Conecte-se agora

Liderança do governo fora de cogitação

Publicado

em

O deputado eleito Roberto Duarte (MDB) me disse ontem que, em relação às notícias de que pode vir a ser o líder do governo Gladson Cameli na Assembléia Legislativa, que o convite não lhe foi feito, mas se acontecer deverá rejeitar, porque não tem este perfil: “não é que eu não acredite no futuro governo, acredito e farei a sua defesa, mas não vou deixar de criticar quando entender se algo estiver errado”. Cita como exemplo negativo o vereador Eduardo Farias (PCdoB) que, nesta função na Câmara Municipal de Rio Branco ficava defendendo o indefensável na gestão do ex-prefeito Marcus Alexandre. O Roberto está sendo verdadeiro na sua colocação, porque não teria nenhum sentido como líder do governador Cameli criticar algum ato que possa entender como prejudicial à população. E para quem está num início ascendente da carreira política fazer um mandato sem amarras é essencial se pensar em vôos mais altos nas eleições próximas. Liderança de governo é sempre uma fria.

APREÇO E RESPEITO POLÍTICO
O senador Sérgio Petecão (PSD) pediu ontem o registro acerca de uma publicação em outro espaço sobre suposto veto a que o ex-prefeito de Brasiléia, Aldemir Lopes, teria sofrido de sua parte para indicações políticas no município: “não é verdade, Aldemir é meu amigo e tenho por ele o maior respeito e apreço político pela sua liderança. Terá sempre o meu apoio”.

ASSUNTO PARA O GOVERNADOR
Petecão diz que a respeito de indicações em Brasiléia é da pauta das lideranças regionais.

NÃO CONVIDEM PARA A MESMA CAIÇUMA
Bravo está o senador Petecão (PSD) com o índio Manoel Kaxináwa. É que na campanha fizeram uma parceria política, foi lhe prometido que seria bem votado na sua aldeia e, quando as urnas abriram teve zero voto. Não convidem o Petecão para uma rodada de caiçuma com o índio.

COMPASSO DE ESPERA
Pode até acontecer, mas é improvável que se tenha uma definição este ano sobre quem será o futuro presidente da Assembléia Legislativa. Estão no páreo o Nicolau Junior (PROGRESSISTA), José Bestene (PROGRESSISTA) e Géhlen Diniz (PROGRESSISTA). O tempo ainda é de conversas.

GRANDE ELEITOR
Foi nas anteriores e também se repetirá na nova eleição para a mesa diretora da ALEAC: o grande eleitor deste tipo de disputa é sempre o governador. O resto é só complemento.

DEPOIS É JUSTIFICAR OS VOTOS
Acho necessário o governador eleito Gladson Cameli mostrar á população quando assumir em janeiro, como recebeu o Estado. Mas depois disso terá que mostrar trabalho e justificar os votos. O governo que está saindo o povo já sabe o que não fez, quer saber o que fará o novo.

MUITO IMPROVÁVEL
Dentro da atual correlação de forças políticas na Câmara Municipal de Rio Branco é muito improvável que, a candidatura do PT, que é o vereador Antonio Moraes (PT), seja derrotada.

FORA DO PT
O deputado Ney Amorim (PT) tem reiterado aos amigos que nos próximos dias deverá anunciar a sua saída do PT e revelar em que partido se filiará. Convites não faltaram dos grandes partidos da oposição, mas a tendência é abrigar seu grupo num partido que comande.

SOLDADO RASO
Experiente na política, o deputado Ney Amorim (PT) sabe que se entrar num partido tradicional repleto de medalhões não passará de soldado raso. Tem que ter uma sigla que domine. Um caminho ficou claro na última disputa do Senado: não há mais lugar no PT.

OLHO DE ÁGUIA
O vice-governador eleito Major Rocha tem mapeado todos os nomes de ocupantes de cargos comissionados do PT. Sua posição é que nenhum deles venha ser contratado no próximo ano.

AFINADOS POLITICAMENTE
Há muitas apostas de adversários em futuras desavenças entre o governador eleito Gladson Cameli e seu vice Major Rocha. Não apostaria na hipótese: estão afinados politicamente. São experientes para saber que uma contenda entre ambos significaria o fim do governo.

POUCOS AMIGOS
Pelo que escuto de figuras que deixaram cargos comissionados no governo nos últimos dias, o governador deixará o poder com poucos amigos. Não sabe o que é ficar fora do poder, vai saber de janeiro em diante, quando os que hoje lhe bajulam vão sumir nas horas difíceis.

MUITO MAIS IMPORTANTE
A inauguração da UPA de Cruzeiro do Sul, onde estava enterrada uma caveira de burro, é sim uma boa notícia. Muito mais importante que inaugurar unidades na área da saúde é manter as que já existem com médicos, enfermeiros, medicamentos, enfim, funcionando bem.

FUNCIONAR MEIA BOCA
Não adianta o governo inaugurar unidades de saúde e funcionar na base da meia boca.

PORTA FECHADA NO PARAÍSO
O corte da cabeça do Cícero Furtado do cargo de Assessor Especial do gabinete governamental mostrou que o outrora poderoso no governo, Pastor da IBB Agostinho Gonçalves, perdeu seu passaporte diplomático para o cafezinho semanal com o governador. Cícero é seu afilhado.

NÃO SERÁ PROTAGONISTA
O Pastor Agostinho não terá papel de protagonista no próximo governo. Ficou sem uma voz no parlamento. O seu candidato a deputado Gêmil Junior (PDT) perdeu a eleição dentro da IBB. Não encontro alternativa para a derrota do Gêmil do que ter sido mal votado na IBB.

DISCURSO QUEBRADO
As mais de 300 demissões acontecidas até aqui no governo, quebra o discurso de que o Estado se encontra com boa saúde fiscal. Ou só faria os cortes dos cargos de confiança em dezembro. E, se não fizer novos cortes, terá dificuldades para deixar o governo com salários os zerados.

O QUE É FIM DE GOVERNO!
Fim de governo é uma fuxicada geral! Políticos da oposição, jornalistas, são procurados por ex- ocupantes de cargos de confiança para denunciar supostas ilegalidades em secretarias. Dá minha parte faço ouvido de mercador. Estavam nas ruas gritando pelo PT, e agora são contra?

LUTA DO GÉHLEN
O DNIT, enfim acabou com a arrastada novela e instalou balanças para regular a tonelagem das cargas dos caminhões que transitam entre Sena Madureira-Cruzeiro do Sul. Vai evitar detonar a estrada no inverno. Esta foi uma luta do deputado Géhlen Diniz (PROGRESSISTA).

EMENDAS PARA O ESTADO
O governador eleito Gladson Cameli destinou todas as suas emendas parlamentares como senador para o governo. Sabe o tamanho do abacaxi que terá de descascar quando assumir.

BOM GESTOR É NA DIFICULDADE
Os prefeitos se preparem para tempos difíceis nos próximos dois anos que restam para o fim dos mandatos. Mas é na dificuldade que se conhece o bom gestor. Na bonança não tem graça

RAINHA DA TRAVE
Nas últimas disputas eleitorais a Antonia Lúcia (PR) bateu na trave nas tentativas de voltar ao seu mandato na Câmara Federal, mesmo com a poderosa estrutura de campanha. O que tem lhe derrotado é que começa bem suas campanhas, mas não consegue ser linear na reta final.

CONQUISTA POSITIVA
O governo estadual entrou no funil da saída com alto desgaste popular, mas com um ponto positivo: a criação e funcionamento da Central de Transplantes. Já chegou ao 43º transplante de fígado realizado com sucesso. Foram 43 vidas salvas. Pecou pela fraca divulgação. E não foi pela falta de jornalistas ao seu lado. Tinha montes. Só ficou na opinião pública o lado negativo.

TENHO CACIFE
Tenho sido um crítico duro do atual governador, por isso tenho cacife para reconhecer quando acerta administrativamente, como no caso da instalação da Central de Transplantes.

LIÇÃO DA ÚLTIMA ELEIÇÃO
Virou consenso nacional que as próximas campanhas eleitorais não poderão prescindir das redes sociais. A vitória do Jair Bolsonaro á presidência do Brasil é um exemplo. Disputou num pequeno partido, com pouco tempo de televisão, pouco recurso, mas avassalador na internet.

ANTES E DEPOIS
As campanhas políticas no Brasil serão marcadas pelo antes e depois das redes sociais. Aquela história de que, um grande aparato de marqueteiros é essencial para vencer a eleição virou pó.

ILUSTRE DESCONHECIDO
O mundo quase caiu de surpresa ontem no DERACRE, quando servidores leram no Diário Oficial a demissão do ex-prefeito do Jordão, Hilário Melo (PT), que era comissionado no órgão. É que, ele nunca deu as caras por lá, onde ninguém o conhece. A culpa é de quem o nomeou.

NÃO PODE REPETIR
É este tipo de aparelhamento que o governador eleito Gladson Cameli não pode repetir na sua administração. Um Estado para funcionar sem perrengues tem de ser enxuto no necessário.

O EXÉRCITO DE BRANCALEONE
Na eleição, quando não se está preparado para perder o poder vira algo cômico e angustiante as reações dos perdedores. É o que está se assistindo no país por parte do PT nacional esta cruzada ao estilo Exército de Brancaleone, contra o presidente eleito Jair Bolsonaro. Defendem a cassação do Bolsonaro por causa da teoria maluca de que O Juiz Sérgio Moro estava acertado para prender o Lula e ser ministro do Bolsonaro e depois ir para o STF. E essa turma bate no peito se dizendo democrata. Numa democracia se perde e se ganha. Não existe na democracia o só ganhar. O regime da vontade única se chama ditadura. Não aprenderam? Diz o velho ditado: – “aos vencedores, as batatas”.

Blog do Crica

Nem só de araruta vive o mingau 

Publicado

em

NUM MOMENTO em que a atividade política aparece em todas as pesquisas de opinião pública como a mais rejeitada e criticada na sociedade, com escândalos se sucedendo em série, a disputa do Senado, no Acre, na eleição do próximo ano, não deixa de ser uma luz no fim do túnel. 

Deixando a ideologia de cada candidato de lado, o que é salutar é que, os nomes que surgiram até o momento são qualificados e figuras respeitadas, seja como políticos, seja como integrantes da sociedade civil organizada. Não me lembro de uma disputa do Senado no estado que tenha reunido tantos nomes capacitados. 

Isso abre um leque grande de uma opção de voto para o eleitorado, porque foge da polarização, que tanto mal faz à política.  Sanderson Moura (PSB), é advogado; Márcia Bittar (sem partido), é professora; Mailza Gomes (PP), cursando Direito e Gestão Pública; Vanda Milani (PROS), Procuradora do MPE; Alan Rick (DEM), jornalista e, Jorge Viana (PT), engenheiro. 

Isso é muito bom para a política, onde não deveria haver lugar para incultos. É aguardar qual será a plataforma política de cada para um eventual mandato. A lembrar que: existe apenas uma vaga de senador para ser disputada na eleição de 2022.

RUÍDO NA CÚPULA

O SENADOR Márcio Bittar (MDB) passou o dia ontem tentando pôr fim ao ruído criado junto ao governador de Rondônia, Marcos Rocha, com a demissão do seu irmão Sandro Rocha, do cargo de confiança que ocupava no governo do estado, a convite do governador Gladson.

ÚLTIMO A SABER

SANDRO ROCHA, que veio para o estado atendendo convite pessoal do governador Gladson, só soube da demissão por terceiros, o que gerou o constrangimento.

SEM CONTATO

ATÉ O INÍCIO da tarde de ontem, nem o senador Márcio Bittar (MDB) e nem o governador rondoniense, Marcos Rocha, tinham conseguido contato com Gladson Cameli.

ESCAPOU DE MAIS UMA

O EX-PRESIDENTE LULA vem sendo absolvido de um processo atrás do outro. Ontem, a absolvição foi na ação “Operação Zelotes”, sobre a edição de MP para favorecer terceiros. Os petistas vivem um período de euforia.

SEM TROMBADA

ALIADOS da senadora Mailza Gomes (PP) negaram ontem ao BLOG, que a modificação no diretório regional do PP, incluindo o prefeito Tião Bocalom de vice-presidente, tenha conotação de trombar com o governador Gladson.

FORTALECER O PARTIDO

A INCLUSÃO de prefeitos do PP no diretório regional, segundo a fonte, teve o objetivo do fortalecimento partidário, para apoiar a senadora Mailza Gomes (PP) a mais um mandato e o governador Gladson à reeleição.

POLÍTICA DE MINEIRO

QUEM apostou que o senador Sérgio Petecão (PSD) se acomodou, errou feio. Já está bem adiantada a formatação do seu Plano de Governo, em elaboração por professores da UFAC. A sua candidatura é para valer.

CIRCULANDO NOS GROTÕES

ENQUANTO isso, o senador Petecão (PSD) está direto em visitas aos grotões, articulando a sua candidatura ao governo, ouvindo, e montando alianças para a campanha.

QUADRO QUE SE DESENHA

GLADSON CAMELI (PP), Sérgio Petecão (PSD), Jenislon Leite (PSB), David Hall (CIDADANIA), são os nomes que poderão compor em 2022, a disputa pelo governo.

PERDENDO TEMPO

O PRIMEIRO MÊS de verão já foi perdido pelo prefeito Bocalom, que deveria estar com as máquinas da prefeitura nos bairros. Continua com a ideia fixa de produzir arroz, feijão, milho, esquecendo os problemas triviais da cidade.

FORA DO PP

A EX-PREFEITA Socorro Neri negou que esteja inclinada em se filiar ao PP, após sua saída do PSB. Não fala em que partido vai entrar. Socorro começou a vida política no MDB, depois passou pelo PSDB, e agora deixará o PSB.

NÃO IMPLICA EM PARTIDO

NÃO É O FATO de estar filiada ou não a um partido político que vai impedir a ex-prefeita Socorro Neri de participar da campanha de reeleição do Gladson.

FAÇAM ARMINHA

GASOLINA no Alto Juruá passou dos 8 reais o litro. Na capital é uma subida atrás da outra no preço. O gás disparou. Se preparem este mês para uma conta de energia mais alta. E, continuem fazendo arminha.

MORAL PARA PEDIR VOTOS

QUEM tem corrido os municípios em articulação política é o deputado Daniel Zen (PT). Zen tem um mandato muito profícuo, e assim, moral para pedir votos à sua reeleição.

SINAL PARA 2022

O PT PRETENDE fazer entre outubro e novembro uma pesquisa ampla para situar como estão as suas principais lideranças, para as disputas do Senado e do Governo.

FICARÁ ENTRE OS DOIS

A DISPUTA pela posição de mais votado do Vale do Juruá deve ficar entre os deputados Nicolau Júnior (PP) e a deputada Antonia Sales (MDB). Ambos com base forte.

LEMBRANDO UM DADO

O PREFEITO MAZINHO mandou um áudio ao BLOG, lembrando um dado sobre a obra de remodelação do Hospital João Câncio, em Sena Madureira: “Dei minha colaboração. O projeto só andou, porque corri para liberar o terreno do hospital, que era da prefeitura”.

PRÓ E CONTRA

NOMEAR OU DEMITIR ocupantes de cargos de confiança é de exclusiva competência do governador Gladson. Não questiono. Muito embora, com demissões impensadas para agradar aliados, pode-se criar de graça inimigos políticos. E, na política, tem que se ciscar para dentro.

DESGASTE NATURAL

OS VEREADORES da capital, com a convocação da vice-prefeita Marfisa Galvão, estão iniciando um ciclo de chamadas de secretários do prefeito Bocalom, o que vai causar um desgaste natural para a gestão municipal.

ERRO DE ESTRATÉGIA

O PREFEITO Tião Bocalom errou feio em trombar com os vereadores, e decidir não ter base de apoio e nem um líder na Câmara Municipal de Rio Branco. Numa briga com políticos, o lado mais fraco da corda é o do gestor.

FRASE MARCANTE

“Não abra uma porta que não seja capaz de tornar a fechar; nem feches uma porta que não seja capaz de reabrir”. (Ditado persa)

Continuar lendo

Blog do Crica

Comendo mingau quente pela beirada

Publicado

em

DEVE SER levada a sério a possibilidade do deputado Jenilson Leite (PSB), vir a disputar o governo do estado, na eleição do próximo ano. 

A sua movimentação em todos os municípios, com reuniões, conversas, buscando aglutinação, é um indicativo de que está empenhado em construir alianças para a concretização de sua candidatura.  Some-se a isso o fato do seu nome não encontrar resistências na aliança dos partidos de esquerda, na qual é integrado. 

Quer se apresentar como o nome novo, cingindo ao meio a polarização entre as candidaturas do senador Sérgio Petecão (PSD) e do Gladson Cameli (PP) ao governo.  

O que deve mesmo balizar a sua decisão final serão as pesquisas eleitorais do próximo ano. E, enquanto seu lobo não vem, vai comendo até lá o mingau quente pelas beiradas.

LAMENTÁVEL E ASSUSTADOR

500 mil mortes por omissão do governo federal, que tratou a Covid-19, como uma “gripezinha”. O número é como se toda a população de Rio Branco tivesse morrido.

SALDO DO NEGACIONISMO

É O SALDO trágico do negacionismo da ciência.

CAVALO SEM SELA

A GRANDE oportunidade da secretária de Educação, Socorro Neri, sair do PSB, para o PP, por cima, foi antes da eleição municipal. Seria a candidata do PP a mais um mandato na PMRB, e o Bocalom não seria candidato. Era o cavalo selado. O cavalo de hoje de mudança é sem sela.

GRANDE PROTAGONISTA

TIVESSE a Socorro Neri entrado no PP para disputar a PMRB, como defendia o governador Gladson, poderia ter ganho a eleição e ser protagonista na disputa do próximo ano. Como secretária, em 2022, será só uma eleitora.

MARCANDO POSIÇÃO

O GOVERNO marcou posição com a sua ação na vacinação contra a Covid-19. Uma faixa no posto de imunização em frente ao Palácio Rio Branco, registrava ser a atividade a cargo da secretaria estadual de Saúde.

PEDIDO ENCAMINHADO

O deputado André da Farmácia, destronado do REPUBLICANOS, buscou no senador Márcio Bittar (MDB), um emissário para tentar se filiar ao MDB.

NINGUÉM VÁ SE ADMIRAR

NÃO É PARA ninguém se admirar se o senador Márcio Bittar (MDB), no próximo ano, aparecer filiado no mesmo partido em que o presidente Jair Bolsonaro se filiar.

GRANDE DESAFIO

O GRANDE desafio administrativo do governo Cameli não é nem a questão de recursos em caixa e os previstos, mas conseguir licitar as obras carimbadas em um tempo hábil.

CHAPA DE GENTE GRANDE

O PP poderá ter uma chapa para disputar vagas na Assembleia Legislativa, com nomes de peso como os deputados José Bestene, Gerlen Diniz, Whendy Lima, Nicolau Junior, e o vereador da capital, Rutênio.

SEM MUITA PREOCUPAÇÃO

O GRUPO do ex-prefeito de Cruzeiro do Sul, Vagner Sales, não está muito preocupado em definir urgente a sua aliança para 2022. Sabe que o governador Gladson Cameli ou o senador Sérgio Petecão, na formação de suas chapas ao governo, vão bater na sua porta cedo ou tarde.

DNA DO ALAN

A RECUPERAÇÃO do Hospital João Câncio, em Sena Madureira, tem um DNA único: acontece por ação exclusiva do deputado federal Alan Rick (DEM), que destinou verbas de emendas parlamentares, e lutou pela obra.

ADAGA SOB A CABEÇA

O GOVERNADOR do Maranhão, Flávio Dino, deixou o PCdoB pelo PSB. Sabe que, se mantidas as atuais regras eleitorais a tendência da sigla comunista é a de sumir.

NÃO SÓ O PCdoB

SE nada mudar na legislação, não só o PCdoB, é natural que outros pequenos partidos venham também ser engolidos pelas exigências da Cláusula de Barreira.

DESAGUADOURO DOS DESPEJADOS

O PDT deve ser um dos desaguadouros para os deputados que estão sendo convidados a sair de seus partidos, ou porque acham que as suas siglas não farão legenda.

PERDERAM A MAJESTADE

A TOMADA do PODEMOS pelo ex-deputado Ney Amorim foi como um convite expresso, para os irmãos Railson e Raimundinho da Saúde, que comandavam a sigla, a tomarem o caminho da rua. E, é o que estão fazendo.

É BOM NÃO SE ASSANHAR

É BOM a direção regional do PSDB ir se afastando da aliança que apoiará a reeleição do presidente Jair Bolsonaro, no estado. Os tucanos terão candidato próprio a presidente, e não vão contemporizar qualquer desvio.

COBRAR DE QUEM ERROU

O GOVERNADOR Gladson tem de perder a mania de prometer corrigir erros de seus secretários, como na pintura de azul do reservatório de água da 6 de Agosto, e não colocarem em funcionamento um tomógrafo encaixotado no Hospital do Juruá, dizendo que pagará as despesas do próprio bolso. Tem de cobrar de quem errou.

MUITO MAIS ADIANTADO

COM A JUNÇÃO de esforços de equipes de saúde do estado e município, a vacinação avançou muito. Isso era para ter acontecido antes, e não se estaria hoje em pouco mais de 25% da população vacinada. 

FRASE MARCANTE

“É melhor ser dono de uma moeda do que escravo de duas.” (Ditado grego)

Continuar lendo

Blog do Crica

As mulheres do Senado

Publicado

em

QUE ME LEMBRE, no Acre, será a primeira vez que três mulheres estarão sendo candidatas a um mandato no Senado. Isso é muito bom, porque a um tempo não muito distante, era raro os partidos conseguirem ter mulheres disputando cargos majoritários, como o Senado.

Nem tanto por omissão, mas porque estes espaços eram territórios dominados pelos candidatos homens.  Quem primeiro quebrou este ciclo, se elegendo senadora pelo estado, foi a médica Laélia Alcântara (MDB).  Depois veio a ambientalista Marina Silva (PT). Então, quando se vê a senadora Mailza Gomes (PP), buscando mais um mandato; a deputada federal Vanda Milani (PROS), com a candidatura posta para a única vaga do Senado, e a professora Márcia Bittar (sem partido), entrando no jogo na busca de ser senadora, é para dar um viva às mulheres.

A lembrar que, o eleitorado acreano é majoritariamente feminino. O mais importante de tudo é que, são três mulheres com a qualificação. Com isso, ganha a política e o eleitorado, com mais opção de voto. 

APOIO CERTO

NÃO ARRISCO dizer se a prefeita de Brasiléia, Fernanda Hassem, deixará o PT. Mas arrisco que, para deputado federal não apoiará ninguém do PT, nada mais natural que venha apoiar a Federal, o namorado Israel Milani.

SALDO MÓRBIDO DA “GRIPEZINHA”

O BRASIL já beira as 500 mil mortes pela Covid-19. É o trágico saldo mórbido da “gripezinha,” cantada pelo presidente Bolsonaro. E, há que aplauda o negacionismo.

COLOCAÇÃO LÚCIDA

O DEPUTADO Edvaldo Magalhães (PCdoB) é um político centrado. Considera que o governador Gladson não se encontrou ainda no foco da gestão, mas que acertou ao ficar ao lado da ciência no combate à pandemia, fugindo do negacionismo do Bolsonaro. Magalhães não é radical.

MEU PIRÃO PRIMEIRO

A SECRETÁRIA de Educação, Socorro Neri, conseguiu a  demissão dos antigos ocupantes de cargos de confiança na pasta, e substituiu por nomes da sua gestão na PMRB.

MAIS PRESTIGIADA

A SOCORRO NERI está entre os secretários estaduais com maior prestígio junto ao governador Gladson Cameli.

SEM OPÇÃO DO EQUILÍBRIO

A RECENTE pesquisa do instituto Paraná mostrou Lula e Bolsonaro empatados tecnicamente. E não será outro o cenário da próxima eleição, que terá como protagonistas, os radicais membros das seitas bolsonarista e lulista.

BATEU COM A COLUNA

NA PRIMEIRA reunião dos partidos de esquerda, acontecida esta semana na capital, o PT pôs na mesa do debate, o nome do Jorge Viana de opção ao Senado. Bate com que o BLOG publicou, que não disputará o governo.

VAI FICAR NISSO

O PRINCIPAL apelo que o ex-senador Jorge Viana (PT) tem recebido nas suas andanças e reuniões, é que dispute o governo. Vai ficar nisso, o seu foco mesmo é o Senado.

GRANDE TORCIDA

O EX-SENADOR JORGE VIANA é cauteloso nas declarações, mas não é preciso entender muito de política, para vislumbrar que ele torce para que se confirme as cinco candidaturas postas até aqui ao Senado, dividindo os votos no grupo palaciano, para correr por fora.

OLHAR OTIMISTA

PARA quem acompanha as eleições no Acre há bastante tempo, basta dar uma olhada na chapa do PSL para a Câmara Federal, para ver que não será fácil eleger um deputado. Não há nomes de forte densidade eleitoral.

ELEIÇÃO É ELEIÇÃO

PODE SER que os nomes da chapa do PSL venham a surpreender e obter votação expressiva, e elejam um deputado federal, política nem sempre segue a lógica.

AO PÉ DA LETRA

A CANDIDATA ao Senado, Márcia Bittar, tem seguido ao pé da letra o mantra de que, para cargo majoritário tem que se viabilizar, aglutinar, por isso caiu em campo para buscar aliados. Márcia, terá como certo o PTB-PSL-MDB-REPUBLICANOS, no seu palanque no próximo ano.

PASSAR CHUVA

SEM DISCUTIR a qualificação profissional do Coronel Ulysses Araújo, mas a sua nomeação para Diretor na Secretaria de Segurança, não vai acrescentar nada, pelo pouco tempo que vai ficar. Como candidato a deputado federal, terá de deixar o cargo em abril do próximo ano.

NÃO GOSTOU NEM UM POUCO

POLÍTICO próximo ao governador Gladson Cameli contou que, ele não gostou nem um pouco de não ver ninguém do seu grupo no desenho do comando regional do PP.

FORA O DESENHO

ESPERAVA ver alguém do seu grupo pelo menos na vice-presidência, e acabou vendo o fortalecimento do prefeito Bocalon, que abiscoitou a vice-presidência, e apoiará o senador Sérgio Petecão (PSD), na eleição a governador.

GRUPO FORTALECIDO

O GRUPO que mais se fortaleceu dentro do PP, foi o da senadora Mailza Gomes (PP), que foi guindada novamente à presidência, e com carta branca para 2022.

NOME PALATÁVEL

O QUE SE OBSERVA dentro do PSD, é que o nome do professor Minoru Kinpara é altamente palatável, sem restrições, para ser candidato ao Senado pelo partido.

ASSUNTO PARA 202

MAS, este é um assunto que o senador Sérgio Petecão (PSD) deixou para bater o martelo dentro do seu grupo, nas discussões de 2022. Até lá, o PSD não toca no assunto vice e senador, na chapa do Petecão para governador.

JUSTIÇA DERRUBARIA

O VETO parcial do governador Gladson ao projeto aprovado na ALEAC, para contratar médicos formados no exterior, tem sentido jurídico. Por diversas vezes a justiça federal derrubou contratações de médicos sem CRM.

SERÁ JUDICIALIZADO

O BLOG tem a informação de que, mesmo que o governador Gladson sancione o projeto na parte central, que autoriza a contratação de médicos formados no exterior com passagem em programas do governo federal, ainda assim o CRM vai para a justiça contestar.

DEPENDE DELA

PERGUNTEI ontem a um Cardeal expressivo do MDB, se o partido encamparia a opção da deputada federal Jéssica Sales (MDB), de vice na chapa do governador Gladson Cameli. Resposta pragmática. “Depende dela, se quiser, o partido estará fechado com ela”, pontuou ao BLOG.

PANOS PARA MANGAS

A QUESTÃO da escolha do vice e do candidato a senador   dará muito pano para as mangas ao Gladson, até resolver. Não haverá solução que não passe por nenhum dos postulantes às duas indicações, de não sair magoado.

DISPUTA SEM FAVORITO

A DISPUTA entre o Gladson Cameli e o Sérgio Petecão, para o governo, não tem amplo favorito. Estar no poder, não é decisivo numa candidatura majoritária. O Gladson era oposição e derrotou o Marcus Alexandre, o candidato do governo do PT. A Socorro Neri, apoiada pelo governo, e no cargo de prefeita, não conseguiu novo mandato. Eleição majoritária costuma se decidir na empatia dos candidatos com o povão. E, com um dado: o Gladson e o Petecão, se mexem bem no contato corpo a corpo.

CONTINUA TUCANA

A DEPUTADA FEDERAL Mara Rocha (PSDB) continua filiada ao partido, e nada impede de mais na frente se recompor com a direção nacional, e continuar na sigla. Em política, o impossível de hoje, é o possível amanhã.

DESFALQUE NA LEGENDA

A DEPUTADA Meire Serafim (MDB) causará uma lacuna na legenda do MDB, a se confirmar a saída do partido. Foi a mais votada parlamentar na última eleição à ALEAC.

ANCORADO EM PAU QUE DÁ SOMBRA

O PREFEITO Mazinho Serafim, que deve deixar o MDB e ser candidato a deputado federal pelo PSD, terá o apoio certo de dois prefeitos: Tanízio de Sá (Manuel Urbano), e Tamir de Sá (Santa Rosa). E pode ter ao seu lado, o prefeito Olavinho, de Acrelândia.

FRASE MARCANTE

“O dinheiro só se torna útil quando você se livra dele.” (Evelyn Waugh).

Continuar lendo

Blog do Crica

Pequenos partidos querem deputados fora

Publicado

em

UM FATO político que está mexendo com os deputados estaduais, é a decisão dos partidos pelos quais foram eleitos, de pedir para que deixem suas siglas, porque não terão legenda para disputar a reeleição. É que, como forma de atrair candidatos para formar uma chapa completa para a ALEAC, já que estão vetadas as coligações proporcionais, não querem ninguém de mandato em suas chapas. 

O REPUBLICANOS já avisou ao deputado André da Farmácia (REPUBLICANOS), que não terá vaga no partido para buscar a reeleição e que, deve sair. O mesmo aconteceu com o PTB, que deu o mesmo tipo de aviso para o deputado Marcos Cavalcante (PTB). 

O deputado Pedro Longo (PV), se antecipou e estuda convites para se candidatar por outros partidos. O deputado Wendy Lima (PSL) deve se abrigar no PP. O PSD do senador Sérgio Petecão é outro que fechou a porta para a entrada de deputados na sua chapa para a ALEAC. 

O quadro que se vislumbra é de que os deputados que estão sendo intimados a deixar os seus partidos, se juntem todos numa mesma chapa, para procurar se salvar. O PP e o PDT são os partidos mais visados.

PONTOS A CONSIDERAR

NINGUÉM é imune, nem pode ser, seja grande ou micro o produtor, a sofrer uma fiscalização pelo MAPA e IDAF. A lei é igual para todos. O que pode ser contestado é o aparato com o Exército nas ações realizadas. E, somente.

NOME NO JOGO

DAVID HALL, pelo CIDADANIA, será mais um candidato a governador, na eleição do próximo ano. Vai se somar às candidaturas do Gladson, Petecão, e do Jenilson Leite.

O RESTO É COM O ELEITOR

O PSL conseguiu montar uma chapa com doze nomes para deputado federal. Quase todos passaram pelas urnas sem sucesso. Cada eleição é uma eleição. Mas, o PSL conseguiu um feito pelo qual os partidos grandes lutam para montar a sua chapa para Federal. O resto é com o eleitor.

SERIA JOGAR FOLHA

O GOVERNADOR Gladson está conseguindo fazer bem a travessia da pandemia. Pelo menos, não foi omisso nas ações de combate ao Covid. Querer imitar o Bolsonaro, abolindo o uso de máscaras, será toldar este trabalho.

PROCURAR OUTRO TERREIRO

O DEPUTADO Marcos Cavalcante (PTB) foi convidado pela direção do PTB a procurar outra sigla para disputar a reeleição. O PTB não vai aceitar nenhum parlamentar na sua chapa que vai disputar vagas na ALEAC.

LADO NA POLÍTICA

O LEITOR tem o direito de gostar ou não do trabalho político do ex-senador Jorge Viana (PT) e do senador Márcio Bittar (MDB). Mas ambos têm algo em comum e positivo na política: ter lado e defender suas convicções.

GRANDE INTERROGAÇÃO

O Gladson dá como certo ter os prefeitos Isaac Lima (PT), Fernanda Hassem (PT) e Jerry (PT), no seu palanque, na eleição do próximo ano. O deputado Leo de Brito (PT) nega a debandada, e diz ser balela. Aguardar 2022.

CALADO POR RESPOSTA

ATÉ O MOMENTO, os prefeitos petistas acima citados, não se pronunciaram a respeito da especulação.

BEM ANCORADO

O SECRETÁRIO do Meio Ambiente, Israel Milani, vai para a disputa de deputado federal ancorado numa chapa com apoio de vários prefeitos, e da candidatura da mãe ao Senado, deputada federal Vanda Milani (PROS). Não deve entrar para fazer número, mas para disputar com chance.

ALIANÇA AMPLA

PTB-REPUBLICANOS-PROS-PSL-MDB-SOLIDARIEDADE e PP, devem compor a aliança que vai apoiar o governador Gladson na sua campanha de reeleição, no próximo ano.

CENÁRIO PROVÁVEL

A OPOSIÇÃO não vai pôr nas reuniões que vão se seguir este ano, no debate sobre a eleição de 2022, os nomes para governador, vice e senador. Mas, não deve fugir do provável cenário: Jenilson Leite (PSB) governador, e Jorge Viana (PT) para o Senado. Não vejo outra luz no túnel.

HENRIQUE AFONSO

É, o nome mais falado para disputar a eleição de 2022 para deputado federal, pelo grupo que elegeu o prefeito Zequinha a prefeito de Cruzeiro do Sul.

NICHOS DIFERENTES

A PRINCIPAL disputa para deputado federal no Juruá vai se dar entre o nome a ser apoiado pelo deputado Nicolau Junior (PP) e prefeito Zequinha (PP), e o grupo do ex-prefeito Vagner Sales, com a deputada federal Jéssica Sales (MDB). Ambos possuem nichos eleitorais distintos.

NÃO É INGÊNUO

O Gladson pode até acenar para ter o apoio do prefeito Tião Bocalom à sua reeleição. Mas, não é ingênuo: sabe que o Bocalom vai em 2022 de Sérgio Petecão (PSD).

BARRA PESADA

TENHO ouvido de vários dirigentes políticos que está sendo uma barra montar chapas próprias completas para a Câmara Federal e ALEAC. Principalmente, achar mulheres candidatas para fechar a cota fixada em lei.

GANHOU A POPULAÇÃO

POSITIVA, a luta do vereador Emerson Jarude (MDB), para que a prefeitura ampliasse o volume de vacinação, que estava a passos lentos. E, a secretária municipal de Saúde, ao acatar a proposta, fugiu do sectarismo do debate inócuo, montando um mutirão de imunização, para sábado e domingo. Ganhou o povo e a saúde pública.

PODE PEDIR VOTOS

TENHO ACOMPANHADO o trabalho do deputado federal Alan Rick (DEM), é pelo que se tem lido de suas ações, faz o segundo mandato tão ativo quanto o primeiro. O que o credencia a pedir votos, para a reeleição ou Senado.

CAMINHO TRAÇADO

O PREFEITO DE SENA MADUREIRA, Mazinho Serafim, deve mesmo deixar o MDB para ser candidato a deputado federal pelo PSD. O mesmo deve acontecer com a sua mulher, deputada Meire Serafim (MDB), indo para o PSD.

ELEIÇÃO DOS EXTREMOS

EXTREMA esquerda com o Lula (PT), e extrema direita com o Bolsonaro. Não há ainda nenhum sinal que, um nome alternativo ao presidente, quebrará a polarização.

BESTENE CALADO

O SILÊNCIO do deputado José Bestene (PP), um nome influente dentro do PP, sobre a eleição do próximo ano, faz sentido. Experiente, sabe que a decisão de fato sobre as composições majoritárias, só acontecerá em 2022.

MUITO ATUANTES

NESTES primeiros seis meses de mandato pode-se destacar como tendo boa atuação na Câmara Municipal de Rio Branco, os vereadores Emerson Jarude (MDB), Michele Melo (PDT), Arnaldo Barros (PODEMOS), Adailton Cruz (PSB) e Fábio Araújo (PDT). Todos eles, ativos.

CANDIDATURA SOLO

PELO QUE TENHO ACOMPANHADO, só por um ponto fora da curva, o grupo da oposição, principalmente, o PT, não deve abrir mão da candidatura do Jorge Viana (PT) a senador, para apoiar Sanderson Moura (PSOL). Pelo visto, o preparado Sanderson, terá de sair em carreira solo.

QUANDO MARÇO CHEGAR

QUANDO março de 2022 chegar, que é o mês para as desincompatibilizações de cargos de confiança, se terá uma noção de quem fica ou deixa o governo para ser candidato. O quadro só ficará claro completamente, quando abrir a janela eleitoral para troca de partidos.

FRASE MARCANTE

“O início de um hábito é como um fio invisível, mas a cada vez que o repetimos, o ato reforça o fio”. (Sweet Marden).

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2020 ac24Horas.com - Todos os direitos reservados.