Conecte-se agora

Vigilância Sanitária diz que empresário morto por covid-19 em SP poderá ser sepultado em Xapuri

Publicado

em

Na última quarta-feira, 22, a Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), por meio da Vigilância Sanitária, divulgou nota pública alertando que o procedimento de translado do corpo do empresário Manoel de Jesus Leite Silva, morto em São Paulo, seria ilegal e sujeito a processo criminal, mesmo que o caso em questão não tenha sido citado diretamente no documento. A publicação ocorreu após a família informar ao ac24horas que o sepultamento ocorreria em Xapuri.

No entanto, depois de a família apresentar um exame de Detecção Qualitativa de Coronavírus, realizado pelo laboratório Delboni Auriemo, de Barueri (SP), que teve resultado negativo para o Sars-CoV-2 , ou seja, no momento do óbito o vírus não era mais reagente no organismo do empresário, o que, em tese, indica que não existe mais o risco de contaminação pelos fluídos corporais, o posicionamento da Vigilância Sanitária Estadual foi modificado.

Na manhã deste sábado, chefe do Núcleo de Serviços em Saúde, do Departamento de Vigilância Sanitária da Sesacre, Advagner Prado, informou à reportagem que diante do exame apresentado e da garantia de que a documentação da empresa funerária que faz o translado do corpo está regular, demonstrando que não há risco de uma provável disseminação da doença, o sepultamento poderá ser realizado em Xapuri como deseja a família.

“Foi apresentado para nós o resultado do exame negativando o senhor que foi a óbito, mas foi informado ao advogado que alguns procedimentos seriam adotados. Caso esteja tudo conforme preconiza a legislação vigente e atendendo aos protocolos sanitários de distanciamento e evitar aglomerações não haverá empecilhos para que a família possa fazer os procedimentos funerários em Xapuri”, explicou Advagner.

A notícia do translado do corpo do empresário também resultou em manifestações de insatisfação, via redes sociais, de pessoas que relatam a dor de haverem perdido familiares e não terem tido a autorização para sepultá-los nas cidades de origem. Fatores como a condição econômica do empresário falecido e o seu parentesco com o deputado Manoel Moraes (cunhado) e com a vice-prefeita de Xapuri, Maria Auxiliadora Silva de Sales (irmã), foram citados como razão para um suposto privilégio.

O ac24horas voltou manter contato com a família do empresário, Maxsuel Maia, que afirmou que não haverá velório público ou qualquer outro ato que possa gerar aglomerações, dizendo que o único intuito dos familiares é garantir que o sepultamento ocorra em terras acreanas, atendendo a um pedido que ele fez dias antes da morte, o de ser enterrado em Xapuri, ao lado de seu pai, o senhor João Bento Silva, falecido em 2015.

O advogado disse ainda que a relação feita por algumas pessoas entre a decisão de se transladar o corpo para o Acre e a questão ligada à situação econômica do empresário e a influência política do deputado Manoel Moraes não é aceita pela família, apesar de o posicionamento tomado quanto a isso é o de compreensão e respeito com a situação de outras famílias que não conseguiram sepultar os seus entes queridos no local de residência.

“Nós jamais cometeríamos a loucura, a irresponsabilidade e a ilegalidade de se valer de fins financeiros do empresário Manoel Leite ou de aspectos políticos do deputado Manoel Moraes para trazer o corpo se não estivéssemos devidamente convencidos da ausência de riscos e da inexistência de ilegalidade. O que a família espera é que essa história tenha um fim de uma vez por todas e que o Manoel Leite possa descansar em paz”, concluiu.

O corpo do empresário está sendo trazido para o Acre por via terrestre com previsão de chegada para a madrugada deste domingo, 26. A programação da família é para que o sepultamento ocorra momentos depois de realizadas as despedidas dos familiares. Natural de Tarauacá, Manoel de Jesus Leite Silva veio para Xapuri junto com a irmã e o cunhado no início dos anos 1990.

Acre

Governo do Acre decreta ponto facultativo nesta sexta-feira

Publicado

em

O governo do Acre decretou ponto facultativo nas repartições públicas para esta sexta-feira, 6 de agosto, em comemoração aos 119 anos da Revolução Acreana. As agências bancárias irão funcionar normalmente nesta sexta-feira.

Nas unidades de Saúde do Estado, incluindo os serviços de atendimento médico especializado, serviços de apoio diagnóstico, de internação, centros cirúrgicos, UTIs e central de agendamento de cirurgias, os atendimentos não sofrerão alteração.

Ficam os secretários de Estado e as demais autoridades administrativas públicas autorizados a convocar seus servidores por necessidade do serviço, dispensado da respectiva compensação os servidores que cumprirem horário nesse período.

Continuar lendo

Destaque 4

Com nível do Rio Acre baixo, balsa diminui capacidade de travessia em Xapuri

Publicado

em

Não é apenas na capital acreana que o baixo nível do Rio Acre preocupa a população. Em Xapuri, o volume de água abaixo do normal para a época do ano obrigou a direção da balsa que faz a travessia para o bairro Sibéria a adotar medidas para não interromper o trabalho.

Por falta de uma ponte, a balsa é a única alternativa para a travessia do rio Acre. Além do bairro Sibéria, há também na região diversas de produção rural, que utilizam a balsa para o transporte de mercadorias, insumos e até a travessia de gado.

Acontece que a balsa passou a encalhar nos bancos de areia por conta do baixo nível do rio. Para não ter que suspender a travessia dos veículos, a direção resolveu diminuir a capacidade máxima de transporte.

“A carga que era de um caminhão e três camionetes e até 10 motos, estamos reduzindo para um caminhão ou duas camionetes por vez. A balsa está batendo muito e tivemos que fazer esse ajuste para continuar oferecendo o serviço que é essencial”, conta Eriedson Soares da Cruz, coordenador da balsa.

Em Rio Branco, o nível do Rio Acre chegou nesta quinta-feira, 5, a 1,68 metros.

Continuar lendo

Destaque 2

Defensor das urnas eletrônicas, Gladson chama atenção em meio Bolsonaro e Ciro, “Reis do Centrão” e do voto impresso

Publicado

em

O governador Gladson Cameli (PP) participou na tarde desta quarta-feira, 4, da posse do novo Ministro da Casa Civil da presidência da república, Ciro Nogueira, presidente nacional do Progressistas, dias após declarar ser contra o voto impresso durante a inauguração da Sede do Tribunal Regional Eleitoral do Acre, que contou com a presença do presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Roberto Barroso. O evento em Brasília, contou a presença do presidente Jair Bolsonaro, ministros e demais autoridades.

A fala de Cameli repercutiu em Brasília e foi levada ao presidente por interlocutores de senadores do Acre. O posicionamento desagradou Bolsonaro, defensor ferrenho do voto impresso nas próximas eleições com a justificativa de alegar fraude em eleições passadas, mas sem apresentar provas. Não é a primeira vez que o governador do Acre desagrada o Palácio do Planalto. Uma série de reuniões feita com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), considerado o principal inimigo político de Bolsonaro, vem desagradando o núcleo duro da presidência. O descontentamento já chegou até mesmo a ser levado ao chefe do Palácio Rio Branco que minimizou a situação.

Mesmo tendo desagrado, Cameli foi convidado para sentar no dispositivo de honra da solenidade de Nogueira ao lado de Bolsonaro, considerados nos bastidores da política como os “Reis do Centrão”, que é um conjunto de partidos políticos que não possuem uma orientação ideológica específica e tem como objetivo assegurar uma proximidade ao poder executivo de modo que este lhes garanta vantagens e lhes permita distribuir privilégios por meio de redes clientelistas.

Durante os discursos inflamados na posse de Nogueira, uma imagem chamou a atenção quando Bolsonaro e o novo ministro agradeciam aos presentes na solenidade. Gladson aparecia entre os dois com um olhar distante, aparentando certa preocupação.

Continuar lendo

Destaque 3

Salário mínimo em julho deveria ser de R$ 5.518,79; valor é 5,02 vezes o salário atual

Publicado

em

Por

O salário mínimo para sustentar uma família de quatro pessoas deveria ter sido de R$ 5.518,79, em julho, de acordo com o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Esse valor é 5,02 vezes o salário mínimo atual, que é de R$ 1.100.

Esse cálculo é feito de acordo com a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, realizada mensalmente pelo Dieese. Em junho, os dados indicaram que houve aumento no preço da cesta básica em 15 das 17 capitais estudadas.

A cesta básica mais cara foi a de Porto Alegre (R$ 656,92), seguida de Florianópolis (R$ 654,43) e São Paulo (R$ 640,51).

O valor do salário mínimo ideal representa um aumento em relação ao mês anterior. Em junho, ele deveria ter sido de R$ $ 5.421,84, ou seja, 4,93 vezes o piso em vigor.

113 horas de trabalho para comprar cesta básica

O tempo médio necessário para comprar os produtos da cesta, em julho, ficou em 113 horas e 19 minutos (média entre as 17 capitais), maior do que em junho, quando foi de 111 horas e 30 minutos.

Quando se compara o custo da cesta com o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social (7,5%), verifica-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional comprometeu, em julho, 55,68% (média entre as 17 capitais) do salário
mínimo líquido para comprar os alimentos básicos para uma pessoa adulta. Em junho, o percentual foi de 54,79%.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas