Conecte-se agora

Em entrevista com Crica, Gladson diz que sabe que assumirá Estado quebrado

Publicado

em

Tivemos ontem uma conversa aberta com o futuro governador Gladson Cameli (foto), sem perguntas planejadas e tampouco combinadas ou feitas para lhe agradar. Falamos sobre a escolha do secretariado, as condições em que está pegando o Estado, mídia, tratamento com a imprensa, quais as primeiras medidas que tomará assim que assumir o governo e o que pensa para desenvolver o Acre e loteamento de cargos do Estado. Vamos ao jogo aberto:

LUIS CARLOS- O governador Sebastião Viana está promovendo nos últimos dias a venda de prédios, terrenos, silos de armazenagem de grãos e outros bens do patrimônio estadual. Como é que você vê esta queima de estoque e como vai receber o Estado? Não teme um Estado quebrado?

GLADSON CAMELI- Temo por isso. Sei que vou pegar um Estado quebrado. Essa questão de estar vendendo tudo, eu vou mandar fazer uma consulta jurídica quando assumir, para saber se foi feito dentro da legalidade. A partir de janeiro, quando tiver um balanço do estado real eu vou convocar a imprensa, os poderes e vou mostrar ao povo como estou recebendo o governo. Vou cumprir tudo o que prometi na campanha. Disso eu não abro mão. Não posso esconder nada da população.

LUIS CARLOS – Você tem falado muito em reforma administrativa. Haverá reações dos partidos que esperam cargos no seu governo. A reforma vai mesmo acontecer?

GLADSON CAMELI- No dia 2 de janeiro já devo enviar o projeto de reforma administrativa. Na situação em que está hoje o Estado eu não posso esperar. Por isso estou pedindo o apoio do Tribunal de Contas do Estado, Ministério Público, Poder Judiciário para fazer as mudanças que o Acre precisa. Se não houver a reforma, no último ano terá que se fechar o Estado. Só de Previdência a partir de janeiro o deficit já deverá ser em torno de 40 milhões de reais. Temos que enxugar este Estado, acabar com o empreguismo.

LUIS CARLOS-Como é que será o tratamento da mídia no seu governo?

GLADSON CAMELI-A Companhia de Selva não continuará à frente do comando da mídia. A possibilidade disso é zero. A responsabilidade é minha. O nosso tratamento não será igual ao do governo atual. Será de respeito à liberdade de expressão. Quero ser fiscalizado.

LUIS CARLOS- Fala-se muito em nomes para secretários, o que há de verdade nas divulgações?

GLADSON CAMELI – Estou com os pés no chão. Estou escutando muita gente falando por mim, reclamando, mas não tem de reclamar de nada, eu não assumi ainda o governo e preciso governar com pessoas que me ajudem administrar. Quem escolhe secretário sou eu. Não vou governar para atender pedido de emprego. Nem privilegiar partido.  Estou pedindo aos partidos que me indiquem sugestões de nomes com qualidade. Temos de colocar a máquina estatal para funcionar com qualidade. Não poso ficar chorando pelo leite derramado. Não vou lotear o Estado. Tenho que melhorar, por exemplo, a Saúde. Secretário meu terá de três ou quatro meses para mostrar trabalho ou terá que sair. Não é só ganhar a eleição, tem que governar bem.

LUIS CARLOS- quem é seu candidato á presidência da ALEAC?

GLADSON CAMELI- Não tenho candidato. Mandei que o meu partido se reúna, escolha um nome de consenso para ser candidato, porque não quero me meter nisso, para não desagradar ninguém. Outros partidos aliados também têm candidatos e quero que se resolvam. Tem deputado ligado ao atual governo querendo ser candidato a presidente, mas não será com nosso apoio, no poder nunca abriram esta possibilidade para a oposição, por qual razão vamos abrir agora?

LUIS CARLOS- Hoje tem mulher de deputado, marido de deputada, filho de deputado, políticos que perderam a eleição em altos cargos no Estado. Isso continua?   

GLADSON CAMELI – Isso não vai continuar. Não vou lotear nada. Os partidos que me apoiaram sabem disso. A máquina tem de funcionar reduzida e sem empreguismo. Preciso manter a máquina funcionando com qualidade. Não é só ganhar, tem de mostrar trabalho para justificar os votos.

LUIS CARLOS- Qual a sua real relação com o vice Major Rocha?

GLADSON CAMELI- A relação com meu vice é muito boa. Ele vai cuidar da Segurança, um compromisso de campanha.

LUIS CARLOS- Se comenta que o Conselheiro do TCE, Antonio Malheiros, será o seu secretário de Finanças, isso está confirmado?

GLADSON CAMELI- Não, neste primeiro momento. O Malheiros é uma pessoa pela qual tenho o maior respeito. Tenho como se fosse meu tio. Me aconselho muito com ele. Neste primeiro momento fica no TCE. Mas no dia que sair do TCE, não vou pensar duas vezes para trazê-lo para a equipe de secretários.

LUIS CARLOS- Vamos ter eleições para o SEBRAE. Você vai conversar com os empresários sobre uma nova composição?

GLADSON CAMELI- Vou conversar com os empresários. Não vai ficar como está, não pode ser cabide de emprego. Eu quero abrir o Estado para o Agronegócio. Já tem muita gente lá fora querendo comprar terras no Acre. As Federações, o SEBRAE ,têm que me ajudar a desenvolver o Acre tecnicamente. Não quero cargo para parente meu. No meu secretariado não terá parente de primeiro grau. Este governo tem de dar certo. O que quero é fazer um bom governo. Estou trazendo o Ministro Jugman dia 5 ao Acre para discutir a formação do Batalhão de Fronteira, uma proposta de campanha. Estou mandando levantar todos os convênios da Saúde em aberto e os que podem continuar. Este 1,3 Bilhão anunciado pelo governador, ao que sei é de empréstimos e convênios e não sei se teremos contrapartida financeira para a sua aplicação.

LUIS CARLOS- De quem será a última palavra?

GLADSON CAMELI- Está muita gente enganada, pelo fato de escutar, quem vai dar a última palavra serei eu. A responsabilidade será minha do que acontecer no governo. O governo tem de funcionar com o tamanho reduzido. Não pode haver desperdício. Para que uma sede do DETRAN do tamanho que é a de Cruzeiro do Sul? Quem é que manda hoje na Saúde? Ninguém sabe. Tem de ter um secretário forte na pasta, acabar com um monte de subsecretarias. Vamos mudar.

LUIS CARLOS- Como será no seu governo a Peixe da Amazônia?

GLADSON CAMELI- Não só a Peixe da Amazônia, mas outros empreendimentos em que o Estado tem participação, todos irão para a iniciativa privada. O Estado tem de ser enxuto.

LUIS CARLOS- Para fechar, adiante algum nome que poderá ocupar cargo no seu primeiro escalão. Já tem?

GLADSON CAMELI- José Ribarmar para o Gabinete Civil e a Silvânia Pinheiro para a Imprensa.

UMA CARTA DE BOAS INTENÇÕES
Esta entrevista com o futuro governador Gladson Cameli foi uma espécie de “Carta Aberta de Boas Intenções”. Está tocando no calcanhar de Aquiles de uma administração ao prometer que não vai lotear o Estado para abrigar afilhado de políticos, indicados sem qualificação técnica, enfim, não continuar com o governo funcionando como um aparelho ideológico de um partido. Vai pelo caminho certo ao dizer que, o seu secretariado será técnico e que, o que não apresentar resultados em três meses será sacado do cargo. O que se espera é que o governador Gladson Cameli cumpra tudo o que está prometendo. Só em diminuir o tamanho da máquina estatal, acabar com o empreguismo, já estará dando um passo largo para ter credibilidade. E na parte que me toca, estarei neste espaço para fazer as cobranças necessárias. Jamais será um espaço para dizer amém e sim senhor. Até porque o bajulador não ajuda, um governante tem de ter a crítica como fundamental. E que venha a nova gestão.

Blog do Crica

Bestene: “Mailza é a candidata natural”

Publicado

em

O DEPUTADO José Bestene, um dos principais dirigentes do PP, defendeu ontem em conversa com o BLOG de que não deve haver pressa sobre a escolha do nome que disputará o Senado na chapa do governador Gladson Cameli. 

O deputado entende ser este um processo que precisa amadurecer entre os aliados. “Temos que esperar até abril do próximo ano, quando todas as acomodações políticas terão acontecido; se saber para que partido vai o presidente Bolsonaro, para então se falar em candidatura ao Senado, não pode ser um movimento prematuro”, destacou Bestene. 

Para o parlamentar do PP, a senadora Mailza Gomes (PP) é a candidata natural para ocupar a chapa do governador Gladson na vaga para o Senado, porque já está no mandato e tem sido fiel ao projeto do governo. E, segundo ele, ela tem procurado se viabilizar. 

Lembra que o prefeito Tião Bocalom (PP) começou mal nas pesquisas, e acabou eleito. Bestene prevê um PP mais forte ainda a partir de abril de 2022, com uma chapa com vários deputados, que poderá redundar numa eleição de seis a sete parlamentares estaduais. Projeta o PP como o maior partido para a disputa eleitoral do próximo ano.

PESQUISA VAI DEFINIR

PARA os aliados do deputado federal Alan Rick (DEM), o que decidirá quem será o candidato a senador da chapa do União Brasil, partido que surgirá da fusão DEM-PSL, será o resultado de pesquisa eleitoral. Alan é candidato ao Senado. Não se sabe quem presidirá a sigla no Acre.

 NÃO HOUVE IMPOSIÇÃO

 O vice-governador Rocha disse ontem ao BLOG que o seu nome não foi imposto para companheiro de chapa do governador Gladson. “Ele foi quem me convidou, depois de muita indecisão e desgaste, porque as pesquisas apontavam que eu ajudaria na chapa. Eu já estava com tudo encaminhado para disputar a reeleição”, revelou ao BLOG. “Não houve imposição partidária”, acrescentou.

GUINADA NO QUADRO

O QUADRO político atual no estado, não será o mesmo em 2022. Por exemplo, se o Bolsonaro for para o PL; como já é anunciado, encontrará lá a deputada federal Mara Rocha (se filiará ao PL), uma extremista de direita e bolsonarista convicta, como candidata ao governo. Como é que ficará o jogo para governador? Vai rifá-la? 

FICA NO PSL

O vice-governador Major Rocha voltou a aventar ontem a possibilidade de disputar um mandato de deputado federal pelo União Brasil, partido que sairá da fusão DEM-PSL. Sua conversa será com o presidente Luciano Bivar.

PARA QUEM NÃO SABE

 O BLOG tem informação precisa de que todas as lives, entrevistas de dirigentes do PSL; de políticos que querem se filiar ao União Brasil, fazendo a defesa do presidente Bolsonaro foram encaminhadas ao presidente da nova sigla, Luciano Bivar, que é um anti-bolsonarista. Na política, funciona a todo vapor a guerra de bastidores.

ÚNICA GARANTIA

O SENADOR Márcio Bittar ligou ontem para dizer que, a única garantia que tem do presidente Bolsonaro, é a de que a Márcia Bittar será a sua candidata a senadora. Quanto quem Bolsonaro apoiará a governador no estado, não tem esta garantia. E, é assunto para discussão futura.

QUANDO DEZEMBRO CHEGAR

SOBRE a escolha do candidato ao Senado na chapa do governador Gladson, Bittar se posicionou que espera que, este anúncio por parte do governador seja feito até o fim de dezembro. Enfatizou que não ficará com a candidatura da Márcia Bittar paralisada além desta data, não havendo motivo para isso ser empurrado até 2022.

ONDA DE EMISSÁRIOS

O SENADOR Sérgio Petecão (PSD) tem sido procurado por uma onda de emissários petistas buscando uma aliança com o PT. Tem escutado e não dado encaminhamento.

PEDIDO DE CONVERSA

TAMBÉM recebeu um pedido de conversa do deputado Jenilson Leite (PSB); como ele, candidato a governador.

NEM PARA GANHAR O CÉU

A ex-deputada Leila Galvão não quer nem ouvir falar de uma volta ao PT ou de apoiar o seu candidato majoritário. Não esqueceu ter sido fritada pelo antigo partido, quando disputou a reeleição. Apoiará Márcia Bittar ao Senado.

ADEUS, PETECÃO!

O senador Sérgio Petecão (PSD) fez a maior força para ter o ex-deputado Henrique Afonso de vice na chapa do Zequinha para prefeito de Cruzeiro do Sul. Foi eleito, e agora está dando um tuba no Petecão, indo para o PP, disputar um mandato de deputado federal. É a política.

 DEVE ESTAR RINDO

QUEM deve estar rindo nesta altura do campeonato, é o ex-prefeito Vagner Sales, já que o Sérgio Petecão não quis apoiar o seu filho Fagner Sales (MDB) a prefeito de CZS.

CAMINHO NATURAL

TUDO aponta no sentido de que o PT deverá indicar o vice na chapa do deputado Jenilson leite (PSB) ao governo. Precisa de um palanque para a candidatura do Jorge Viana ao Senado, na eleição do próximo ano.

NOMES DE DESTAQUE

TRÊS nomes de destaque na atual bancada da Câmara Municipal de Rio Branco, deverão disputar vagas na ALEAC. Emerson Jarude (MDB), e Michelle Melo (PDT), e Lene Petecão (PSD).

JÁ DIZIA O FILÓSOFO

A ATUAL COMPOSIÇÃO do quadro partidário no estado para as disputas do Senado e do Governo, poderá sofrer modificação profunda, se as pedras no tabuleiro forem mal mexidas. Como dizia o saudoso filósofo do Abunã, Rapirã e cercanias, o saudoso ex-deputado Luiz Pereira: “a política é dinâmica”.

TESE NA MESA

HÁ quem defenda dentro do bloco político palaciano que o governador Gladson diga que apoiará todos os candidatos a senador do seu grupo, evitando assim de se queimar escolhendo um só nome. Tese difícil de vingar.

SE VIRANDO NOS TRINTA

DIRIGENTES partidários estão se virando nos trinta atrás de mulheres para completar chapas a deputado federal. Como só poderão ser lançados nove candidatos, a cota feminina tem de ser preenchida com nomes de votos.

FRASE MARCANTE

“De mordomia só não gosta quem nunca usufruiu.”  Frase do sarcástico e saudoso ex-deputado Hermelindo Brasileiro (PDS).

Continuar lendo

Blog do Crica

Alguém sabe como vai terminar essa “bagaça”?

Publicado

em

NÃO ME PERGUNTEM, como é que vai terminar essa bagaça da escolha do candidato ao Senado na chapa do governador Gladson Cameli, que não saberei informar. São cinco bocas para uma única colher de pirão. 

Ontem (19) o deputado Gerlen Diniz (PP) colocou mais gasolina no fogo, ao defender que, a candidata ao Senado do grupo palaciano deve ser a senadora Mailza Gomes (PP), que até o momento não tem mostrado nenhum sinal de desistência de tentar um novo mandato, pelo contrário, se encontra em campanha aberta. Isso, mostra ela ter o apoio da base regional do partido para a sua empreitada. 

Como também da direção nacional. Some-se a este cenário a declaração da cúpula nacional do PP, que mesmo que venha para o partido, não caberá ao presidente Jair Bolsonaro; mas sim aos diretórios dos estados, a escolha dos nomes para senador. 

Tudo isso leva a uma única conclusão: a senadora Mailza Gomes (PP) só não disputará um novo mandato se não quiser, ou se conseguirem convencê-la a retirar a candidatura. É um belo de um abacaxi para o Gladson descascar. A Mailza só não será candidata ao Senado se ela não quiser. Não tem outro cenário.

BRINCANDO DE EMPRÉSTIMO

A revelação do secretário da Fazenda, Rômulo Grandidier, de que os empréstimos autorizados pela ALEAC não avançaram devido à taxa de juros elevada, deixa uma única interpretação: brincaram de fazer empréstimos. Se faz todo um debate na ALEAC para a contratação desses empréstimos, e os valores acabaram não sendo usados? É ou não é brincadeira de caba-cega, secretário? Quem é que garante que este novo empréstimo de 41 milhões da FONPLATA será usado? Depois da revelação, é de duvidar.

TERÁ QUE SER GUINCHADO

FALANDO no secretário da Fazenda, Rômulo Grandidier, ele pôs o seu nome à disposição do PP e do Gladson para ser candidato a deputado federal. Sem base política, para ser eleger, ele terá de ser puxado guinchado pela máquina governamental. Quer ser o candidato do PP, no Juruá.

DAVA-SE UM JEITO

NA ENTREVISTA de ontem ao ac24horas, o deputado Gerlen Diniz, revelou ser mais um dos arrependidos na tripulação da nau que votou no Bolsonaro, e que não vota mais. Na verdade, o Bolsonaro foi uma decepção geral.

BAGAGEM DA EXPERIÊNCIA

PARA QUEM já foi deputado federal, dirigente partidário, secretário de estado, o Osmir Lima pode somar muito em experiência no PSDB na articulação política, partido onde acabou de se filiar. Terá uma missão difícil: formar chapa.

PARADO NO REDEMOINHO

O PSDB é hoje um partido parado no redemoinho. Não conseguiu até o momento ter nem um esboço de nomes para compor chapas completas para deputado estadual e deputado federal. Candidato não cai do céu, Correinha!

NÃO É ESSA COCA-COLA!

DE TANTO FALAREM, fui dar uma olhada ontem nos nomes da chapa de deputado federal do PSL. Estão avaliando para cima, não é essa Coca-Cola que falam.

FICOU MAIS COMPLICADO

COM a nova legislação ficou mais complicado montar chapas de candidatos a deputado federal. Só poderão ser lançados nove nomes. E, um pelo outro, vão ter que ter cada um a média de mais de 6 mil votos, para chegar ao quociente, que deve ser em torno de 57 mil votos, para eleger um federal. E, mais difícil ainda é arrumar boas candidatas para cobrir a cota feminina obrigatória.

PACOTE FECHADO

NUMA CONVERSA ontem com o senador Márcio Bittar foi fechado o pacote de uma dobradinha política em Brasiléia, pela qual o ex-vereador Joelson Pontes deve ser candidato a Federal e a Leila Galvão a deputada estadual.

DILEMA DE BONS CANDIDATOS

O PSD do senador Sérgio Petecão tem uma chapa fortíssima para deputado estadual, com nomes qualificados e de votos. Longe de ser solução, virou um problema: a nova lei eleitoral só permite lançar 25 candidatos à ALEAC, e na chapa tem mais de trinta nomes. A foice terá que cortar cabeças.

NÃO TEM PESO

UM NOME PARA vice-governador não precisa ter peso político. Nem ser indicação de um partido. Tem de ter a confiança extrema do candidato a governador. O eleitor não vota no vice, mas em quem disputa o governo.  

LEMBRANDO O BINHO

UM EXEMPLO é o Binho Marques. É um técnico que não gosta de política partidária tradicional, foi colocado na chapa do Jorge Viana como vice, e o JV se elegeu folgado.

PLANO B

PARECE que o PCdoB terá de colocar em prática o seu Plano B, de montar chapas próprias para estadual e federal. Não conseguiu até aqui formar uma federação com outros partidos. Todo político quer ser protagonista.

UMA CORREÇÃO

Se um governador se afastar para disputar o Senado, o seu vice assumirá apenas por 9 meses. A observação é do tarimbado político do Juruá, Romário Tavares. Registro.

TODOS OS CAMINHOS LEVAM Á ROMA

NOVA pesquisa, e o Lula disparado, com folga na intenção de votos sobre Bolsonaro. Lula tem 43% e Bolsonaro 24%. A surpresa na nova pesquisa do instituto Genial-Quaest é o apresentador Datena em terceiro, com 11%. Ciro Gomes ficou com 10%. E, não venham com teoria da conspiração contra o Bolsonaro, ele perde em todas as pesquisas feitas até aqui, pelos mais variados institutos.

FRASE MARCANTE

“Os mais fortes de todos os guerreiros são estes dois: tempo e paciência”. Leon Tolstói.

Continuar lendo

Blog do Crica

Ao velho Boca o que é do velho Boca

Publicado

em

O PREFEITO TIÃO BOCALOM tem sido muito criticado pela sua forma centralizadora de administrar a capital, com uma visão atrasada de quando foi prefeito de Acrelândia, há três décadas; época em que, o município tinha meia dúzia de ruas. Mas, quando acerta, não se pode deixar de lhe outorgar os méritos. 

Todos os prefeitos que passaram pela prefeitura de Rio Branco não conseguiram baixar o preço das passagens de ônibus, pelo contrário, sempre fizeram coro com os empresários, sancionando um reajuste do bilhete atrás do outro. E, o usuário do transporte coletivo pagando o pato dos aumentos.

 Numa cidade onde é grande o índice de desempregados, baixar em 50 centavos o preço da passagem, é um avanço considerável. Não interessa de onde saiu o custeio, mas sim que o benefício foi coletivo. Para quem usa este tipo de transporte duas vezes por dia, é uma economia diária de 1 real. Multipliquem isso por 12 meses e teremos uma economia razoável no bolso da população de baixa renda. 

Tem que atacar agora a questão do serviço de péssima qualidade prestado pelas empresas de ônibus. Mas, isso é outro passo. O certo é que, o prefeito quebrou a castanha dos que lhe atacaram na campanha, lhe chamando de mentiroso, quando fez a promessa de reduzir o valor das passagens. Então, ao velho Boca o que é do velho Boca. 

SEM NENHUM SENTIDO

O PREFEITO Bocalom é um declarado negacionista do ambientalismo, por isso, não tem sentido participar da conferência do clima na Noruega, a COP 26, onde líderes mundiais discutirão o combate às mudanças climáticas. Pelo Bocalon, a Amazônia estaria hoje toda pavimentada de lajotas. A viagem vai trazer o que de benefício para a sua gestão? Isso é coisa do secretário Normando Sales!

NENHUM SINAL

A SENADORA MAILZA GOMES (PP) não dá nenhum sinal de que vai recuar na sua intenção de buscar mais um mandato, em 2022. Colocou um batalhão de pessoas nos bairros distribuindo panfletos contendo informações sobre seu mandato, espécie de prestação de contas.

A MAILZA É TINHOSA

A SENADORA MAILZA GOMES (PP) é tinhosa. Segurou todas as pressões do governador Gladson e manteve o seu apoio à candidatura do prefeito Tião Bocalom à PMRB. E, agora a candidata é ela, mais um motivo para manter.

FARINHA APARTADA

OS HASSEM, para variar, vão entrar divididos na eleição. Os ex-prefeitos Luiz Hassem e André Hassem, pai e filho, não apoiarão candidatos da família a deputado estadual, mas a reeleição do deputado Nicolau Júnior (PP).

VISÃO MAIS CLARA

VÁRIAS pesquisas de institutos diferentes estão programadas para serem realizadas e fechadas, no mês de novembro. Poderemos ter uma nova visão de como é que estão na opinião pública os candidatos ao Senado.

IMBATÍVEL NO JURUÁ

A DEPUTADA FEDERAL Jéssica Sales (MDB) aparece como imbatível ao Senado em recentes pesquisas no Juruá, notadamente, nos municípios no entorno de Cruzeiro do Sul. Se não sair ao Senado, terá uma reeleição segura.

ANIMADO

FALANDO em pesquisas no Juruá, o senador Sérgio Petecão (PSD) se mostra animado com resultados positivos, em três dos seus municípios. Quer reduzir a vantagem do governador Gladson na região, para trazer a decisão da disputa do governo para seu terreiro, a capital.

QUESTÃO DE TEMPO

A DECISÃO já está tomada, o Jorge Viana (PT) vai mesmo disputar a única vaga do Senado; não ter feito o anúncio até aqui é apenas uma estratégia para não antecipar a campanha, deixando a declaração para o início de 2022.

SOBRE PESQUISA

LEITOR manda um comentário sobre pesquisa, que transcrevo: “Pesquisa é como nota de 500 reais. O Bocalom aparecia na rabada na eleição de governador, e perdeu por uma mixaria de votos. O Bocalom aparecia na rabeira das pesquisas para prefeito, e ganhou a eleição. A melhor pesquisa é a das urnas”. Feito o registro.

UMA BELA MEXIDA

COM A ABERTURA da janela partidária para a troca de filiações, o quadro político para deputado federal, deputado estadual, deve dar uma bela mexida no estado.

CANDIDATURA MANTIDA

O DEPUTADO FEDERAL Alan Rick (DEM), que cumpre um mandato propositivo, continua com dois focos: presidir o partido que sair da fusão DEM-PSL; e, viabilizar sua candidatura ao Senado. Uma aspiração depende da outra.

CHEIO DE ZÉ PAGAMELA

A DISPUTA nos bastidores para saber quem será o vice do governador Gladson Cameli, mira 2026. Os postulantes acreditam que, o Gladson se reelege; se afastará no tempo certo para ser candidato ao Senado, e o vice será governador por um ano e oito meses. Está cheio de Zé Pagamela, de olho na boutique palaciana.

DEBANDADA NO PSL

ARTICULISTAS políticos da grande imprensa estão prevendo uma debandada de deputados bolsonaristas do PSL, para se filiarem ao partido que o presidente Bolsonaro escolher. A fusão PSL-DEM terá candidato próprio para a presidência.

TUDO PASSA PELA ELEIÇÃO PRESIDENCIAL

CASO se confirmem as pesquisas e o Lula ganhe a eleição de presidente, o próximo governador do estado que defender o Bolsonaro na campanha vai comer da banda podre para liberar recursos. É assim que o jogo é jogado.

REDUTOS FECHADOS

TODAS as pesquisas que vi até o momento sobre a preferência para governador em Feijó e Tarauacá, quem aparece liderando é o deputado Jenilson Leite (PSB). Normal, são seus redutos eleitorais fechados.

SINAL DE ALAGAÇÃO

A METEREOLOGIA mostra que tem chovido mais que o normal em outubro, o que pode ser prenúncio de alagação no pique do inverno. Péssimo para os prefeitos e os que moram em áreas alagadiças.

FRASE MARCANTE

“Os políticos não conhecem nem o ódio e nem o amor. São conduzidos pelo interesse e não pelo sentimento”. Philip Chesterfield.

 

Continuar lendo

Blog do Crica

Salada de alho com bugalho

Publicado

em

NA POLÍTICA, quem fica pulando de galho em galho acaba por se espatifar no chão. Existem situações que não dão para contemporizar. Por exemplo, no Acre, o presidente do PSDB, Manoel Pedro, o Correinha, e os dois deputados estaduais tucanos; integram o grupo bolsonarista comandado pelo senador Márcio Bittar, que vai coordenar no estado a campanha à reeleição do presidente Jair Bolsonaro. Em São Paulo, estes tucanos fizeram coro com o slogan: “O Acre é Dória”. Dória será candidato a presidente pelo PSDB. Afinal, quando os tucanos acreanos de alta plumagem falam a verdade: aqui, ou em São Paulo? São Bolsonaro ou Dória? Ou é um ou é outro. O mesmo acontece com o PDT. Seu principal dirigente no estado, o bem articulado deputado Luiz Tchê (PDT), foi citado esta semana como integrante do bloco bolsonarista do senador Márcio Bittar, que tem como candidata ao Senado a bolsonarista de carteirinha Márcia Bittar. Só que, o PDT tem como candidato a presidente o Ciro Gomes (PDT); um adversário ferrenho do Bolsonaro. Esta é uma equação ideológica que não bate. Os principais dirigentes nacionais da fusão PSL-DEM, ACM Neto e Luciano Bivar, já declararam que o partido que sair da fusão não apoiará a reeleição do Bolsonaro. A fusão no estado ou será comandada pelo senador Márcio Bittar ou pelo deputado federal Alan Rick. Vão apoiar o Bolsonaro ou o candidato a ser lançado por esta fusão? Diz a lei da Física que, dois corpos não cabem no mesmo espaço. Como vai terminar esta bagaça? É a pergunta que fica.

POUCOS SABEM
COSTUMO DIZER que, as paredes têm ouvidos. Dias antes da última reunião do Gladson Cameli com os dirigentes dos 10 partidos que apoiarão a sua reeleição, o mesmo fez um convite formal e oficial para a Márcia Bittar ser a vice da sua chapa. Márcia agradeceu gentilmente, e disse que o seu foco único para 2022 é disputar o Senado.

ESTAVA MORTA A COBRA
TIVESSE a Márcia Bittar aceitado o convite, a questão da escolha do candidato ao Senado do grupo do Gladson estaria hoje solucionada; e, esta cobra estaria morta.

ERA QUESTÃO DE TEMPO
QUEM ACOMPANHA este BLOG lembra que por diversas vezes comentei que, por ter menos prestígio no MDB que o vigia do prédio do diretório regional o senador Márcio Bittar deixaria o partido. E, acertei. Além deste fato, o presidente do MDB, deputado federal Flaviano Melo, nunca teve a mínima simpatia pelo Bittar, pelo contrário. Tanto é que impediu o MDB de entrar no grupo de partidos que estão sob a órbita do Márcio. É uma briga bem antiga. E, cujas feridas nunca foram saradas.

UNIÃO NATURAL
NUM EVENTUAL lógico segundo turno para o governo na eleição de 2022, será natural que o Petecão (PSD), Jorge Viana (PT), Jenilson Leite (PSB) e Mara Rocha (se filiará ao PL) estejam juntos. Será uma frente anti-Gladson Cameli.

POSIÇÃO REGISTRADA
O EX-PREFEITO de Senador Guiomard, James Gomes, mandou postagem ao BLOG para dizer que, em que pesem as questões familiares; ele e sua irmã, prefeita de Senador Guiomard, Rosana Gomes; apoiarão a senadora Mailza Gomes (PP) para mais um mandato. Também confirmou a sua candidatura a deputado estadual.

NÃO APOSTARIA NISSO
UM AMIGO do alto escalão do governo comentou ontem num papo em um supermercado da cidade, que estou errado quando coloco que a deputada federal Vanda Milani (PROS) não recuará. Falou que, na hora “h”, retira seu nome. Eu, escutei, mas não apostaria na desistência.

DAVID HALL, FIRME!
O CANDIDATO ao governo, David Hall (CIDADANIA), mandou postagem ao BLOG para desmentir estar o seu partido inserido no grupo partidário do senador Márcio Bittar, que apoia a reeleição do governador Gladson.

MAIOR RESPEITO
TENHO o maior respeito pelos candidatos ao governo de partidos pequenos; como o David Hall pelo CIDADANIA; e o Nilson Euclides, pelo PSOL; porque sei das dificuldades de ser ter candidaturas majoritárias em partidos de pouca estrutura partidária.

CORRENDO OS GROTÕES
O SENADOR Petecão (PSD) tem feito nesta sua campanha ao governo, o mesmo roteiro de campanhas anteriores, andando; conversando, e fazendo alianças, nos mais distantes grotões. Este sempre foi o forte do seu eleitorado. Sabe que o jogo não se decide nas elites.

SUA LÍNGUA É A SUA ADVERSÁRIA
NEM Lula e nem um outro candidato a presidente. O maior adversário do presidente Bolsonaro é a sua língua destemperada. Mesmo como 600 mil mortes por Covid, continua com o discurso que a ineficaz cloroquina cura. É incapaz de reconhecer e se penitenciar de um erro.

FOCO NO AGRONEGÓCIO
A CANDIDATA ao governo, deputada federal Mara Rocha, só deve entrar para valer na campanha no início de abril, data em que se filiará ao PL. Mara se mexe bem na área rural, principalmente, no setor de agronegócios, que como ela, seus integrantes são bolsonaristas. Dos candidatos ao governo, é sem dúvida a mais bolsonarista.

ELEIÇÕES DISTINTAS
ELEIÇÃO para deputado é diferente de eleição para governador e senador. Para deputado estadual o universo de votos para eleger é micro; já para governador e senador é macro. O que tem maior peso decisivo no campo majoritário é a empatia que o candidato conseguir com a população. Se cair na graça do povão, é vitória certa. Se não conseguir esta empatia, pode se pintar de ouro que será derrotado.

SONHO ANTIGO
O ASFALTAMENTO da estrada variante, ligação alternativa para Xapuri; sempre foi um sonho dos seus moradores. As promessas foram muitas. E ficou nisso. Só vai acontecer agora graças a uma emenda destinada pelo senador Márcio Bittar.

FRASE MARCANTE
“Nada mais cretino e mais cretinizante do que a paixão política. É a única paixão sem grandeza, a única que é capaz de imbecilizar o homem”. Nelson Rodrigues, jornalista e dramaturgo.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2021 ac24Horas.com - Todos os direitos reservados