Conecte-se agora

Jenilson Leite diz que terceirização da saúde é um atestado de incompetência

Publicado

em

FOTO: SÉRGIO VALE

O deputado Jenilson Leite (PSB) enfatizou na sessão desta terça-feira, 10, sobre alguns pontos do projeto de lei que cria o Instituto de Saúde do Acre, que segundo ele e sindicatos, seria o marco da terceirização da saúde pública do Acre.

“Estão trazendo um projeto que ajudamos a derrubar na gestão passada, inclusive com a ajuda do atual líder do governo. Nós não devemos deixar isso acontecer nos 45 do segundo tempo. Oficialmente, o governo Gladson assume diante dos servidores a sua incompetência de fazer gestão. Estamos entregando na mão do serviço terceirizado. Porque dinheiro tem. E os cargos comissionados que estão na Sesacre, o que eles vão fazer se for terceirizado”, questionou.

“Desde o início desse governo a terceirização da saúde já estava combinado, inclusive em Brasília. Porque a Mônica veio para cá junto com aquela cambada de graça. Eles vinheram fazer gestão? Ele vinheram estudar a lucratividade do serviço público. Tanto é que a Mônica sequer abriu mão do contrato lá em Brasília. Com o estudo feito, entregam na mão do governador, e faltando dois dias para terminar o ano legislativo, vai mandar para cá inclusive a proposta é colocar servidor concurso dentro do instituto, dentro da terceirização”, disse. Leite.

O deputado ainda questionou o fato de que o governo do Acre “entrar na justiça contra a greve, colocar a polícia para impedir a entrada de trabalhadores na Aleac e agora traz um projeto que precariza a saúde ainda mais”, disse.

Cotidiano

Aprovação do governo Bolsonaro cai para 23% e reprovação sobe para 50%, aponta pesquisa

Publicado

em

Pesquisa Ipec divulgada nesta quinta-feira (24) mostra os seguintes percentuais de avaliação do governo do presidente Jair Bolsonaro:

Ótimo/bom: 23%

Regular: 26%

Ruim/péssimo: 50%

Não sabe/não respondeu: 1%

A pergunta feita pelo instituto foi “Na sua avaliação, o governo do presidente Jair Bolsonaro está sendo”, com as opções “Ótimo”, “bom”, “regular”, “ruim” ou “péssimo”. Somados, os itens “ótimo” e “bom” correspondem ao percentual de aprovação da administração; e os itens “ruim” e péssimo”, ao de reprovação.

O levantamento do Ipec foi feito de 17 a 21 de junho e ouviu 2.002 pessoas em 141 municípios.

A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança, de 95%.

O Ipec foi criado por ex-executivos do Ibope Inteligência após o seu encerramento. O novo instituto de pesquisa atua na área de consultoria e inteligência em pesquisas de mercado, opinião pública e política.

Pesquisa anterior

A última pesquisa divulgada pelo Ipec sobre a aprovação do presidente foi feita em fevereiro de 2021. Os números levantados na época foram:

Ótimo/bom: 28%

Regular: 31%

Ruim/péssimo: 39%

Não sabe/não respondeu: 2%

Forma de governar

Um dos aspectos pesquisados diz respeito à aprovação da maneira de governar do presidente. Nesse caso, a pergunta feita foi: “E o(a) sr (a) aprova ou desaprova a maneira como o presidente Jair Bolsonaro está governando o Brasil?” Sobre este quesito, os resultados foram:

Aprova: 30%

Desaprova: 66%

Não sabe ou não respondeu: 4%

No levantamento anterior, 38% dos entrevistados aprovavam a maneira de governar de Bolsonaro, 58% desaprovavam e 5% não souberam ou não responderam.

Confiança no presidente

A pesquisa também fez a pergunta: “E o(a) sr(a) confia ou não confia no presidente Jair Bolsonaro?” Os percentuais foram:

Confia: 30%

Não confia: 68%

Não sabe/não respondeu: 2%

No levantamento anterior, 36% dos entrevistados diziam confiar em Bolsonaro, 61% diziam não confiar e 3% não souberam ou não responderam.

Continuar lendo

Cotidiano

Justiça do Acre condena a 2 anos de prisão terceirizados da Eletrobras que roubavam fios

Publicado

em

A Vara Criminal de Senador Guiomard condenou Jair Ferreira e Dilanez da Silva, acusados da prática de peculato ocorrido no município. A dupla foi condenada a dois anos de prisão, em regime inicial fechado. A decisão, do juiz de Direito Romário Faria, considerou que a condenação é medida que se impõe, já que tanto o crime quanto a autoria do delito foram comprovados durante a instrução processual.

Entenda o caso

O Ministério Público do Acre (MPAC) narrou na denúncia que o crime foi praticado na Rodovia AC 40, próximo a uma empresa de água mineral, quando os réus, na condição de funcionários de Construtora Nhambiguaras, prestadora de serviços da Eletrobras, subtraíram, para proveito de ambos, 180 metros de fios da rede pública de energia elétrica.

Segundo o MPAC, os denunciados teriam praticado o peculato-furto enquanto fingiam estar trabalhando, realizando reparos na rede pública de energia elétrica. Dessa forma, foi requerida a condenação dos réus pela prática do crime contra à Administração Pública peculato, em sua modalidade furto.

A denúncia foi julgada procedente pelo magistrado titular da Vara Cível de Senador Guiomard, Romário Faria. Para o magistrado tanto a materialidade quanto a autoria do delito foram satisfatoriamente comprovadas, uma vez que os réus foram presos em flagrante e conduzidos a uma delegacia de polícia, após serem vistos por um funcionário da prefeitura, que os avistou e chamou as forças de segurança da PMAC.

“Embora os réus (um deles somente na Delegacia) tenham negado os fatos asseverando que estavam cumprindo seus deveres, pois tinham autonomia, para cortar fios que estivessem caídos ao chão e pudessem causar dano à população”, o juiz sentenciante que esse não era o caso dos denunciados, no dia em que foram presos em flagrante.

As penas fixadas pelo Juízo Criminal são de dois anos de prisão, em regime inicial fechado, como estabelece a legislação penal em vigor. Ainda cabe recurso da sentença.

Continuar lendo

Cotidiano

Ex-satanista Daniel Marstral acusa Bruno Borges de jogada de marketing

Publicado

em

Durante entrevista ao Flow Podcast nesta quarta-feira, 23, o ex-satanista Daniel Mastral, que declara conferencista cristão, autor de livros como O Discortinar da Alta Magia, Filhos do Fogo – Guerreiros da Luz e da trilogia Filho do Fogo, comentou sobre o episódio envolvendo Bruno Borges, conhecido nacionalmente como Menino do Acre.

Na entrevista, ele relembrou do caso e afirmou que Bruno Borges usou o desaparecimento como golpe de marketing para promover um livro onde revelaria os códigos que deixou no quarto às vésperas do registro do desaparecimento.

“Ele sumiu e de repente aparece pleno da silva e diz que ia publicar um livro a respeito desses códigos. O pior que os códigos que ele pegou eram do manual dos escoteiros mirins, dos sobrinhos do Pato Donald e lá tinha um código deles lá de escoteiro que o “A” é uma bolinha e ele pegou dali do manualzinho”, afirmou o Mastral.

Em meados de 2017, Bruno Borges desapareceu por cinco meses. O amigo dele, Marcelo Ferreira, de 25 anos, acabou preso por ter testemunhado falsamente à polícia enquanto o sumiço do amigo ainda era uma incógnita às autoridades investigativas.

O primeiro livro de Bruno Borges, que renderia, segundo a polícia, lucro para ele e o amigo Marcelo, já foi lançado – é o primeiro da série TAC – Teoria da Absorção do Conhecimento. Em poucos dias, rendeu o primeiro lugar no ranking dos mais procurados e, antes mesmo do lançamento oficial, já estava com mais de 14 mil exemplares reservados, no entanto, foi vendido mais de duas mil cópias na época, virando um verdadeiro fracasso.

Na série, Borges revela uma metodologia capaz de potencializar a absorção e a criação de novos conhecimentos. O acreano também propõe uma série de práticas e mecanismos que podem levar o indivíduo a multiplicar seus conhecimentos. O livro tem uma visão dialética clássica, porém, propõe uma metodologia completamente inovadora na forma de explicá-la.

Continuar lendo

Cotidiano

Vereadores cobram de Bocalom abertura da “caixa preta” do transporte coletivo da capital

Publicado

em

Os vereadores Lene Petecão (PSD), Francisco Piaba (DEM) e Arnaldo Barros (Podemos) em sessão online desta quinta-feira (24) voltaram a cobrar do prefeito Tião Bocalom (Progressistas) que abra a tal falada “caixa preta” do transporte coletivo da capital.

Em seis meses de gestão, o prefeito vem falando que vai abrir a caixa preta e até prometendo a redução da passagem do preço do coletivo, mas não apresenta nenhum relatório ou dados que embasam a sua narrativa.

Na sessão, a vereadora Lene Petecão (PSD) afirmou que a situação se encontra insustentável e cobrou do gestor abertura da “caixa de pandora” do transporte coletivo.

“Nós temos motivos de sobra para dizer que essas empresas não têm respeito pela população e nem por essa Casa. Tá na hora do Bocalom abrir essa caixa de pandora, aquela caixa secreta onde tá o desmando dessas empresas. Eu sinceramente, acho que tá na hora da gente abrir uma CPI e já venho conversando com uns colegas sobre esse assunto. Se o Bocalom não quiser resolver essa situação, nós temos que resolver. A população não aguenta mais esperar. Essa situação do transporte coletivo virou uma novela mexicana”, afirmou Lene Petecão

“Lene, tem que abrir essa caixa preta. Se o prefeito não tomar providências, os 17 vereadores desta Casa Legislativa têm que abrir”, endossou Piaba.

O vereador Arnaldo Barros (Podemos) apresentou um requerimento verbal para discutir a situação do transporte coletivo em uma Audiência Pública. O parlamentar afirmou que a Superintendência Municipal de Trânsito (RBtrans) tem que esclarecer a Casa Legislativa acerca dos fins de diversas linhas que vem causando transtorno a população.

“Algumas linhas já foram cortadas de alguns coletivos e em outro momento foi reduzido os coletivos e quem sofre com tudo isso é a população, inclusive, o corte dessas linhas vem atingindo bairros como o Belo Jardim I e II”, explicou.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas