Conecte-se agora

Sebastião só vai pagar a metade do 13º salário dos servidores do Acre

Publicado

em

O governador do Acre, Sebastião Viana, anunciou nesta quinta-feira, dia 27, que só conseguirá pagar 50% do décimo terceiro salário dos servidores públicos da ativa, aposentados e pensionistas. A outra metade [R$ 54 milhões] serão deixados para o próximo chefe do Poder Executivo, Gladson Cameli.

Segundo o governador, todos os esforços para garantir o pagamento foram feitos, mas cortes nos repasses da União ao Estado impossibilitaram que, em dezembro, o governo fechasse a conta no azul, deixando todos os servidores com a integralidade dos salários paga. Notícia que não agrada trabalhadores, nem o comércio.

Ao encerrar o ciclo de governos da Frente Popular, Viana diz que do montante aproximado de 48 mil homens e mulheres, 17 mil ligados à Secretaria de Educação e Esporte e ainda das empresas indiretas, como a Emater, Cageacre, Cila, Anac, Colonacre, Acredata, já estão com o décimo terceiro salário na conta, por força da legislação.

“Nós conseguimos diante de todo o esforço da equipe de governo, chegar ao seguinte avanço: pagamos integralmente os salários de dezembro. E quanto ao 13º, nós conseguimos fazer o pagamento integral em razão de vínculo constitucional para 17 mil servidores da educação e para servidores de estatais”, explica.

O governador alega que todos os servidores estão recebendo apenas a metade do décimo, mas que todas as transferências obrigatórias aos poderes Legislativo e Judiciário, além do Ministério Público, foram realizados conforme orientado pela legislação. A Procuradoria-Geral do Estado auxiliou o governador na decisão de parcelar o 13º salário.

“Fica uma contribuição final a ser dada pelo próximo governo na sua agenda de pagamento de R$ 54 milhões para os servidores da ativa, e ainda menos que isso para os inativos. Na agenda de janeiro, que terá R$ 100 milhões a mais para isso, é tranquilo. No mês de fevereiro, a cota, o repasse para os Estados será de R$ 162 milhões a mais do que o habitual”, completa.

Na rede

OAB e Tribunal de Justiça vão fazer inspeção no presídio do Juruá

Publicado

em

Em meio à “greve” dos Policiais Penais, suspensão de visitas e rebelião de presos, a Ordem dos Advogados do Brasil – OAB, Subseção de Cruzeiro do Sul e a Corregedoria de Presídio do Tribunal de justiça farão uma inspeção no Complexo Penitenciário Manoel Neri, na segunda-feira, 6.

A inspeção será feita pela presidente da Subseção da OAB de Cruzeiro, advogada Núbia Sales de Melo e pela juíza Ivete Tabalipa, que responde inteiramente pela corregedoria do Presídio na Comarca do município. Elas vão ouvir presos e apresentar demandas.

“O pleito da OAB será pelo posicionamento do presídio quanto a retomada das visitas e do banho de sol dos presos porque tais direitos estão previstos na Lei de execução penal”, cita Núbia, que irá também buscar informações sobre a ação policial dentro do presídio neste sábado, 4 durante o início de rebelião na unidade prisional de Cruzeiro do Sul.

Continuar lendo

Acre 01

Temendo nova variante ômicron, Gladson volta atrás e decide cancelar festividades de réveillon

Publicado

em

Temendo a possível chegada da variante ômicron no Acre, o governador Gladson Cameli (Progressistas) declarou ao ac24horas neste domingo, 5, que bateu o martelo e decidiu não mais realizar as festividades do tradicional réveillon, na Gameleira, em Rio Branco, conforme anunciado anteriormente.

O chefe do executivo explicou que uma das razões que motivou a desistência é os dados da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), onde aponta um aumento do número de casos da Covid-19.

De acordo com os números, o mês de novembro fechou com 163 casos, uma alta em relação aos últimos três meses. Já o número de mortes, se manteve em baixa, tendo sido registrado no mês passado apenas 3 óbitos.

Porém, Gladson afirmou que a desistência do réveillon nada tem haver com pressão política. “Eu não vou colocar a vida das pessoas em risco, não vou cancelar por pressão. Mas também não quero correr riscos de que depois o pior possa acontecer”, ressaltou.

Questionado se pretende cancelar o carnaval, em fevereiro de 2022, Cameli disse que deverá esperar que o número de casos da doença venha ou não se propagar, contudo, a princípio, não pretende cancelar o evento. “O carnaval eu não vou cancelar não, quem não tomou a vacina é bom tomar”, encerrou.

Continuar lendo

Extra Total

Em 30 anos, Charles construiu casa e manteve 7 filhos vendendo bombons em frente ao Cerb

Publicado

em

O centro da cidade de Rio Branco é composto por diferentes monumentos históricos. Praças, prédios, espaços culturais e administrativos. Mas há um pequeno e simples lugar que, apesar de ser avistado diariamente pelos transeuntes, pode passar despercebido pela maior parte da população. O pequeno e tímido empreendimento está por lá há exatos 30 anos, sempre no mesmo local. Fez e continua fazendo parte da rotina de muita gente. Trata-se de uma banquinha de bombons situada em frente ao Colégio Barão do Rio Branco, bem ao lado da Biblioteca da Floresta.

Desta vez, a coluna não irá retratar a história de uma empresa famosa, empresários notáveis de sucesso ou algo parecido. Hoje, o espaço é dedicado a Charles de Alcântara Oliveira, de 51 anos, ou simplesmente Charles, que em três décadas vendendo bombons conseguiu construir sua casa, sustentar uma família com sete filhos e alcançar um lugar ao sol para chamar de ‘seu’. Mais do que sucesso, o comerciante nato conquistou sozinho a própria dignidade.

Charles está no mesmo ambiente desde quando tinha 21 anos de idade. Embora seja um ofício não tão valorizado pela sociedade, sua dedicação na venda de bombons lhe rendeu, além de independência financeira, boas histórias e uma centenas de clientes/amigos. “Vi muitas mudanças por aqui desde que cheguei ao centro da cidade. Querendo ou não, tivemos um grau de desenvolvimento. O Centro ficou mais bonito”, comenta.

Se tem alguém que conheça o cotidiano da capital acreana, esse alguém é Charles. Nesse período que trabalha por lá, chegou a uma triste constatação: “falta o povo vir para cá, como vinha antes. As pessoas não vêm mais da mesma forma”, lamenta. O vendedor conta que antigamente o local era um verdadeiro “point”, recebia moradores diariamente e tinha significativa movimentação de pessoas. “O povo vinha para se encontrar, para ter prazer de estar aqui na praça. Hoje, deixaram de fazer isso. Não por falta de opções do que fazer, mas porque aqui também não oferece mais o que tinha antes”.

Ele refere-se às atrações culturais que aconteciam na região. “Antes o povo chegava, fazia seus shows, podia ficar, colocar um palco aqui na praça, chamar o público, realizar atrações, podia divulgar. Hoje, se você fizer alguma coisa aqui na praça, não tem divulgação, ninguém sabe de nada, é tudo mais difícil e complicado”.

Recomeço de vida

Charles montou uma banquinha e tornou-se vendedor de bombons por simples pura necessidade. Antes disso, trabalhava na empresa Coca-Cola em Rio Branco, onde ficou por cerca de um ano. “Só que nessa época a empresa começou a dispensar funcionários, por já estar “mal das pernas”. Eles diziam que tinham impostos muito altos e que iriam fechar”. E assim aconteceu. A empresa fechou de vez, deixando a capital acreana, que ficou sendo abastecida pela filial de Porto Velho (RO).

“Na terceira leva de demissões, eu saí. Foi aí que eu fiquei sem saber o que iria fazer. Estava difícil naquele tempo até para trabalhar em construção ou coisas parecidas. Fiz curso de balconista, tentei trabalhar numa farmácia, mas nada aparecia. Aí eu passei aqui nessa praça [da Revolução], vi uns ambulantes e disse: sabe de uma coisa? Vou fazer isso também”. Até se convencer de que iria comercializar pequenos produtos por ali, ficou um dia inteiro observando o movimento de clientes e vendedores. Analisando de perto o que era vendido.

“Era pouquinho o que eles faturavam, mas ganhavam. Montei minha barraquinha e fui ver no que ia dar. Na verdade, esperei para ver o que o homem lá de cima [Deus] iria fazer comigo. E até hoje estou aqui”.

A vida no comércio

Durante esses 30 anos com a banquinha, seu carro-chefe sempre foram os bombons, os doces em geral. Nunca saiu desse nicho. Quando chegou ao local, o Cerb já existia, era o nostálgico Ceseme. “Eu estava formando minha família com a primeira esposa ainda quando cheguei aqui. Depois de uns cinco anos trabalhando na praça, tive o primeiro e segundo filho. Hoje tenho sete, com idades que vão de 2 a 27 anos. E sempre sustentei minha família só com a venda dos bombons, e ainda paguei pensão aos mais velhos”.

A rotina do trabalho é árdua como em qualquer outro ofício. Engana-se quem pensa que a vida de Charles é ficar sentado esperando pelos clientes. “Chego cedo e saio muito tarde. Começo o dia aqui entre 7h e 9h, dependendo do dia, e saio entre 21h e 2h da madrugada. Essa rotina já dura 30 anos”. Nascido em Rio Branco, se desloca diariamente de um bairro distante até a região central da cidade.

São três décadas construindo muitas amizades com os clientes. A clientela varia desde turistas a colaboradores de empresas localizadas na região. “As pessoas que trabalham aqui por perto sempre vêm conversar comigo. Elas param aqui e batem papo. Já vieram até atores da Globo aqui comigo, quando eles vêm fazer alguma gravação”. Parar na banquinha do Charles é quase que um ponto de encontro para quem convive na localidade, no cotidiano da cidade.

“Daqui eu não saio. Só se me expulsarem”

O vendedor que montou uma banquinha de bombons por necessidade, continua atuando no mesmo ramo há 30 anos porque, segundo ele, tomou gosto pelo que faz. “Continuo vendendo aqui porque depois de construir minha família, fazer minha casa, tudo com fruto dessa banquinha, pensei: rapaz, daqui eu não saio mais, só se me expulsarem”. Atualmente, fora a necessidade, trabalha porque gosta e porque as vendas seguem dando retorno.

As vendas não param. A todo instante chega um cliente em busca do bombom, ou de qualquer outra coisa. Charles não consegue mensurar com exatidão quantos clientes atende por dia, mas chega a uma média de 40 a 50 compradores diariamente. “Alguns são clientes repetitivos, aqueles que vêm aqui comigo todos os dias. Às vezes, quando eu não venho trabalhar, eles perguntam por que eu não vim, querem explicação, o motivo para que eu ficasse em casa”, brinca.

Nem tudo são flores no caminho do pequeno comerciante. No momento em que decidiu partir para o ramo do comércio, passou a se deparar com a concorrência. Ele afirma que tem lidado bem com isso, apesar de ser bastante severo. “A concorrência cresceu bastante nos últimos tempos. Mas ainda lembro que antigamente era bem maior, pois em cada ponto dessa praça existia um comércio”. Houve um tempo em que a praça da Revolução tinha um enorme corredor lotado de lanchonetes, tanto de um lado, quanto do outro.

Queda de 80% no movimento com a Covid-19

Não foram só os grandes e médios empreendedores que sofreram com a chegada da pandemia de Covid-19 ao Acre. Vendedores como Charles amargaram o pior momento econômico que o estado viveu nos últimos tempos. Segundo ele, o movimento de clientes caiu pelo menos 80% nesse período de quase dois anos. “O número de comerciantes na redondeza diminuiu, mas o movimento de clientes também caiu na mesma medida”.

Sem aulas presenciais, o movimento de alunos também despencou. “Era algo que me ajudava pra caramba. Nunca imaginei que os alunos fossem me fazer tanta falta. Antes da pandemia, quando eles ficavam de férias, dois ou até três meses, eu não sentia tanta diferença no movimento, que pra mim era o mesmo. Mas nesses quase dois anos de pandemia, o “bichinhos” me fizeram muita falta. Eles compram mitos doces e são esses produtos que me dão aquele lucro”.

A crise foi tamanha no pico da contaminação pelo novo coronavírus que ele teve de dar uma pausa no trabalho (pela primeira vez). “Tive que parar por causa da redução do movimento de clientes na pandemia. Reduziu muito as vendas, as pessoas não estavam mais nas ruas. Chegou ao ponto de eu abrir a minha banquinha e a polícia vir mandar eu fechar”. Charles ficou duas semanas com a banca fechada e, enquanto isso, faltava comida em sua casa. “Eu vivia aperreado. Mas decidi: vou brigar com eles [poder público], vim aqui e abri a barraquinha. Não tinha aquele movimento todo, mas conseguia levar alguma coisinha para casa”.

Nesse mesmo período, um de seus filhos também estava passando dificuldades por causa do desemprego. Foi quando seu pai começou a ajudá-lo, e, para isso, doou seu próprio sustento. “Entreguei a barraquinha para ele e fui atrás de um trabalho novo para mim. Consegui um serviço de entregador. Com 50 anos, fui trabalhar de entregador e tinha que correr de igual pra igual com os meninos de 20 anos. Foi como consegui me sustentar nesse tempo lá em casa”.

Expectativas de um futuro melhor

O que mais intriga o pequeno comerciante é não poder mais realizar atrações no centro da cidade, como existia antigamente “Tudo que se vai fazer tem que ter permissão da secretaria de obras e outros setores. Vejo que o poder público acabou atrapalhando um pouco. O estado deveria ajudar tentando deixar acontecer os eventos que tinham aqui, chamar a população, fazer acontecer, criar eventos em datas comemorativas, apresentação de bandas”, comenta.

Nesse período que atua no centro, criou vínculo de amizade com os funcionários do colégio. “Tento me adequar a todo mundo. Cada um com sua forma de ser, seja brincalhona, seja séria. Os funcionários param aqui, conversam”. Para ele, seria um prazer ajudar a cidade com informações relevantes aos turistas.

“Se aqui tivessem uns folhetos informativos, acho que eu distribuiria muitos e passava muita informação, porque os turistas gostam de perguntar demais as coisas pra mim. Tem coisas que eles perguntam que eu poderia saber, mas ninguém me repassa nada Os pontos turísticos que eu conheço, ou outros que poderia repassar para eles, sempre tento ajudar, dizendo onde estão os lugares”, afirma.

Antes da pandemia, há cerca de cinco anos, ele tinha o objetivo de querer montar um comércio maior, estava indo no caminho certo, estava juntando dinheiro, o propósito estava caminhando, mas a pandemia o derrubou. “Tinha um dinheiro guardado, mas gastei devido a pandemia e ainda fiquei devendo. Agora, estou tentando pagar o que eu devo, vendendo a mercadoria devagarinho. Vou mantendo o sustento da minha família com minha banca, e é dessa forma que eu vivo. Não tem outro lugar para fazer dinheiro, não tenho mais idade para estar correndo atrás, e quando corro é de forma autônoma também, e assim vamos indo. Só esperando coisas boas na vida”, conclui.

Continuar lendo

Destaque 2

Roberto Vaz canta e se emociona ao visitar Durvalina, fã de 100 anos do programa Sábado Show

Publicado

em

Houve um tempo em Rio Branco, no Acre, em que as pessoas colocavam a melhor roupa e faziam questão de avisar para os amigos e vizinhos que estavam indo assistir ao show de Roberto Vaz, um gordinho que animava as noites de sábados com um talk show pra lá de animado. Lá, as pessoas se divertiam, ajudavam os mais necessitados e sempre ganhavam alguma coisa, nem que fosse um abraço, uma fotografia ou uma dança com o apresentador.

Eram noites alegres, onde era comum o encontro entre amigos para assistir ao Sábado Show pela TV (canal 5/Tv5). Era um programa com 2 horas de duração, onde desfilavam talentos da música acreana, casos comoventes de pessoas que buscavam por ajuda (devido a inércia do poder público) e o famoso show de calouros. “Eram tempos bons e que não volta mais”, diz Roberto Vaz.

Os jovens de atualmente não sabem, mas Roberto Vaz também se aventurou como cantor. Foi na época do Sábado Show que ele resolveu cantar. À época. brigou com a equipe do programa pela insistência. Justificava que o programa tinha que ter alto astral para levantar a estima dos telespectadores que assistiam os casos comoventes que eram apresentados. Como decidiu cantar, a produção do programa criou algumas letras, que juntadas ao talento do músico Mão de Onça, tornaram-se um ingrediente a mais para a alegria na telinha.

Veja o trecho de uma delas:

 A alegria está no ar

Vamos, meu povo, cantar

Roberto Vaz já chegou

Para a festa animar

Sábado Show, Show

Roberto Vaz, Vaz

Tem muita festa, brincadeira e emoção…

Quando essa musiquinha tocava, tinha início, sempre às 20 horas, dos sábados, o show. E entre tantos programas, casos, artistas e pessoas, alguns personagens ganharam vida. E a alegre Durvalina foi, durante anos, destaque nas noites do sábado. Esta semana, atendendo um pedido da família, o jornalista e apresentador Roberto Vaz fez uma visita a uma de suas maiores admiradoras, a carismática Durvalina, que acaba de completar 100 anos de vida. O reencontro entre fã e apresentador foi um pedido da própria família de Durvalina e tocou profundamente o jornalista, que não pensou duas vezes e aceitou o convite.

Durvalina é paranaense, mas mora no bairro Santa Cecília, em Rio Branco há muitas décadas. Possui oito filhos e atualmente vive acamada. Não fala, não enxerga e pouco escuta. Há pouco tempo, antes de apresentar piora no estado de saúde, ela reuniu os filhos e disse: “quero realizar um sonho e rever o Roberto Vaz”, disse a família.

Na década de 90, o programa de auditório Sábado Show era recorde de audiência e contava com a presença de Durvalina sempre que ela podia. A filha conta que ela aos sábados ela se arrumava cedo para participar e dançar na atração televisa, que virou um marco na TV acreana.

“Ela é apaixonada pelo apresentador”, conta a filha Maria Silvarina. Vaz, como é carinhosamente chamado, não se conteve e se emocionou, indo às lagrimas. “No programa, ela era a essência do povo, a alegria do povo. Ela levava a reclamação do povo. Animou muitas tardes nossas na gravação do Sábado Show”. Para ele, Durvalina era a quebra de um paradigma. “Era a nossa estrela”, relembra.

O apresentador conta detalhes daquela época, de quando conheceu a admiradora de longa data. “Ela chegava, ficava no canto dela, mas sempre ia para frente do programa, porque a gente queria mostrar o povo como ele era. E era um compromisso nosso de ajudá-la, assim como fazíamos com outras pessoas, mas ela sobressaia”.

Ao lado da cama onde Durvalina passa a maior parte da vida atualmente, uma fotografia retrata os tempos em que ela participava do programa com o ídolo.

Assista ao vídeo emocionante:

video
Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas