Conecte-se agora

Secretaria das Mulheres ignora crise e esbanja gastos em diárias e passagens

Publicado

em

Concita_desta2

Em um momento de forte cobrança sobre a ausência feminina no ministério recém-montado pelo presidente em exercício Michel Temer (PMDB), o ac24horas decidiu fazer um levantamento dos custos para o contribuinte acreano decorrentes do funcionamento da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SEPM).

O trabalho mostrou que a SEPM não economiza em passagens aéreas e pagamento de diárias. E o Mapa da Violência contra a mulher, de 2015, sugere que as políticas do órgão são ineficientes, já que nos últimos sete anos o percentual de mulheres assassinadas no Estado aumentou 113%.

A consulta feita ao Portal da Transparência do governo do Acre revelou que a crise econômica não chegou à pasta comandada pela secretária Concita Maia. Só neste mês de maio foi autorizado por ela o pagamento de R$ 33,4 mil em diárias. Os gastos com passagens aéreas mostram que viajar é sempre uma prioridade para os servidores subordinados a Concita.

Em 2015, o custo da secretaria ao contribuinte acreano foi de quase R$ 1,5 milhão. É muito dinheiro, considerando a falta de medicamentos básicos nas unidades hospitalares – entre as quais a Maternidade Bárbara Heliodora, onde muitos recém-nascidos morreram ultimamente – e de combustível para as viaturas policiais que atendem as ocorrências que também envolvem mulheres.

No ano passado, desse total de aproximadamente R$ 1,5 milhão, a secretaria destinou mais de R$ 268 mil ao pagamento de diárias e passagens aéreas. Só em outubro do ano passado, Concita Maia autorizou o pagamento de mais de R$ 51 mil referentes a diárias. E em novembro chegou a fatura das agências de turismo: R$ 47 mil.

Apesar do alto custo da Secretaria de Políticas para as Mulheres, não há relatórios de atividades na internet. Nem sequer existe um telefone disponível 24 horas para denúncias de maus-tratos ou ameaças. Esse serviço fica a cargo do governo federal.

Cresce a violência contra a mulher acreana
O Mapa da Violência 2015 mostra que entre 2006 (ano em que entrou em vigor a Lei Maria da Penha) e 2013 os casos de assassinatos de mulheres cresceram 113,3% no Acre – em 2006 houve 15 “feminicídios” no Estado, contra 32 em 2013. O Estado perde apenas para Roraima, com aumento de 176,9% no mesmo período.

Em 2003, a taxa de homicídio de mulheres no país era de 4,4 por 100 mil. O Acre aparecia com 5,0. Em 2013, o Brasil apresentou a média de 4,8 mulheres assassinadas para cada grupo de 100 mil, enquanto no Acre esse índice saltou para 8,3.

Isso em plena existência da Secretaria de Políticas para as Mulheres do governo estadual. Prova de que as ações do órgão, sob a responsabilidade da secretária Concita Maia, não estão surtindo os efeitos esperados.

Outro lado
A reportagem do ac24horas procurou a Secretaria de Políticas para as Mulheres para ouvir sua versão sobre os gastos com diárias e viagens, além das atividades em defesa da mulher acreana, e obteve a seguinte resposta da assessoria de imprensa:

Todas as viagens e diárias são autorizadas pela secretária e registradas no departamento financeiro da secretaria com as justificativas necessárias para os órgãos de controle. Os dados são disponibilizados no portal da transparência.

Sobre o número de feminicídios no Estado, a Secretaria de Estado de Política para as Mulheres trabalha com os números atualizados pelas Delegacias Especializadas de Atendimento a Mulher (DEAM) que hoje registra o seguinte índice: 97 homicídios em todo o Estado de 2011 até abril de 2016.

Todo viagem é relatada aos órgãos de controle e fiscalização do estado. Nenhum órgão público disponibiliza relatório de viagem na internet, mas as publicações das matérias no site institucional são a forma de dar visibilidade aos trabalhos executados.

Sobre o valor de diárias utilizadas no mês de maio e questionado pelo site ac24h, nos colocamos a disposição para uma visita a sede da SEPMulheres para conhecer nossos projetos e ações realizadas em todo o estado nas comunidades de difícil acesso.

O valor de 33,4 mil é fruto de um convênio com o Ministério do Desenvolvimento Agrário – MDA – para a execução do projeto de Fortalecimento da Cidadania e Organização Produtiva das Mulheres do Acre, que asseguram às mulheres do campo o acesso à cidadania e aos direitos econômicos, além de consolidar as organizações femininas produtivas rurais.

O projeto, que começou em 2014 e vai até agosto de 2017, é financiado pelo MDA e executado pela SEPMulheres.

Atualmente temos 24 pessoas em campo, percorrendo cinco municípios, batendo de casa em casa realizando atendimentos e levando ações de políticas públicas para quem mais precisa.

Algumas viagens duram até mais de duas semanas, por conta das dificuldades de deslocamento e acesso.

As ações contemplam prioritariamente mulheres rurais de Assis Brasil, Brasileia, Xapuri, Capixaba, Porto Acre, Santa Rosa do Purus, Jordão, Feijó, Tarauacá, Cruzeiro do Sul, Porto Walter e Marechal Thaumaturgo.

Fotos e relatórios das equipes e qualquer outra informação estão disponíveis para consulta na Secretaria Estado de Política para as Mulheres. Desde já agradecemos o interesse deste veículo em divulgar o trabalho da SEPMulheres.

Destaque 2

Sargento Nery se apresentará à polícia nesta segunda-feira, segundo a sua defesa

Publicado

em

O sargento da Polícia Militar do Acre, Erisson Nery, que na madrugada deste domingo (28) atirou no estudante de medicina Flávio Endres de Jesus Ferreira, de 30 anos, vai ser apresentado na Delegacia de Polícia de Epitaciolândia na manhã desta segunda-feira (29) às 10 horas, segundo informou ao ac24horas o advogado Leandrius Muniz, patrono do militar.

De acordo com o advogado, o sargento Nery não está foragido, mas apenas aguardando o momento para se apresentar às autoridades policiais por questão de segurança e proteção à integridade física dele. Muniz também afirmou que o militar vai apresentar a sua versão para os fatos que se contrapõe ao que foi divulgado pela imprensa.

LEIA MAIS
>Sargento Nery, do “trisal acreano”, atira em estudante de medicina
>Mulher de PM que atirou em estudante defende marido e diz que foi vítima de assédio e agressão

“Ainda vou ter uma conversa com o meu cliente, pois eu não sei onde ele está, e vamos demonstrar que o que foi noticiado pela imprensa não está em conformidade com a realidade. Ele apenas defendeu a sua família. Meu cliente não tem nada a esconder, nada a se escusar, simplesmente por questão de segurança ele vai continuar onde está até amanhã”, afirmou.

Horas antes, o sargento Nery havia falado com o G1 Acre. Ele afirmou que reagiu à uma importunação sexual feita pelo estudante de medicina contra sua mulher. O militar também disse que a esposa, Alda Radine, foi tocada e depois esmurrada pelo rapaz, que a deixou apagada com um corte na boca.

“O cara molestou minha esposa e ela foi tomar satisfação imediatamente. Mas, ele deu um murro na cara da Alda que ela caiu apagada e com a boca cortada. Aí quando eu a vi daquele jeito, fui atrás do cara. Lá fora entramos em luta corporal e eu atirei nele. Foram dois disparos, todos pegaram nele. Ele está estável e foi transferido para Rio Branco”, disse.

Também ao G1, a delegada de Brasiléia, Carla Ívane, que responde pela delegacia de Epitaciolândia em razão de o titular, Luis Tonini estar de férias, informou que um inquérito foi instaurado e que os procedimentos estão sendo tomados.

“Tem vídeos e áudios circulando, estamos aguardando o resultado do exame do corpo de delito e foi instaurado um inquérito policial. O sargento Nery não se apresentou e nem foi localizado pela PM. Houve um boletim informativo e seguimos com os prosseguimentos de ouvir testemunhas e abrimos o inquérito para apurar o que de fato aconteceu”, disse.

A vítima dos tiros foi transferida para o pronto-socorro de Rio Branco ainda na madrugada deste domingo. Ele foi atingido por dois tiros na região do tórax e do abdômen. Segundo familiares, o quadro do paciente era estável após passar por cirurgia e que já poderia ser levado para a enfermaria.

O Comando da Polícia Militar do Acre informou, por meio de nota, que está apurando disciplinarmente os fatos e que tomará as medidas necessárias ao caso, mas esclarecendo que a apuração criminal caberá à Polícia Civil.

Continuar lendo

Destaque 2

Sargento Nery, do “trisal acreano”, atira em estudante de medicina

Publicado

em

De acordo com informações que começaram a circular a partir de grupos de rede social o sargento Erisson Nery, da PM, famoso pela história do trisal acreano de Brasiléia, que ganhou grande cobertura midiática nos últimos três anos, atirou em um homem na madrugada deste domingo (28), em um dos bares mais frequentados de Epitaciolândia, o QGIV Gastrobar.

Dois vídeos gravados por testemunhas, momentos após os tiros, mostram parte do tumulto em uma rua. Em um deles, algumas pessoas aparecem aparentemente socorrendo a vítima, que está ferida no chão. No segundo, um homem que seria o sargento Nery surge desferindo um soco contra o rosto do homem no chão, sendo contido por um casal que prestava assistência ao ferido.

Em um áudio que também foi divulgado nas redes sociais, um homem diz que “o Nery acabou de acabar com a vida dele. Acabou de dar dois tiros em um cara, do nada”. Em novo áudio, um outro homem se refere à motivação. “Meu mano, foi porque o estudante de medicina foi dançar com a mulher dele, a Alda. Aí ele endoidou”.

Por meio de seu Instagram, a esposa de Nery, a também sargento Alda Radine, negou essa versão da dança e disse que o real motivo dos fatos foi ela ter sofrido assédio sexual e agressão por parte do estudante. De acordo com Alda Radine, o sargento Nery a defendeu depois de ela ter sido espancada no rosto após ter tomado satisfações com o seu agressor.

“Um cara que eu nem conheço, nunca dirigiu a palavra a mim, meteu a mão na minha bunda e quando eu reclamei me deu um soco na boca me deixando desacordada”, ela disse.

Erisson Neri e Alda Radine ganharam notoriedade a partir de 2018 ao assumir uma relação de poliamor com outra mulher, Darlene Oliveira, e divulgar isso massivamente por meio das redes sociais. O caso ganhou repercussão nacional se tornando pauta de reportagens em diversos veículos de comunicação.

O ac24horas tentou manter contato com a major Ana Cássia, comandante do 5º Batalhão da Polícia Militar em Brasiléia, mas não conseguiu retorno até o fechamento desta nota.

O delegado Luis Tonini, que está de férias, informou que tomou conhecimento do fato por meio do Ciosp – Centro Integrado de Operações de Segurança – e disse que entrou em contato com a comandante Ana Cássia.

“Entrei em contato com ela no sentido de que fosse feito o contato com ele, porque a informação era de que ele teria fugido, para que ele se apresentasse para que fosse feito o flagrante, mas não sei ainda se isso de fato aconteceu, pois ela ainda não me deu retorno. Mas o procedimento não está comigo, mas com o delegado que me substitui nesse período”, explicou.

As últimas informações obtidas pelo ac24horas dão conta de que o sargento Nery está sendo procurado. De acordo com uma fonte que pediu sigilo da identidade, o militar teria informado a seus superiores que se apresentará apenas nesta segunda-feira (29), acompanhado de seu advogado. O caso será conduzido pela delegada Carla Ivane, de Brasiléia, que é esposa do delegado Tonini.

Não há, ainda, informações sobre o estado de saúde do estudante baleado e nem a sua identidade. Fontes no Hospital Regional do Alto Acre informaram que o estudante foi encaminhado para o Pronto Socorro de Rio Branco.

A reportagem também entrou em contato com o proprietário do QGIV Gastrobar, onde o fato ocorreu, o empresário Walter Brega. Ele confirmou o que foi veiculado nas redes sociais, ou seja, que o militar atirou em um estudante e que a vítima não teria ido a óbito até aquele momento.

A reportagem também tentou falar com a defesa do sargento, mas não obteve êxito até o fim da manhã deste domingo. O espaço encontra-se à inteira disposição para qualquer manifestação.

ASSISTA O VÍDEO:

Neri
Continuar lendo

Destaque 2

Governo investe mais de R$ 4 milhões e entrega 32 veículos para fortalecer agronegócio

Publicado

em

Em solidariedade, realizada na frente do Palácio Rio Branco nesta segunda-feira, 22, o governador Gladson Cameli (Progressistas) entregou 32 veículos para o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf).

Segundo o governo, o objetivo é fortalecer a infraestrutura de transporte para a execução das atividades de vigilância de campo, bem como outras atividades relativas ao Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal.

Dentre os veículos entregues, estão 15 caminhonetes, 10 veículos tipo SUV, duas Van e 5 quadriciclos. Ao todo, foram investidos R$ 4.626.750,00 (quatro milhões seiscentos e vinte e seis mil e setecentos e cinquenta reais).

Em seu pronunciamento, o chefe do executivo acreano destacou que a prova do sucesso em um governo, é quando se realiza investimentos com recursos próprios. Para o governador, os veículos devem aprimorar os serviços no órgão. “Vai trazer melhoria na infraestrutura básica de transporte do IDAF/AC, suprindo as necessidades técnicas e administrativas para o melhor funcionamento”, ressaltou.

O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf), Francisco Tun, fez agradecimentos ao governo do Estado pelos investimentos realizados no órgão, dentre eles, nas melhorias de estrutura e gestão. “Aumentou em quase 100% os recursos do Idaf, melhorias nos equipamentos do Idaf, veículos e contratação de profissionais. Com a orientação do governador, vamos continuar trabalhando pelo engrandecimento do agronegócio”, argumentou.

FOTO: SÉRGIO VALE

O deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa, Nicolau Júnior (Progressistas), destacou a união do governo em prol do projeto do agronegócio. No entanto, o parlamentar pediu uma atenção especial com o a febre aftosa na área do Amazonas.

O líder do governo e deputado estadual, Pedro Longo (PV), destacou que o parlamento vêm realizando os investimentos necessários para o progresso do agronegócio. “Não se faz agronegócio sem investimento. E todo o conjunto tivemos aumento na quantidade de grãos e isso é fruto de uma boa gestão”, comentou.

FOTO: SÉRGIO VALE

Continuar lendo

Destaque 2

Enfermeiras que debocharam de paciente com depressão são afastadas e investigadas no Acre

Publicado

em

As duas profissionais de saúde do Pronto-Socorro de Rio Branco que aparecem em um vídeo debochando e fazendo comentários preconceituosos contra uma paciente que teria tentado suicídio em decorrência de uma crise depressiva, foram afastadas do cargo, conforme revelou a secretária estadual de Saúde, Paula Mariano, nesta segunda-feira (22).

Segundo a gestora, a pasta abriu um procedimento administrativo disciplinar (PAD) para apurar a conduta das profissionais, que estarão afastadas do cargo enquanto durar as investigações.

“Recebi com muita tristeza porque isso não condiz com os nossos profissionais e solicitei abertura de um processo administrativo. Já solicitamos o afastamento. Hoje, o nosso jurídico já está apurando isso, mas eram profissionais da nossa unidade. Não compactuamos com esse tipo de conduta e não esperava ver isso de profissionais da saúde”, afirmou a gestora.

A coordenadora de fiscalização do Conselho Regional de Enfermagem do Acre, Ravena Ferreira, afirmou que a entidade tratará de identificar os profissionais, para em seguida, abrir uma investigação para apurar uma possível infração ética.

“Viemos a saber, por meio das redes sociais, e o que o regional pode tá fazendo é fazer a identificação dos profissionais e realizar apuração dos fatos”, afirmou.

Segundo ela, até que se prove ao contrário, os profissionais estão sob investigação. “Dentro do código de processo ético nós temos as penalidades cabíveis, se for identificado infração ética do exercício profissional. Nós não podemos ainda dar indício de algo que não vemos por completo, até porque o vídeo pode ter sido editado e manipulado e é algo que precisa ir com muita cautela. Essa atividade não condiz com o que aprendemos e o que juramos diante da nossa profissão”, acrescentou.

O vídeo

A vítima dos comentários estava no hospital em busca de tratamento, mas acabou sendo destratada com comentários de deboche em relação ao problema. “Irmã, eu tenho o que fazer, cuidar e se mata logo. A pessoa que se mata vai direto pro inferno”, teria dito uma das servidoras. Já a outra profissional acrescenta: “não, maninha, não dá recado. Não manda recado, não!”, disse.

No diálogo, que durou poucos minutos, uma das profissionais do hospital de urgência e emergência da capital acreana lembra que o Hospital de Saúde Mental do Acre – HOSMAC passa em reforma e que, por essa razão, estaria atendendo pacientes com transtornos mentais.

“Tem tanta gente querendo fazer cirurgia, doenças graves, querendo se tratar, querendo viver, e a gente tendo que cuidar de uma pessoa aí. Tem é que viver. A vida é tão boa, tá certo que a gente passa por mil e uma tribulação, depois passa”, comentou.

Por fim, uma das mulheres, após fazerem comentários sobre o caso, ao invés de encaminhar a paciente para profissionais médicos especialistas, decide dar uma palavra religiosa. “Deus não disse vou te dar água e sombra não. Ele disse, tenha bom ânimo que eu andarei contigo”, destacou.

video
Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas