Conecte-se agora

Da sua vida, sua história nem do seu passado

Publicado

em

Apesar da tristeza, Karen conseguiu chegar ao trabalho lá pelas nove e meia daquela segunda feira. Com o rosto ainda marcado por uma tempestade de lágrimas que lhe correu pela manhã, quedou-se silente em sua angústia. A imagem era tão deprimente, o pesar tão evidente que ninguém teve coragem de perguntar os motivos de tal ordem. Era evidente o fato: ela demonstrava total falta de interesse em socializar seu pranto.

O que teria acontecido? Os amigos até imaginaram que seria mais uma das brigas com o esposo das tantas que já tinham ocorrido. Ficou a dúvida no ar, apesar de que Dona Clementina, a servidora da limpeza, tinha lembrado que Conrado, pelo que ela sabia, já tinha abandonado o álcool.

Além do mais, não seria esse o motivo, pois sempre que brigava, Karen gostava de salientar os erros cometidos, quando tinha decidido, aos vinte anos, casar-se com alguém tão despreparado para a vida conjugal.

A depressiva servidora pública saiu um pouco antes do horário. Dez horas chegou a sua casa, fechou a porta de seu quarto e passou a elaborar fortes pensamentos que buscavam refletir sobre sua própria existência nesse mundo.

Sua tristeza era profunda. Sua dor pairava sobre os dilemas do planeta e do tempo. Sua depressão era o resultado de indagações feitas sob nossas miseráveis condições de ser humano.

Naquela manhã, Karen descobriu que somos seres passageiros, efêmeros em nossa substância, limitados em nossas intenções e reduzidos em nossas capacidades de concretizar nossos sonhos. Nascemos, crescemos, morremos e, tal qual o trigo que floresce nos campos, chega o momento em que nos ceifam e nos põe fim ao nosso singelo momento de ser e estar nesse planeta.

Para ela, viver tinha certas doses de injustiça. A permanência, o milagre de termos herdado esse dom gracioso que a simplicidade chama de vida requer a aceitação de que ela vem e vai, na mesma espontaneidade das orientações, na exata medida da chegada e da ida.

Sentada na borda da cama, com os cotovelos apoiados sobre suas coxas, as lágrimas freqüentaram os olhos de Karen mais uma vez. Sentiu-se só! Sozinha! Sem ninguém com quem pudesse compartilhar esse instante tão doloroso e melancólico.

Lembrou-se de sua avó. Perdera-a quando tinha seis anos, mas aquela fisionomia que expressava bondade e carinho nunca saíra de sua cabeça. Guardava na boca ainda o gosto dos doces e dos bombons que ganhava toda vez que aceitava o colo da amável vovó, para lhe coçar a cabeça e cantar-lhe canções de ninar, enquanto lhe arrumava os cabelos.

Pensou em ligar para a mãe e desafogar sua dor com quem sempre lhe assistiu, com quem sempre esteve ao seu lado, sem se importar nos adjetivos que descreveriam os momentos. Achou melhor não! Não queria participar a sua genitora uma situação tão desagradável. Sim! Era melhor não.

Ao abrir o guarda roupa, sua fina sensibilidade lhe causou uma frieza que lhe contagiou o espírito. Aquelas velhas e encardidas lembranças lhe faziam lembrar sua singela, confusa e singular infância.

Não eram apenas vestidos e fotos de sua vida colegial, de seu casamento e do nascimento de seus dois filhos. Eram além, algo mais, eram a maior prova de que seu choro tinha ou estava acobertado das mais certas razões, dos mais acertados motivo.

Karen sabia que aquela data seria um marco na sua vida. Precisava mudar, precisava encarar esse novo tempo. Precisava aceitar essa nova condição biológica. Teria de encontrar maneiras de vencer esse novo desafio. Precisava encontrar forças para lutar. No fundo sabia que o que presenciava de manhã seria progressivamente algo comum.

No fundo de seu lamento, no deserto de seus pensamentos mais pesados, sabia que o mundo não poderia acabar. A vida seguia. Novos ares seriam buscados. Qualquer coisa haveria de ser feita para romper com a tragédia de ter percebido seu primeiro cabelo branco.

Por FRANCISCO RODRIGUES PEDROSA   [email protected]

 

 

Crônicas de um Francisco

Mais da metade da população de Rio Branco vai gastar menos com presente no Dia das Mães

Publicado

em

Foto: Sérgio Vale/ac24horas

Aproximadamente 53% da população rio-branquense pretende presentear as mães neste domingo, 9, mas com gastos inferiores aos realizados no ano passado. A pesquisa, realizada de forma remota, foi feita pelo Sistema Fecomércio-Sesc-Senac/AC entre os dias 19 e 27 de abril, junto a 100 pessoas. Ainda de acordo com o levantamento, 18% admitem consumo maior que os de 2020.

Comercialmente, o Dia das Mães é a data mais importante do varejo, depois do Natal e Black Friday, em especial, no que se relaciona a gastos de consumo doméstico. Neste ano, o percentual está bem abaixo do verificado em 2020, quando 84% dos entrevistados afirmaram ter pretensão de gastos na data.

O estudo avaliou também os presentes preferidos pelos consumidores: 32% demonstra disposição para compras de “perfume”; seguidos de 17%, com tendência para “roupa”; outros 17%, produtos de beleza; 17%, com interesse em objetos diversos (celular, flores, doce), 10% devem preferir “calçados”¨; e 7%, “bijuterias”.

Para os principais presentes em destaques para homenagem no Dia das Mães, 70% da população se mostra disposta a gastos de até R$100 (22% até R$50 e 48%, entre R$51 a R$100). Outra parcela de 21% sinaliza pretensão de gastos entre R$101 a R$200 e 9% acima de R$200.

Quanto ao modo de pagamento dos gastos para o Dia das Mães de 2021, 56% da população de Rio Branco vão preferir a realização “à vista”, e 44% de forma parcelada. O estudo avaliou também o local escolhido pelos consumidores para os gastos, e, 39% dos entrevistados devem optar pelo comércio do centro da cidade, seguidos de outra parcela de 22% que vão ao shopping. São observados ainda, 17% com preferência pelo comércio eletrônico e dentre outros, 7% que sinalizam compras diretamente no comércio de sacolas.

Com informações da assessoria da Fecomércio do Acre.

Continuar lendo

Cotidiano

Bandidos armados invadem loja, fazem o limpa e são presos na Via Verde

Publicado

em

Mais uma ação rápida dos Policiais Militares do 2°Batalhão impediu que uma empresária tivesse um prejuízo de mais de R$ 10 mil. Os assaltantes Giovane Lucas Sousa Santos, 20 anos, Davi da Silva Limeira, 18 anos, e os adolescentes J.W.O e M.M.S, ambos de 17 anos, foram presos após invadirem a loja Jaque Confecções, render a proprietária e roubar vários pertences. O roubo aconteceu no bairro Santa Inês,  Segundo Distrito de Rio Branco.

A polícia foi acionada via Ciosp para atender a uma ocorrência de roubo a loja de confecções. Quarto homens armados em um Fiat Uno, de cor branca, placa NAD-5363, pararam na frente do estabelecimento e três dos criminosos invadiram a loja, renderam a proprietária com uma arma apontada para a sua cabeça e fizeram um limpa, subtraindo vários tênis, sandálias e roupas. A ação dos criminosos durou aproximadamente 10 minutos, os bandidos colocaram os pertences da loja no carro, roubaram o relógio e o anel da vítima e em seguida fugiram do local.

Durante patrulhamento na Via Verde, próximo ao Balneário Águas Claras, uma guarnição da polícia se deparou com o carro, houve um acompanhamento e o veículo foi abordado. Durante a revista no carro foi encontrado em posse dos criminosos, dois revólveres calibre 22, uma Garucha, um simulacro, um anel, um relógio e os pertences da loja. Foi feito uma consulta no sistema e foi constatado que o veículo em que os assaltantes estavam havia sido roubado no dia 8 deste mês por volta das 5h da madrugada.

Diante dos fatos o quarteto foi detido e encaminhado a Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) para os devidos procedimentos.

Continuar lendo

Crônicas de um Francisco

É preciso sacudir a Rede

Publicado

em

rede-de-bambu-web

Esqueçam as armas, os combates, as barricadas e os tambores! A guerra atual se ensaia e é travada nas redes sociais. No maior símbolo da expressão de um mundo sustentado na desigualdade e na informação, a internet, acumulam-se fatos e factoides.

As verdades são montadas, forjadas, climatizadas na frieza das artimanhas e nas tentativas tendenciosas de impor o seu quadro, a sua publicação. A verdade, aquela lá, distante e distanciada, perdida em algum lugar, se ausenta!
Nos sites de relacionamentos, formatam o pensamento, dividem as ideias, separaram as pessoas em duas classes: os da esquerda e os da direita.

Você não pode ficar fora desses dois lados. Nem que isso signifique que você não acredita em muitas coisas que essas duas frentes políticas vem mostrando e revelando. Mesmo que o que você quer é a reprovação e a condenação de todos os que mergulharam, sem a inocência infantil, na lagoa azul do crime contra o patrimônio público.

Ai começa a putaria! Abrem-se os bordeis! Não se sabe se é o cisne que pega o peixe ou se o peixe que vai pra morte.

As reportagens, as manchetes, as investigações, as decisões judiciais, enfim, tudo passa pelo filtro ideológico das afinidades políticas. Temos a impressão de que há um exército munido de brios e bravuras para detonar notícias e escândalos do outro.

O seu “doutor”, juiz, condenou o seu “bixim”. É de um partido de esquerda, foi golpe, manifestação das elites que querem morder a bunda dos revolucionários.

O mesmo seu “doutor” aceitou a denúncia contra o seu “zezim”. É da direita, é sacanagem, é injustiça, foi a esquerda que quando estava no poder conseguiu nutrir o judiciário de mentes vermelhas e avermelhadas.

A delação do “seu xikim” revela que milhões foram dados pro coelho da pascoa trazer ovos pra mim. Ah não, esse aí fazia parte do projeto político que tirou milhões da miséria e os colocou na pobreza. É mentira, difamação de uma elite quadrada que quer controlar ainda mais o Brasil.

A outra delação do seu “toim” forneceu documentos que comprometem um monte de políticos que pediram o impeachment da “lulu”. Ah não! Isso é um absurdo. Não podemos condenar ninguém antes da sentença. Além disso, as doações foram todas registradas e declaradas legais pelo pato que perdeu a pata.

E assim vamos! Cercados por cachoeiras de manchetes, tornados de acusações, campeonato de quem tirou o seu, mas “roubou” menos.

Nessa guerra de estrelas, nessa feroz batalha de quem brilha mais, há a certeza de que nenhum dos dois lados se sustenta, quando em fim raiar o dia.

Fale com Francisco Pedrosa no e-mail [email protected]

Continuar lendo

Crônicas de um Francisco

Quem ganha com a greve dos professores?

Publicado

em

O dia tinha amanhecido quente! Os organizadores do movimento grevista combinaram na tarde passada mostrar do que o sindicato poderia ser capaz. Como forma de demostrar para o governador o repúdio a suas declarações de que não há dinheiro para conceder as misérias que melhorariam um pouco as misérias dos professores, a categoria iria bloquear as duas pontes do centro da cidade no horário mais tumultuado. O caos seria completo!

Os líderes do movimento sabiam que a peleja era desigual, lutavam contra um governo que reunia nas suas coxas muito da história do sindicalismo público do estado. Os professores sabiam mesmo que o partido que criou, sustentou e legitima ideologicamente o governo tinha inúmeros ex/falsos-sindicalistas. Sujeitos que no passado propuseram o debate, articularam as preposições de luta e criaram aquela linguagem enfadonha e renitente de um fantasioso companheirismo. Ardia mais o fogo, quando vinha do que se imaginava amigo.

Meio dia! O sol de matar formiga, escaldante e rude, lençol típico da Amazônia nessa época do ano, batia nos rostos secos e fustigados de tanto descaso. Pronúncias das mais altas insatisfações, combate do vil combate, pulsos aos céus em intermitentes socos, os professores marcharam em gritos de guerra, formulando inúmeros cânticos e parodias em protesto ao trato que a educação recebe no estado.

Quem realmente perde com a greve dos professores? Quem definitivamente ganha com ela? Perguntas difíceis, dilemas que a mão não consegue tocar: portfólio da irresponsabilidade que já passa dos quinhentos anos. Celebrem, homenageiem quem disse um dia que o Brasil não é serio.

Seu Chiquim ganhou com a greve! Idoso que avançava os setenta, sugado pelo inconformismo das agruras que a vida lhe ofereceu, picolezeiro por opção de se manter vivo ainda, naquele dia, bem dizer, naquela manhã, vendeu todos os seus produtos rapidamente.
Em meio a tantas alegrias, teve tempo de voltar a sorveteria e recarregar seu carrinho uma vez mais de tantos quantos pudessem comportar. Vendeu todos mais uma vez. O apurado no fim do dia foi gordo, iria escolher uma carne com ossos menores no açougue, trocaria a havaiana que namorava uns pregos há tempos e levaria um leite de rosas para a mulher.

Seu Chiquim perdeu com a greve! Feliz da vida com o dia que teve, não se ateve a perceber que avançou nos pratos da janta, descontrolou-se no carinho e tentou ir bem além do beijo seco e do abraço que sustentava aquela santa relação. Não existia mais! O coração não estava preparado para tanta afetividade. Quis muito! Quis amar e demonstrar sua simples felicidade, rememorar os anos em que fechava os bares, e mulher nenhuma sentia algo maior longe de seus braços. O Chicão tinha morrido, só ele não sabia!

Continuar lendo

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas

error: Este conteúdo é protegido.