Conecte-se agora

O sono

Publicado

em

IMAGEM DA INTERNET

A ciência tem demonstrado por diversos meios que o ato de dormir desempenha inúmeras funções metabólicas, algumas até mesmo vitais. O sono também exerce um papel fundamental no processo de aprendizagem, de forma que se pode dizer que, sem ele, não se aprende. Ele é tão essencial que se pode resumir a dinâmica da aprendizagem em três etapas: começa com a aquisição das informações através dos sentidos ou pelo mecanismo racional, onde informações e conhecimentos são retrabalhados no intelecto humano, prossegue com o sono, etapa em que as informações mantidas provisoriamente no hipocampo são transferidas definitivamente, na terceira etapa, para a memória de longo prazo, seja no córtex, seja no cerebelo. É por isso que não há aprendizagem, se o indivíduo não dormir, o que significa, na prática, que não há como as informações provisoriamente armazenadas sejam transferidas para a memória de longo prazo. Assim, este ensaio tem como objetivo explicar o papel do sono no aprendizado humano.

Quando estamos acordados, o cérebro produz uma série de coisas, algumas boas e outras, nocivas ao nosso corpo. Algumas dessas toxinas aumentam em quantidade, durante o sono, porque as células do cérebro diminuem de tamanho, encolhem. Como consequência, essas toxinas são empurradas para fora do cérebro, parecido como as correntezas fazem com a poluição das águas de um rio. Quando essas toxinas permanecem no corpo, como é o caso dos dias em que não dormimos à noite ou dormimos muito pouco, elas impedem que pensemos com clareza. Além disso, elas também provocam outras coisas ruins, como dor de cabeça, depressão, diabetes e até mesmo a morte prematura. Dormir traz esses benefícios para o corpo e para a vida.

Tão interessante e importante quanto manter a vida, o sono faz quatro outras coisas fantásticas: primeiro, arruma nossas ideias, conceitos e aprendizagens; segundo, apaga as coisas que não são importantes e reforça aquilo que queremos aprender; e terceiro, exercita as coisas complicadas que queremos aprender; e quarto, aumenta nossa capacidade de resolver problemas complexos.

Entender como isso funciona é essencial não apenas para podermos aprender mais e melhor, mas essencialmente para que possamos ensinar e guiar o aprendizado de nossos alunos e parceiros de trabalho que aprendem conosco. É esse tipo de conhecimento, por exemplo, que está fazendo com que países como Finlândia e Coréia do Sul tomem a dianteira no sucesso do aprendizado de seus alunos, enquanto o Brasil continua seu caminho inverso.

Quando acordado, nosso cérebro capta toda sorte de informações através dos sentidos. Na verdade, o corpo humano é uma gigantesca engrenagem de captação de informações. Isso quer dizer que o ouvido é um aparelho de captação de sons, ele não ouve; os olhos são mecanismos de captação de fótons, ele não enxerga; e assim por diante. Quem enxerga, ouve, sente etc. é o cérebro. Mais precisamente, o hipocampo. Informações relativos a movimentos, sentimentos e outros tipos são armazenados simultaneamente em outras áreas, como no sistema límbico e cerebelo. O que queremos dizer, contudo, é que as informações não chegam, todas, ordenadas no cérebro. Isso vai acontecer durante o sono. É aqui que cada coisa vai tomar o seu devido lugar.

Também é no ato de dormir que vai haver o reforço do que interessa e supressão daquilo que não interessa. Aquilo que nos interessa, tendemos a captar mais informações. Por exemplo, se tenho interesse em um assunto, procuro me informar a cada dia sobre ele. O cérebro vai interpretar isso como de importância, diferentemente daquele assunto que a gente capta informação uma vez e deixa de lado. Quanto mais o cérebro recolhe informações sobre alguma coisa, mais ele tenderá a interpretar como importante e, portanto, reforçará a memória sobre ele. O inverso ele faz com o que considera desnecessário, apagando-o.

O cérebro pode ser nosso grande parceiro nos desafios da vida. Tanto é assim que, durante o sono, ele exercita diversas e muitas vezes as coisas mais complicadas que queremos aprender. E ele sabe o que é complicado, naturalmente, porque, durante o tempo de vigília, quando enviamos as informações, erramos mais do que acertamos (veja a importância do errar), e por isso repetimos o envio da informação (repetimos o exercício), que significa dizer ao cérebro o que é importante e complicado para nós. O que fazemos acordados o cérebro vai fazer em quantidade muito maior durante o sono. Isso vai aprofundar e fortalecer os padrões neuronais do aprendizado.

E vejam que coisa interessante: o cérebro, enquanto dormimos, procura as soluções possíveis para os problemas complexos que queremos resolver. Isso é consequência das construções de novas relações entre os padrões neuronais, que estão armazenados em diferentes áreas. Durante o sono, essas áreas começam a conversar, a travar diálogos antes inexistentes ou realizados de forma incipiente ou inadequada porque carente de informações ou de interesse nosso neste sentido. Em linguagem técnica, o modo difuso (novas conexões) começa a testar as lógicas dos modos focados (as soluções que existem) para criar uma nova lógica a partir das lógicas existentes.

Evidentemente que, se soubermos como lidar com essas coisas, poderemos ter no sono um grande e fundamental aliado para os nossos desafios de aprendizagem e de ensino. O cérebro funciona de uma forma inteiramente natural em um sentido que, a partir da nossa compreensão sobre essa forma de funcionar, nos permite provocar aprendizagens surpreendentes. Se alguém revisa por alguns poucos minutos antes de dormir, por exemplo, aquilo que quer aprender e desejar sonhar com tal assunto, a probabilidade de fazer o cérebro organizar o aprendizado em blocos mais fáceis aumenta enormemente. E se esse processo se repetir, as chances de aprendizagem efetiva são praticamente completas. O sono nos faz sonhar com aprendizados incríveis!


 

Daniel Silva é PhD, professor, pesquisador do Instituto Federal do Amazonas (IFAM) e escreve todas às sextas-feiras no ac24horas. 

Anúncios

Daniel Silva

Planejamento e execução da inovação

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Lideranças na inovação

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Comunicação na inovação

Publicado

em

Continuar lendo

Daniel Silva

Motivação na inovação 

Publicado

em

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas