Conecte-se agora

Aprendendo a amar

Publicado

em

O conhecimento sobre o funcionamento do cérebro e cada uma de suas partes parece mostrar que o amor é o fenômeno que tende a facilitar tanto o processo quanto o produto da aprendizagem. Quando aprendemos com amor, o aprendizado tende em muito ser facilitado e acelerado, em contraste com quando tentamos aprender com desamor, que além de o tempo se prolongar, os resultados não parecem profícuos o suficiente. Em muitos casos, aprender contra a vontade parece mesmo ser impossível, especialmente quando queremos conhecer fatos e fenômenos que exigem autocontrole emocional e psíquico. Mas como utilizar o amor como ferramenta fundamental para a aprendizagem, se não é um sentimento? A resposta é simples: como o amor é atitude, é necessário que se inicie o processo de amar amando a si mesmo. Neste sentido, este ensaio tem como objetivo mostrar que todo processo amoroso se inicia com amor pelo sujeito que conhece.

Amar não é um sentimento, já o dissemos diversas vezes. Isso facilita em muito a nossa vida, uma vez que é praticamente impossível que se ensine a alguém sentir alguma coisa. A aprendizagem de sentimentos é tarefa árdua que só se executa individualmente, solitariamente. Mesmo o indivíduo mais desalmado e sórdido não consegue fazer com que alguém tenha qualquer sentimento de desprezo e sordidez, da mesma forma que não é possível que alguém faça as necessidades fisiológicas de outra pessoa. Não é possível que o pai ou a mãe sintam as dores que o filho adoentado sente.

Felizmente, o amor é atitude. Atitudes podem ser ensinadas. E a primeira atitude que o indivíduo deve aprender é amar a si mesmo. Fazer as higienes pessoais é uma atitude de amor, da mesma forma que se exercitar, para que o corpo alcance vigor físico. Mas o exercício físico é fonte de renovação neuronal, o que facilita e permite o aprendizado intelectual e motor. Aprender a lavar louças e limpar a casa também podem ser consideradas atitudes amorosas para consigo mesmo, uma vez que esses aprendizados são necessários à autosustentação e autonomia do indivíduo. Os aprendizados têm essas características: a aptidão para o presente e para o futuro. Aprende-se agora para que vivamos melhor, agora e para o futuro. Não se aprende a se amar apenas na escola. A vida é a grande universidade do amor.

A grande demonstração amorosa que o indivíduo pode dar é para si mesmo. Dificilmente outros indivíduos perceberão com adequação o quanto alguém pode se amar porque ninguém é capaz de perceber que desafios de melhorias ele se colocou. O amor próprio, portanto, é solitário também aqui: só o próprio indivíduo é capaz de saber se ele se ama ou não. E como o amor é atitude, apenas ele é capaz de avaliar a intensidade e a amplitude desse amor. A busca pelo aprendizado consciente e determinado deve ser incentivado incrementalmente desde a mais tenra idade, incentivando, em forma de desafio pessoal proposto, que seja desvendado o segredo de cada coisa. Essa atitude vai dar abertura para o terceiro tipo de amor, um amor mais amplo e universal.

Apesar de ser fundamental a ajuda dos pais e adultos para com as primeiras etapas dos desafios de aprendizagem, é o indivíduo que deve tomar para si, já desde a primeira infância, a responsabilidade por tudo aquilo que estiver afeto à sua vida e à sua individualidade. Aprender a arrumar a cama é necessário para manter o quarto arrumado, mas é essencial para revestir o espírito e a mente da responsabilidade para consigo mesmo; aprender a lavar as louças é importante, mas é grande etapa na longa caminhada para a conquista da autonomia. Aprender a fazer essas coisas é tão importante quanto aprender a ler, escrever e fazer contas, que o indivíduo aprende na escola por ser lá o local ideal para isso, mas não o único.

A cada novo aprendizado, a cada novo desafio para a aprendizagem, o que deve estar por trás é a crescente consciência de que devemos aprender tudo o que for possível. Desde a suposta insignificante explicação de que os corpos se atraem até a altamente relevante constatação de que todo problema tem solução. É uma atitude amorosa estar preparado para enfrentar a vida, quando os problemas e desafios que ela nos apresentar exigirem a prática dos segredos que, pouco a pouco, temos que lhes desvendar. É aqui que entra a atitude como autoamor: como preparação agora para os problemas e desafios que vão se apresentar no instante seguinte ou no futuro distante. O que importa é estar-se preparado. É essa preparação que é a atitude amorosa. O aprendizado, que a atitude proporciona, é justamente a habilidade para lidar com aquilo que a vida vier a nos desafiar.

Que bela demonstração de amor o indivíduo que se dedica a aprender um novo idioma! Quanta poesia explícita para quem sabe ver é o aluno que, sozinho, procura aprender uma nova forma de calcular ângulos! Toda a plenitude amorosa parece pairar no ambiente em que indivíduos, em grupo, procuram aprender a solução para os problemas da fome e das desigualdades que indivíduos que ainda não aprenderam a amar teimam, inconscientemente, muitas vezes, a perpetuar! Ter consciência desse fato, de que a busca da aprendizagem é uma atitude amorosa que deve fazer parte da agenda de compromisso e responsabilidade de cada um para consigo mesmo, é um dos componentes estratégicos essenciais para a instauração da nova educação de que falamos.

Aprender a amar é o primeiro desafio que precisa ser vencido pelo indivíduo. Esse desafio começa a ser superado desde os primeiros anos de idade, com a ajuda dos pais e adultos, quando se aprende a entender e a fazer as coisas mais singelas da vida, como comer e limpar a casa. É atitude amorosa porque ganha-se em entendimento e em habilidade. Mas, mais do que isso, inscreve no espírito e na mente do indivíduo que aprender deve ser o grande lema de sua vida. Viver em constante estado de aprendizado, e ter consciência disso, levará à percepção de que é o saber (entendimento + habilidade) que proporciona a alegria, o prazer e a felicidade, outros elementos essenciais da nova educação.


 

 

Daniel Silva é PhD, professor,  pesquisador do Instituto Federal do Amazonas (IFAM) e escreve todas às sextas-feiras no ac24horas

Anúncios

Daniel Silva

Instrumentos relacionais humanos 

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Execução da lógica da inovação

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Estratégias funcionais

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Estratégias funcionais 

Publicado

em

Foto: Divulgação/Pixabay
Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas