Conecte-se agora

É proibido proibir…

Publicado

em

E eu digo sim, e eu digo não ao não. E eu digo É! Proibido proibir, é proibido proibir… (Caetano Veloso)

O mundo tem quase oito bilhões de pessoas. Só no Brasil já passamos de 210 milhões. Será que alguém acredita que consegue  controlar essa multidão com leis e regulamentos que obrigam ou proíbem os indivíduos a qualquer coisa que seja?

Nem mesmo há uma vacina disponível para a prevenção do Covid-19 e já vem a polêmica se será obrigatória ou facultativa. Faz tempo que não se atingem as metas de cobertura vacinal por aqui. É mais fácil, hoje em dia, acabar com a aftosa do gado que prevenir sarampo das crianças.

Legislar virou sinônimo de controlar a liberdade e o discernimento alheios como se uma das principais qualidades da espécie humana não fosse o que a define pelo sobrenome Sapiens.

Uma pesquisa recente, realizada pelo instituto Ipsos, mostrou que 88% dos brasileiros querem ser imunizados, quando houver uma vacina disponível. Metade de quem respondeu ‘não’ à enquete o fez por medo de reações e efeitos colaterais da vacina.

Menos de 2% das pessoas são realmente contra as vacinas. Isso é muito menos dos que não comparecem às eleições ou ao serviço militar obrigatórios. Seria então necessário movimentar a Justiça para forçá-los a se proteger sob vara? Ou a própria sociedade teria instrumentos mais sutis e eficientes para um convencimento menos traumático?

Melhor deixar essa discussão para quando houver uma vacina pronta, confiável e disponível para todos.

A virada política de 2018 que prometia trocar o intervencionismo socialista pelo liberalismo da direita parece que não está mexendo no que é o cerne das ideologias. Controlar, manipular, tanger, confinar estão enraizados demais na cultura parlamentar brasileira. Isso, somado ao avanço conservador, jogou o incipiente liberalismo na lata do lixo.

Passou da hora de enfrentarmos os problemas do Brasil com inteligência e não com regrinhas e autoritarismo. Lacração no Twitter e joinha no Facebook levam a lugar nenhum. Por isso estamos estagnados enquanto os outros emergentes ‘emergem’.

Há cinquenta e tantos anos o Caetano cantava o ‘É proibido proibir’. Está na hora de resgatar o hino com uma estrofe ‘É proibido obrigar’, ‘É proibido controlar’, ‘É proibido menosprezar a inteligência do brasileiro’.


Roberto Feres escreve às terças-feiras no ac24horas

Na rede

Prefeitura lança Campanha Natal Solidário em Porto Walter

Publicado

em

Continuar lendo

Destaque 3

Ministério da Saúde recomenda dose de reforço da Janssen com intervalo de dois a seis meses

Publicado

em

Continuar lendo

Cotidiano

Zeladoria abre cotação de preços para contratação de empresa para coleta de lixo

Publicado

em

Continuar lendo

Acre 01

Portaria que proibia entrega de papel higiênico para funcionários na rodoviária é suspensa

Publicado

em

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas