Conecte-se agora

Evasão fiscal na venda clandestina de bezerros do Acre não é de R$ 100 milhões, diz Assuero

Publicado

em

O Bar do Vaz desta semana entrevista o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Acre, o fazendeiro Assuero Veronez. Nos últimos dias, o ac24horas trouxe à tona a denúncia de que fazendeiros do Estado estariam desviando a fiscalização e aberto um rombo fiscal milionário na venda clandestina de bezerros. Assuero trata desse e de outros assuntos ao jornalista Roberto Vaz, como novidade do agronegócio, economia e impactos da pandemia do coronavírus na economia acreana.

O presidente destaca que o setor do agronegócio foi pouco afetado com a crise sanitária decorrente da Covid-19. Essa situação, segundo ele, é percebida anto a nível nacional como a nível somente de Acre. Ele acedia que esse foi o setor menos prejudicado diante da pandemia. “O agronegócio vem superando essa crise e mostrando um vigor muito grande. O setor vive um momento de crescimento. O aumento de investimento no campo e a produtividade fez quebrar recordes de safra”, explica o fazendeiro.

De fato, o agronegócio não para. Como diz o ditado popular, o agro é pop e permitiu que a população ficasse em casa em meio à pandemia de maneira abastecida. “O agro continuou trabalhando. Isso fez uma diferença grande na manutenção das pessoas em casa e ainda aumentou o consumo em função disso”, destaca Assuero. A situação do setor produtivo no Acre é bem menos complicada do que a de outros setores da economia, como a construção civil e a indústria.

Mesmo assim, os cuidados de distanciamento social no ambiente rural também em sendo praticado, segundo o presidente da Federação, muito embora este seja um meio em menos contaminado que o ambiente urbano do estado. “Os funcionários de fazenda estão trabalhando de máscara e tomando os cuidados necessários. Uma coisa é certa: não há como interromper a produtividade”, salienta.

A interrupção desse serviço implicaria num problema bem maio para o estado, além de que se atrasar o calendário, pede-se a época de plantar e colher. “Tivemos alguns produtos do agronegócio que foram afetados, como a produção de flores, que praticamente parou. Não houve casamentos e os velórios foram modificados por conta da pandemia. Esse setor foi profundamente afetado, mas de um modo geral, os produtos principais do agronegócio brasileiro não tiveram interrupção”.

Desafios da pecuária

A pecuária no Acre continua com seu calendário sanitário e de reprodução normal. A demanda por alimentos continuou em alta durante a pandemia e o “fator China” favoreceu ainda mais as exportações. No entanto, o estado ainda vive um desafio grande junto aos pecuaristas: o de transformá-los em potenciais agricultores. Veronez destaca que há regiões no Acre propícias para a agricultura mecanizada, onde parte da área de pastagem pode virar área de agricultura. “Esse fenômeno está chegando aqui também, com o início da plantação de soja e milho. É um processo que deverá crescer gradativamente. A logística atual facilita e viabiliza a produção de grãos no Acre, que os envia para Rondônia e de lá para Europa, sem precisar enviar paro o sul ou sudeste do país”, garante.

Denúncia de desvios na pecuária

A pecuária é, de longe, o grande negócio do estado. Esta semana, uma denúncia oriunda das indústrias de carnes bovinas apontou que haveria uma rombo de R$100 milhões de evasão fiscal cometido por fazendeiros. Para Assuero, esse número é absurdo e nada perto de uma realidade. Segundo ele, daria uma média de 600 mil bezerros, o que representa mais que a produção anual de bezerros machos em todo o Acre.

“Essa denúncia não faz sentido. Temos sim algumas saídas de bezerros no Acre [dessa forma], mas a maioria sai pagando imposto de forma legal, sem problema nenhum. Esse número denunciado está muito longe, pois seriam 6 mil bezerros por dia. Mesmo assim, é uma denúncia que precisa ser apurada pelo estado”, afirma.

Ocorre que os pecuaristas pleiteiam um mercado mais aberto para a carne bovina, enquanto que os frigoríficos querem manter toda a produção no estado, o que, segundo da Federação, é impossível para manter a economia. “O Acre não pode se fechar achando que vamos consumir toda nossa produção. Precisamos dar vasão à nossa produção, tanto de bezerro quanto de boi gordo porque nosso mercado é pequeno para nossa produção”, salienta.

Veronez acredita que pode estar havendo um equívoco por parte do governo do Ace ao acatar apenas o que a classe da indústria solicita, sem perceber, de fato, o que é importante para a produção. “Está faltando ao governo um entendimento melhor da questão”.

Assista a entrevista na íntegra logo abaixo:

https://youtu.be/aUu2os7tqls

Bar do Vaz

Michele Melo, a pedra do sapato do Bocalom

Publicado

em

Não tão brava quanto parece e nem tão ingênua como muitos pensam. A vereadora Michele Melo (PDT) é o que se pode chamar de “política moderna” e de palavra. Faz uma atuação incontestável no parlamento municipal, sendo uma das poucas vozes que contestam a atrapalhada gestão do prefeito Tião Bocalom. Apesar da ligação familiar com o ex-deputado Ronivon Santiago, ela tem luz própria e em nada lembra a velha política.

Veja o que ela pensa sobre a política, os políticos e a vida nessa entrevista que concedeu ao jornalista Roberto Vaz, no Bar do Vaz.

video

Continuar lendo

Bar do Vaz

“As pessoas levam pra internet o que elas são”, diz juiz ao explicar o ódio nas redes sociais

Publicado

em

O Bar do Vaz desta semana traz o juiz de Direito, Giordane Dourado, para falar de sua especialidade, que é o consumo na internet. Ao magistrado, o jornalista Roberto Vaz indaga sobre o comportamento violento e massivo de pessoas através das redes sociais, principalmente.

A pauta da conversa se concentra na intolerância, destilação gratuita de ódio e pré-julgamentos, constantemente observados em toda e qualquer publicação deparada na web.

Para Dourado, o importante é sabe o motivo de as pessoas agirem dessa forma, motivação das pessoas para tanto ódio, tanta discriminação e falta de paciência.

“As pessoas levam para a internet o que elas são”, diz o juiz, e questiona: “as pessoas são naturalmente boas ou ruins?”.

Assista a entrevista completa:

video
Continuar lendo

Bar do Vaz

Nicolau Júnior faz balanço de 2021 e fala sobre presidir Aleac sendo cunhado de Gladson

Publicado

em

O deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Acre, Nicolau Júnior (Progressistas), é o entrevistado do programa Bar do Vaz desta semana. Ao jornalista Roberto Vaz, o parlamentar ponderou as principais ações da Casa do Povo no decorrer de 2021 e quais os planos futuros.

Ano passado, os 24 deputados estaduais aprovaram mais de 180 projetos. Por esse feito e outros, Nicolau acredita que a Assembleia do Acre seja uma das mais produtivas do Brasil.

“É muito bacana ver os 24 deputados estaduais trabalhando, cada um no seu mandato, se dedicando a melhorar a vida da população acreana. E o resultado é esse”, contou.

Segundo ele, a ideia é sempre chegar num entendimento entre todos os deputados, uma vez que o objetivo maior é que cada um ofereça uma lei que alcance a população.

O presidente alerta que há momentos em que se deve deixar a burocracia de lado e focar mais na política propriamente dita. Além das ações, Nicolau ainda comentou sobre como é presidir a Assembleia sendo cunhado e amigo pessoa do governador do estado. Ele também disse que a senadora Mailza é a candidata do PP para o senado, mas adverte: “os candidatos têm que ter o bom senso do seu potencial eleitoral”

Assista:

video

Continuar lendo

Bar do Vaz

Dono da nostálgica Discardoso relembra tempos áureos do mercado de LP e CD no Acre

Publicado

em

Durante uma década o empresário acreano Marciano Cardoso esteve na ‘crista da onda’ e agitava o comércio fonográfico de Rio Branco com uma pequena loja na entrada da Galeria Meta. Lá, era possível encontrar os últimos lançamentos de artista consagrados no Brasil. Era a época de ouro do LP – disco de longa duração – e ter um objeto como esse era sinônimo de status.

Com o passar do tempo, o LP saiu de moda e entraram os Compact Disc, popularmente conhecido como CD. No entanto, esse mercado teve vida curta, pois a tecnologia corria rapidamente e logo apareceram as mídias digitais, que acabaram facilitando a vida dos amantes da música.
Com o acesso fácil à conteúdos digitais por valores quase zero para ouvir as músicas preferidas, os poucos os compradores foram sumindo das lojas físicas. Hoje, elas já não existem mais e ficou só a saudade.

Para lembrar o tempo áureo das “discolândias”, o jornalista Roberto Vaz convidou um dos empresários mais importantes do ramo da época, Marciano Cardoso. Num bate papo de quase 40 minutos, relembraram os bons tempos dos Long Play.

Confira a entrevista AQUI.

video

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2021 ac24Horas.com - Todos os direitos reservados

error: Content is protected !!