Conecte-se agora

Indígenas se reúnem no Juruá para defender o uso sagrado da ayahuasca

Publicado

em

A ayahuasca é uma bebida sagrada utilizada ancestralmente pelos povos indígenas que habitam as bacias dos rios Purus e Juruá. Além de ser considerada uma das principais medicinas da floresta, o uso ritual da bebida também tem forte influência na formação espiritual e cultural das populações nativas dessas regiões. Preocupados com a utilização inadequada da ayahuasca por “aventureiros” com objetivos comerciais, pajés e lideranças das etnias indígenas do Juruá se reuniram para debater o tema, na terra dos Puyanawas, no município de Mâncio Lima.

Os povos Puyanawa, Ashaninka, Yawanawa, Huni Kuin, Nukini, Kuntanawa, Noke Koi, Shanenawa e Nawa mandaram representantes para a Segunda Conferência Indígena da Ayahuasca que começou no dia 11 (sábado) e se encerrou no domingo, 12. Durante esse período as etnias ayahuasqueras pretendem elaborar um documento para sugerir a regulação do uso do sacramento vegetal. Querem combater o avanço de charlatões que se passam por pajés, mas sem a preparação necessária para ministrar os conhecimentos espirituais e curativos da ayahuasca. Segundo os indígenas o uso distorcido da bebida sagrada pode causar sérios danos psíquicos aos usuários desavisados.

Um dos organizadores do evento, Luiz Nukini, que além de liderança do seu povo que habita às margens do Rio Môa também é funcionário da FUNAI, explicou os propósitos da Conferência. Segundo Nukini todos os povos nativos originais do Acre utilizavam a ayahuasca, mas o contato com outras culturas religiosas causou um impacto e o abandono dessas práticas de pajelança. No entanto, já há alguns anos existe um forte movimento de retomada desses conhecimentos ancestrais pelas etnias indígenas.

“Queremos proporcionar aos povos indígenas uma reflexão sobre a ayahuasca como o ponto central da nossa espiritualidade. Debater questões relativos ao uso ritual da ayahuasca que ultrapassou os limites das nossas terras e ganhou o mundo. Assim estabelecer normas para nos relacionarmos com outras tradições cristãs que também usam essa bebida e os estrangeiros,” disse ele.

Os “falsos” pajés

O jovem Bira Júnior Yawanawa avaliou a questão do uso dessa medicina para as pessoas que buscam cura e transformação. Segundo ele, nem sempre as pessoas que saem das aldeias para ministrar esse conhecimento estão preparadas.

“A gente está preocupado com a forma do uso da ayahuasca fora das aldeias. Muitos jovens têm se aproveitado da demanda de não-indígenas em busca de cura e conhecimentos proporcionados pela ayahuasca. Assim alguns estão saindo das suas aldeias de forma inapropriada e sem a autorização das suas lideranças e caciques. Nós Yawanawas temos trabalhado forte contra isso porque temos um nome a zelar. É uma medicina muito forte que exige um cuidado. As pessoas que trabalham com a ayahuasca do nosso povo passam por um longo processo de preparação e estudo com nossos pajés. Se alguém não passa por esse processo pode estar colocando a vida de outras pessoas em risco. Tem gente de fora das aldeias que se ilude com alguém que chega com um cocar e todo pintado se dizendo pajé. Mas quem quiser saber se aquela pessoa é ou não um pajé verdadeiro deve utilizar a tecnologia disponível e pesquisar na internet se ele realmente tem um estudo, preparação e a autorização para fazer uso dessa medicina. Porque muitos charlatões e pretensos neo-xamãs têm se aproveitado da boa fé de gente desesperada em busca da cura de enfermidades. Isso é um assunto serio que estamos debatendo para não vulgarizem a nossa medicina,” argumentou Bira Jr..

O direito ao uso e transporte da ayahuasca

Luiz Puwe, uma das lideranças dos Puyanawas, anfitriões da Conferência, prega a valorização cultural da ayahuasca nas aldeias.

“Esse conhecimento se ampliou para o mundo e, muitas vezes, estão fazendo o uso errado dessa medicina. Nós temos que orientar os mais jovens porque esse conhecimento vem dos nossos ancestrais e não pode se vulgarizar. Como entendemos que a ayahuasca pode ser uma cura para o mundo, e o mundo somos nós, então temos que traduzir através do nosso exemplo de vida o resultado desse conhecimento espiritual. Através da ayahuasca podemos alcançar níveis de entendimento importantes para uma cultura mais saudável e próspera nas nossas comunidades. Assim queremos levar aos parlamentos do nosso país e, até mesmo à ONU, o direito a esse reconhecimento dos benefícios da nossa medicina para garantir também o direito da gente leva-la onde for necessário,” salientou Puwe.

Para Benki Ashaninka, às vezes, outras tradições cristãs que usam a ayahuasca estão tendo mais direitos ao seu uso e transporte do que os próprios indígenas que são os detentores originais desse conhecimento.

“Estamos pegando os conhecimentos de todos os povos indígenas que habitam o Acre e utilizam a ayahuasca como sua medicina tradicional para tirarmos um encaminhamento da maneira de usá-la. É importante trazermos a responsabilidade para dentro dos nossos povos. A ayahuasca está no mundo, mas a gente tem uma preocupação porque, às vezes, os não-indígenas têm mais possibilidades de usar isso no mundo do que os próprios indígenas. Queremos que o nosso país tenha leis para que esse uso seja respeitado porque trata-se de uma cultura milenar dos nossos povos originais. Temos que ter um alinhamento entre nós para que sejamos respeitados por todos de fora de igual maneira,” finalizou Benki.

Cidades

Criminosos invadem pub e levam mais de R$ 10 mil em produtos

Publicado

em

Criminosos invadiram o Bartô Pub Irlândes, localizado na Avenida Ceará, em Rio Branco, e levaram mais de R$ 10 mil em produtos. De acordo com o proprietário Leôncio Castro, televisão, botijão de gás, caixas JBL, cabeçote, cabos PP, mesas cadeiras, cerveja Becks e Budweiser foram furtados durante a ação dos criminosos.

O furto aconteceu em dois momentos, o primeiro por volta das 23 horas deste sábado (3), e outro na manhã deste domingo (4), por volta das 10 horas. A ação dos criminosos foi captada pelo sistema de segurança do restaurante. As filmagens foram compartilhadas pelo proprietário em suas redes sociais.

No momento da ação, o restaurante estava fechado em decorrência do decreto do governo do Acre.

Revoltado, o empresário pediu aos populares que tenham informações acerca do roubo entrem em contato com ele pelo Facebook. “Esse aí aqui foi segundo roubou em poucas horas!!! Se alguém conhecer pra gente dar uma pisa nele só entrar em contato”, afirmou.

Veja o vídeo:

Continuar lendo

Cidades

Ex-deputado Angelim recebe 1° dose de vacina contra a Covid-19

Publicado

em

O ex-deputado federal Raimundo Angelim (PT) recebeu no sábado (3), a 1° dose da vacina que imuniza contra o vírus da Covid-19.

Segundo o petista, Angelim aguardou na fila cerca de sete horas e trinta minutos. “Valeu a pena! Uma sensação de agradecimento a Deus e a ciência!”, ressaltou.

O ex-parlamentar fez um apelo aos negacionistas para que possam valorizar a ciência e a vida. “Valorizem a vida. É o que temos de melhor, a vida, a família e os amigos”, destacou.

Continuar lendo

Cidades

Com aumento nos casos de dengue, prefeitura volta a usar “fumacê” em bairros de Xapuri

Publicado

em

Com mais de 500 notificações de casos de dengue, desde janeiro até agora, a prefeitura de Xapuri, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), voltou a fazer a aplicação do conhecido “fumacê” nos bairros da cidade com o fim de coibir o aumento dos casos e combater o mosquito Aedes aegypti, transmissor também da zika vírus e da chikungunya, segundo o secretário municipal de Saúde, Wagner Menezes.

“Hoje (terça-feira, 16/3) nós começamos a aplicação do fumacê nos bairros Pantanal e Centro. Amanhã continuaremos e assim sucessivamente até atendermos a todos os bairros de nossa cidade. Essa ação é fruto de uma parceria entre a nossa prefeitura com o governo do através da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), com o governo de Rondônia e Ministério da Saúde”, explicou o gestor da pasta.

O secretário lembrou ainda que, segundo o Ministério da Saúde, o fumacê mata o mosquito transmissor da zikavírus e da chikungunya, mas as larva ou os ovos que estão depositados nos quintais, nos vasos de plástico ou tampinhas de garrafas, ou outros locais que facilitam a sua proliferação, não morrem. Assim, é preciso cuidar do quintal e das demais áreas que possam dar condições à proliferação do Aedes.

Em Xapuri, segundo a Semusa, já são mais de 520 casos notificados de dengue desde o começo do ano. Os casos notificados de chikungunya (3) e de zika vírus (1) são mínimos, mas também preocupam. A partir da semana passada, as secretarias municipais de Saúde e Infraestrutura iniciaram um cronograma de limpeza e retirada de entulhos na cidade como parte do planejamento do combate ao Aedes aegypti.

Continuar lendo

Cidades

Câmara de Xapuri tem guerra jurídica em torno de eleição para a Mesa Diretora

Publicado

em

A Câmara de Vereadores de Xapuri realizou na manhã desta terça-feira (16) a segunda eleição de sua Mesa Diretora em pouco mais de dois meses. No último dia 9, o juiz da Vara Única da Comarca, Luis Gustavo Alcalde Pinto, suspendeu em decisão liminar o primeiro ato de escolha da direção da Casa Legislativa, ocorrida no dia 1º de janeiro deste ano.

A decisão do magistrado se deu em favor de um Mandado de Segurança ajuizado por quatro dos nove vereadores eleitos no último pleito. Eles são dos partidos que foram derrotados na disputa pelos cargos de direção do Legislativo-mirim para a atual legislatura – PT, com dois vereadores, e MDB e PSD, cada qual com uma das nove cadeiras que compõem a Câmara.

O Mandado de Segurança foi impetrado pelos vereadores Ronaldo Cosmo Ferraz (MDB), Alarice Botelho Nunes (PT), Elias do Nascimento Melo, mais conhecido como Menudo (PSD), e José Maria Miranda (PT). Eles alegaram supostas máculas e vícios na eleição da Mesa Diretora referentes a não observância da proporcionalidade partidária.

Os autores da ação defendem que a alegada ausência de representação proporcional dos partidos que compõem a Câmara vai de encontro com o que dispõe a Lei Orgânica Municipal, que prevê a maior representação das agremiações, tanto quanto possível, na composição tanto da Mesa Diretora quanto das comissões permanentes e temporárias.

Apesar de ter cinco partidos ocupando as 9 cadeiras de vereador na Câmara de Xapuri, a Mesa Diretora foi composta por representantes de apenas 2 partidos, o PSB e o Democratas (DEM), por meio dos vereadores Eriberto Mota (PSB), Dim Lopes (PSB), Kaíco Roque (DEM) e Clemilton Lima (DEM). Ficaram excluídos PT, MDB e PSD.

Dias depois, a defesa do presidente impetrado, Eriberto Mota (PSB), ajuizou um procedimento jurídico denominado Embargos de Declaração pedindo que o juiz complementasse a decisão nomeando o vereador mais votado entre os eleitos e definisse um prazo para a realização da nova eleição. A solicitação foi deferida pelo magistrado.

O juiz Luís Gustavo Alcalde Pinto nomeou o vereador Clemilton Lima (DEM) para presidir interinamente a Câmara com poderes específicos e exclusivos para organizar e convocar a nova eleição e estabeleceu o prazo máximo de 15 dias para a realização do novo ato de escolham, que foi definido para esta terça-feira, às 9 horas da manhã.

Ocorre que, discordando da decisão da Justiça, os quatro vereadores que recorreram da primeira eleição não compareceram à sessão. Eles defendem que a Lei Orgânica do Município prevê que quem deveria ser nomeado como presidente interino era o último vereador a ter ocupado o cargo de presidente da Mesa, Ronaldo Ferraz, do MDB.

Na mesma data em que o magistrado complementou a decisão favorável ao Mandado de Segurança, nomeando vereador Clemilton Lima (DEM) para presidir interinamente a Câmara, Ronaldo Ferraz e os outros três vereadores que ficaram excluídos da Mesa Diretora realizaram uma reunião na qual Ferraz foi empossado como presidente interino com lavratura de ata.

O emedebista também argumentou em contrarrazões apresentadas ao embargo, por meio de sua defesa, que não foi intimado para se manifestar no prazo de cinco dias como prevê a legislação em vigor, além de pedir a suspensão da decisão que nomeou o vereador Clemilton Lima como o presidente provisório da Câmara, também considerando ferir disposição legal.

Ronaldo Ferraz alegou ainda que Maxsuel Maia, o advogado do vereador Eriberto Mota, que também é o procurador jurídico do município de Xapuri, não pode, por essa razão, ser o patrocinador da defesa do representante no caso em questão, tendo pedido a sua exclusão do processo. O juiz do caso ainda não se manifestou sobre a medida recursal.

Diante do impasse e da queda de braço no âmbito jurídico, a nova eleição foi realizada com a ratificação dos nomes dos vereadores Eriberto Mota como presidente, Kaíco Roque como vice-presidente, Clemilton Lima como 1º secretário e Dim Lopes como 2º secretário. Ou seja, nada mudou e a Mesa Diretora segue com apenas dois partidos na sua composição.

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Conteúdo protegido!