaciolândia como empresário e secretário de Produção, no mandato do ex-prefeito José Ronaldo. Ele havia sido transferido do Hospital Regional de Brasiléia para Rio Branco no início deste mês, mas seu quadro se agravou nos últimos dias.

Em razão do agravamento da pandemia de Covid-19 nos municípios do Alto Acre, os prefeitos devem se reunir emergencialmente nesta quarta-feira, 27, para definir ações conjuntas de enfrentamento à nova onda de infecções causadas pelo novo coronavírus.

Entre as medidas que serão discutidas está a criação de uma coordenação regional voltada para o problema comum. Nessa terça-feira, 26, já houve uma prévia desse encontro no gabinete do prefeito Sérgio Lopes, de Epitaciolândia, que recebeu a colega Fernanda Hassem, de Brasiléia.

Pelos dados do Boletim Sesacre dessa terça-feira, 26, os municípios da regional do Alto Acre acumulam 5.352 casos de Covid-19 e 66 mortes em decorrência da doença. Esses números, no entanto, já são maiores, de acordo com os boletins divulgados pelas secretarias municipais.

Continuar lendo

Cidades

Após mortes por Covid-19, prefeitos Alto Acre projetam criação de coordenação regional

Publicado

em

Os prefeitos dos quatro municípios da regional do Alto Acre – Xapuri, Epitaciolândia, Brasiléia e Assis Brasil – vão se reunir emergencialmente nesta quarta-feira, 27, para definir ações conjuntas de enfrentamento à nova onda de infecções causadas pelo novo coronavírus.

Entre as medidas que serão discutidas está a criação de uma coordenação regional voltada para o problema comum. Nessa terça-feira, 26, já houve uma prévia desse encontro no gabinete do prefeito Sérgio Lopes, de Epitaciolândia, que recebeu a colega Fernanda Hassem, de Brasiléia.

Antes da conversa com Sérgio Lopes, a prefeita Fernanda Hassem havia participado de uma videoconferência realizada pelo Ministério Público Estadual que teve a participação de promotores de justiça, delegados, representantes da Polícia Militar e gestores dos municípios da regional.

Os quatro prefeitos pretendem definir um alinhamento de estratégias para tentar coibir o crescente número de novos casos de covid-19 na região. A informação é da Assessoria de Comunicação da prefeitura de Brasiléia, que não disse onde será realizada a reunião desta quarta-feira.

Nos últimos cinco dias, os municípios do Alto Acre voltaram a ter crescimento do número de mortes, com um registro confirmado pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) em Epitaciolândia e outros dois em Xapuri e Brasiléia em que os pacientes testaram positivo para o novo coronavírus.

O ex-vereador do município de Epitaciolândia, Antonio Aquino, conhecido pela alcunha de “Kaki”, que atualmente era secretário municipal de obras, é uma das vítimas, segundo noticiou o jornal O Alto Acre. Ele morreu nesta terça-feira, 26, após ser transferido para a Rio Branco no início do mês.

Xapuri registrou nessa terça-feira, 26, um óbito com evolução muito rápida do quadro da paciente, uma idosa com comorbidades que havia dado entrada no hospital Epaminondas Jácome na noite da última segunda-feira, 25, apresentando baixa saturação de oxigênio, segundo fonte na unidade.

Pelos dados do Boletim Sesacre dessa terça-feira, 26, os municípios da regional do Alto Acre acumulam 5.352 casos de Covid-19 e 66 mortes em decorrência da doença. Esses números, no entanto, já são maiores, de acordo com os boletins divulgados pelas secretarias municipais.

Xapuri, por exemplo, já registra 2.308 casos e 16 óbitos, segundo os dados divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa). Apenas nesta terça-feira foram mais 32 novas confirmações de pacientes infectados pelo coronavírus no município, que ainda tinha 9 casos aguardando resultado de análise.

Os municípios Xapuri e Assis Brasil apresentam as maiores taxas de incidência de Covid-19 no Acre por grupo de 100 habitantes, com 11,19 e 11,06, respectivamente, números que representam quase o dobro da média do estado, que é de 5,22 casos por 100 habitantes.

As fotos são do repórter Eldson Júnior, da assessoria da prefeitura de Brasiléia.

Continuar lendo

Cidades

Em Brasiléia, professora aposentada morre por complicações de dengue

Publicado

em

Risomar Ferreira Feitosa, servidora aposentada da Educação, faleceu nesta terça-feira, 26, por complicações da dengue, de acordo com nota divulgada pela prefeitura de Brasiléia. Ela trabalhou por vários anos na tradicional escola Getúlio Vargas.

Mesmo aposentada, Risomar trabalhava alfabetizando várias crianças do município por meio de aulas particulares. A prefeitura cita a professora como uma mulher íntegra, honesta e muito querida em Brasiléia e Epitaciolândia.

Na nota, a prefeita Fernanda Hassem e o vice-prefeito Carlinhos do Pelado manifestaram pesar pela morte da educadora e prestaram condolências aos filhos Vânia, Rosicléia, Anny, Carlos Filho e Bruna Alice (neta que ela criou como filha).

Desde o início do ano, os municípios da regional do Alto Acre vêm enfrentando um surto de dengue que somado à crise já instalada pelo novo coronavírus tornou caótico o atendimento no Hospital Regional de Brasiléia, que atende a quatro municípios.

No último domingo, 24, Brasiléia havia registrado a morte do ex-vice-prefeito e ex-vereador Creumar Monteiro Pontes Filho, vítima de infarto seguido de AVC. Ele também havia ocupado outros cargos na administração pública municipal.

Continuar lendo

Cidades

Acre pede fechamento das fronteiras com a Bolívia e Peru

Publicado

em

O governo do Acre encaminhou um ofício nesta segunda-feira, 26, solicitando que a União feche a fronteira do Estado com a Bolívia e o Peru devido a alta demanda de doentes por causa do covid-19 desses países que estão sobrecarregando o sistema de saúde dos hospitais da região do Alto Acre, motivo que a região se encontra na faixa vermelha, na classificação de risco da pandemia do novo coronavírus.

Uma reunião entre o governador Gladson Cameli e o Ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, ocorrerá na tarde de hoje virtualmente. Na oportunidade, o chefe do Palácio Rio Branco pedirá sensibilidade da União com relação a situação que vem colapsando o atendimento de saúde na região.

O ac24horas apurou que diariamente centenas de bolivianos e peruanos estão atravessando a fronteira em busca de atendimento na rede pública de saúde no Acre nas cidades de Assis Brasil, Brasiléia e Epitaciolândia, em tratamento da covid-19. Como os hospitais da região estão lotando, os estrangeiros estão sendo enviando para a capital Rio Branco sobrecarregando ainda mais o sistema.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas