Conecte-se agora

Índios Katukina promovem Caminho de Cura

Publicado

em

Em várias aldeias acreanas , Índios apresentam a medicina da floresta aos visitantes e com os recursos obtidos nos festivais e vivências, fazem melhorias nas aldeias. Os Katukina também mostram seu trabalho de Cura.

Os Índios Katukina da Aldeia Satanawa da BR-364, a cerca de 60 Km de Cruzeiro do Sul, vão realizar de 4 a 8 de novembro, um Caminho de Cura aberto aos visitantes. A programação inclui pajelança, cerimônias ritualísticas com Ayahuasca, rapé, kambô, sananga e urtiga, dia de caça, passeio na floresta, pinturas corporais, banhos medicinais e participação em atividades do dia a dia na aldeia Santawa.

Em julho deste ano a aldeia Santawa realizou o mesmo Caminho de Cura, que contou com dez participantes, a maioria, estrangeiro. O trabalho de Cura é realizado pelo Pajé Reke, de 87 anos, o mais velho dos pajés Katunina, também chamados Nukikuin.

O Pajé Reke faz um trabalho de Cura no Pote e também usa urtiga, para ” limpar a matéria” das pessoas. O sapo kambô ( os Katunina são os guardiões originários do Kambô) também é usado nos rituais de cura, bem como a Ayahuasca, rapé e sananga, chamados de medicina da floresta.

Os participante paga pacotes que incluem alimentação, hospedagem e a participação em todos os eventos da programação. Para os 5 dias do Caminho de Cura, cada participante, pagará R$ 2. 500.

A paulista Priscila Garcia, mais conhecida por Brisa, que há três meses mora na aldeia, cita que os Índios optaram por não fazer festival ou vivência e sim o Caminho de Cura, para atender grupos menores. ” Dessa forma, o atendimento é mais próximo e individual”.

Ela cita que os recursos oriundos do pagamento feito pelos participantes do Caminho de Cura, em julho, foram usados pra ampliar as redes de água e energia elétrica, existentes na aldeia. A rede da água foi ampliados em cerca de 250 metros do Igarapé até as casas dos indígenas, alcançando um número maior de residências.

O objetivo agora, segundo Brisa, com a edição do Caminho de Cura de novembro, è investir na segurança alimentar dos indígenas. ” O objetivo è que cada família tenha galinheiros para garantir o consumo das aves e dos ovos. Queremos também estrutura para criação de peixe e fortalecer também a produção do artesanato. Esses eventos possibilitam essas melhorias para a aldeia e promovem sim, a cura das pessoas que vem em busca da medicina da floresta”, cita ela, que conheceu o Pajé Reke, em uma pajelança realizada por ele, em São Paulo. ” Conheço pessoas que foram curadas pelo Pajé”, conclui ela.

[email protected] é o contato da Aldeia.

Veja o vídeo feito durante o Caminho de Cura realizado em julho na Aldeia Satanawa.

Na rede

Pronto-Socorro do Hospital de Campanha de Cruzeiro do Sul será desativado

Publicado

em

Devido a redução no número de novos casos, internações e mortes por Covid-19 no município, na próxima semana o Pronto-Socorro do Hospital de Campanha de Cruzeiro do Sul, será desativado. Os pacientes com sintomas da doença serão atendidos em unidades básicas de saúde do município e só em caso de necessidade de internação serão tratados no HC.

A ação é parte do desmonte dos Hospitais de Campanha de Cruzeiro do Sul e Rio Branco já anunciada pelo governador Gladson Cameli, para este mês de setembro.

Segundo uma fonte da Associação Nossa Senhora da Saúde – Anssau, que administra os Hospitais do Juruá e de Campanha de Cruzeiro do Sul, a enfermaria do HC, que conta com 60 leitos, ficará com apenas 20 e a UTI, contará com 10 vagas.

Enfermeiros, técnicos em enfermagem, fisioterapeutas e outros profissionais que atuaram na pandemia já foram demitidos e os desligamentos prosseguem. A direção da Anssau busca, junto ao governo, manter o corpo médico contratado durante o período crítico da pandemia. É com os recursos repassados pelo Estado que a Anssau paga os servidores.

O governador Gladson Cameli garantiu que os equipamentos das Unidades de Terapia Intensiva – UTI, serão distribuídas para unidades hospitalares do Acre. “Tudo o que veio para o Acre durante a pandemia aqui ficará”, pontuou.

Sem mortes há 9 dias

Cruzeiro do Sul não registra mortes por Covid-19 desde o dia 7 de setembro, há 9 dias. Nesta quinta-feira, 16, há um total de 6 pacientes internados no Hospital de Campanha do município. 5 estão na clínica e 1 na Unidade de Terapia Intensiva – UTI.

Nas últimas 24 horas não foram registradas novas internações nem altas.

Cruzeiro do Sul já chegou a ter mais de 100 doentes internados de 9 cidades do Acre.

Continuar lendo

Na rede

Homem mata esposa com mais de 10 terçadadas e joga corpo na rua

Publicado

em

A dona de casa Kátia da Cruz Bernardo, 30 anos, foi morta pelo marido, Marcos de Lima Nicácio, 41 anos, com mais de dez golpes de facão, conhecido por terçado. O feminicídio aconteceu no início da tarde desta quarta-feira, 15, no bairro Nova Olinda, próximo ao Polo Moveleiro, de Cruzeiro do Sul.

Testemunhas disseram à polícia que Marcos chegou em casa e sem motivo começou a agredir a vítima com socos e tapas na frente dos 3 filhos. Depois, já com um terçado, começou a golpear  a vítima que, tentando se defender, teve os dedos cortados. Em seguida, ele a agarrou pelo pescoço e efetuou mais golpes. Não satisfeito, o homem arrastou a mulher pelos cabelos  em direção à rua principal do bairro.

No caminho, efetuou mais golpes no rosto da vítima e jogou a mulher em via pública. Ela morreu no local. Há informações, ainda não confirmadas pela polícia, de que ele já tinha sido preso acusado de estupro.

Marcos foi preso em flagrante pela Polícia Militar.

Continuar lendo

Na rede

Servidores de Cruzeiro do Sul começam greve da saúde exigindo abono de R$ 1 mil

Publicado

em

Com cobranças ao prefeito Zequinha Lima e discursos inflamados na Praça do Coreto, os servidores da saúde Municipal de Cruzeiro do Sul iniciaram nesta quarta, 15, uma greve por tempo indeterminado. Eles querem de imediato abono salarial de R$ 1 mil, mas aceitam até R$ 600. A prefeitura diz que só pode pagar R$ 200.

“O prefeito Zequinha, que é ex-sindicalista, deve entender e atender nossa causa”, citou Vanilsom Sombra, representante do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde- Sintesac na cidade.

Em nota, a prefeitura de Cruzeiro do Sul disse que a reivindicação é justa, mas que deve levar em consideração questões orçamentárias e da lei de responsabilidade fiscal, a fim de não incorrer em improbidade administrativa.

A gestão propõe a formação de uma comissão para tratar sobre o tema a partir do mês de setembro e tirar um indicativo de mudanças no PCCR para o próximo ano.

De acordo com a nota, os recursos federais encaminhados para o combate à pandemia foram empregados nas muitas ações realizadas pela prefeitura através da secretaria de saúde no enfrentamento ao coronavírus. O município afirma que houve redução nesses recursos.

A gestão destaca ainda que também houve redução significativa dos recursos federais destinados ao município para o combate à COVID. Enquanto em 2020 o governo federal aportou recursos da ordem de 8 milhões de reais, em 2021 este recurso foi reduzido para dois milhões.

Continuar lendo

Na rede

Servidores da Saúde entram em greve por tempo indeterminado em Cruzeiro do Sul

Publicado

em

Servidores da saúde municipal de Cruzeiro do Sul vão entrar em greve por tempo indeterminado a partir desta quarta-feira, dia 15. Em manifesto, a categoria irá se concentrar a partir das 7h30 em frente à Catedral Nossa Senhora da Glória e seguirá até a sede da prefeitura, no bairro Miritizal.

Segundo o representante do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde (Sintesac) de Cruzeiro, Venilson Sombra,os servidores querem o abono de R$ 1 mil que a prefeitura concedeu para o pessoal da Educação. “Fizeram uma proposta de R$ 600 e baixaram para R$ 200, mas não pagaram alegando que tem que reduzir gastos. Queremos sentar com o prefeito Zequinha Lima e não com secretários”, ressalta Venilson.

O sindicalista avisa que nas Unidades Básicas de Saúde ficarão apenas 30 % dos servidores, que atenderão apenas casos de emergência. O Procurador Geral da prefeitura de  Cruzeiro do Sul, advogado Rafael Sansom, afirma que  desde agosto a prefeitura vem mantendo  reuniões e negociações com os servidores e seus representantes.

Segundo o advogado, a prefeitura poderá pagar abono de R$ 200, sob risco de ultrapassar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). “Fizemos uma ampla análise para verificar os aspectos legais possíveis para o momento em que estamos e, apesar de encontrarmos diversas barreiras legais, conseguimos ofertar o abono por tempo determinado, tudo dentro da legalidade e responsabilidade fiscal, sensíveis ao momento que passamos e que certamente chegará ao fim em breve”.

Sanson ressalta ainda que existe uma barreira legal que impossibilita aumento salarial durante todo o ano de 2021 por conta da pandemia e houve redução significativa dos recursos federais destinados ao município para o combate à Covid-19. “Enquanto em 2020 o governo federal aportou recursos da ordem de R$ 8 milhões, em 2021 este recurso foi reduzido para R$ 2 milhões. Em 2020 parte deste recurso foi convertido em um abono salarial de R$ 200,00 no salário do servidor durante os meses de setembro, outubro, novembro e dezembro do ano passado”, afirma.

O prefeito Zequinha Lima destaca que é do interesse da gestão reconhecer o empenho dos servidores da saúde, por meio de  melhorias salariais, mas alerta  para as limitações. “Temos limitações que são impostas pelo orçamento da prefeitura e pela lei de Responsabilidade Fiscal.  Dentro desses limites iremos fazer o que estiver ao nosso alcance para valorizar cada vez mais o servidor da saúde, que  têm sido valorosos durante este momento difícil da pandemia”, conclui.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas