Conecte-se agora

Alinhamento: o segredo dos objetivos 

Publicado

em

Os objetivos são situações futuras desejadas. Escolhê-los, portanto, é um dos primeiros desafios gerenciais. Há inúmeras técnicas eficientes de como fazer essa escolha. Mas todas elas seguem certo padrão, que é a consequência de um esquema lógico que precisa ser conhecido por todos os dirigentes institucionais, desde o mais alto posto de comando até os gerentes operacionais e de equipes. É a obediência a esse esquema lógico que faz a grande diferença entre as instituições de inovação tecnológica, de maneira que umas conseguem grandes avanços e alcançam a glória neste setor, enquanto a maioria vê suas esperanças de sucesso fracassarem constantemente. Todas as organizações, o que inclui as instituições, precisam estar alinhadas com o seu ambiente de operação. Sem o alinhamento dificilmente conseguem materializar os desejos que todos os objetivos representam. Neste sentido, este ensaio tem como objetivo mostrar por que o alinhamento é necessário para que os objetivos institucionais tenham sentido.

Diz-se que um gestor tem visão quando consegue deslindar com adequação às necessidades do ambiente externo e supri-las. O ambiente externo jamais vai demandar aquilo de que não necessita por um lapso de tempo que permita à instituição se estruturar e tornar-se referência nesse suprimento. Aliás, a concentração em necessidades efêmeras é um grande erro de muitos gestores. As análises técnico-científico do comportamento do ambiente externo permite identificar as necessidades que se prolongarão no tempo, sob as quais os gestores poderão se concentrar para supri-las. São essas necessidades que fundamentam tanto a missão quanto a visão institucionais. E essa necessidade de adequação é tão forte que a própria visão de futuro é escolhida para dar conta dela. Dito de outra forma, a visão de futuro é um esforço institucional declarado da consequência da adequação do suprimento das necessidades do ambiente que pretende fazer. É como se alguém dissesse, “vamos suprir as necessidades ambientais de uma certa forma que a consequência será o nosso futuro nesses termos”.

Advém disso que a visão de futuro é o grande objetivo temporalmente determinado da instituição. E sua materialização é o que vai permitir que ela alcance a posição desejada em relação ao futuro. A visão de futuro é, consequentemente, o objetivo mais geral que uma organização pode ter. É o seu marco, destino final, seu final provisório, porque se refere a um horizonte de ação. Esse marco final, para que possa ser alcançado, precisa de marcos intermediários. São visões intermediárias que sinalizam o caminho a ser seguido até aquela visão final. Há, portanto, um destino final e sinalizadores ao longo do caminho, que são também marcos por onde a instituição deve caminhar. Para ir de A a B, a organização pode escolher os marcos intermediários A1, A2, A3, A4 e A5. Se pretende concluir o caminho em 10 anos, pode sinalizar o trajeto temporalmente de dois em dois anos. 

Cada marco intermediário precisa ser quebrado em horizontes de tempos menores, como A1S1, A1S2, A1S3 e A1S4, em que S1 representa o primeiro semestre e sucessivamente. E cada semestre precisa ser desdobrado em períodos de tempos que permitam a execução da visão de futuro. Note que todo esses desdobramentos são esquemas lógicos de realizar a mesma coisa, aquilo que a visão de futuro determina. Esses esquemas lógicos são fáceis de entender e criar. Difícil é entender que todos eles precisam dar conta do suprimento das necessidades do ambiente externo. É aqui que quase todos os planos estratégicos de instituições de inovação tecnológica falham. Quase sempre eles misturam objetivos fins com meios e há os que deixam de lado os objetivos fins e se concentram quase que exclusivamente nos objetivos fins. E o resultado dessa confusão é sempre a mesma: o fracasso.

É preciso fazer convergir todas as mentes institucionais para um único ponto: o suprimento de necessidades. As aspirações institucionais precisam estar alinhadas com esse suprimento e continuar alinhadas até o fim, de cima abaixo, horizontal e verticalmente. Por essa razão, a visão de futuro precisa ser quebrada em vetores. Por exemplo “Ser referência na inovação de tecnologia embarcada” pode ser desdobrada em “Tecnologias para celulares”, “Tecnologias para aeronaves” e “Tecnologias para automóveis”. Esse desdobramento organiza a instituição para nichos específicos de suprimento ambiental externo. A partir desses vetores, podem-se criar os marcos final e intermediários, como “Alcançar 40% da demanda por tecnologias de aeronaves”, “Suprir 30% da demanda por tecnologias para celulares” e “Atender 50% da demanda por tecnologias para automóveis” poderiam ser marcos finais. Os marcos intermediários seriam o caminhar até o marco final, como “Alcançar 15% da demanda por tecnologias de aeronaves em 2020, 25% em 2025%, 34% em 2030 e 40% em 2035”.

A partir dos marcos intermediários é possível elaborar planos específicos para dar conta de cada marco, com desdobramentos temporais menores até alcançar o lapso de tempo semanal e diário. Depois que todo o plano de suprimento for feito é que se deve elaborar os planos meio. Os planos-meio, que envolvem tudo o que não está diretamente ligado à produção, servem apenas para garantir que os planos-fim se materializem. Não podem, portanto, estar deles desvinculados. Planos-meio são meios, não podem ser fins.

Esse esquema lógico, quando executado, permite que os esforços institucionais estejam o tempo todo voltado para o suprimento das necessidades ambientais. E que cada objetivo, meta, projetos e atividades de cada projeto também estejam voltados para esses suprimentos. É justamente isso o que se chama alinhamento: esforços institucionais voltados para a satisfação das necessidades ambientais que, em troca, entrega à organização tudo o que ela precisa para continuar o suprimento e se expandir. Internamente também há o alinhamento. As atividades que não estão vinculadas diretamente ao suprimento externo precisam suprir as atividades-fim da instituição. O alinhamento externo provoca o alinhamento interno.


Daniel Nascimento-e-Silva é PhD, professor, pesquisador do Instituto Federal do Amazonas (IFAM) e escreve todas às sextas-feiras no ac24horas.

Anúncios

Daniel Silva

Instrumentos relacionais humanos 

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Execução da lógica da inovação

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Estratégias funcionais

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Estratégias funcionais 

Publicado

em

Foto: Divulgação/Pixabay
Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas