Conecte-se agora

Governo do Acre lança programa de rádio para ampliar informação sobre Covid-19

Publicado

em

O Governo do Acre quer ampliar os canais de informação sobre a pandemia do novo coronavírus no Estado e lança na próxima sexta-feira (7) o programa Acre Sem Covid, que vai ao ar às segundas e sextas-feiras, das 12h10 às 12h20 na rádio Aldeia FM.

Apresentado pelo jornalista Jairo Carioca, a ideia do programa é receber convidados para um bate-papo direto sobre dicas de saúde e de como evitar o contágio pelo novo coronavírus, o avanço da pandemia no Estado e tudo o que está sendo feito para combater a doença junto ao programa de governo Pacto Acre Sem Covid.

A coordenadora do Grupo de Apoio ao Pacto Acre Sem Covid, Karolina Sabino, e o médico Osvaldo Leal, coordenador do comitê anti-Covid-19 de Rio Branco, são os primeiros convidados.

Anúncios

Cotidiano

Desabrigados pelas enchentes começam a receber atendimento médico no Acre

Publicado

em

A Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre) iniciou os atendimentos médicos às famílias desabrigadas e desalojadas devido à enchente que atingiu o município de Sena Madureira. Para tanto, foi montada uma força tarefa que, por meio do Programa Saúde Itinerante, oferecerá, também, atendimento laboratorial e assistência social.

“Viemos para atender essas famílias que estão desabrigadas e desalojadas, ofertando atendimento médico, laboratorial e assistência social. Sendo todo um esforço do governo do Estado por meio da Sesacre que está atuando nesta força-tarefa”, informou, por meio do site do governo local, a coordenadora do Programa Saúde Itinerante, Rosemary Fernandes.

Os atendimentos estão sendo feitos na creche Criança Feliz. As consultas clínicas, pediátricas e exames laboratoriais, atualização da caderneta de vacina das crianças e entrega de medicamentos estão sendo executados pelas equipes da Atenção Primária, Saúde Itinerante, Vigilância em Saúde da Sesacre e pelas Secretarias da Cidadania e de Saúde do município.

Em uma outra frente de ações, o Corpo de Bombeiros está distribuindo donativos às famílias que estão precisando de socorro urgente no município. Os donativos (mais de 400 cestas básicas, além de água potável e kits de limpeza) foram arrecadados por meio da campanha do SOS Acre.

As cheias e os alagamentos que têm atingido a região agravaram os cenários das epidemias de dengue e de covid-19. Segundo a Sesacre, 606 casos de infecção pelo novo coronavírus foram registrados apenas neste sábado (27). Com isso, o número de infectados está em 57.337.

Até o momento, o Acre registra 157.236 notificações de contaminação pela doença, sendo que 98.966 casos foram descartados e 933 exames de RT-PCR seguem aguardando análise do Laboratório Central de Saúde Pública do Acre ou do Centro de Infectologia Charles Mérieux. Pelo menos 46.623 pessoas já receberam alta médica da doença, enquanto 289 pessoas seguem internadas.

Com informações da Agência Brasil

Continuar lendo

Cotidiano

Acusado de sequestrar, matar e pertencer à facção criminosa é preso no Juruá

Publicado

em

Ocivaldo Souza, mais conhecido como ‘Pissica’, foi preso na manhã deste domingo, 28, no bairro Sabueiro, em Cruzeiro do Sul, por agentes da Polícia Civil. Ele é acusado de um sequestro seguido de morte, um homicídio, tráfico de drogas e organização criminosa praticados em Mâncio Lima.

Ele comandou o sequestro e homicídio de um homem conhecido por Dida no ano passado e do assassinato de outro, de apelido Ximba. Logo depois dos crimes, Ocivaldo havia fugido para a cidade de Guajará, no Amazonas. Uma investigação das polícias de Mâncio Lima e Cruzeiro do Sul apontavam que o homem sempre visitava parentes em Cruzeiro do Sul e hoje acabou preso.

O delegado José Obetânio conta que Pissica sempre agia com os comparsas Vinicius, Diego, Acassias e duas mulheres. Todos do grupo já haviam sido presos, sendo que o último, Ocivaldo, também já está em poder da polícia. Ele seguirá ainda hoje para o Complexo Penitenciário Manoel Neri.

“Logo depois dos crimes eu representei pela prisão dele e com a parceria entre as delegacias de Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima e Guajará, prendemos o Pissica. Eles estavam instalando o cangaço em Mâncio Lima e nós prendemos todo o bando”, contou.

Continuar lendo

Cotidiano

Mega-Sena sai para apostador do Rio de Janeiro, que ganha mais de R$ 49 milhões

Publicado

em

A Mega-Sena sai para um apostador do estado do Rio de Janeiro que ganhou prêmio de R$ 49.341.885,20 milhões. O sorteio foi realizado neste sábado (27) em São Paulo. As dezenas sorteadas foram: 02 – 03- 07 – 48 – 51 – 54.

A Quina teve 107 apostas e cada ganhador teve prêmio de R$ 38.652,61. A Quadra teve 6.601 apostas e cada ganhador levou prêmio de R$ 895,06.

 

Continuar lendo

Cotidiano

Infectados com a variante identificada em Manaus têm 10 vezes mais vírus

Publicado

em

Foto: Michael Dantas/AFP

Um estudo feito por pesquisadores da Fiocruz aponta que adultos infectados pela variante brasileira P.1 do coronavírus, identificada primeiro no Amazonas, têm uma carga viral – quantidade de vírus no corpo – dez vezes maior do que adultos infectados por outras “versões” do vírus. Uma maior carga viral contribui para que a variante se espalhe mais rápido.

A pesquisa ainda não foi revisada por outros cientistas nem publicada em revista, mas está disponível on-line.

“[Se] a pessoa tem mais carga viral nas vias aéreas superiores, a tendência é que ela vai estar expelindo mais vírus – e, se ela está expelindo mais vírus, a chance de uma pessoa se infectar próxima a ela é maior”, explica Felipe Naveca, pesquisador da Fiocruz Amazonas e líder do estudo.

Os pesquisadores analisaram 250 códigos genéticos do coronavírus durante quase um ano. A amostragem cobriu o primeiro pico da doença, em abril, e o segundo, no final do ano passado e início de 2021.

Eles perceberam que essa maior quantidade de vírus não acontecia, entretanto, nos homens idosos (acima de 59 anos). Uma possível explicação para isso é que a resposta imune de homens idosos tende a não ser tão eficiente de forma geral.

“Em homens mais velhos, a resposta imune já não consegue responder tão eficientemente, e aí não teve diferença sendo P.1 ou o outro [vírus]”, aponta Felipe Naveca.

Também é possível que isso tenha acontecido nesse grupo porque a quantidade de pessoas analisadas nessa faixa etária foi menor, explicou o pesquisador Tiago Gräf, também autor do estudo, em uma publicação na rede social Twitter.

Na imagem abaixo, retirada do estudo, quanto menor a altura das das bolinhas no eixo vertical, maior é a carga viral dos pacientes:

Felipe Naveca afirma, entretanto, que não há relação entre quantidade de vírus no corpo e gravidade da doença ou, até mesmo, presença deles.

“Carga viral não está relacionada com gravidade – a gente tem pacientes com alta carga viral e sintomas muito leves ou até sem sintomas”, diz o pesquisador.
A P.1 já vinha sendo apontada por vários pesquisadores ao redor do mundo como mais transmissível, por causa de mutações que ela sofre na região que o vírus usa para infectar as células humanas.

Apesar de ter surgido no Amazonas, ao menos outros 18 estados já detectaram infecções pela variante: os mais recentes foram Mato Grosso e Maranhão.

Os pesquisadores também apontaram que o espalhamento da P.1 se deu por uma combinação de fatores relacionados ao próprio vírus e ao relaxamento do distanciamento social no Amazonas.

Os cientistas apontam que as chamadas intervenções não farmacêuticas – como uso de máscaras e distanciamento social – em abril do ano passado foram “suficientemente eficazes” em reduzir a velocidade de transmissão do vírus no estado, mas não em colocar a epidemia sob controle.

Isso permitiu ao vírus sofrer mutações e contribuiu para o surgimento, em novembro, da P.1 – que logo se tornou dominante.

“A falta de distanciamento social eficiente e outras medidas de mitigação provavelmente aceleraram a transmissão precoce da variante de preocupação [VOC, na sigla em inglês] P.1, enquanto a alta transmissibilidade desta variante alimentou ainda mais o rápido aumento de casos de SARS-CoV-2 e hospitalizações observados em Manaus após seu surgimento”, dizem os pesquisadores brasileiros.

Eles reforçam, ainda, que “a fraca adoção de intervenções não farmacêuticas, como ocorreu no Amazonas e em outros estados brasileiros, representa um risco significativo para o contínuo surgimento e disseminação de novas variantes”.

Na quinta-feira (25), o Brasil bateu o recorde, desde o início da pandemia, do número de pessoas mortas em apenas um dia pela Covid-19: 1.582 vítimas.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas