Conecte-se agora

Vice de Gladson, Rocha alfineta sugestão de delegados sobre lista tríplice para secretário

Publicado

em

O vice-governador eleito Major Rocha (PSDB) afirmou nesta quarta-feira, 21, que entende a intenção da Associação dos Delegados da Polícia Civil do Acre em apresentar uma lista tríplice ao governador eleito Gladson Cameli como sugestão ao cargo de secretário de Polícia Civil a partir de 2019, porém diz não entender por que os delegados não tiveram a mesma iniciativa durante os 20 anos de governo do PT.

Rocha, que foi nomeado por Cameli como uma espécie de comandante geral do setor de segurança do Acre, fala em nome do novo governo.

Como a Polícia Civil não é composta apenas pelos 58 delegados atualmente em atividade, o tucano afirmou ser necessário ouvir também os agentes e escrivães de polícia.

“Mesmo sendo um cargo de livre nomeação e exoneração do futuro governador, entendo que a iniciativa ADEPOL, de apresentar, ao próximo governo, uma lista tríplice para auxiliar na escolha do próximo Secretário de Polícia Civil, deve ser analisada e considerada.
De igual sorte, em respeito aos Agentes e Escrivães, que também fazem parte dessa valorosa corporação, penso que eles merecem ser ouvidos, e garanto que isso será feito. É bom lembrar que aquele que for escolhido pelo Governador Gladson Cameli comandará não só os Delegados, mas toda a Polícia Civil.

Reforçando o meu respeito à iniciativa da ADEPOL, não posso deixar de estranhar o fato dessa iniciativa não haver sido intentada nos 20 anos de governo da Frente Popular, quando os líderes da Polícia Civil foram nomeados sem qualquer tipo de debate com seus integrantes, inclusive escolhendo delegados com menos de 6 anos de profissão.”

A declaração do militar foi dada após reportagem veiculada em ac24horas sobre o tema. Nesta terça-feira, 20, os delegados foram às urnas para votar em uma lista tríplice escolhida pela classe. Os delegados Fabrizzio Leonard, Sérgio Lopes e Alcino Junior compõem essa lista.

Acre 01

Governo não descarta realização da 48ª edição da ExpoAcre ainda este ano

Publicado

em

O governador Gladson Cameli (Progressistas) garantiu na manhã desta terça-feira (15) que estuda a realização da tradicional 48° edição da feira agropecuária do Acre, a Expoacre, que ocorre anualmente na segunda quinzena de julho.

Segundo o chefe do executivo, a decisão não está fechada e depende do avanço na vacinação contra a Covid-19. “Estamos estudando a possibilidade de ter Expoacre esse ano, diante do cenário que temos de combate à pandemia”, disse.

“Não será de imediato, mas dependendo dos dados que eu tenha acesso pode ser que semana que vem eu edite um decreto flexibilizando as regras e poderemos, sim, ter Expoacre, desde que seja tudo dentro de um ambiente seguro”, ressaltou.

O evento é o maior no campo do agronegócio no estado. Em 2019, durante nove dias, a Expoacre movimentou mais de R$ 74 milhões e atraiu mais de 200 mil pessoas.

Continuar lendo

Acre 01

Gladson estuda decretar desobrigação de uso de máscaras para vacinados com 2° dose

Publicado

em

Após o presidente Jair Bolsonaro defender a desobrigação do uso de máscaras para vacinados e recuperados da Covid-19 e deixar a decisão final aos governadores e prefeitos, o governador Gladson Cameli (Progressistas) declarou à imprensa na manhã desta terça-feira (15) que estuda a publicação de um decreto nos próximos dias para que os acreanos imunizados deixem de usar o equipamento de proteção individual facial.

Bolsonaro já havia informado na quinta – 10 de junho – que pediu ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, um parecer para liberar vacinados e recuperados da Covid de usar máscaras em vias públicas e privadas.

“Eu aguardo um estudo se vai manter aquela programação da quantidade de vacinas. Estou pensando em adotar algumas medidas, como por exemplo a retirada do uso de máscaras”, explicou. Entretanto, Cameli foi enfático ao dizer que com o possível decreto, as pessoas não serão obrigadas a não usarem máscaras.

Continuar lendo

Acre 01

Governo recua e estádio voltará a ser Arena da Floresta e caixa d’água será prata ou bronze 

Publicado

em

Após receber centenas de críticas, o governador Gladson Cameli decidiu voltar atrás em algumas decisões sobre o uso das cores em prédios e monumentos públicos, assim como a nomenclatura que haviam sido alteradas em sua gestão.  Neste domingo, 13, o governo anunciou por meio da assessoria nas redes sociais que erros devem ser reconhecidos, referindo-se à pintura na cor azul da caixa d’água da Seis de Agosto, ao nome do estádio Arena Acreana e entre outros.

Diante da repercussão negativa, Cameli disse: tenho acompanhado as reclamações das pessoas por conta da pintura azul em alguns prédios públicos. O uso dessa cor tem dado margem para que alguns digam que é usada porque é a cor do partido ao qual sou filiado. Aliás, acho uma bobagem alguém se achar dono de alguma cor. Como o povo do Acre e eu mesmo criticamos o uso de símbolos e cores partidárias em prédio e até em helicóptero públicos, tenho que tomar uma decisão”, anunciou ao jornalista Altino Machado.

Gladson reclama que qualquer cor que seja usada resulta em críticas à sua gestão. “Sendo assim,  o estádio Arena da Floresta vai continuar sendo Arena da Floresta e não Arena Acreana. A caixa d’água do bairro 6 de Agosto terá a pintura na cor prata original ou na cor bronze dos últimos anos”, garante.

O governo informou que também irá recuperar a pintura original do Colégio Estadual Barão do Rio Branco. “O que tem que prevalecer é o bom gosto, a sobriedade no uso de cores, que deve levar em conta valores estéticos e históricos. Asseguro que os pórticos de parques e o Palácio Rio Branco não serão pintados de azul, conforme chegaram a sugerir em redes sociais”, disse.

Por fim, Cameli assegurou ser autêntico, com capacidade de recuar e reconhecer eventuais erros de sua gestão. “Já fiz isso várias vezes e farei quantas forem necessárias. Minha preocupação é evitar o erro daqueles que perderam a capacidade de ver e ouvir e jamais recuaram ou admitiram as suas falhas. Não carrego esse peso”, concluiu.

Continuar lendo

Acre 01

Pazuello ignorou por três dias pedidos de oxigênio para o Acre

Publicado

em

O general Eduardo Pazuello, quando esteve à frente do Ministério da Saúde (MS) ignorou por três dias um pedido da Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre) para que fossem enviados cilindros de oxigênio ao Estado. A solicitação, feita no dia 12 de março, só foi respondida no dia 15, depois de Pazuello deixar o cargo. As informações constam de documentos entregues pelo próprio Ministério da Saúde à CPI da Covid-19 no Senado.

O pedido foi feito por e-mail pela Secretaria de Saúde do Acre que necessitava de ajuda para não ficar sem estoque de oxigênio, como já havia acontecido em Manaus, no Amazonas, também durante a gestão de Pazuello.

“Prezados, encaminho o Ofício no. 634/2021/SE/GAB/SE/MS, que trata do risco iminente de desabastecimento de oxigênio nos municípios do Estado do Acre. Solicito confirmação de recebimento”, escreveu a secretaria da saúde do Acre.

Uma funcionária de apoio do Ministério da Saúde respondeu, depois de três dias: “Boa tarde! Acuso recebimento. Desculpe a demora“. A pasta se comprometeu a enviar para o Acre 300 cilindros de oxigênio. A primeira leva, com 60 cilindros, foi entregue no dia 17.

Na CPI, os senadores se mostraram estupefatos com o fato de o Ministério levar três dias para responder a um e-mail que pedia regime de urgência e por se tratar de risco de falta de oxigênio necessário para salvar vidas.

De acordo com informações da CPI, o Acre não chegou a ficar sem oxigênio, mas precisou adotar um plano de contingência. Ao menos duas empresas privadas, Oxiacre e Oxivida, chegaram a anunciar que não tinham mais o produto para fornecer na época.

Na capital Rio Branco há três hospitais particulares e somente um deles tem usina própria de distribuição de oxigênio. Os três hospitais públicos do Estado têm usinas próprias de distribuição.

Como as unidades da capital sofriam colapso pela alta demanda de pacientes, somados ao risco eminente de acabar o oxigênio, alguns precisaram ser transferidos para Manaus no dia 13 de março.

Pelo visto, faz parte do talento do especialista em logística do governo Bolsonaro ignorar informações e mensagens direcionadas a ele quando se tratam de situações da pandemia. Além da crise de abastecimento no Amazonas e da ameaça de falta de oxigênio no Acre, Pazuello também ignorou repetidas ofertas de vacina tanto da Pfizer quanto do Instituto Butantan para a imunização dos brasileiros.

Em seu depoimento na CPI, no entanto, o general disse aos senadores que saiu do ministério com o sentimento de “missão cumprida”.

Fonte: Hora do Povo

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas