Conecte-se agora

PCdoB engole PT e faz presidente da Fetacre

Publicado

em

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) de Tarauacá, Manoel Cumarú, é o novo presidente da Fetacre (Federação dos Trabalhadores da Agricultura do Acre) a maior representação sindical do Estado, com 45 mil associados de um universo de 140 mil agricultores. Ele teve o apoio da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil) que acabou derrotando o candidato Rosildo  Rodrigues de Freitas, do STR de Brasileia, apoiado pela CUT (Central Única dos Trabalhadores). Cumarú foi eleito em congresso estadual realizado neste sábado na sede da entidade em Rio Branco.

“Não houve rompimento dos trabalhadores com a CUT, foi a entidade quem rompeu com a categoria quando decidiu partidarizar a eleição discriminando nossa candidatura. A partir daí passamos a dialogar com a CTB”, afirma Cumarú. Rosildo alega que houve fraude e vai denunciar o processo eleitoral ao Ministério Público Estadual.

“A eleição de Cumarú representa uma retomada da representação dos trabalhadores e trabalhadoras rurais para a construção de uma nova política agrícola em parceria com o Estado, mas com autonomia do movimento”, avalia José Chaves, presidente da CTB.  “Houve uma ruptura com o modelo de política que havia dentro da Federação, que desde sua fundação foi se acomodando e se distanciando das causas do trabalhador rural”, argumenta.

David Wylkerson, vice-presidente da CTB nacional e secretário-geral da Contag, acompanhou todo o processo eleitoral até o Congresso que culminou com a vitória de Cumaru neste sábado. “Houve um empenho e participação de todos os sindicatos de forma valorosa que permitiu um intenso debate em torno do processo. A vitória da chapa apoiada pela CTB tem um significado elevadíssimo diante da repercussão que se dará a nível nacional como também vai se somar a estratégia de ampliação da CTB na região Norte que até então no segmento rural tinha a hegemonia absoluta da CUT”, avalia David.

Segundo ele, 45% das categorias filiadas à CTB são de sindicatos de trabalhadores rurais das regiões Nordeste, Sudeste e Sul e Centro Oeste. “Com a vitória no Acre começamos a ampliar nosso espaço no Norte, onde temos filiados apenas no Pará e Tocantins. Assim consolidamos, também, nossa presença no cenário nacional”, comenta.  David informa que a CTB agrega dirigentes de diversos partidos, predominantemente do PT, PC do B e PSB. “A diferença é que a CUT só tem petistas”, esclarece.

Cumaru contou com o apoio de delegados de 15 sindicatos de trabalhadores rurais municipais. O racha ficou evidenciado logo na eleição dos delegados. Cada município teve o direito de enviar até seis representantes. Maria de Fátima Rocha Alves e Silva, por exemplo, foi eleita pela base para ser delegada do STR de Plácido de Castro, numa assembléia com quase 200 trabalhadores. “Os outros cinco, ligados à CUT, tentaram impugnar minha eleição depois de apurados os votos”, revela. “O presidente da mesa eleitoral, José Janes, teve que intervir”, comenta. “O clima era de guerra, truculência mesmo em meio a um churrasco pago pela chapa da situação”, lembra Janes.

O novo presidente da Fetacre recebeu apoio de delegados de 15 municípios e de um dos dois sindicatos de Rio Branco. Marechal Thaumaturgo, Santa Rosa do Purus, Jordão, Feijó, Manuel Urbano, Xapuri, Capixaba, Plácido, Porto Acre, Acrelândia, Senador Guiomard, Tarauacá e Cruzeiro do Sul deram vitoria esmagadora a Cumaru, 39 anos, que nasceu no seringal Paraíso, a 3 dias de barco pelo rio Muru, em Tarauacá.

Seu discurso defende uma revisão no modelo de agricultura familiar programado pelo Governo do Estado. Segundo ele, a imposição do Fogo Zero pelo Ministério Público Federal obriga rapidez para a substituição das queimadas como técnica de preparo do solo para a agricultura. “A mecanização agrícola nunca vai chegar aos ribeirinhos. Tem lugar que não entra trator de pneu ou de esteira”, afirma.

Cumuru afirma que o Governo tem recebido informações muito falsas do setor rural. “A Fetacre foi se apagando em seu papel que deveria ser de consultoria, de participação. O manejo de madeira, por exemplo, não alcança nem 5% dos agricultores. O programa de piscicultura nem 5%. Nós queremos ser parceiros do Governo, reconhecemos o esforço sobre humano do governador Tião Viana, defendemos o projeto político da Frente Popular, mas queremos ajudar mais”, disse.

Acre

Acre mantém nota B e empréstimos seguem avalizados pela União

Publicado

em

Em 2020, estados e municípios, incluindo estatais, tiveram um superávit de R$ 42,9 bilhões, o maior resultado primário da série histórica iniciada em 2000, e terminaram o ano com um acréscimo de R$ 31,1 bilhões no estoque de caixa e equivalente de caixa.

Para o Acre, segundo o Boletim de Finanças dos Entes Subnacionais divulgado nesta 3ª semana de setembro pelo Tesouro Nacional, uma boa notícia é que o Estado conseguiu manter, em 2021, nota B na Capacidade de Pagamento, feito que vem desde 2019.

A maioria dos Estados tem nota B. Dois estão em situação difícil, com nota C. Roraima e Rondônia estão entre os melhores, com nota A. Tendo em vista os tempos difíceis da pandemia da Covid-19, a nota foi bem recebida no governo. Em entrevista ao ac24horas, o secretário de Fazenda, Rômulo Grandidier, comemorou a nota:

“Mais uma vez apresentamos o bom resultado dos trabalhos que estamos realizando aqui na Secretaria da Fazenda. Dessa vez, em mais uma avaliação nos mantemos nossa capacidade de pagamento na nota B. O que consideramos ótimo, visto que, mesmo diante do cenário pandêmico, o Estado demonstra, mais uma vez, o seu compromisso em manter o cumprimento das regras de responsabilidade fiscal, além de honrar seus pagamentos”.

O diretor de Contabilidade da Sefaz, Eduardo Maia, a Capacidade de Pagamento do Estado realizada pela Secretaria do Tesouro Nacional visa apresentar de forma simples e transparente se um novo endividamento representa risco de crédito para o Tesouro Nacional. “A atribuição dessa nota indica que o Estado do Acre está apto para captar novos recursos de Operações de Créditos com a garantia da União e indica também a plena capacidade que o Estado tem de honrá-los”, disse Maia.

No agregado, os estados e o Distrito Federal apresentaram uma melhora de R$ 19,8 bilhões no resultado primário em relação ao exercício anterior, com um superavit de R$ 53,2 bilhões em 2020, o maior da série histórica. Esse resultado reflete um aumento de 6,8% das receitas primárias, enquanto as despesas cresceram 4,7% no período.

Já o resultado orçamentário, que é calculado pela diferença entre as receitas arrecadadas e todas as despesas empenhadas no exercício, manteve-se positivo em R$ 33,1 bilhões, um acréscimo significativo em relação ao resultado de 2019, de R$ 1,1 bilhão. Com isso, a necessidade de financiamento dos entes ficou negativa em R$ 17 bilhões, resultado inédito desde o início da publicação, em 2016.

Pelo lado da despesa, o destaque fica por conta da diminuição do ritmo do aumento do gasto com pessoal em 2020, ano em que 13 estados apresentaram redução real nessa rubrica. As maiores quedas foram observadas em Goiás (-7,9%) e Rio Grande do Sul (-5,2%), enquanto Alagoas e Paraíba apresentaram aumentos de 10,1% e 9,6%, respectivamente. De acordo com o documento, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Acre, Paraíba, Rio Grande do Sul, Amapá, Paraná e Sergipe apresentam alto comprometimento de suas receitas correntes líquidas (superior a 57%) com despesas com pessoal.

A melhoria nas contas dos Estados se reflete também no resultado da análise da capacidade de pagamento (Capag), classificação feita pelo Tesouro Nacional a partir da verificação de indicadores econômico-financeiros que refletem o grau de solvência e a saúde fiscal dos entes que querem contratar empréstimos com garantia da União. Para 2021, 20 estados receberam notas A ou B, que permitem ao ente receber garantias da União para novos empréstimos, contra apenas 10 em 2020.

Continuar lendo

Acre

Gestão do Hosmac é marcada por denuncias de assédio

Publicado

em

O Hospital de Saúde Mental do Acre (Hosmac) se tornou atualmente a unidade de saúde que mais necessita de forma urgente de uma intervenção do governo do estado. O hospital, que é de extrema importância para quem precisa de tratamento para distúrbios mentais no Acre, vive uma verdadeira e declarada guerra entre servidores que apoiam e os que são contrários a atual gestão, que tem Halisson Lima, como diretor do hospital. O mais sério é que os dois lados fazem graves acusações, que já estão, inclusive, na esfera judicial. No meio do fogo cruzado, ficam os pacientes, prejudicados pela troca de acusações.

De um lado estão os servidores que fazem graves acusações. O grupo de profissionais enviou uma carta endereçada ao governador Gladson Cameli com sérias acusações. A reportagem do ac24horas teve acesso ao documento e conversou com pelo menos três servidores, que pedem anonimato, mas que fazem parte do grupo que denuncia Halisson Lima.

Na carta, assinada por funcionários e familiares, o grupo solicita a intervenção do Hosmac e diz que há cerca de mais ou menos 2 anos a unidade vem passando por profundas mudanças, para pior. Denúncias graves de assédio sexual contra servidoras da unidade e ameaça de perda de contrato e até devolução de quem não cederia à suas investidas são expostas no documento. “O diretor usa de sua influência e de se dizer primo do governador para poder fazer atrocidades dentro da unidade”, diz a denúncia.

Os servidores afirmam que Halisson chegou a divulgar imagens pornográficas, onde aparece com mulher nua, em um grupo de whatsapp de servidores. Afirmam ainda que o diretor da unidade intimida os que são contra seu comportamento, coagindo quem pensa diferente dele, alguns funcionários estão adoecendo, com medo de deixar a unidade em que muitos trabalham há mais de 15 anos. Há 10 dias, parte do grupo foi recebido por uma comissão da Secretaria Estadual de Saúde onde puderam expor as denúncias contra a direção.

A reportagem procurou Halisson que se manifestou sobre as acusações. O diretor do Hospital se diz perseguido por ter feito mudanças na gestão do Hosmac que resultaram em perda de privilégios de servidores que não trabalhavam e que recebiam vantagens indevidas. Estou com minha consciência tranquila. Quem viu como era o Hosmac e é hoje sabe o que temos feito de melhorias para essa unidade de saúde. Eu sou perseguido apenas por fazer o correto enquanto gestor”, disse Halisson . O diretor comentou sobre as fotos enviadas ao grupo de whatsapp, “Fui inocente, achando que tinha amigos. Não era um grupo de servidores para assuntos de trabalho e sim entre amigos, onde todo mundo mandava esse tipo de conteúdo e não tinha nenhuma servidora envolvida”, explica.

Corte de privilégios, agressão e até investigação de apropriação de dinheiro de pacientes

De um outro lado, existem os servidores que apoiam a atual gestão e que denunciam que Halisson é vítima de uma perseguição de servidores por conta do corte de regalias. “Há uma panelinha dentro do Hosmac que desde o governo do PT faz o que bem entende dentro da unidade. Servidor que recebe plantão sem aparecer na unidade. O atual gerente mudou as rotinas. Tem profissional que bate em paciente e não é revelado”, afirma um servidor da área de enfermagem.

No entanto, há denúncias ainda mais graves. O ac24horas recebeu a informação de que foi descoberto o caso de servidor do Hosmac que teria a curatela de pacientes, receberia os salários de pacientes e não presta contas do recurso. A reportagem falou com duas famílias que teriam pacientes supostamente enganados por uma servidora. Os familiares confirmaram a situação, mas pediram para que os nomes dos envolvidos não fossem revelados no momento por se tratar de duas ações que já correm em segredo de justiça e temem ser penalizadas.

Existe ainda a denúncia contra um outro servidor que foi apurada pela atual gestão de que o profissional receberia “dinheiro por fora” para atender melhor pacientes com melhor situação financeira da família.

Tanto de um lado como outro, as denúncias são graves e merecem apuração célere por conta da Secretaria Estadual de Saúde e Ministério Público do Estado do Acre (MPAC) por se tratar de pacientes especiais, que muitas vezes estão fragilizados e que se encontram no meio dessa “guerra” entre os servidores que denunciam e apoiam a atual gestão do Hosmac.

Continuar lendo

Acre

Aliança para o Senado em 2022 é o assunto do Boa Conversa

Publicado

em

O Boa Conversa, exibido pelo ac24horas, na noite desta sexta-feira, 17, abordou diversos assuntos que movimentaram a política acreana nesta semana. O quadro foi conduzido pelo jornalista, Marcos Venicios, e teve comentários dos colunistas políticos Astério Moreira e Leonidas Badaró.

No programa, os jornalistas comentaram a aliança formada entre os deputados federais Jéssica Sales (MDB) e Alan Rick (DEM) e a senadora Mailza Gomes (Progressistas) com o objetivo principal a construção do nome que será apresentado para concorrer a vaga ao Senado em 2022.

A aliança liderada por Gladson tem cinco postulantes para a única vaga ao Senado Federal. A deputada federal Vanda Milani e a ex-esposa de Márcio Bittar, a militante Márcia Bittar não participaram do encontro e não integrarão o grupo.

No segundo bloco, os analistas comentaram a repercussão do Projeto de lei de autoria do Poder Executivo que pede a autorização da Assembleia Legislativa para contratar operação de crédito externo junto ao Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata – FONPLATA, no valor de até US$ 51.250.000,00 de dólares americanos, o equivalente em Reais a cerca de R$ 260 milhões.

Por fim, o assunto encerrou com a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do transporte coletivo de Rio Branco. A Comissão tem o escopo de investigar as causas dos problemas enfrentados no setor de transporte público de Rio Branco, bem como a condução do contrato de concessão firmado com as atuais empresas prestadoras de serviço.

A Comissão terá o prazo de 180 dias para desenvolver seus trabalhos e emitir relatório de conclusão.

Assista e compartilhe:

video

Continuar lendo

Acre

Com mais um caso, Acre volta a registrar morte por Covid-19

Publicado

em

Em boletim divulgado nesta sexta-feira, 17, a Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre) informou o registro de um novo caso e uma nova morte em razão do coronavírus nas últimas 24 horas.

Até o momento, o Acre registra 247.697 notificações de contaminação pela doença, sendo que 159.714 casos foram descartados e 12 exames de RT-PCR seguem aguardando análise do Laboratório Central de Saúde Pública do Acre (Lacen) ou do Centro de Infectologia Charles Mérieux.

85.935 pessoas já receberam alta médica da doença, sendo que 19 seguiam internadas até o fechamento deste boletim. Uma notificação de óbito foi registrada nesta sexta-feira, 17, fazendo com que o número oficial de mortes por Covid-19 suba para 1.817 em todo o estado.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Leia Também

Mais lidas