Conecte-se agora

Violência assusta e deputado diz que o Acre vive faroeste

Publicado

em

Bom dia! Boa tarde! Boa noite!

xerife_01A onda de violência que sacode o Acre assusta nossas autoridades. Estamos correndo riscos de nos tornarmos vítimas dos criminosos quando colocamos um pé fora do portão de casa, ou quando eles invadem nossas casas durante a madrugada. Para o deputado Raimundinho da Saúde (PTN), as audiências de custódia agravaram os problemas na segurança pública, já que a polícia prende criminosos em flagrante, mas eles são liberados em seguida pela Justiça.

O parlamentar ilustra sua afirmação com o relato do caso de um trabalhador que “comprou uma mota alta foi roubado, depois comprou uma pequena, mas foi abordado por duas pessoas ao chegar no trabalho. Os criminosos colocaram uma arma na sua cabeça e levaram a moto, celular e aliança de casamento. Ele está pagando duas motos e não conseguiu usar nenhuma para se locomover ao trabalho. Não há investigação, mas se a polícia prender a Justiça solta”.

Raimundinho afirma que o desespero das pessoas poderá armar a população para se defender. “Não dá mais para aguentar esta onda de violência. Um pai de família que ganha salário mínimo está pagando duas motos que foram roubadas. Em Rio Branco, vamos ter que voltar à época do faroeste cada um armado e que Deus nos defenda. Se os bandidos forem presos só darão trabalho e gasto de gasolina para polícia, já que são liberados na audiência de custodia”.

Concordo com o deputado. Os bandidos não temem mais as polícias quando avistam as viaturas. Fica mais fácil para o criminoso se entregar, usar a escolta da polícia para bater um papo com o juiz para logo em seguida ser liberado, tomar um banho, descansar e reiniciar sua jornada de crimes no dia seguinte. Só fica uma dúvida, apesar de preencher os requisitos para progressão de pena, Hildebrando Pascoal continua preso. A lei não precisa ser cumprida neste caso?

A namorada feia que você não quer pegar na mão

some_01
Meus três leitores me respondam sem pestanejar: vocês já tiveram aquela namorada (o) que era tão feia (o) que vocês tinham vergonha de pegar na mão para um passeio na praça? O pré-candidato Marcus Viana (PT) tem. O govenador Sebastião Viana (PT) se tornou esta namorada feia que precisa ficar longe dos palanques na campanha de reeleição do prefeito da capital. O motivo é simples, as pegadinhas que ele vem fazendo com suas ações meramente eleitorais.

Glu Glu Yeah Yeah… Pegadinha do Sebastião!!!

pegadinha_01
Um exemplo foi a pegadinha da redução de seu salário, de sua vice, dos secretários e cargos de confiança. Quando todo mundo esperava que a medida de “austeridade” que ocupou espaço na mídia nacional, seria duradoura, na votação do projeto foi revelado que tem validade e dia certo para acabar. A pegadinha vai durar apenas seis meses, ou seja, logo após o resultado das eleições, todos os salários voltam ao que era. Glu Glu Yeah Yeah… Pegadinha do Sebastião!!!

A metamorfose de Socorro Neri
mistura_01

O discurso e a prática
Os tucanos estão dispostos a provar que frase “Faz o que eu digo mas não faças o que eu faço”, de James Farrel, cai como uma luva no caso da mudança ideológica relâmpago da professora Socorro Neri (PSB), que abandonou o ninho tucano e se tornou a pré-candidata a vice-prefeita na chapa do PT, mas chegou a fazer discursos fervorosos contra o modo petista de governar nas três esferas do poder executivo. Será que “esta é a verdadeira sabedoria”? Assista o vídeo de um dos discurso de Socorro Neri, antes de se sentir confortável na FPA:

video
play-rounded-fill

heitor_01Dia mundial de combate às hepatites virais
Os preparativos para o Dia Mundial de Luta Contras as Hepatites Virais – que acontece no dia 28 de julho – estão a todo vapor na APHAC- Associação dos Portadores de Hepatites do Estado do Acre. O presidente de honra da entidade, o deputado Heitor Júnior (PDT) divulgou a programação na Aleac. Ele destaca que os acreanos contarão com uma série de ações de prevenção e controle para o combate à doença. O parlamentar disse que a data marca o lançamento de novas políticas públicas para garantir acesso e prevenção em todas as comunidades.

Um articulador calado e eficiente

jonas_01
Jonas Lima (PT) vem demonstrando que se tornou um grande articulador de candidaturas na Frente Popular do Acre (FPA). Nos últimos dias, o petista conseguiu emplacar dois nomes como pré-candidatos nos municípios de Mâncio Lima e Porto Acre. Sem fazer estardalhaço, Lima conseguiu o apoio de Francisco Deda (PROS), que desistiu da pré-candidatura para apoiar Isac Lima (PT) em Mâncio Lima. Já em Porto Acre, apesar de alguns cardeais petistas defenderem o nome de Bené Damasceno, as articulações de Jonas Lima surtiram efeito e ele conseguiu colocar o ex-prefeito Zé Maria (PT), como pré-candidato. Te cuida, Sebastião!

2016-07-06-PHOTO-00013860

Espaço dos meus três leitores
Hoje publicamos um artigo de autoria de Francineudo Costa. Ele que assumiu a pré-candidatura à prefeitura de Rio Branco pelo PSDB após a desistência de Socorro Neri, que abandonou o ninho tucano para integrar as fileiras da Frente Popular do Acre (PFA), formada pelos arquirrivais dos pássaros de bico longo comandado pelo deputado federal Major Rocha e o ex-deputado Márcio Bittar. Fracineudo se sentiu desconfortável com o conforto de Neri entre os antigos adversários. Leia abaixo, a íntegra do

A ética, o discurso de conveniência e as barganhas com o poder

Hoje pela manhã lendo os jornais locais me deparei com a informação sobre o fechamento da chapa da FPA, ocasião em que a Pré-candidata a Vice-Prefeita foi anunciada. Em seu discurso, a pré-candidata destaca que agora sua posição é “ETICAMENTE CONFORTÁVEL.

Espantado com tal pensamento passei a me debruçar novamente no conceito de ética e uma das definições que encontrei é que “a ética tem como objetivo estudar o comportamento dos indivíduos frente aos comportamentos morais”. Observando o comportamento da mais nova integrante da FPA quando ainda integrava as hostes da oposição, seu principal argumento naquele momento, para postular a indicação a pré-candidata a prefeita pelo PSDB, se concentrava no fato dos atuais governantes Petistas terem provocado os maiores males ao povo do Acre e do Brasil.

O tempo passou, a sua pré-candidatura foi lançada pelos líderes partidários, mas a inércia da aspirante a candidata foi tanto que ela não foi capaz de dar prosseguimento ao projeto eleitoral, sem conseguir, sequer, cumprir as agendas partidárias. O desgaste chegou ao ponto de, após desistir, de forma intempestiva à postulação de candidatura, caminhando, logo após, para a própria desfiliação. E, lamentavelmente, ao sair do partido que tinha lhe garantido espaço para a disputa municipal majoritária, acusou a tudo e a todos pela própria letargia.

O ditado nos ensina que “o tempo é o senhor da razão”. A filiação da ex-candidata a um partido que é fiel integrante do Governo e o seu posicionamento como uma das principais interlocutoras do poder explicam o motivo do seu incômodo no seio tucano. As suas afirmações atuais desconstroem seus discursos feitos num passado recente, demonstrando que ela, naquele momento, representava um papel que não lhe pertence.

Como explicar a opção partidária da ex-tucana? Como entender que a autora de discursos tão duros contra a corrupção agora marche com os acusados de se locupletarem, em flagrante descompasso com a realidade atual, em que todos aqueles que acreditam na política séria buscam se afastar do petismo? A única forma de entender essa situação é a partir da compreensão do significado da palavra “CONVENIÊNCIA”, a conveniência nada mais é que uma busca incessante de interesses individuais, e, no caso da agora alegre candidata a vice-prefeita, com o descarte do bem mais precioso para um político, que é a luta pelo bem da sociedade, o resgate da dignidade da população que tem sofrido com a ganância dos atuais governantes. Ora, olhando por essa ótica, não é difícil compreender o comportamento adotado pela postulante ao posto de vice do PT, antes e agora, suas aspirações estão distantes da busca pelas transformações sociais.

O grande questionamento é: a postulante ao cargo de vice-prefeita vendeu seus ideais na bacia das almas, ou apenas encontrou seu lugar e está satisfeita com os desmandos do PT em todas as esferas de poder? De todo modo, não podemos negar que, para que o cargo de candidata a vice-prefeita fosse preenchido por ela, uma grande engenharia “politiqueira” foi construída, arranjo que denomino de “BARGANHAS COM O PODER”. Um deputado do PT teve que renunciar e preencher o cargo de secretário de estado; seu suplente, da cúpula do PCdoB, partido que ora ocupa a vice prefeitura, assumirá a vaga na Câmara Federal, desta forma, a vaga agora que está sendo pleiteada pelo PSB, está sendo destinada à nossa protagonista, fazendo a felicidade de todos os envolvidos.

E a coerência? E os discursos clamando por honestidade na política? Ah, isso não importa, a fatura, mais uma vez, será entregue ao povo.

Francineudo Costa

Acre

Euclides reúne professores e debate plano para a Educação

Publicado

em

Em campanha para governador do Acre, o candidato Nilson Euclides, que é professor, se reuniu com a categoria educacional da rede estadual de ensino no final da tarde desta quinta-feira, 18, no auditório da Livraria Paim.

O candidato do PSOL foi convidado para debater seu plano de Governo e ouvir as demandas do Sindicato dos Professores da Educação Básica da Rede Pública de Ensino do Estado do Acre (Sinproacre), dirigido pela professora Alcilene Gurgel.

Há 12 como professor titular de Ciências Políticas da Universidade Federal do Acre, Nilson Euclides é conhecido entre acadêmicos acreanos, tendo lecionado na Uninorte e no extinto Iesacre, onde participou da formação de jornalistas que atuam na imprensa estadual.

Continuar lendo

Acre

Cidades do Alto Acre ainda não têm movimentação de candidatos

Publicado

em

Diferentemente de outros municípios, como na região do Juruá, onde muitos candidatos já colocaram o “bloco na rua”, além da capital, Rio Branco, na regional do Alto Acre a movimentação de partidos e coligações ainda não começou a ser percebida, pelo menos na prática.

Naquela parte do estado, esta semana tem sido dedicada a reuniões de planejamento para ações futuras de campanha, como é o caso do PT, partido que lidera a Federação Brasil da Esperança. Encontros de alinhamento de atividades foram realizados nos últimos dois dias em Xapuri.

Também não há, por enquanto, agendas divulgadas publicamente, referente aos candidatos majoritários para as cidades do Alto Acre, que são administradas, na maioria, por prefeitos petistas. Apenas Epitaciolândia, cujo prefeito, Sérgio Lopes, é do PSDB.

No entanto, a maioria dos gestores petistas na região, com exceção de Bira Vasconcelos, em Xapuri, não representa apoio certo para a federação que reúne PT, PCdoB e PV.

Depois de manifestarem apoio ao governador Gladson Cameli antes de Jorge Viana ter sido anunciado como candidato ao governo, Fernanda Hassem, de Brasiléia, e Jerry Correia, de Assis Brasil, não falaram mais no assunto após as convenções.

Apesar de darem a largada nas campanhas um pouco mais tarde que outros municípios, não há dúvida de que os pouco mais de 40 dias que faltam até a eleição serão muito movimentados nas cidades do Alto Acre, região que também respira política.

Entre os candidatos mais conhecidos no Alto Acre que buscam se eleger ou reeleger neste pleito para cargos na Câmara Federal ou na Assembleia Legislativa, estão o ex-vereador Gessi Capelão (PSD), de Xapuri, que concorre para deputado federal, assim como uma das esposas do trisal de Brasiléia, Alda Radine (MDB).

Para a Aleac, buscam a reeleição os atuais deputados Manoel Moraes (PP) e Antônio Pedro (União Brasil), além da ex-prefeita de Brasiléia, Leila Galvão (MDB); Tadeu Hassem (Republicanos), irmão da prefeita Fernanda Hassem; e Vânio Miranda (União Brasil), irmão do ex-prefeito de Xapuri, Marcinho Miranda.

Continuar lendo

Acre

Em passeata, José Adriano diz: “ansioso para trabalhar pelo Acre”

Publicado

em

O candidato a deputado federal pelo Partido Progressistas, José Adriano, dividiu a caminhada do partido ao lado dos candidatos Gladson Cameli, ao governo, e Ney Amorim, do senado, na tarde desta quinta, 18, na Baixada da Sobral, em Rio Branco.

O clima foi de alegria, descontração e um movimento de apoiadores que acredita em um Acre melhor. Para ele, um momento feliz. “Estou muito confiante de que a vitória é certa. Estou ansioso para trabalhar pelo nosso Acre ainda mais”, comenta Adriano, presidente licenciado do sistema Fieac e do Sebrae no Acre.

Há 30 anos, ele atua como empresário no ramo da construção civil e entre suas propostas estão o incentivo à políticas de créditos a micro e pequenos empresários, um novo parque industrial em Rio Branco e em Cruzeiro do Sul e a defesa do sistema S.

Continuar lendo

Acre

Alan Rick teve que conter suplente contra militância de Gladson

Publicado

em

O ato do candidato ao senado Alan Rick (União Brasil) de reunir militância e fazer um desfile antes do início da caminhada de lançamento da campanha de Gladson Cameli, candidato a reeleição, e Ney Amorim, candidato ao senado, parece que teve troco após as militâncias entenderem o ato como “provocação”.

Quando o governador Gladson chegou acompanhado de Ney e a vice Mailza Gomes, Alan tentou se aproximar para fotos e vídeos, mas não conseguiu chegar perto inicialmente. Após a caminhada começar, Alan tentou entrar no pelotão da frente, mas foi “impedido” pela multidão de pessoas que estavam circulando o governador.

A situação foi tão constrangedora, que o 1º suplente de Alan ao senado, empresário Gemil Júnior, e tesoureiro da Igreja Batista de Bosque, ficou bastante incomodado com a situação e teve que ser contido por Alan que lhe pediu “calma”.

Interlocutores palacianos que acompanharam a cena junto com a reportagem do ac24horas comentaram que a “exclusão” de Alan seria em alusão ao filme “Deixados Para Trás”, película bíblica que retrata o pós arrebatamento e a tribulação.

Em contato com o ac24horas, Gemil afirmou que o secretário de Turismo, Márcio Pereira, apontou o dedo na sua cara durante a caminhada. “O secretário Márcio Pereira apontou o dedo na minha cara e chamando tanto eu e Alan de moleque porque estávamos lá. Não teve nada haver em querer se aproximar do Gladson”, disse

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.