Conecte-se agora

Homens são mais de dois terços das mortes por Covid-19 no Acre

Publicado

em

Pela faixa etária, idosos também são maioria entre os que não resistem às complicações da doença

Um estudo publicado na revista científica Frontiers in Public Health diz que homens e mulheres são igualmente propensos a contrair o novo coronavírus, mas os primeiros têm mais chances de sofrer efeitos graves da doença e vir a falecer.

No Acre, onde 78 pessoas já sucumbiram ao vírus, a tendência demonstrada pela pesquisa se confirma. Desse total, 54 (69%) óbitos ocorreram no sexo masculino e 24 (31%) no sexo feminino, segundo dados mais recentes do Departamento Estadual de Vigilância Epidemiológica.

Nos grupos estudados pela pesquisa, mais de 70% dos pacientes que morreram eram homens, o que significa que eles têm quase 2,5 vezes a taxa de mortalidade de mulheres, praticamente a mesma verificada nos números da realidade acreana.

Em nível nacional, desde o começo da pandemia da Covid-19, também morrem mais homens do que mulheres pela doença. Para cada dez pessoas que vão a óbito pelo novo coronavírus no Brasil, seis são homens e quatro são mulheres, assim como ocorre na Espanha.

O estudo afirma que mais pesquisas são necessárias para determinar exatamente por que os homens com Covid-19 tendem a piorar mais do que as mulheres. Ainda assim, a constatação pode ter implicações importantes no atendimento ao paciente.

Publicação da revista Exame diz que para descobrir os motivos exatos para a maior taxa de mortalidade entre os homens com Covid-19, os governos e hospitais do mundo todo precisariam compartilhar mais dados sobre os mortos pela doença, o que ainda não ocorre.

Já um informe recente do Istituto Superiore di Sanità, da Itália, diz que há evidências de que existem diferenças de gênero na infecção, no tratamento e na gravidade dos casos em relação à Covid-19. A publicação italiana aponta três hipóteses para essa diferença significativa:

Maior tendência dos homens a fumar (fator de risco para contrair a infecção e desenvolver um quadro clínico mais sério da doença);

– Mulheres têm como hábito dedicar um tempo significativo da rotina à higiene pessoal;

– Possível resposta imune, inata e adaptativa, mais rápida e eficaz em mulheres do que em homens.

A pandemia no Acre

Outros dados importantes sobre a pandemia no Acre são quanto a faixa etária e comorbidades. Dentre os 78 óbitos, 78 deles tinham alguma comorbidade e 22% das pessoas que evoluíram para o óbito não tinham histórico de doenças preexistentes. Quanto à idade, 66,7% dos óbitos (52 casos) ocorreram em pessoas acima dos 60 anos.

As notificações para o novo coronavírus no Acre começaram a ocorrer a partir do dia 2 de março, seguindo até o dia 15 em média com 2 notificações diárias. Após a confirmação dos primeiros casos as notificações aumentaram significativamente. No Estado até o momento são 9.800 casos notificados, tendo sido 5.144 (52,5%) casos descartados, 3.103 (31,7%) confirmados e 1.556 (15,9%) seguem aguardando resultado de exame laboratorial por PCR.

Nos últimos dias, de acordo com a análise dos casos acumulados, vem ocorrendo um aumento significativo no número de casos confirmados, sendo que no dia 11 de maio ocorreu o registro do maior número de casos (323). Atualmente, o Acre tem o registro de 78 óbitos por covid-19, que ocorreram entre os dias 6 de abril a 21 de maio.

A incidência da doença no Acre é de 351,8 casos por 100.000 habitantes, sendo que os municípios de Plácido de Castro e Acrelândia apresentam as maiores incidências do estado com 678,1 e 648,9/100.000 habitantes, respectivamente.

Quanto à distribuição geoespacial dos casos confirmados no Acre, 22 municípios, 19 (86,4%) apresentam casos positivos da doença. No município de Rio Branco estão concentrados 67,9% dos casos do estado. Apenas Jordão, Manoel Urbano e Porto Walter ainda não registram casos de covid-19.

No Brasil e no mundo

O novo coronavírus já contagiou globalmente mais de 5 milhões de pessoas e, considerando os números da Universidade Johns Hopkins, 330 mil morreram por complicações da covid-19. No Brasil, o número de casos é acima dos 310 mil e as mortes ultrapassaram 20 mil nesta quinta-feira, 21.

Anúncios

Destaque 6

Governo pretende remover 1,5 mil pacientes do Amazonas

Publicado

em

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta terça-feira, em Manaus, que o governo deve remover 1,5 mil pacientes com Covid-19 do Amazonas para outros estados para receber tratamento médico. Ao lado do governador do Amazonas Wilson Lima, ele fez um pronunciamento durante a inauguração do hospital de campanha, que vai funcionar no complexo Nilton Lins.

“Partimos pela remoção inicialmente para hospitais federais e agora para hospitais do SUS, de estados que estão se oferecendo para receber os amazonenses que precisam ser tratados. Já tiramos 300 pessoas em aviões da Força Aérea e nosso objetivo é chegar a em torno de 1,5 mil pessoas removidas.”

Apesar de citar 300 transferências, de acordo com a Secretaria de Saúde do Amazonas foram transferidos, até a manhã desta terça, 277 pacientes. A previsão inicial era de que o governo transferisse 235 pessoas.

As remoções foram anunciadas pelo próprio ministro, no dia 15 de janeiro. Nesta terça, ele reforçou que que a necessidade de fazer as remoções de Manaus ocorreu pela quantidade de pessoas buscando atendimento médico e pela incapacidade do governo atender a todos.

Vacinas

O ministro afirmou que Amazonas já recebeu 452 mil doses de vacina, sendo 100 mil doses de vacinas extras. No entanto, somados todos os carregamentos, o estado recebeu pouco mais de 459 mil doses.

“Proporcionalmente o Amazonas é o estado que mais recebeu doses. Em proporção. Com essas doses, o objetivo é que 100% dos indígenas aldeados sejam vacinados, 87% dos profissionais de saúde e dos trabalhadores de saúde também sejam vacinados, 100% dos idosos, em instituições de longa permanência. E nós fizemos um fundo de 5% em comum acordo com os governadores de todas as vacinas que chegam ao Brasil, para atender as áreas mais impactadas”, afirmou.

Hospital de campanha

O complexo hospitalar Nilton Lins possui toda a estrutura hospitalar e será usado como hospital de campanha pelo estado. De acordo com o ministro, serão 152 leitos, sendo 30 já disponíveis nesta terça-feira. Pazuello afirmou que 81 leitos tem concentradores de oxigênio.

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde, o fluxo de atendimento na unidade será de portas fechadas, semelhante ao adotado em 2020: pacientes que dão entrada na rede de urgência e emergência serão reencaminhados para o hospital, não há atendimento direto.

“Nós estamos vendo de uma maneira muito clara, como deve ser, a partir de já e no futuro, a nossa situação hospitalar na Amazônia. Precisamos trabalhar com usinas geradoras de oxigênio individualizadas nos hospitais, concentradores de oxigênio e deixar o oxigênio de grande porte, esse comprado da White Martins, como backup”, afirmou.

Pazuello chegou na noite de sábado (23) a Manaus e, de acordo com a assessoria da pasta, ficará no estado do Amazonas pelo “tempo que for necessário”.

Continuar lendo

Destaque 6

Inscrições para o Fies começam nesta terça-feira (26)

Publicado

em

Estão abertas a partir desta terça-feira, 26, as inscrições para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). De acordo com o Ministério da Educação o novo FIES possibilita juros zero a quem mais precisa e uma escala de financiamento que varia conforme a renda familiar do candidato. O financiado começará a pagar as prestações respeitando o seu limite de renda, fazendo com que os encargos a serem pagos diminuam consideravelmente.

Para recorrer ao Fundo, o candidato deve ter renda familiar mensal bruta per capita de até três salários mínimos. Além disso, precisa ter participado de uma das edições do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) a partir de 2010, e obtido, no mínimo, 450 pontos na média das cinco provas que compõem o exame, além de não ter tirado zero na redação.

Criado em 1999, o Fies é um programa do governo federal cujo objetivo é facilitar o acesso ao crédito para que estudantes possam financiar cursos de ensino superior oferecidos por instituições privadas que aderirem ao programa.

As inscrições devem ser feitas na página do programa na internet.

Continuar lendo

Destaque 6

Furar a fila da vacinação é crime e tem implicação penal

Publicado

em

Apesar de terem autonomia na distribuição e aplicação da vacina contra o coronavírus, estados e municípios devem seguir o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, organizado pelo Ministério da Saúde, que prevê a vacinação em ciclos, de acordo com grupos prioritários.

Com o início da imunização, no entanto, diversos casos de pessoas que não pertencem ao primeiro ciclo, os chamados “fura-filas”, vêm sendo noticiados e apurados. O caso de maior destaque ocorreu no Amazonas, onde a justiça furou a fila da vacinação contra a Covid-19 não terá direito à segunda dose antes do momento certo.

No Acre, apesar de não haver notícias dessa prática, o Ministério Público Estadual (MPAC) e o Ministério Público Federal (MPF) assinaram nessa segunda-feira, 25, uma nova Recomendação Conjunta que dispõe sobre o acompanhamento e a fiscalização das ações e diretrizes da vacinação contra a Covid-19 em todos os municípios do estado.

O documento foi assinado pela procuradora-geral de Justiça, Kátia Rejane de Araújo Rodrigues, e membros do Gabinete de Crise para o combate à Covid-19 do MPAC, além do representante do Ministério Público Federal (MPF), procurador da República Lucas Costa Almeida Dias.

Os MPs pedem para que o estado e os municípios obedeçam ao plano de vacinação nacional e local, com relação à observância dos critérios de prioridade. Os gestores também devem informar o quantitativo de vacinas recebidas pelo município e a relação nominal de indivíduos que receberam as primeiras doses.

De acordo com a advogada especialista em Direito Contemporâneo Jocinéia Zanardini, procuradora municipal em Campo Largo (PR), tanto quem fura a fila quanto o servidor que aplica a dose em quem não pertence ao grupo prioritário podem ser responsabilizados em diferentes esferas.

“A vacina é um bem público, que tem uma destinação específica, prevista no plano nacional de imunização. Portanto, quando há esse desvio das doses, os responsáveis estão cometendo infrações e podem ser responsabilizados criminalmente e, também, nas esferas cível e administrativa”, afirma.

Na esfera cível, o funcionário público e a pessoa física que recebeu a dose da vacina respondem a uma ação de improbidade, cujas consequências previstas são: ressarcimento do valor total das doses desviadas, pagamento de multa, ter os direitos políticos suspensos e ser proibido de contratar serviços ou de receber qualquer tipo de benefício do poder público.

Os servidores públicos também ficam sujeitos às penalidades administrativas e criminais. Segundo a especialista, a conduta não é apenas antiética, mas, também, criminosa e, portanto, tem implicações penais. O infrator, além de pagar multa penal, está sujeito à pena de até 12 anos de reclusão em regime fechado.

De acordo com o Ministério da Saúde, nesse primeiro ciclo de aplicação de doses, serão contemplados profissionais de saúde, idosos acima de 60 anos institucionalizados, portadores de deficiência com mais de 18 anos institucionalizados e indígenas aldeados em terras homologadas.

Segundo o Portal de Informações sobre o Combate à Covid-19 do governo do estado, o Acre recebeu o primeiro lote com 40.760 doses de vacina do Instituto Butantan no valor de R$ 2.372.232,00. Desse total, 20.708 doses foram distribuídas aos municípios para a etapa inicial de vacinação dos grupos prioritários.

No portal não constam ainda, as quantidades recebidas em mais dois lotes recentes, que são cerca de 5 mil doses da farmacêutica AstraZeneca/Universidade Oxford, produzida pelo laboratório Serum, da Índia, e 4.800 doses da CoronaVac (Butantan/Sinovac). Essas doses ainda não foram distribuídas aos municípios.

Continuar lendo

Destaque 6

Gabaritos do Enem serão divulgados nesta quarta-feira

Publicado

em

Os participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 poderão conferir nessa quarta-feira, 27, os gabaritos oficiais das provas objetivas do exame. O Enem impresso foi aplicado nos dias 17 e 24 de janeiro. Os participantes resolveram questões objetivas de matemática, ciências da natureza, ciências humanas e linguagens. Fizeram também a prova de redação, a única subjetiva do exame.
A previsão para a divulgação dos resultados finais é dia 29 de março. Nessa data, os participantes saberão também quanto tiraram na redação. No entanto, somente depois da divulgação do resultado, em data ainda a ser definida, os candidatos terão acesso à correção detalhada da prova de redação, apenas para fins pedagógicos.

O Enem 2020 terá ainda uma versão digital, que será aplicada nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro. As notas poderão ser usadas para acessar o ensino superior e participar de programas como o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) – que oferece vagas em instituições públicas – Programa Universidade para Todos (ProUni) – que oferece bolsas de estudo em instituições privadas – e, Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), que oferece financiamento em condições mais vantajosas que as de merca

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas